Spaven enzimático: para que serve, efeitos colaterais, dosagem

Spaven enzimático: para que serve, efeitos colaterais, dosagem

A enzima Espaven  é um medicamento indicado para dispepsia, uma doença causada por má digestão dos alimentos. Os sintomas associados incluem meteorismo (abdômen inchado por excesso de gases), síndrome do intestino irritável, insuficiência pancreática ou digestão inadequada de gordura.

É um medicamento altamente recomendado na maioria dos casos, sendo um dos mais consumidos na última década para combater esse tipo de doença gastrointestinal. No entanto, também possui algumas contra-indicações que serão detalhadas posteriormente.

Espaven Enzymatic é uma marca comercial que geralmente é apresentada em caixas de 10, 24, 40, 50 ou 60 comprimidos, embora isso possa depender da indústria farmacêutica de cada país.  

Composição 

O spaven enzimático possui vários componentes, cada um com uma função específica na formulação. A composição deste medicamento é a seguinte:

– Pancreatina a 1%.

Dimeticona.

– Celulase.

– Extrato seco de bílis de boi.

Devido às complexas interações químicas que ocorrem durante o processo digestivo, nenhum dos compostos enzimáticos de Spaven é eficaz se administrado isoladamente; daí a necessidade de administrar juntos. 

Mecanismo de ação 

Cada um dos componentes do Enzymatic Espaven tem um efeito terapêutico específico. O alívio dos sintomas da dispepsia é o resultado da sinergia de todos os efeitos individuais.

Pancreatina 

É uma enzima semelhante à amilase pancreática que ajuda na digestão de proteínas e carboidratos, facilitando sua hidrólise (fracionamento em seus menores componentes).

Esse é um dos principais componentes do enzima Espaven, uma vez que permite sua eficácia nos casos de insuficiência pancreática; isto é, quando o pâncreas do paciente não produz enzimas suficientes para que os processos digestivos prossigam normalmente.

Extrato seco de bile de carne 

Como as gorduras não se misturam à água e a maior parte do conteúdo intestinal é água, os componentes lipídicos precisam ser emulsificados de alguma forma para serem digeridos, e essa é precisamente a função da bile.

No entanto, em alguns pacientes, a produção de bile não é suficiente para cumprir essa função. Existem até casos em que, sendo suficientes suas características químicas específicas, a tornam menos eficaz.

Nessas situações, a bile exógena (externa) é administrada para que as gorduras presentes nos alimentos possam ser emulsificadas e digeridas; caso contrário, o paciente pode apresentar sintomas como inchaço, dor, diarréia e até esteatorréia (resíduo de gordura não digerida nas fezes).

Da mesma forma, em pacientes com uma quantidade normal e quimicamente perfeita de bile (que funciona sem problemas), pode ser que o desconforto digestivo ocorra antes de uma refeição grande, mais rica em gordura que o normal, de modo que a bile exógena também é útil.

Dimeticona

Sua função é reduzir a tensão superficial dos líquidos dentro do intestino. Dessa maneira, há menos tendência à formação de bolhas e os gases produzidos pela digestão tendem a se dissolver mais facilmente.

A dimeticona é o componente mais importante na redução da sensação de inchaço e flatulência.

Cellulase 

É uma enzima derivada de um fungo conhecido como Aspergillus  niger. Essa enzima é capaz de digerir celulose (um carboidrato composto) a partir de fibras vegetais, algo que os humanos não podem fazer porque não possuem a enzima.

A maioria das pessoas não sente nenhum desconforto associado à incapacidade de digerir as fibras, uma vez que as bactérias da flora intestinal são responsáveis ​​por esse processo. No entanto, em algumas ocasiões, podem ocorrer sintomas com inchaço ou dor abdominal, porque o processo de fermentação das fibras produz muito gás.

Nesses casos, a pessoa apresenta sintomas de dispepsia ao consumir fibras insolúveis, portanto a administração de celulase é necessária para facilitar a hidrólise da celulose.

Isso acabará por diminuir os sintomas digestivos associados ao processo de fermentação das fibras no nível da flora bacteriana, porque a enzima age mais rapidamente que as bactérias, reduzindo o substrato, para que possam degradar as fibras de maneira natural.

O que é o Enzymatic Espaven?

Spaven enzimático é útil em casos de dispepsia. Essa condição é um distúrbio digestivo que ocorre após uma refeição. Os sintomas mais óbvios são peso, dor de estômago, queimação ou flatulência. Entre os fatores determinantes de todos os itens acima destacam-se:

– Esteatorréia (restos de gordura não digerida nas fezes).

– Síndrome do intestino irritável (também conhecida como síndrome do intestino irritável).

– insuficiência pancreática.

– Várias deficiências de enzimas digestivas.

– Meteorismo e / ou flatulência.

– Transgressões alimentares (refeições grandes, muito ricas em gordura).

Em geral, em qualquer caso de dispepsia, este medicamento pode ajudar. No entanto, é muito importante não se automedicar e consultar um médico, pois, embora a maioria dos casos de dispepsia seja devida a doenças benignas, também há casos graves.

Algumas dessas condições são câncer pancreático, úlcera péptica e até câncer gástrico, cujos sintomas são muito semelhantes à dispepsia, embora seu tratamento seja totalmente diferente.

Contra-indicações

– A principal contra-indicação é conhecida hipersensibilidade (alergia) a qualquer um dos componentes.

– Seu uso deve ser evitado em casos de hepatite ou obstrução do ducto biliar.

– Não deve ser misturado com álcool, pois reduz sua eficácia.

– Deve ser usado com cautela em pacientes que recebem alguns medicamentos, como ciprofloxacina, ranitidina, ácido fólico, famotidina e fenitoína (a lista é muito mais longa, por isso é recomendável consultar o médico antes de usar este medicamento concomitantemente com outro medicamento) .

Efeitos secundários 

– Sendo um medicamento de ação local (dentro do trato digestivo) com baixa absorção, geralmente não são comuns efeitos sistêmicos. No entanto, certas reações adversas podem ocorrer localmente, sendo a mais comum a diarréia.

– Reações alérgicas podem ser desencadeadas em pacientes sensíveis a um ou mais componentes; Nesses casos, o uso deve ser descontinuado e opções terapêuticas alternativas devem ser buscadas. 

– Nos casos de gravidez e lactação, não foram realizados estudos clínicos de segurança controlados para o feto; portanto, é preferível evitá-lo, a menos que não haja uma opção mais segura e os sintomas de dispepsia sejam incapacitantes para a mãe.

Dosagem recomendada

O spaven enzimático é eficaz tomando 1 ou 2 comprimidos após cada refeição, três vezes ao dia. Não deve ser administrado a pacientes com menos de 12 anos de idade ou durante a gravidez, lactação e pediatria.

Referências

  1. Stone, JE, Scallan, AM, Donefer, E., & Ahlgren, E. (1969). Digestibilidade como uma função simples de uma molécula de tamanho semelhante a uma enzima celulase.
  2. Schneider, MU, Knoll-Ruzicka, ML, Domschke, S., Heptner, G., & Domschke, W. (1985). Terapia de reposição enzimática pancreática: efeitos comparativos da pancreatina microesférica convencional e com revestimento entérico e preparações de enzimas fúngicas estáveis ​​em ácido na esteatorreia na pancreatite crônica. Hepato-gastroenterology32 (2), 97-102.
  3. Fordtran, JS, Bunch, F. e Davis, GR (1982). LILACS – Tratamento da bile de boi na esteatorréia grave em paciente com ileectomia – ileostomia; Gastroenterologia82 (3), 564-568.
  4. Little, KH, Schiller, LR, Bilhartz, LE e Fordtran, JS (1992). Tratamento de esteatorréia grave com bile de boi em paciente com ileectomia com cólon residual. Doenças e ciências digestivas37 (6), 929-933.
  5. Schmidt, A. & Upmeyer, HJ (1995). Patente US No. 5.418.220 . Washington, DC: Escritório de Marcas e Patentes dos EUA.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies