Tenecteplase: para que serve, estrutura, mecanismo de ação, dosagem

Tenecteplase: para que serve, estrutura, mecanismo de ação, dosagem

A tenecteplase é um ativador de plasminogênio tecidual (tPA) sintetizado pela indústria farmacêutica por técnicas de DNA recombinante aplicadas em uma linhagem celular derivada de células de ovário de hamster chinês.

O processo de coagulação do sangue, que termina com a formação de um trombo e a retração do coágulo, é continuado com uma fase chamada fibrinólise. Essa fase é caracterizada pela dissolução do trombo por fragmentação do polímero de fibrina em peptídeos menores e mais solúveis e recanalização do vaso ou vasos, onde ocorreu a coagulação.

Esse processo fibrinolítico requer a participação de uma proteína sanguínea do grupo de globulinas plasmáticas denominadas plasminogênio ou profibrinolisina, de cerca de 81 kDa, sintetizadas no fígado e normalmente presentes no sangue circulante. Esse plasminogênio fica preso durante a coagulação entre as redes de fibrina que compõem o trombo.

O plasminogênio per se carece de qualquer ação fibrinolítica, uma ação que só aparece quando a molécula original é ativada e convertida em plasmina ou fibrinolisina, que é uma protease de serina muito semelhante à tripsina, a enzima proteolítica digestiva proteolítica mais importante. pancreático.

A plasmina tem uma alta afinidade pela fibrina, que se decompõe em pequenos peptídeos solúveis que, por sua vez, inibem a ação da trombina e a subsequente produção de mais fibrina. Também exerce uma ação proteolítica no fibrinogênio, na protrombina e nos fatores de coagulação V, VIII, IX, XI e XII, reduzindo também a capacidade coagulatória do sangue.

A partir dessa tabela, deduz-se que a plasmina influencia os processos de coagulação sanguínea de duas maneiras, pois, por um lado, produz a dissolução do trombo por meio de sua ação fibrinolítica e, por outro, interfere na coagulação por sua ação proteolítica. sobre os principais fatores do processo de coagulação.

Para que serve o tenecteplase ?

A ativação do plasminogênio ocorre pela ação individual ou combinada de um conjunto de substâncias que são chamadas genericamente de ativadores de plasminogênio e que, de acordo com sua origem, são agrupadas em ativadores de plasminogênio: sangue, urinário, tecido e microorganismos. .

Relacionado:  Doenças e prevenção do sistema ósseo

Sendo um ativador tecidual do plasminogênio que o converte em plasmina, sendo a plasmina o agente fibrinolítico por excelência, uma vez que o tenecteplase é utilizado para fibrinólise terapêutica no infarto agudo do miocárdio, derrames tromboembólicos e tromboembolismo pulmonar.

Estrutura da molécula

A tenecteplase é uma glicoproteína que possui 527 aminoácidos em sua estrutura primária e na qual se distinguem dois domínios básicos, um chamado domínio kringle e o outro correspondente ao domínio protease.

O domínio kringle é uma área da proteína que se dobra em grandes voltas que são estabilizadas por ligações dissulfeto. Esse tipo de domínio é muito importante porque permite interações proteína-proteína com fatores de coagulação do sangue e recebe o nome de um bolo escandinavo cuja forma se assemelha.

O domínio da protease é a área da molécula que possui a atividade proteolítica que confere à enzima sua própria função ativadora.

A estrutura da molécula é muito semelhante à do tPA humano natural, no entanto, a tecnologia do DNA recombinante permitiu a introdução de algumas modificações em seu DNA complementar (cDNA) que conferem à proteína codificada algumas vantagens terapêuticas.

Tais modificações incluem a substituição de treonina na posição 103 por asparagina e asparagina 117 por glutamina, alterações que estão localizadas no domínio kringle; enquanto no domínio da protease um conjunto de tetra-alanina foi alcançado na faixa posicional 296-299.

Mecanismo de ação

O mecanismo de ação da tenecteplase é semelhante ao do tPA natural. Uma vez formado o trombo, o plasminogênio em sua forma inativa se liga à fibrina sem exercer nenhuma ação proteolítica sobre ele.

O tPA produzido pelas células endoteliais se liga à fibrina, adquirindo sua propriedade ativadora do plasminogênio na plasmina, a substância que desencadeia a fibrinólise.

As modificações produzidas na molécula de tPA e incorporadas na tenecteplase tornam a ação ativadora dessa substância no plasminogênio mais sensível à presença de fibrina. Especificidade da fibrina que limita sua ação a locais onde há trombos e reduz a ativação sistêmica do plasminogênio e a degradação resultante do fibrinogênio plasmático.

Relacionado:  Escala de Daniels: descrição, critérios, preparação para teste muscular

Apresentação

A dosagem ou potência da substância é expressa em mg e em unidades (U) de tenecteplase. As unidades representam um padrão de referência específico para a droga e não são comparáveis ​​com as unidades de outros agentes trombolíticos. Um mg é igual a 200 unidades (U).

Uma forma comercial é o Metalyse , que vem em duas apresentações, cada uma com um frasco com o produto na forma de pó branco e uma seringa pré-cheia transparente e incolor com solvente para reconstituição.

Num deles, o frasco para injetáveis ​​contém 8000 unidades (40 mg) e a seringa 8 ml de solvente. No outro, o frasco para injetáveis ​​contém 10.000 U (50 mg) e a seringa contém 10 ml. Nos dois casos, uma vez reconstituída a solução, adicionando o conteúdo da seringa ao frasco correspondente, esta conterá 1000 unidades (5 mg) para cada ml e parecerá límpida e incolor ou ligeiramente amarela.

Dose

O tratamento com Tenecteplase deve ser iniciado o mais rápido possível, dentro de 6 horas após o início dos sintomas. Devido aos riscos implícitos de sangramento ou sangramento, deve ser prescrito por médicos com experiência em tratamento trombolítico e em instituições com meios para monitorar e combater esse tipo de efeitos colaterais.

A dosagem da substância deve ser feita com base no peso corporal, com uma dose mínima de 6000 unidades, equivalente a 30 mg dissolvido em um volume de 6 ml da solução reconstituída, a ser administrada em pacientes com peso corporal abaixo de 60 kg.

A dose máxima é de 10.000 U (50 mg / 10 ml de solução) reservada para pacientes com peso corporal igual ou superior a 90 kg.

O regime de dosagem para pacientes cujos pesos estão na faixa de 60 a menos de 90 kg é o seguinte:

Relacionado:  8 Consequências da dengue no ser humano

– ≥ 60 a <70 = 7000 U (35 mg / 7 ml)

– ≥ 70 a <80 = 8000 U (40 mg / 8 ml)

– ≥ 80 a <90 = 9000 U (45 mg / 9 ml)

A dose necessária deve ser administrada como um único bolus intravenoso e por um período de cerca de 10 segundos. Pode ser administrado através de um circuito intravenoso previamente conectado e através do qual uma solução fisiológica de cloreto de sódio a 0,9% (9 mg / ml) está sendo passada.

O fármaco é incompatível com as soluções de glicose e, embora de acordo com os critérios terapêuticos atuais, o tratamento antitrombótico adjuvante, que pode incluir agentes antiagregantes plaquetários e anticoagulantes, deva ser administrado em paralelo, nenhum outro medicamento deve ser adicionado à solução injetável de tenecteplase.

Referências

  1. Balsera, CE, Palomino, M. Á. P., Ordoñez, JM, Caler, CL, Paredes, TG, & García, GQ (2011). Eficácia e segurança da alteplase versus tenecteplase na fibrinólise da síndrome coronariana aguda com supradesnivelamento do segmento ST. Cardiocore , 46 (4), 150-154.
  2. Bauer C e Walzog B: Blut: ein Flüssiges Organsystem, em: Physiologie , 6a ed; R. Klinke et al. (Eds). Estugarda, Georg Thieme Verlag, 2010.
  3. Fatovich, DM, Dobb, GJ e Clugston, RA (2004). Um estudo piloto randomizado de trombólise em parada cardíaca (O estudo TICA). Ressuscitação , 61 (3), 309-313.
  4. Guyton AC, Hall JE: Hemostasia e Coagulação Sanguínea, em: Textbook of Medical Physiology , 13a ed, AC Guyton, JE Hall (eds). Filadélfia, Elsevier Inc., 2016.
  5. Haley Jr, CE, Lyden, PD, Johnston, KC, Hemmen, TM e TNK em Stroke Investigators. (2005). Um estudo piloto de segurança de escalonamento da dose da tenecteplase no AVC isquêmico agudo. Stroke , 36 (3), 607-612.
  6. Jelkman W: Blut, em: Physiologie des Menschen mit Pathophysiologie, 31ª ed., RF Schmidt et al. (Eds). Heidelberg, Springer Medizin Verlag, 2010.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies