Tensor da fáscia lata: origem, irrigação e inervação, funções

O tensor da fáscia lata é um músculo longo e fusiforme da perna, em posição lateral e externa. Está ancorado na pelve e atinge o fêmur e seu comprimento varia de acordo com a pessoa. Sua principal função é abrir a perna e girá-la.

O tensor da fáscia lata tem múltiplas funções ao trabalhar, junto com outros músculos. Por exemplo, em deambulação, ajuda numerosos músculos glúteos e nas pernas a manter a estabilidade do corpo. E tudo isso, apesar de seu pequeno tamanho.

Tensor da fáscia lata: origem, irrigação e inervação, funções 1

De Jmarchn – Trabalho próprio, baseado em: Gray430.png, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=79289240

Sua inervação e suprimento sanguíneo estão intimamente relacionados aos músculos glúteos. O tensor da fáscia lata também é um músculo que se torna especialmente importante na área de trauma ao identificar estruturas anatômicas durante a cirurgia.

Origem e inserção

O tensor da fáscia lata é um músculo que pertence ao grupo muscular glúteo. Tanto em sua origem quanto em sua função, está relacionado ao músculo glúteo máximo.

O músculo começa na porção anterior da pelve, na chamada crista ilíaca, que é a parte anterior da asa da pelve. É imerso em uma banda grossa de tecido conjuntivo chamado fáscia lata ou banda ílio-tibial.

A fáscia lata é uma estrutura de tecido fibroso que envolve o tensor da fáscia lata. Ao atingir o fêmur, o músculo se junta a essa banda em um feixe de tendão que termina na tíbia.

Tensor da fáscia lata: origem, irrigação e inervação, funções 2

Por Jmarchn – Trabalho próprio baseado em: Gray430.png, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=79188568

Assim, o tensor da fáscia lata tem uma trajetória descendente na parte externa da perna e termina no fêmur, onde se junta à fáscia lata, até atingir a tíbia, que é sua inserção final.

Relacionado:  Vasoconstrição: Periférica, Cutânea, Substâncias, Medicamentos

Irrigação e inervação

O tensor da fáscia lata é agrupado entre os músculos glúteos. Isso ocorre porque sua função, origem, irrigação e inervação estão intimamente relacionadas às desses músculos.

Irrigação

A irrigação inclui a nutrição sanguínea dos órgãos. No caso do tensor da fáscia lata, seu principal suprimento sanguíneo provém da artéria glútea superior. É uma artéria espessa que surge da divisão posterior de um importante vaso sanguíneo dos membros inferiores, que é a artéria ilíaca interna.

O glúteo superior também é responsável por fornecer suprimento de sangue aos músculos glúteo médio e glúteo máximo.

Inervação

Quando falamos de inervação, queremos dizer a distribuição das raízes nervosas nos diferentes órgãos do corpo para o seu funcionamento.

O tensor da fáscia lata recebe inervação do nervo glúteo máximo formado a partir das raízes espessas do nervo lombar e sacral, L4-L5-S1.

Esse nervo fornece inervação para os músculos glúteos maiores e menores, bem como para o tensor da fáscia lata.

Anocções F

A principal função do tensor da fáscia lata é, como o nome indica, manter a tensão da fáscia lata ou do trato ílio-tibial. Através dessa função, ele atinge a estabilidade do corpo, especialmente quando há flexão nas costas.

Outra das funções desse músculo é trabalhar em conjunto com o glúteo menor e o glúteo médio na realização do movimento de rotação do fêmur e afastar o quadril do corpo (abdução).

O tensor da fáscia lata também atua como um músculo secundário na flexão da perna, quando já existe algum grau de flexão. Sua capacidade para esta função aumenta quando a flexão é superior a 30 °.

Além desse aspecto funcional ativo do músculo, também é importante destacar seu uso em cirurgia ortopédica. Nestes casos, é utilizado como referência anatômica para orientar o cirurgião nas cirurgias de quadril.

Relacionado:  Quais são os mecanorreceptores?

Uma vez identificado o tensor da fáscia lata, outras estruturas anatômicas importantes podem ser facilmente evidenciadas durante esses procedimentos cirúrgicos.

Importância clínica

Como o tensor da fáscia lata ajuda nos movimentos do quadril e na estabilidade da pelve, quando há uma lesão em qualquer parte do caminho, os sintomas são importantes.

As lesões desse músculo podem ocorrer a qualquer pessoa, no entanto, são mais comuns em atletas, especialmente em corredores e ciclistas.

Quando a parte inferior do músculo está inflamada, inserida no fêmur, ocorre a síndrome denominada ‘síndrome da fáscia lata’, também conhecida como ‘síndrome da cintura ílio-tibial’ ou ‘síndrome do corredor’.

Esta condição ocorre devido à sobrecarga na porção do músculo que repousa sobre o fêmur. É caracterizada por dor na parte lateral do joelho, que melhora com o repouso e piora com a atividade. A presença de um som de atrito no joelho também é característica.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico da síndrome da fáscia lata é basicamente clínico através do exame físico realizado pelo traumatologista em um paciente em que essa lesão é suspeita.

Uma vez diagnosticada a condição, a abordagem terapêutica deve ser orientada de acordo com os sintomas e limitações que o paciente apresenta.

A primeira parte do tratamento é conservadora. Isso significa que procedimentos invasivos, como injeções ou cirurgias, são evitados e é iniciado um plano com terapia a frio, analgésicos e reabilitação física.

A fisioterapia consiste em exercícios especiais para obter aquecimento e alongamento adequados do músculo. Se você notar muita inflamação, em alguns casos, a injeção de corticosteróides que servem como antiinflamatórios locais é considerada.

Tensor da fáscia lata: origem, irrigação e inervação, funções 3

Por Dhdnzk – Trabalho próprio, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=45439022

No caso de esta primeira fase do tratamento falhar e o paciente continuar com os sintomas, o segundo estágio terapêutico começa onde são aplicados métodos como ultrassom e terapia por ondas elétricas e estimulação muscular.

Relacionado:  Aponeurose: características, funções, localização

Em alguns casos, nos quais a terapia conservadora não é eficiente, a terapia cirúrgica deve ser considerada. No entanto, estes são casos raros e a maioria dos indivíduos com síndrome melhora com terapias conservadoras.

Referências

  1. Trammell AP, Pilson H. (2018). Anatomia, Pelve Óssea e Membro Inferior, Músculo Tensor Fáscia Latae. Retirado de: ncbi.nlm.nih.gov.
  2. Gottschalk, F., Kourosh, S., & Leveau, B. (1989). Anatomia funcional do tensor fascia lata e glúteo médio e mínimo. Jornal de anatom.
  3. Saade, FA. (1998). Suprimento sanguíneo do músculo tensor da fáscia lata. Anatomia Clínica Retirado de: nlm.nih.gov.
  4. Sher eu; Umans, H; Downie, SA; Tobin, K; Arora, R; Olson, TR. (2011). Radiologia esquelética. Retirado de: nlm.nih.gov.
  5. Beals, C. & Flanigan, D. (2013). Uma revisão dos tratamentos para a síndrome da banda iliotibial na população atlética. Jornal de medicina esportiva (Hindawi Publishing Corporation). Retirado de: nlm.nih.gov.

Deixe um comentário