Ted Bundy: Biografia e vítimas

Ted Bundy (Burlington, Vermont, 24 de novembro de 1946 – Bradford, Flórida, 24 de janeiro de 1989), cujo nome completo era Theodore “Ted” Robert Cowell Bundy, era um serial killer de mulheres. Ele era um homem atraente, amigável e inteligente, capaz de transmitir grande confiança.

No entanto, por trás de todos esses atributos havia um psicopata que assassinou cerca de 36 mulheres, embora os analistas acreditem que o número esteja realmente perto de 100 vítimas.

Ted Bundy: Biografia e vítimas 1

Ele foi um dos mais famosos serial killers da história. O assassino exercia um fascínio mórbido entre o público. Apesar de seus crimes, ele recebeu centenas de cartas de amor na prisão e chegou a se casar com um de seus fãs.

Para muitos pesquisadores, Bundy não se encaixava no perfil de um psicopata. Ele tinha uma personalidade adorável, ele era bonito e um manipulador experiente.

Infância e estudos

Ted Bundy nasceu em 24 de novembro de 1946 na cidade de Burlington, localizada no estado de Vermont, nos Estados Unidos. Sua mãe era Louise Cowell, que o teve quando ele era muito jovem.

Dizem que seu pai biológico era um veterano da força aérea, mas que nunca o conheceu. Cowell veio de uma família puritana, então o menino era considerado uma vergonha.

Bundy sofreu a rejeição de sua mãe, que o tratou não como filho, mas como irmão mais novo. Durante seus primeiros quatro anos, o menino morou com seus avós e, de fato, ele acreditava que esses eram seus pais. Seu avô costumava ser um homem violento que freqüentemente abusava fisicamente de sua esposa.

Em 1950, Bundy e sua mãe se mudaram com outros parentes que moravam em Tacoma, no estado de Washington. Naquele lugar, Louise conheceu Johnnie Culpepper Bundy, cozinheiro do exército. Louise e Johnnie se casaram em 1951. Quatro filhos nasceram desse casamento. Embora Ted adotasse o sobrenome do marido de sua mãe, eles nunca criaram um vínculo emocional.

Ted Bundy: Biografia e vítimas 2

Anuário na Woodrow Wilson High School, Tacoma, Washington (1965).

Sua infância e adolescência poderiam ser relativamente normais, mas a rejeição que ele sofreu durante seus primeiros anos de vida deixou sequelas que se tornaram visíveis na adolescência.

O que o levou a desenvolver uma personalidade tímida, com um caráter um tanto infantil e uma tendência ao isolamento. Ele não apenas começou a se afastar de seus companheiros, mas também adotou um comportamento cruel e estranho em relação a tudo ao seu redor. Dizia-se que o jovem mutilava os animais que pegava.

Ted Bundy era um aluno exemplar e estimado pelos professores. Ele começou a estudar na Universidade de Puget Sound, em Tacoma, para se formar em psicologia.

Em 1967, ele começou a namorar Stephanie Brooks, mas dois anos depois a jovem se formou como psicóloga e terminou o relacionamento porque o considerava um homem sem objetivos. A partir desse momento, o garoto ficou obcecado por ela e tentou manter contato através de cartas.

Depois desse problema pessoal, ele abandonou seus estudos por um tempo. Mais tarde, ele retornou à Universidade de Washington, onde se matriculou para estudar direito.

Naquela época, ele começou um novo relacionamento com Meg Anders, uma mulher divorciada e uma filha pequena. O relacionamento durou 5 anos.

Em seus anos de estudante, ele também se envolveu em política. Ele foi considerado uma promessa jovem do Partido Republicano por seu trabalho ativo em campanhas políticas.

No entanto, parece que ele ficou decepcionado logo e começou a sentir que não se encaixava na sociedade em que morava. Foi então que ele deixou de ser um jovem jovial e carismático e tornou-se um serial killer.

O início dos assassinatos em série

Bundy não passou de um bom estudante universitário a um serial killer sem passar por estágios criminais iniciais. Seus primeiros crimes foram furtos praticados em algumas casas e lojas sob a influência de álcool.

Sua abordagem ao seu comportamento violento ocorreu em 4 de janeiro de 1974, quando ele tinha 27 anos. Naquele dia, ele entrou na sala de uma jovem estudante universitária, onde a atingiu com uma barra de ferro e a estuprou.

Joni Lenz, 18 anos, foi encontrada gravemente ferida e, apesar de ter sobrevivido, sofreu danos cerebrais permanentes.

O segundo ataque perpetrado por Bundy ocorreu um mês após esse episódio. O psicopata atacou uma estudante de psicologia da Universidade de Washington chamada Lynda Ann Healy usando o mesmo modus operandi.

Ele entrou no quarto da menina de 21 anos e bateu nela para deixá-la inconsciente. Lynda teve um destino fatal. Bundy tirou o corpo da escola e seus restos mortais foram encontrados em uma montanha próxima um ano após o sequestro.

Seus ataques o tornaram cada vez mais confiante para cometer seus crimes. Durante a primavera e o verão de 1974, foi relatado o desaparecimento de várias meninas e mães jovens da universidade.

Ted Bundy: Biografia e vítimas 3

No começo, sequestrava mulheres apenas à noite. Ele os seguiu pelas ruas e depois os atacou em sua própria casa, estrangulando-os e atingindo-os. No entanto, mais tarde ele começou a se dirigir às vítimas no dia.

Usando sua atratividade física e carisma, ele pediu ajuda às jovens que fingiam ter um braço ou uma perna quebrados.

S e supermercados passeado e campi universitários com uma tipóia ou muletas e precisava de uma garota para ajudá-lo cresceu. Quando o acompanharam até o carro, o assassino os atingiu com uma alavanca e os sequestrou.

Ele fez isso com mais de trinta mulheres. O estilo das garotas que eu procurava era sempre o mesmo. Mulheres com cabelos longos e escuros, penteados com uma faixa no meio.

Essa era a preferência dele, pois essas jovens o lembravam de sua ex-namorada Stephanie Brooks. Para impedir a polícia de identificar seus empregadores, ele começou a viajar por diferentes estados do país, cometendo crimes em Washington, Colorado, Utah, Oregon e Flórida.

As autoridades nunca foram capazes de determinar o número exato de mulheres atacadas por Bundy durante a década de 1970. Embora ele tenha confessado mais de trinta assassinatos, diz-se que o número pode chegar a 100 vítimas.

Os registros desses crimes indicavam diferentes horrores: de estupros a desmembramentos e práticas necrófilas.

Seu comportamento doentio o levou a voltar frequentemente às cenas de crime. De fato, até se descobriu que em várias ocasiões o assassino levou para casa as cabeças decapitadas de suas vítimas para compensar.

Captura e vazamento

Ted Bundy foi preso pela primeira vez em 16 de agosto de 1975. A polícia o prendeu para verificar seu registro e, quando revistaram o veículo, encontraram uma série de elementos que iniciaram uma investigação.

Entre as coisas encontradas no porta-malas estavam uma alavanca de metal, capuz e algemas. Além de algumas contas de gás que o colocaram nos lugares de alguns sequestros.

Ted Bundy: Biografia e vítimas 4

A foto do FBI de Ted Bundy, quando foi colocada na lista dos dez fugitivos mais procurados.

Em fevereiro de 1976, ele foi processado por seqüestro agravado. Em junho daquele ano, ele foi condenado a 15 anos de prisão, com a possibilidade de liberdade condicional.

Depois de examinar o veículo Volkswagen no qual ele foi preso, foram encontradas evidências do assassinato de duas mulheres: Melissa Smith e Caryn Campbell.

Para o segundo julgamento, ele decidiu que como advogado era, se defenderia. Ele foi autorizado a ir à biblioteca de Aspen Court, no Colorado, onde fugiu quando pulou de um segundo andar. Ele foi fugitivo por seis dias até ser pego novamente. No entanto, na véspera da véspera de Ano Novo, ele escapou novamente.

Bundy foi fugitivo por dois meses, tempo que levou para cometer mais crimes. Ele conseguiu chegar à Flórida.

Ele mudou sua imagem e também seu nome. Em janeiro de 1977, ele entrou no edifício da fraternidade Chi Omega, onde matou duas meninas e feriu mais dois jovens.

No entanto, embora os crimes na residência feminina tenham tido um grande impacto na comunidade, o crime que mais chocou a sociedade foi o de Kimberly Leach, uma adolescente de 12 anos que foi brutalmente estuprada e assassinada por Bundy. A captura final do assassino ocorreu no estado da Flórida.

O julgamento final e sua execução

Após sua captura, muitos estados do país alegaram levá-lo à justiça. No entanto, o primeiro julgamento foi realizado na Flórida em junho de 1979.

Lá, ele foi julgado pelos crimes da fraternidade Chi Omega. Bundy se defendeu e fez o julgamento que muitos chamavam de “espetáculo lamentável”.

Ted Bundy: Biografia e vítimas 5

No tribunal, 1979.

Apesar de suas tentativas de defesa, a evidência foi esmagadora. Não apenas com o testemunho de Nita Neary, uma jovem que o viu deixar a fraternidade depois de cometer os assassinatos, mas também com as evidências apresentadas pelo dentista Souviron.

Este médico determinou que as marcas de mordida encontradas no corpo de uma das vítimas correspondiam aos dentes de Bundy. Sua mãe também foi chamada para defender a defesa.

Após mais de seis horas de deliberação, em 31 de julho de 1979, o júri considerou Ted Bundy culpado de 14 homicídios em primeiro grau. Ele ouviu o veredicto com serenidade e sem demonstrar nenhuma emoção. Enquanto isso, sua mãe implorava piedade. O juiz sentenciou o assassino à pena de morte na cadeira elétrica.

Embora o criminoso já tivesse sido condenado à morte, ele também foi processado pelo assassinato de Kimberly Leach, a menina de 12 anos de idade. Ele tentou se desculpar alegando deficiência mental. No entanto, sua estratégia não funcionou e foi considerado culpado.

Ted Bundy foi executado em 24 de janeiro de 1989, nove anos após sua sentença. Assim como capturá-lo foi difícil, também foi sua morte. O assassino, alegando sua inocência, recorreu da sentença várias vezes. Graças a isso, sua execução foi atrasada várias vezes.

Ted Bundy: Biografia e vítimas 6

Ted Bundy, 13 de fevereiro de 1980.

Um de seus métodos para adiar sua morte iminente foi a confissão de detalhes de seus outros crimes. Em uma ocasião, Bundy e seus advogados solicitaram uma prorrogação de três anos para confessar os outros assassinatos.

No entanto, isso foi negado. Apesar de suas propostas de contar tudo e das várias entrevistas que ele concedeu, ele nunca estava realmente disposto a confessar tudo, então as informações de muitos de seus crimes morreram com ele.

Doença de Ted Bundy

Durante seu julgamento, Ted Bundy mostrou como ele estava perturbado. Muitos os consideravam um assassino organizado e desorganizado ao mesmo tempo.

Às vezes, mostrava uma personalidade imatura, sendo descuidado em deixar evidências nas cenas do crime, mas outras vezes preparava os locais com cuidado e selecionava muito bem as vítimas sem deixar vestígios. Isso poderia ter sido por causa de sua personalidade esquizofrênica.

Alguns dos testes psiquiátricos realizados catalogaram seu comportamento como o de uma pessoa esquizofrênica .

Bundy sofria de mudanças repentinas de humor, era impulsivo, tinha um grande desejo de destaque, além de ataques de histeria. Também mostrava sinais de dupla personalidade , não mostrava emoções, sentia rejeição à sociedade, sofria de complexo de inferioridade, entre muitas outras coisas.

Em 1987, ele foi diagnosticado pelo psiquiatra Dorothy Otnow Lewis como um maníaco-depressivo. A especialista concluiu que seus crimes geralmente ocorriam durante seus episódios depressivos.

Em seu exame psiquiátrico, ele explicou detalhes de sua infância e descreveu seu avô como uma pessoa extremamente violenta que abusou de sua esposa, torturou animais e também era racista. Por sua parte, o assassino descreveu sua avó como uma mulher tímida, com ataques de depressão .

Especialistas apontaram que as vítimas de Bundy eram uma representação não apenas de sua ex-namorada, mas também de sua própria mãe.

De fato, o próprio criminoso confessou aos psiquiatras que a raiva que ele havia aliviado nas mulheres que assassinara era realmente dirigida a sua mãe por tê-lo abandonado.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies