Stridentismo: Antecedentes, Características, Autores e Obras

O estridentismo foi o único grupo de vanguarda artística e literária mexicana nos anos vinte. Foi um movimento artístico multidisciplinar de vanguarda, fundado pelo poeta mexicano Manuel Maples Arce (1898-1981) no final de 1921, e foi dissolvido em 1927.

Apesar de ter nascido na Cidade do México, o movimento se desenvolveu formalmente em Xalapa, quando a Universidade de Veracruz optou por apoiar o movimento. O estridentismo é mostrado como uma luta contra o academismo e os patriarcas da literatura nacional mexicana, tentando dar sua própria voz a manifestações artísticas insurgentes.

Stridentismo: Antecedentes, Características, Autores e Obras 1

Ilustração do livro Metropolis, de Manuel Maples Alce

Antecedentes

O movimento estridentista é gerado no meio de um processo de transformação, isto é, em um contexto de crise global. O início da Primeira Guerra Mundial tem repercussões na América Latina, embora não tenha participado ativamente do conflito.

O México precisava ser definido como nação, por isso são gerados trabalhos pictóricos e literários com uma forte identidade mexicana. Nos anos 20, no México, há um forte confronto geracional entre dois grupos de jovens: aqueles que defendem a reconstrução nacional e as gerações anteriores, que tentam permanecer no poder.

A revolução Mexicana

No início da Revolução Mexicana (1910), o México sofreu uma estagnação artística. O momento da revolução surge como uma oportunidade de renovação; é revelado o questionamento dos valores tradicionais e, com isso, o passo em direção à modernidade.

Tendências francesas

As sociedades modernas estavam imersas na era industrial, que aplaudia o machinismo e todos os elementos futuristas. O carro, o bonde, o avião, o telégrafo e o telefone, entre outras invenções, tornaram-se os protagonistas da modernidade.

Na literatura, formas modernistas e simbolistas manifestavam desgaste crônico: os escritores copiavam as tendências francesas até a exaustão.

Os escritores que viveram na época de Porfirio Díaz ainda estavam em seus pedestais após a ascensão de Madero ao poder e após o golpe militar de Victoriano Huerta . No entanto, muito poucos escritores viram a urgência de uma nova arte.

Características do estridentismo

Adoração ao progresso

O estridentismo foi caracterizado por moldar em direção ao espírito da modernidade, e o cosmopolitismo e o urbano ocupam o centro do palco. Havia um culto ao progresso associado aos avanços mecânicos.

Esse culto manifestou discordância com a estética atual da época, assumindo formas de humor negro, esnobismo e rejeição de tudo o que era passado. Nesse sentido, foi um movimento subversivo, tanto no sujeito quanto na forma das obras.

Os poetas e pintores estridentistas tinham uma certa obsessão estética com a cidade moderna, até concebendo uma utopia chamada “stridentópolis”.

Influências

O estridentismo compartilha algumas características do cubismo , dadaísmo , futurismo e ultraismo espanhol, mas seu foco está na dimensão social da Revolução Mexicana.

É por isso que os estridentistas também estavam relacionados aos movimentos insurgentes políticos confrontados com o elitismo do modernismo do grupo chamado Contemporâneos.

Dinamismo como eixo

O estridentismo é inspirado no caráter dinâmico do mundo moderno. O ritmo vertiginoso que grita as mudanças repentinas tanto artísticas quanto econômicas, políticas e sociais é o que impulsiona e define a vanguarda mexicana em todas as suas dimensões.

Autores e trabalhos destacados

Os membros do estridentismo eram poetas, pintores e escultores que souberam se impulsionar após a Revolução Mexicana com a intenção de transformar a estética que prevalecia até agora.

Essa necessidade de mudança respondeu a variações político-sociais; Todos os membros compartilharam um projeto cultural modernizador semelhante.

Principais representantes da vanguarda literária

– Manuel Maples Arce, poeta, iniciador do movimento e guru espiritual do grupo.
– Arqueles Vela, escritor narrativo.
– Lista alemã Arzubide, escritor de crônicas.

Andaimes interiores Poemas radiográficos foi o primeiro livro publicado pelo grupo em 1922. O trabalho foi escrito por Manuel Maples Arce.

Segundo o próprio autor, esta obra “está associada à idéia de que, enquanto o poeta constrói sua obra, ele constrói a si mesmo”. O livro funciona como um raio-x que mostra o mundo interior do poeta.

Luis Mario Schneider, estudante crítico de estridentismo, indica o seguinte sobre esse movimento:

«É, sem dúvida, o primeiro movimento literário mexicano que introduz algo novo neste século. Embora o mesmo não possa ser afirmado com relação às outras correntes de vanguarda com as quais coincide, porque as influências do futurismo, unanirnismo, dadaísmo, criacionismo e ultraismo são muito visíveis – apenas o relativismo da primeira era estridentista – no momento em que a ideologia social da Revolução Mexicana é adotada e incorporada à sua literatura, o movimento adquire solidez, organização e de alguma forma se separa do resto da vanguarda internacional ».

Poesia

Na poesia estridentista , vemos a ausência de lógica explicativa; também não há links gramaticais ou descrições anedóticas ou ornamentais. Segundo Marple Arce, ele procura “relacionar ou mesclar termos de comparação tão distantes que produzam surpresa ou expectativa”.

A poesia estridentista refletia esse culto ao progresso através da admiração da mecânica e dos novos avanços tecnológicos.

Experimentação

Os escritos estridentistas estavam cheios de experimentação formal e linguística e foram ilustrados por artistas estridentes, desenvolvendo um estilo específico para o movimento.

Eles produziram seus próprios livros ilustrados, revistas, panfletos e manifestos. A combinação de texto e imagem deu origem a sua estética para moldar o caráter político e artístico do movimento.

Como os futuristas, vemos nos stridentistas símbolos da modernidade: arranha-céus, aviões, telefones, ferrovias e cabos elétricos são a prova disso.

O internacionalismo artístico e o nacionalismo político se combinam para revolucionar a cena mexicana, artística e politicamente.

Exemplo

“Assaltantes literários não
entenderão nada
dessa nova beleza suada do século”.
( Cidade , Manuel Maples Arce).

Referências

  1. Prieto González, José Manuel (2011). “Estridentismo mexicano e sua construção da cidade moderna através da poesia e pintura.” Scripta Nova: Revista Eletrônica de Geografia e Ciências Sociais. Universidade de Barcelona Vol. XVI, n. 398. Disponível em ub.edu
  2. Mora, Francisco Javier (2000). “Estridentismo mexicano: sinais de uma revolução estética e política”. Anais da literatura hispano-americana. Universidade de Alicante Disponível em magazines.ucm.es
  3. Benedet, Sandra María (2008). A Narrativa do Estridentismo: Miss Etc. de Arqueles Vela. Revista Iberoamericana, Vol. LXXIV, No. 224. Universidade Roosevelt. Disponível em revista-iberoamericana.pitt.edu
  4. Caplow, Deborah (2016). Movimento Estridentista (1921-1928). Routledge Enciclopédia do Modernismo. Disponível em rem.routledge.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies