Terapias Neurocientíficas: uma revolução na psicoterapia

As terapias neurocientíficas representam uma abordagem inovadora que integra os conhecimentos da neurociência com as práticas tradicionais da psicoterapia. Por meio do estudo do funcionamento do cérebro e do sistema nervoso, essas terapias buscam compreender melhor as causas dos distúrbios mentais e emocionais, bem como desenvolver técnicas mais eficazes para o tratamento dessas condições. Essa abordagem tem se mostrado promissora na promoção da saúde mental e no bem-estar dos pacientes, representando uma verdadeira revolução no campo da psicoterapia.

O impacto da psicoterapia na modificação cerebral: entenda como esse processo acontece.

Terapias Neurocientíficas: uma revolução na psicoterapia

A psicoterapia tem se mostrado cada vez mais eficaz no tratamento de diversos transtornos mentais, e uma das razões para isso é a sua capacidade de promover modificações no cérebro dos pacientes. Diversos estudos têm demonstrado que a psicoterapia pode gerar alterações duradouras na estrutura e na função cerebral, o que pode contribuir para a melhora dos sintomas e para a prevenção de recaídas.

Quando um indivíduo participa de sessões de psicoterapia, ele é estimulado a refletir sobre seus pensamentos, emoções e comportamentos, o que pode levar a mudanças significativas em áreas do cérebro responsáveis pelo processamento emocional, pela regulação do humor e pela tomada de decisões. Por exemplo, a terapia cognitivo-comportamental tem sido associada a alterações na atividade do córtex pré-frontal, uma região importante para o controle executivo e a regulação emocional.

Além disso, a psicoterapia também pode promover a neuroplasticidade, ou seja, a capacidade do cérebro de se reorganizar e formar novas conexões neurais. Isso significa que, ao longo do processo terapêutico, o cérebro do paciente pode criar novos circuitos neurais que favorecem a adaptação a situações estressantes e a resolução de conflitos internos.

Portanto, as terapias neurocientíficas representam uma verdadeira revolução na abordagem dos problemas psicológicos, integrando conhecimentos da neurociência com as práticas terapêuticas tradicionais.

Qual a distinção entre psicoterapia e terapia?

Psicoterapia e terapia são termos frequentemente usados de forma intercambiável, mas na verdade, há uma distinção sutil entre eles. Enquanto a psicoterapia se refere a um tratamento mais específico e direcionado para questões psicológicas e emocionais, a terapia é um termo mais amplo que pode englobar diferentes abordagens de tratamento para diversos problemas de saúde.

As Terapias Neurocientíficas representam uma revolução na psicoterapia, pois combinam os avanços da neurociência com as práticas tradicionais de terapia. Essa abordagem inovadora permite uma compreensão mais profunda do funcionamento do cérebro e do sistema nervoso, o que pode levar a intervenções mais eficazes e personalizadas.

Com a aplicação das Terapias Neurocientíficas, os profissionais de saúde mental podem usar técnicas baseadas em evidências científicas para ajudar os pacientes a superar seus desafios emocionais e mentais. Essa abordagem integrativa permite uma abordagem mais holística e personalizada para o tratamento de transtornos mentais, como depressão, ansiedade e traumas.

As Terapias Neurocientíficas representam uma evolução na psicoterapia, oferecendo uma abordagem mais eficaz e personalizada para o tratamento de transtornos mentais.

Relacionado:  Placas senis (ou amilóides): características e efeitos no cérebro

Tipos de psicoterapia: conheça os principais métodos utilizados para tratamento de transtornos mentais.

A psicoterapia é um método eficaz para tratar uma variedade de transtornos mentais, ajudando as pessoas a lidar com questões emocionais, comportamentais e psicológicas. Existem diversos tipos de psicoterapia, cada um com abordagens específicas e técnicas diferentes para auxiliar os pacientes em suas necessidades individuais.

Alguns dos principais métodos de psicoterapia incluem a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC), que se concentra em identificar e modificar padrões de pensamento e comportamento negativos; a Terapia Psicodinâmica, que explora as relações passadas e atuais do paciente para promover insights e mudanças emocionais; e a Terapia Interpessoal, que se concentra nas relações interpessoais e na resolução de conflitos.

Além desses, existem ainda a Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT), que visa aumentar a flexibilidade psicológica do paciente; a Terapia de Grupo, que oferece suporte e insights através da interação com outros indivíduos; e a Terapia Familiar, que envolve a participação da família no processo terapêutico.

Recentemente, as Terapias Neurocientíficas têm ganhado destaque como uma abordagem inovadora e promissora na psicoterapia. Essas terapias utilizam conhecimentos da neurociência para compreender melhor o funcionamento do cérebro e desenvolver técnicas mais eficazes para tratar transtornos mentais.

Com a combinação de abordagens tradicionais e novas técnicas baseadas em neurociência, a psicoterapia continua a evoluir e a oferecer tratamentos cada vez mais eficazes e personalizados para aqueles que buscam ajuda para lidar com seus problemas emocionais e psicológicos.

Impactos da terapia na atividade cerebral: descubra como o tratamento psicológico influencia o cérebro.

As Terapias Neurocientíficas têm se mostrado uma revolução na psicoterapia, trazendo a possibilidade de entender de forma mais clara como o tratamento psicológico influencia o cérebro. Estudos recentes têm demonstrado que a terapia pode ter impactos significativos na atividade cerebral, promovendo mudanças positivas que podem ajudar no tratamento de diversos distúrbios psicológicos.

Uma das principais formas como a terapia afeta o cérebro é através da neuroplasticidade, que é a capacidade do cérebro de se reorganizar e formar novas conexões neurais. Durante o processo terapêutico, exercícios e técnicas específicas podem estimular regiões cerebrais relacionadas à regulação emocional, tomada de decisão e processamento cognitivo, promovendo uma maior flexibilidade mental e emocional.

Além disso, a terapia também pode influenciar a atividade de neurotransmissores e hormônios relacionados ao bem-estar, como a serotonina e a dopamina. Estudos mostram que a psicoterapia pode aumentar os níveis dessas substâncias no cérebro, contribuindo para a melhora do humor, redução da ansiedade e aumento da sensação de satisfação e felicidade.

Outro aspecto importante é a forma como a terapia pode ajudar a regular a atividade de áreas cerebrais relacionadas ao estresse e ao medo, como a amígdala. Por meio de técnicas de regulação emocional e exposição gradual a situações desafiadoras, a terapia pode ajudar a reduzir a hiperatividade dessas regiões, promovendo uma resposta mais equilibrada diante de situações estressantes.

Ao promover mudanças neurobiológicas, emocionais e cognitivas, essas terapias têm o potencial de transformar a vida dos pacientes, promovendo o bem-estar e a saúde mental.

Terapias Neurocientíficas: uma revolução na psicoterapia

Terapias Neurocientíficas: uma revolução na psicoterapia 1

Quando terminei de dar aulas na Faculdade de Psicologia, alguns alunos se aproximaram de mim para me perguntar sobre um tipo de terapia que eu havia mencionado na minha apresentação: Terapias Neurocientíficas .

Relacionado:  Reserva cognitiva: o que é e como nos protege da demência

Comentei que é uma forma de terapia que tira proveito das pesquisas mais recentes em neurociências . Então eu acrescentou que são opções terapêuticas que ajudam a superar fobias , transtornos de ansiedade , transtornos de estresse pós-traumático e estados de tristeza, entre outros, um rápido, completo, eficaz e permanente no tempo.

Seus rostos misturados com surpresa e descrença disseram tudo:

“E por que não ouvimos falar deles?”

Respondi a essa pergunta que são terapias que agora estão se expandindo e que estão se tornando cada vez mais conhecidas . As terapias neurocientíficas começaram nos anos 80 com o “EMDR” ( dessensibilização e reprocessamento pelo movimento ocular ) e foram recentemente, na primeira década do século XXI, quando se tornaram populares.

A partir desse ponto, as perguntas dos alunos estavam acontecendo uma após a outra.

Como você trabalha em Terapias Neurocientíficas?

No EMDR, por exemplo, trabalha-se imitando movimentos rápidos dos olhos . Toda noite, quando dormimos, entramos em uma fase de sono profundo (a fase REM), na qual movemos os olhos em alta velocidade enquanto sonhamos. Esse mecanismo é completamente natural e é uma maneira de o cérebro reprocessar ou reduzir e até eliminar o estresse experimentado ao longo do dia ou em outros momentos de nossas vidas. Daí um dos benefícios de poder dormir adequadamente.

Com base nesse conhecimento, o terapeuta do EMDR aplica uma série de séries ou movimentos horizontais com os dedos, enquanto o paciente os acompanha com os olhos. Ao pensar em um evento perturbador ou estressante ao mover os olhos em alta velocidade, a amígdala é ativada de uma maneira que produz uma redução no estresse , que pode fazer com que a emoção negativa se transforme em uma emoção positiva, como por exemplo, em tranquilidade ou aceitação.

Mas tudo isso é científico?

Essa pergunta, feita por um dos estudantes, me levou a explicar que, por exemplo, o EMDR é uma das terapias neurocientíficas mais difundidas e estudadas no mundo . Também é verdade que é um dos primeiros que apareceu. Em nosso país, existem hospitais que o integram em seus protocolos de ação. Por exemplo, no Hospital Clínic de Barcelona, ​​na unidade de agressão sexual, é a terapia mais usada para ajudar as pessoas a superar seus traumas e todo o estresse que sofreram.

À medida que lhes contei mais sobre essas terapias, seus rostos começaram a indicar maior compreensão e receptividade.

Existem mais terapias neurocientíficas?

Sim. Atualmente, existem quatro terapias principais e novas sempre são criadas. Por exemplo, existe o Wingwave Coaching , que é uma terapia que permite acessar a fonte de trauma ou distúrbio. Com um teste cinesiológico , chamado Teste O-Ring , podemos descobrir o início do problema. A grande maioria dos bloqueios, traumas, fobias e crenças limitantes está na fase da impressão , do nascimento aos 6 ou 7 anos. Quando trabalhamos na raiz do problema, estamos liberando muita tensão e nos permitindo liberar muita carga emocional negativa .

Relacionado:  Via mesolímbica (cérebro): anatomia e funções

O chamado Brainspotting também está incluído nas Terapias Neurocientíficas , que permitem detectar os Brainspots ou pontos oculares de acesso à experiência . Quando alguém sofre um trauma e começa a relacioná-lo, seus olhos estão localizados em um ponto no espaço. Essa posição do olhar não é aleatória, mas é uma janela para acessar a memória. A partir dos Brainspots, a pessoa pode se reconectar com essa experiência, mas se sentir como um espectador , permitindo que ele fique calmo enquanto pensa sobre o evento. Isso facilita a perda de intensidade da situação e até a incorporação de recursos positivos ao evento.

O ICT (Terapia de Integração Cérebro), baseiam-se na ideia de que cada um dos nossos hemisférios processar informações de forma diferente . O hemisfério direito é mais emocional e a esquerda é mais racional. Quando experimentamos uma situação traumática, como a morte súbita de um membro da família e sofremos um duelo complicado ou patológico, pode ser que um de nossos hemisférios esteja sobrecarregado . Através da estimulação bilateral, cobrindo um olho e outro alternadamente, facilitamos a conexão dos dois hemisférios. Quando isso acontece, os níveis de tensão e ansiedade são reduzidos e somos capazes de pensar sobre esse evento com paz e serenidade.

Então, você pode fazer alguém não ter medo de nada?

Seria possível ajudar uma pessoa a superar suas fobias e bloqueios, mas não devemos perder de vista o fato de que não ter medo de nada não é muito adaptável .

Minha ética profissional me impediria de reprocessar o medo de fazer algo que colocaria sua vida em risco. O que essas terapias permitem é ajudar pessoas que, por exemplo, estão com fobia há muito tempo, como entrar em um carro , um avião ou um elevador, podem fazer o que temem em uma margem de 1 a 4 sessões. Nesses casos, pode ser adaptável para eliminar o foco do medo, uma vez que a pessoa realmente precisa realizar essas ações para levar uma vida normal.

E as mudanças são permanentes?

Totalmente. As mudanças são mantidas ao longo do tempo, porque trabalhamos a partir da fonte e através de cada uma das memórias do alimentador (outros eventos traumáticos que adicionaram emoções negativas), de modo que a pessoa reprocessou ou transformou todas as emoções negativas por emoções positivas .

Nesse ponto, os alunos me disseram que essas terapias não haviam sido ensinadas na faculdade, mas que estavam ansiosas para saber mais sobre elas.

No final, o conhecimento avança como a sociedade, e as neurociências estão cada vez mais presentes em todas as áreas de nossas vidas. Não é mágica, é ciência .

Deixe um comentário