Tanquetazo: antecedentes, causas e consequências

O Tanquetazo , também conhecido como Tancazo, foi uma tentativa de golpe contra o governo de Salvador Allende, no Chile. O levante ocorreu em 29 de junho de 1973, quando o tenente-coronel Roberto Souper, comandando um regimento blindado, fato que dá nome à intenção, tentou derrubar o presidente eleito.

A vitória da Unidade Popular nas eleições de 1970 causou o mal-estar dos setores mais conservadores da sociedade chilena. Seu compromisso com o socialismo democrático os fez temer uma mudança nas estruturas sociais e econômicas. A essa oposição interna deve ser adicionada a hostilidade aberta dos Estados Unidos.

Tanquetazo: antecedentes, causas e consequências 1

Salvador Allende – Fonte: Biblioteca do Congresso Nacional do Chile [CC BY-SA 3.0 cl (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/cl/deed.en)]

A partir de 1972, a economia chilena sofreu grandes problemas. Fatores internos e externos causaram problemas no suprimento de alimentos e o mercado negro aumentou. Por seu lado, um grande setor das Forças Armadas, tradicionalmente conservador, decidiu agir por conta própria.

Apesar do fracasso do Tanquetazo, apenas alguns meses depois houve outro golpe que derrubou Allende da presidência. O líder desse levante foi Augusto Pinochet, que havia desempenhado um papel bastante sombrio durante a primeira tentativa.

Antecedentes

A Unidade Popular era uma candidatura unitária de vários partidos da esquerda chilena antes das eleições de 1970. Em janeiro daquele ano, Salvador Allende foi nomeado candidato à presidência.

Em 4 de setembro do mesmo ano, a votação foi realizada e Allende assumiu a presidência.

O governo popular

O governo presidido por Salvador Allende era uma novidade na região. Foi a primeira vez que o socialismo estava tentando implementar por meios democráticos.

Uma das primeiras medidas do novo governante foi retomar as relações diplomáticas com os países socialistas, incluindo Cuba, que estava sob um bloqueio imposto pelos Estados Unidos.

No campo socioeconômico, Allende aprofundou a Reforma Agrária, expropriando terras. Assim, em 1972, ele pôs fim às propriedades. Além disso, ele começou a nacionalizar o cobre, algo que até os partidos de direita aprovaram no Congresso.

Relacionado:  Culturas do Peru: características, sociedade, religião, localização

O Estado iniciou um processo de recuperação das principais empresas do país, comprando as 100 mais importantes. Da mesma forma, ele nacionalizou o banco privado.

Todas essas medidas não foram apreciadas pelos setores mais conservadores, formados pela oligarquia financeira chilena.

Estados Unidos

O governo de Allende não apenas encontrou oposição da direita chilena. No exterior, a reação dos Estados Unidos foi rápida. Entre as represálias adotadas estavam o congelamento das vendas de cobre, além de bloquear boa parte das importações.

Da mesma forma, como evidenciado pelos documentos desclassificados pelos próprios Estados Unidos, logo iniciou campanhas de sabotagem econômica no interior do Chile, além de pressionar as Forças Armadas a dar um golpe de estado.

Eleições Parlamentares de 1973

A economia chilena começou a vacilar em 1972. No entanto, as eleições legislativas de março de 1973 significaram uma vitória para a União Popular, que obteve 45% dos votos.

O golpe

O Tanquetazo foi liderado pelo tenente-coronel Roberto Souper. Com o Regimento Blindado Nº 2, ele tentou derrubar o Presidente Allende em 29 de junho de 1973.

O nome vem do fato de que no levante foram usados ​​principalmente tanques. Após algumas horas de tensão, os soldados leais, comandante em chefe do exército, conseguiram reprimir a rebelião.

Causas

Contexto internacional

A Guerra Fria e a Revolução Cubana foram dois dos fatores que causaram a hostilidade dos Estados Unidos contra o governo de esquerda de Allende. Os documentos desclassificados pelas autoridades americanas mostram que os movimentos contra ele começaram na mesma eleição.

Nas conversas, também desclassificadas, entre o presidente Nixon e o conselheiro de segurança nacional, Henry Kissinger, você pode ouvir os detalhes sobre a participação americana na desestabilização do governo de Allende.

Relacionado:  Nicolás Bravo: Biografia e Contribuições

Nessas mesmas conversas, os dois políticos americanos explicaram como o principal problema com Allende, além das considerações ideológicas, foi a decisão de nacionalizar as empresas americanas que operavam no Chile.

Entre as medidas tomadas pelos Estados Unidos, estava a pressão contra as instituições de crédito para não conceder empréstimos ao governo chileno, impedindo-o de renegociar sua dívida externa.

Crise econômica

Depois de alguns meses com bons resultados econômicos, desde 1972, o Chile entrou em uma grande crise.

O déficit público aumentou significativamente, devido aos gastos do Estado dedicados a assuntos sociais e ajuda a empresas públicas. Essa despesa, dada a impossibilidade de recorrer ao exterior, foi financiada por emissões do Banco Central.

Logo houve períodos de escassez e o mercado negro apareceu fortemente. Algumas mercadorias deixaram de ser encontradas nas lojas.

Crise política

As eleições parlamentares de março de 1973 foram vencidas, novamente, pela Unidade Popular. A oposição havia aparecido em coalizão com a intenção de obter dois terços dos assentos e, assim, demitir o presidente.

Allende tentou abordar a democracia cristã para encontrar soluções para a crise, mas encontrou uma boa recepção, mesmo quando teve a mediação do cardeal Raúl Silva.

Naquela época, o presidente já tinha medo de um golpe militar. A única coisa que o impediu foi que o comandante em chefe, Carlos Prats, fosse fiel à Constituição.

Consequências

Quando Souper percebeu que seu levante havia sido derrotado, ele se rendeu às autoridades. Allende convocou durante a tarde no mesmo dia uma manifestação em frente ao Palácio de la Moneda. O Presidente saiu para a varanda com os três Comandantes em Chefe das Forças Armadas e agradeceu por sua atuação durante o golpe.

Relacionado:  Guerras napoleônicas: antecedentes, causas e consequências

No mesmo dia, Allende pediu ao Congresso que declarasse o estado de sítio por seis meses.

Pinochet

Segundo os historiadores, o fracasso do Tanquetazo foi devido ao desempenho de Carlos Prats, comandante em chefe do Exército. Outra causa foi que o Regimento de Infantaria Nº 1 Buin não aderiu à intenção, ao contrário do que era esperado.

Precisamente, no Buin estava Augusto Pinochet, então chefe do Estado Maior. O general apareceu em La Moneda ao meio-dia, em uniforme de combate. Naquela época, porém, os rebeldes já haviam decidido se retirar. Isso levou muitos especialistas a pensar que Pinochet estava tocando duas bandas.

Golpe de 11 de setembro

Augusto Pinochet liderou o golpe de estado que, em 11 de setembro do mesmo ano, encerrou o governo e a vida de Salvador Allende.

Nesta ocasião, os três ramos do Exército agiram em coordenação e não encontraram muita resistência em grande parte do país.

O próprio general Pinochet disse que o Tanquetazo havia servido para os serviços de inteligência das Forças Armadas para provar a capacidade de se defender com as armas dos apoiadores da Unidade Popular.

Referências

  1. O cidadão. 34 anos após uma tentativa de golpe com mais de 30 assassinatos: Crônica de Tanquetazo que matou Leonardo Henrichsen. Obtido em elciudadano.cl
  2. Andrés, Roberto. O Tanquetazo: a revolta militar que antecipava a derrubada de Salvador Allende. Obtido em laizquierdadiario.com
  3. Memória chilena O governo da Unidade Popular (1970-1973). Obtido de memoriachilena.gob.cl
  4. Devine, Jack. O que realmente aconteceu no Chile. Obtido em Foreignaffairs.com
  5. Kornbluh, Peter. Kissinger e Chile: o registro desclassificado. Obtido em nsarchive2.gwu.edu
  6. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Salvador Allende Obtido em britannica.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies