Substância negra: o que é, funções e distúrbios relacionados

A substância negra é uma área do cérebro responsável por produzir dopamina, um neurotransmissor essencial para o controle do movimento e das emoções. Localizada no mesencéfalo, essa região desempenha um papel fundamental na coordenação motora e no processamento de informações sensoriais.

Além disso, a substância negra está diretamente relacionada a alguns distúrbios neurológicos, como a doença de Parkinson, que é caracterizada pela degeneração progressiva das células dessa região e pela diminuição da produção de dopamina. Outros distúrbios, como a depressão e distúrbios do sono, também podem estar associados a disfunções na substância negra.

Portanto, compreender a importância e as funções da substância negra é essencial para o diagnóstico e tratamento de diversas condições neurológicas, permitindo uma abordagem mais eficaz e direcionada para a saúde do paciente.

Importância da substância negra no organismo humano: qual sua principal função?

A substância negra é uma região do cérebro responsável pela produção do neurotransmissor dopamina. Essa substância desempenha um papel fundamental no controle dos movimentos voluntários do corpo, na regulação do humor e na motivação. Portanto, sua principal função é garantir a comunicação adequada entre os neurônios, permitindo a realização de diversas atividades diárias de forma coordenada e eficiente.

Quando há uma deficiência de dopamina devido a problemas na substância negra, podem surgir distúrbios como a doença de Parkinson. Nessa condição, os pacientes apresentam tremores, rigidez muscular, lentidão nos movimentos e dificuldade de coordenação. Além disso, a falta de dopamina também pode estar relacionada a distúrbios de humor, como a depressão.

Portanto, é essencial manter a substância negra saudável para garantir o bom funcionamento do organismo e prevenir possíveis distúrbios. Alguns hábitos saudáveis que podem ajudar a preservar a saúde da substância negra incluem a prática regular de exercícios físicos, uma alimentação balanceada e a redução do estresse no dia a dia.

Portanto, é fundamental cuidar da saúde dessa região do cérebro para manter o corpo funcionando de forma adequada e prevenir distúrbios relacionados à deficiência de dopamina.

Localização da substância negra no organismo humano: descubra onde ela está presente em você!

A substância negra, também conhecida como locus niger, é uma região do cérebro responsável pela produção do neurotransmissor dopamina. Ela está localizada no mesencéfalo, uma parte do tronco encefálico, mais especificamente na região do tegmento mesencefálico.

A função principal da substância negra é regular o movimento e a coordenação motora, sendo essencial para o controle dos músculos e a realização de movimentos fluidos e precisos. Além disso, a dopamina produzida pela substância negra desempenha um papel importante no sistema de recompensa do cérebro, influenciando o humor, a motivação e a sensação de prazer.

Distúrbios relacionados à substância negra, como a doença de Parkinson, estão diretamente ligados à degeneração das células nervosas nessa região. Isso leva à diminuição da produção de dopamina e, consequentemente, a sintomas como tremores, rigidez muscular e dificuldade de movimento.

Portanto, a substância negra é uma parte crucial do sistema nervoso, com uma localização específica no mesencéfalo e funções essenciais para o controle do movimento e do humor. A compreensão da importância dessa região pode ajudar no desenvolvimento de tratamentos mais eficazes para distúrbios neurológicos relacionados.

Relacionado:  Somatostatina: características e efeitos desse hormônio

A função da substância negra no Parkinson: o que acontece com ela?

A substância negra é uma região do cérebro responsável pela produção de dopamina, um neurotransmissor essencial para o controle dos movimentos e da coordenação motora. No Parkinson, ocorre uma degeneração progressiva das células da substância negra, levando a uma diminuição na produção de dopamina.

Com a redução dos níveis de dopamina, os sintomas característicos da doença de Parkinson começam a se manifestar, como tremores, rigidez muscular, lentidão de movimentos e instabilidade postural. Esses sintomas afetam significativamente a qualidade de vida dos pacientes, tornando as atividades do dia a dia mais desafiadoras.

Além dos sintomas motores, a diminuição da dopamina também pode causar alterações cognitivas e emocionais, como depressão, ansiedade e dificuldade de concentração. Por isso, o tratamento do Parkinson muitas vezes envolve a reposição de dopamina por meio de medicamentos específicos, visando melhorar os sintomas e retardar a progressão da doença.

Por isso, é importante entender a importância dessa região do cérebro e buscar formas de preservar sua função para garantir uma melhor qualidade de vida aos indivíduos afetados pela doença.

A relevância da substância negra e do Núcleo rubro no mesencéfalo para a visão interna.

A substância negra e o Núcleo rubro são estruturas importantes localizadas no mesencéfalo, que desempenham um papel fundamental na visão interna. A substância negra é uma região rica em melanina, que está envolvida na regulação do movimento e na coordenação motora. Já o Núcleo rubro está relacionado com a coordenação dos movimentos finos e precisos.

Essas estruturas são essenciais para a visão interna, pois ajudam a controlar os movimentos oculares e a direção do olhar. A substância negra e o Núcleo rubro estão conectados a outras regiões do cérebro responsáveis pelo processamento visual, o que permite uma integração eficiente entre a informação visual e o controle motor.

Distúrbios que afetam a substância negra e o Núcleo rubro podem causar problemas na visão interna, como dificuldade para focar os olhos, movimentos oculares descoordenados e dificuldade de acompanhar objetos em movimento. Além disso, distúrbios nessas regiões podem estar relacionados a condições como a doença de Parkinson e a distonia.

Manter a saúde dessas estruturas é essencial para garantir um bom funcionamento do sistema visual.

Substância negra: o que é, funções e distúrbios relacionados

Substância negra: o que é, funções e distúrbios relacionados 1

O Parkinson ‘s doença e outros distúrbios cerebrais relacionadas com alterações na transmissão de dopamina , a qual depende da região do cérebro conhecida como a substantia nigra .

Mas o que exatamente é a substância negra? Neste artigo, revisaremos as funções dessa estrutura cerebral, suas características anatômicas e as doenças nas quais ela está envolvida.

Qual é a substância negra?

A substância negra faz parte dos gânglios da base , um sistema cerebral composto pelo neostriado, o globo pálido e o núcleo subtalâmico, além da substância negra.

Relacionado:  Oligodendrócitos: o que são, tipos e funções dessas células

Está localizado na parte do cérebro conhecida como “mesencéfalo”. Essa região é considerada parte do tronco cerebral e está relacionada ao movimento, consciência, estado de alerta, visão e audição.

No cérebro humano, encontramos substância negra nos dois lados da linha média. Ou seja, existe uma substância negra em cada hemisfério do cérebro.

A neuromelanina, um pigmento dos neurônios dopaminérgicos (abundante nessa região), dá nome à substância negra porque lhe dá seu tom escuro característico.

Peça compacta e peça reticulada

A substância negra é dividida em duas seções: a parte compacta e a parte reticulada . Cada um deles tem suas próprias funções e conecta o mesencéfalo com diferentes regiões do sistema nervoso.

A parte compacta transmite sinais para o resto dos gânglios da base. Ele projeta neurônios dopaminérgicos no neostriado, por isso tem um papel fundamental no início e na regulação das habilidades motoras finas.

A parte reticulada envia eferências dos gânglios da base para outras áreas do cérebro, como o tálamo, um núcleo essencial para a troca de informações entre estruturas subcorticais e o córtex cerebral.

Esta seção está intimamente relacionada ao globo pálido e seus neurônios usam o neurotransmissor GABA , que tem uma função inibidora no sistema nervoso, inclusive na atividade dopaminérgica da substância negra compacta.

A parte compacta é mais escura que a reticulada, pois, como dissemos, a neuromelanina é encontrada nos neurônios dopaminérgicos, mais numerosa na parte compacta do que na reticulada.

Quais são as suas funções?

A maioria das funções em que a substância negra está envolvida tem a ver com sua parte compacta e com dopamina. No entanto, a parte reticulada também influencia outros processos, especialmente inibição neuronal (através do GABA) e movimentos oculares.

1. Recompensa

A dopamina, que tem uma presença muito notável na parte compacta da substância negra, é secretada pelo corpo quando recebemos uma recompensa e causa sensações agradáveis , de modo que nos ajuda a prever quais comportamentos levarão ao reforço.

Dessa maneira, graças à substância negra, é realizada uma integração entre os estímulos e as reações, possibilitando que certos dados externos tornem possível a repetição de um determinado padrão de comportamento.

Os efeitos da dopamina e do sistema de recompensa cerebral explicam parcialmente a motivação para buscar reforços, prazer sexual ou o desenvolvimento de vícios. Em outras palavras, afeta tanto o uso adaptativo da aprendizagem quanto sua degeneração devido a vícios.

2. Motor fino

Os neurônios da parte compacta da substância negra regulam a ação do neostriado, diretamente envolvido na execução dos movimentos . Dessa forma, os gânglios da base, como um todo, influenciam as habilidades motoras em geral, enquanto a substância negra está mais especificamente relacionada ao controle e início de movimentos finos.

O trato nigrostriatal, formado por neurônios cujos somas estão localizados na substância negra, depende da dopamina. Danos nessa via dopaminérgica são a causa da doença de Parkinson.

Relacionado:  Uma investigação revela as chaves para a beleza do rosto feminino

3. Aprendizado

A parte compacta da substância negra tem um papel fundamental no aprendizado da resposta do cérebro aos estímulos. Essa região do cérebro é especialmente importante para a aprendizagem espacial.

A função facilitadora do aprendizado da substância negra também está relacionada à dopamina e seus efeitos reforçadores; especificamente, os neurônios dopaminérgicos parecem ser desencadeados em maior extensão diante de estímulos novos ou surpreendentes.

4. Processamento temporário

Foi demonstrado que lesões na parte compacta da substância negra causam déficits na percepção do tempo , particularmente na detecção de intervalos entre estímulos. Dessa maneira, cria-se uma noção da distribuição temporal na qual são seguidos os estímulos e as ações realizadas.

5. Movimentos oculares

As conexões da parte reticulada da substância negra com o tálamo estão envolvidas no controle dos movimentos sacádicos dos olhos , necessários para o processamento visual. Eles também contribuem para a estabilização do olhar, independentemente de alterações na posição da cabeça ou do rosto.

6. Regulação do sono

Estudos com ratos sugerem que os neurônios dopaminérgicos da parte compacta da substância negra são essenciais para regular o ciclo sono-vigília. Seu papel é especialmente importante no sono REM ou MOR (movimentos rápidos dos olhos).

Essa função pode explicar os problemas do sono que ocorrem com freqüência na doença de Parkinson, relacionados a lesões na substância negra.

Distúrbios relacionados

A doença de Parkinson é devida à degeneração dos neurônios dopaminérgicos da parte compacta da substância negra. De fato, a descoloração da substância negra que ocorre nesse distúrbio se deve à redução na densidade desse tipo de neurônio, que contém neuromelanina.

Muitos dos sintomas característicos de Parkinson estão relacionados a um déficit nas funções da substância negra: tremores em repouso, lentidão de movimentos, rigidez, humor baixo, distúrbios do sono, etc.

A ativação anormal dos neurônios da substância negra tem sido relacionada tanto aos sintomas da doença de Parkinson quanto à ocorrência de crises epilépticas.

A dopamina e a substância negra também estão envolvidas na esquizofrenia . As vias dopaminérgicas são alteradas nesse distúrbio e os níveis de dopamina geralmente são muito altos. Além disso, na esquizofrenia, ocorrem mudanças estruturais na substância negra.

  • Você pode estar interessado: ” Os 6 tipos de esquizofrenia e características associadas “

Referências bibliográficas:

  • Deransart, C., Hellwig, B., Heupel-Reuter, M., Léger, JF, Heck, D. & Lücking, CH (2003). Análise unitária de neurônios da substância negra pars reticulata em ratos de comportamento livre com epilepsia de ausência genética. Epilepsia, 44 (12), 1513-20.
  • Lima, MMS, Andersen, ML, Reksidler, AB, Vital, MABF e Tufik, S. (2007). O papel da substância negra pars compacta na regulação dos padrões de sono em ratos. Biblioteca Pública de Ciências, 2 (6), e513.
  • Matell, MS & Heck, WH (2000). Mecanismos neuropsicológicos do comportamento do intervalo de tempo. BioEssays, 22 (1), 94-103.

Deixe um comentário