Terapia de aceitação e compromisso: bases e técnicas

A terapia de aceitação e compromisso (ACT) é uma abordagem psicoterapêutica que se baseia em princípios de aceitação, mindfulness e compromisso com valores pessoais. Neste contexto, o objetivo da terapia é ajudar os indivíduos a identificar seus valores mais profundos e a agir em conformidade com eles, mesmo diante de pensamentos, emoções e sensações desconfortáveis. Este livro aborda as bases teóricas da ACT e apresenta técnicas práticas para sua aplicação clínica, visando auxiliar os terapeutas a promover a aceitação e a mudança comportamental em seus pacientes.

Princípios básicos da ACT: o que são e como funcionam na prática clínica.

A Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) é uma abordagem psicoterapêutica baseada em evidências que tem como objetivo ajudar as pessoas a desenvolver uma relação saudável com seus pensamentos e emoções, para que possam viver uma vida mais plena e significativa. Os princípios básicos da ACT são fundamentais para entender como essa terapia funciona na prática clínica.

Um dos princípios fundamentais da ACT é a aceitação, que envolve a disposição de aceitar plenamente o que está acontecendo no momento presente, sem tentar evitá-lo ou controlá-lo. Isso não significa que a pessoa precisa gostar ou concordar com a situação, mas sim reconhecer sua existência e lidar com ela de forma consciente.

Outro princípio importante é o compromisso, que se refere à disposição de agir em direção aos valores pessoais, mesmo diante das dificuldades e desconfortos emocionais que possam surgir. É a capacidade de se comprometer com ações que estejam alinhadas com o que realmente importa para a pessoa, mesmo que isso envolva enfrentar desafios e superar obstáculos.

Na prática clínica, esses princípios são trabalhados por meio de diversas técnicas e exercícios, como a defusão (que ajuda a pessoa a se distanciar de seus pensamentos para não se identificar totalmente com eles), a atenção plena (que promove a consciência do momento presente) e a clareza dos valores (que ajuda a pessoa a identificar o que é realmente importante em sua vida).

Em resumo, os princípios básicos da ACT são essenciais para promover a aceitação, o compromisso e a ação em direção aos valores pessoais, permitindo que as pessoas vivam uma vida mais plena e significativa, mesmo diante das adversidades. Essa abordagem terapêutica pode ser muito eficaz para lidar com uma variedade de problemas psicológicos e emocionais, ajudando as pessoas a alcançar uma maior saúde mental e bem-estar.

Entenda o funcionamento da terapia de aceitação e compromisso em poucas palavras.

A terapia de aceitação e compromisso (ACT) é uma abordagem psicoterapêutica que visa ajudar os pacientes a aceitar seus pensamentos e emoções, em vez de tentar controlá-los ou eliminá-los. Através de técnicas como a defusão cognitiva, os pacientes aprendem a se desidentificar de seus pensamentos e a não mais lutar contra eles.

Além disso, a terapia de aceitação e compromisso ajuda os pacientes a identificar seus valores e a tomar ações que estejam alinhadas com eles, mesmo que isso signifique enfrentar desconforto ou dor. Ao invés de tentar evitar essas experiências, os pacientes aprendem a aceitá-las como parte da vida e a se comprometer com a mudança de comportamento.

Em resumo, a terapia de aceitação e compromisso busca promover a flexibilidade psicológica, permitindo que os pacientes vivam uma vida significativa e de acordo com seus valores, mesmo diante de adversidades e desafios.

Entenda o que é o método ACT e como ele pode te ajudar.

A Terapia de Aceitação e Compromisso, também conhecida como método ACT, é uma abordagem psicoterapêutica que tem como objetivo auxiliar as pessoas a lidar com suas emoções e pensamentos de forma mais saudável. O método ACT baseia-se na ideia de que o sofrimento humano é causado pela tentativa de evitar ou controlar experiências internas indesejadas, como pensamentos negativos, emoções dolorosas e sensações físicas desconfortáveis.

Em vez de tentar eliminar essas experiências, o método ACT propõe que as pessoas as aceitem e as encarem de frente, sem tentar modificá-las. A aceitação não significa resignação ou passividade, mas sim reconhecer a realidade e escolher agir de acordo com seus valores e objetivos. Além disso, a terapia de aceitação e compromisso enfatiza a importância de se comprometer com ações que estejam alinhadas com seus valores mais profundos, mesmo diante das dificuldades e desconfortos.

Relacionado:  Anedonia: sintomas, tipos, causas e tratamentos

As técnicas utilizadas no método ACT incluem mindfulness, que é a prática de estar presente no momento presente de forma consciente e sem julgamentos, e a defusão cognitiva, que consiste em observar os pensamentos como eventos mentais passageiros, sem se identificar com eles. Além disso, a terapia de aceitação e compromisso também utiliza a clarificação de valores, que ajuda as pessoas a identificar o que é realmente importante para elas na vida.

Em resumo, o método ACT pode ajudar as pessoas a lidar de forma mais eficaz com seus pensamentos e emoções, a viver de acordo com seus valores e objetivos e a desenvolver uma relação mais saudável consigo mesmas e com os outros. Se você está enfrentando dificuldades emocionais e busca uma abordagem terapêutica que valorize a aceitação, o compromisso e o autoconhecimento, a terapia de aceitação e compromisso pode ser uma boa opção para você.

Conheça a abordagem ACT: uma metodologia para promover mudanças positivas e significativas.

A Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) é uma abordagem terapêutica que tem como objetivo promover mudanças positivas e significativas na vida das pessoas. Baseada na psicologia comportamental, a ACT propõe que o sofrimento humano é causado pela tentativa de evitar experiências dolorosas e desconfortáveis, e que a aceitação dessas experiências, aliada ao compromisso com valores pessoais, pode levar a uma vida mais plena e satisfatória.

Uma das principais premissas da ACT é que a luta contra pensamentos, emoções e sensações indesejadas apenas aumenta o sofrimento, enquanto a aceitação dessas experiências permite que a pessoa se liberte do controle delas. Além disso, a ACT enfatiza a importância de identificar e agir de acordo com os valores pessoais, em vez de se prender a metas ou objetivos específicos.

Para ajudar os indivíduos a desenvolverem essas habilidades, a ACT utiliza diversas técnicas, como a defusão cognitiva, que consiste em aprender a observar os pensamentos sem se identificar com eles, e a atenção plena, que envolve estar plenamente presente no momento presente. Outras técnicas incluem a clarificação de valores, a realização de ações comprometidas e a desfusão experiencial.

Em resumo, a abordagem ACT oferece uma maneira inovadora e eficaz de lidar com o sofrimento e promover mudanças positivas na vida das pessoas. Ao aceitar as experiências dolorosas, se comprometer com valores pessoais e agir de acordo com eles, os indivíduos podem alcançar uma maior qualidade de vida e bem-estar emocional.

Terapia de aceitação e compromisso: bases e técnicas

A terapia de aceitação e compromisso (ACT) é um tipo de terapia chamada ‘terceira geração’. Nos últimos anos, tornou-se uma das opções mais populares para o tratamento de distúrbios como ansiedade generalizada , transtorno obsessivo-compulsivo ou ansiedade social , embora seu uso esteja se espalhando para outros problemas.

A terapia ACT (terapia de aceitação e comprometimento) difere das terapias de primeira e segunda geração devido ao seu foco principal. Na primeira geração, a maioria das técnicas foi baseada na mudança de comportamento por meio de reforços e outros métodos comportamentais.

Terapia de aceitação e compromisso: bases e técnicas 1

Fonte: pexels.com

Nas terapias de segunda geração, por outro lado, o foco estava especialmente nos processos cognitivos dos pacientes. A terapia do TCA é baseada na segunda geração, mas incorpora elementos como a atenção plena e o exame das emoções de alguém no tratamento de diferentes doenças psicológicas.

Inicialmente, a terapia de aceitação e comprometimento foi desenvolvida como uma alternativa para pacientes que não responderam bem ao tratamento com terapia cognitivo – comportamental , a mais aceita até o momento. No entanto, várias investigações mostraram que produz bons resultados para todos os tipos de transtornos mentais.

Bases

Terapia de aceitação e compromisso: bases e técnicas 2

As terapias psicológicas de segunda geração são baseadas na ideia de que nossos pensamentos moldam a maneira como experimentamos o mundo. Portanto, seu foco é mudar as crenças e o diálogo mental dos pacientes, a fim de modificar suas emoções e humor.

Pelo contrário, a terapia com ACT considera pensamentos negativos e sofrimento como partes inevitáveis ​​da experiência humana. Por isso, em vez de mudar o diálogo mental dos pacientes, essa abordagem terapêutica se concentra em ensiná-los a aceitar suas experiências negativas, para que não produzam mais desconforto do que o necessário.

Relacionado:  Os 9 transtornos psicológicos mais comuns na adolescência

Por esse motivo, a terapia com ACT costuma ser comparada à “atenção plena”, pois uma de suas principais técnicas é ajudar os pacientes a perceber o que estão sentindo ou pensar e a realizar suas experiências. Os presos não têm poder sobre eles.

Ao mesmo tempo, a terapia de aceitação e comprometimento também se baseia na idéia de que agir de acordo com os valores é essencial para melhorar o humor dos pacientes. Portanto, é uma abordagem muito prática, com o objetivo de fazer mudanças tangíveis na vida dos clientes.

A terapia do TCA baseia-se em seis princípios fundamentais: defusão cognitiva, aceitação, contato com o momento presente, acesso ao “eu observador”, descobrindo os valores de alguém e agindo. A seguir, veremos no que cada um deles consiste.

Defusão cognitiva

Um dos princípios fundamentais nos quais a terapia do TCA se baseia é a ideia de que nossos pensamentos e emoções só podem nos prejudicar quando nos identificamos com eles. Se, por exemplo, surgir em nossa mente o pensamento “não sou atraente”, isso só nos causará sofrimento se acreditarmos.

A maioria das terapias existentes até agora se concentrou em refutar qualquer idéia ou emoção negativa através do diálogo mental. O ACT, por outro lado, ensina os pacientes a simplesmente observá-los sem julgá-los ou tentar modificá-los. Dessa forma, o desconforto que eles causam é reduzido significativamente.

Para atingir esse objetivo, várias técnicas são usadas para ajudar os pacientes a ver seus pensamentos, emoções e memórias como algo externo.

Aceitação

Outra das teorias fundamentais da terapia de aceitação e compromisso é que o sofrimento é inevitável: nunca haverá um momento em que tudo esteja perfeito e as emoções negativas desaparecerão. Por isso, lutar contra sentimentos ou idéias desagradáveis ​​não apenas não é eficaz, como também aumenta o desconforto.

Em vez disso, o ACT ensina a aceitar as experiências negativas, a deixá-las desaparecer por si mesmas e a agir apesar delas. Dessa forma, sua influência na vida do paciente é significativamente reduzida, o que paradoxalmente também reduz o desconforto que ele experimenta.

Contato com o momento presente

A terapia do ACT extrai elementos de práticas como meditação ou atenção plena para ajudar os pacientes a estarem mais conectados ao que estão fazendo o tempo todo. A idéia por trás dessa prática é que, quando nos concentramos no presente, muitas de nossas experiências negativas desaparecem.

Ao mesmo tempo, focar no momento presente ajuda os usuários da terapia com ACT a agir, apesar de suas emoções e pensamentos negativos. Isso reduz muito a necessidade de combatê-los, o que a longo prazo pode ser contraproducente.

Acesso ao “eu observador”

Uma das principais razões pelas quais tentamos lutar contra nossos pensamentos, emoções e lembranças negativas é porque achamos que elas nos prejudicarão se permitirmos que elas fiquem na mente. A terapia com ACT procura demonstrar que essa ideia não é real.

De acordo com esse método terapêutico, nossa mente é dividida em duas partes: o “eu pensante” e o “eu observador”. Independentemente do que o eu pensante faça, o eu observador sempre pode manter um estado de calma e bem-estar, separado de quaisquer pensamentos ou emoções que temos.

Portanto, identificando-se com o eu observador, é possível reduzir bastante o desconforto causado por nossos sentimentos e pensamentos.

Descubra os próprios valores

De acordo com pesquisas a esse respeito, é essencial tomar ações para alcançar o que se deseja, a fim de alcançar um alto nível de bem-estar. No entanto, atingir qualquer objetivo requer ações desconfortáveis ​​ou difíceis, muitas pessoas não trabalham em seus objetivos para evitar se sentir mal.

A solução proposta pela terapia ACT para esse problema é descobrir quais são os valores de cada paciente. Isso é o que é mais importante para cada pessoa, uma bússola que aponta para o que cada um deseja alcançar.

Relacionado:  Hipofobia: sintomas, causas e tratamentos

Quando uma pessoa esclarece seus valores e age de maneira consistente com ela, é mais fácil trabalhar em direção a seus objetivos, mesmo que precise executar tarefas desagradáveis ​​ou desmotivadoras.

Tome uma atitude

Uma vez que aprendemos que nossos próprios pensamentos e emoções não precisam influenciar negativamente nossa experiência e nossos valores mais importantes foram descobertos, o último passo da terapia com ACT envolve o estabelecimento de uma série de metas desafiadoras e a ação. para obtê-los.

Dessa forma, o foco dessa terapia é duplo: por um lado, busca reduzir diretamente o desconforto emocional e, por outro, melhora a vida dos pacientes, reduzindo a frequência com que se encontram em situações que os causam infelicidade.

Técnicas

Terapia de aceitação e compromisso: bases e técnicas 3

Cada sessão de terapia de aceitação e compromisso será única, dependendo do ponto em que o paciente estiver. Em todo o momento, o terapeuta trabalhará com seu cliente para alcançar um dos seguintes objetivos: tornar-se consciente de seus próprios estados mentais, aceitá-los e tirar seu poder, esclarecer seus próprios valores e agir.

Torne-se consciente dos estados mentais

O primeiro passo da terapia de aceitação e compromisso implica que o paciente perceba o que está experimentando: as emoções, pensamentos e memórias que passam por sua mente a todo momento. Para isso, o mais comum é realizar exercícios de atenção plena ou refletir sobre o que aconteceu em uma situação específica.

Os exercícios de atenção plena são baseados em técnicas como meditação. Eles geralmente implicam que o paciente dedica um certo tempo para observar o que acontece dentro de sua cabeça. Para isso, o mais comum é realizar exercícios respiratórios.

Além disso, o terapeuta pode ajudar o paciente a saber o que estava sentindo ou pensando em um determinado momento. Com prática suficiente, o indivíduo é capaz de reconhecer seus próprios estados mentais com crescente facilidade.

Aceitar e remover energia dos estados mentais

O segundo passo da terapia ACT é ensinar ao paciente diferentes maneiras pelas quais ele pode reduzir o desconforto causado por seus próprios pensamentos e emoções.

Isso geralmente implica poder observar os estados mentais sem julgá-los, identificar-se com o eu observador e desassociar-se de seus próprios pensamentos e emoções.

Esclarecer os próprios valores

Uma vez que a pessoa tenha conseguido afastar seus sentimentos, pensamentos e memórias, o terapeuta deve ajudá-la a descobrir o que é realmente importante para ela.

Dessa forma, você pode identificar quais partes da vida do indivíduo estão alinhadas com seus valores e quais partes precisam ser alteradas.

Tome uma atitude

A última parte da terapia de aceitação e compromisso implica que a pessoa, com a ajuda do psicólogo, desenvolva um plano de ação que os ajudará a criar uma vida cada vez mais congruente com seus próprios valores e a agir apesar de ter estados mentais negativos ou desconfortável

Por outro lado, a terapia com ACT é cíclica. Isso significa que, embora esses quatro estágios tendam a ocorrer de maneira linear, a qualquer momento do processo, é possível voltar e praticar novamente qualquer técnica ou exercício que possa melhorar os resultados que a pessoa está obtendo.

Referências

  1. “Terapia de aceitação e compromisso (TCA) para TAG” em: VeryWell Mind. Retirado em: 27 de março de 2019 de VeryWell Mind: verywellmind.com.
  2. “Terapia de aceitação e compromisso” em: Psychology Today. Retirado em: 27 de março de 2019 de Psychology Today: psychologytoday.com.
  3. “Terapia de aceitação e compromisso (TCA)” em: Boa terapia. Retirado em: 27 de março de 2019 de Good Therapy: goodtherapy.org.
  4. “Terapia de aceitação e compromisso (TCA): a psicologia de agir com consciência” em: Programa de psicologia positiva. Retirado em: 27 de março de 2019 do Programa de Psicologia Positiva: positivepsychologyprogram.org.
  5. “Terapia de aceitação e compromisso” em: Wikipedia. Retirado em: 27 de março de 2019 da Wikipedia: en.wikipedia.org.

Deixe um comentário