Terbutil: estrutura, características, treinamento, exemplos

Terbutil, também conhecido como terc-butil, é um grupo funcional com uma estrutura química que consiste em um átomo de carbono ligado a três átomos de hidrogênio e a um grupo t-butil. Este grupo é comumente utilizado em química orgânica devido à sua estabilidade e capacidade de formar ligações fortes.

As características do grupo terbutil incluem sua resistência a reações químicas, o que o torna um grupo protetor eficaz em sínteses orgânicas. Além disso, sua estrutura ramificada confere estabilidade estérica a moléculas que o contêm, o que pode influenciar propriedades como a reatividade e a solubilidade.

O treinamento para identificar e manipular o grupo terbutil é fundamental para químicos e estudantes de química orgânica, uma vez que ele é comumente encontrado em compostos orgânicos sintéticos e naturais.

Alguns exemplos de compostos que contêm o grupo terbutil incluem o terc-butil metil éter, o terc-butil metil cetona e o terc-butil peróxido de metila. Esses compostos são amplamente utilizados na indústria química e farmacêutica devido às suas propriedades únicas e aplicações diversas.

Descubra como reconhecer uma ramificação em suas plantas de forma simples e eficaz.

Para identificar uma ramificação em suas plantas, é importante observar atentamente a estrutura da planta. Normalmente, as ramificações são caracterizadas por um crescimento lateral a partir do caule principal. As ramificações podem se desenvolver de forma diferente dependendo da espécie da planta, mas geralmente apresentam uma divisão do caule em novos galhos.

Uma maneira simples e eficaz de reconhecer uma ramificação é observar a presença de folhas, flores ou frutos em um ponto específico do caule. Quando uma planta começa a produzir essas estruturas em uma determinada região do caule, é um sinal de que uma ramificação está se formando.

Além disso, é importante estar atento ao formato e à textura dos galhos que estão se desenvolvendo. As ramificações geralmente apresentam um crescimento mais fino e delicado em comparação com o caule principal da planta.

Portanto, ao observar esses sinais, você poderá identificar facilmente quando uma ramificação está se formando em suas plantas. Com um pouco de prática e atenção, você será capaz de promover um crescimento saudável e equilibrado em seu jardim ou em seus vasos.

Exemplos de ramificações e sua definição de modo simplificado para melhor entendimento.

As ramificações são estruturas que se originam a partir de um tronco principal, formando uma divisão ou bifurcação. Elas podem ser encontradas em diversos contextos, como na natureza, na matemática e na química.

Na química, as ramificações são comuns em moléculas orgânicas, como no caso do Terbutil. O Terbutil é um radical orgânico formado por uma ramificação de três grupos metil ligados a um átomo de carbono. Essa estrutura ramificada confere ao Terbutil características únicas, como maior estabilidade e reatividade em reações químicas.

Um exemplo de ramificação na natureza são os rios, que se ramificam em afluentes e subafluentes ao longo do seu percurso. Essas ramificações contribuem para a diversidade de ecossistemas e para a distribuição de recursos hídricos.

No campo da matemática, as ramificações podem ser representadas por diagramas de árvore, onde um tronco principal se divide em galhos e subgalhos. Essa representação visual facilita a compreensão de processos de decisão e de probabilidade.

Descubra o significado de t-butyl e sua importância em compostos químicos.

O t-butyl, ou terbutil, é um grupo funcional comumente encontrado em compostos químicos. Ele é formado por um grupo metil ligado a três átomos de hidrogênio e um átomo de carbono. Sua fórmula estrutural é -C(CH3)3. A presença do t-butyl em uma molécula confere a ela propriedades únicas e importantes.

Relacionado:  Suporte universal: peças, usos, acessórios

O t-butyl é conhecido por sua estabilidade e resistência a reações químicas. Isso ocorre devido à sua estrutura ramificada, que dificulta a interação com outras moléculas. Essa característica torna o t-butyl um grupo protetor útil em sínteses orgânicas, pois pode proteger certas partes da molécula durante reações químicas específicas.

Além disso, o t-butyl pode influenciar as propriedades físicas e químicas de compostos em que está presente. Por exemplo, o t-butyl pode aumentar a estabilidade de um composto, tornando-o menos reativo em certas condições. Isso é útil em diversas aplicações industriais e farmacêuticas.

Alguns exemplos de compostos que contêm o grupo t-butyl incluem o t-butil hidroperóxido, amplamente utilizado como iniciador de reações de polimerização, e o t-butil metil éter, um solvente comumente usado em laboratórios químicos.

Sua estrutura única e propriedades especiais o tornam uma ferramenta valiosa em diversas áreas da química.

Significado e aplicações do ISO butil na indústria química e farmacêutica.

O ISO butil é um composto químico comumente utilizado na indústria química e farmacêutica devido às suas propriedades únicas. Ele é um isômero do butileno, com a fórmula molecular C4H9. Sua estrutura química consiste em quatro átomos de carbono ligados a nove átomos de hidrogênio, formando uma cadeia ramificada.

Na indústria química, o ISO butil é amplamente utilizado como solvente em diversas aplicações, como na fabricação de tintas, vernizes e adesivos. Ele também é empregado na produção de plásticos, borrachas e produtos químicos sintéticos. Sua capacidade de dissolver uma variedade de substâncias o torna um componente essencial em muitos processos industriais.

Já na indústria farmacêutica, o ISO butil é utilizado como intermediário na síntese de diversos compostos químicos. Ele pode ser encontrado em formulações de medicamentos, cosméticos e produtos de cuidados pessoais. Sua estabilidade química e baixa toxicidade tornam-no uma escolha segura e eficaz para aplicações farmacêuticas.

Além disso, o ISO butil também pode ser utilizado como aditivo em combustíveis, melhorando suas propriedades de octanagem e reduzindo a formação de depósitos nos motores. Sua versatilidade e eficiência tornam-no um componente essencial em diversas indústrias.

Terbutil: estrutura, características, treinamento, exemplos

O terbutil é um composto químico que apresenta uma estrutura ramificada, com três grupos metil ligados a um átomo de carbono. Sua fórmula molecular é C4H10, e sua estrutura é semelhante à do ISO butil, porém com uma ramificação a mais.

As características do terbutil incluem uma alta estabilidade química, baixa reatividade e ponto de ebulição elevado. Essas propriedades o tornam adequado para diversas aplicações industriais, como em processos de síntese química, fabricação de produtos químicos e como intermediário na produção de compostos orgânicos.

O treinamento para trabalhar com terbutil envolve o conhecimento das propriedades físico-químicas do composto, medidas de segurança no manuseio de substâncias químicas e procedimentos de emergência em caso de acidentes. É fundamental seguir as normas de segurança estabelecidas e utilizar os EPIs adequados durante o manuseio do terbutil.

Alguns exemplos de aplicações do terbutil incluem sua utilização como solvente em processos industriais, aditivo em combustíveis e intermediário na síntese de produtos químicos. Sua versatilidade e estabilidade tornam-no um componente importante em diversas indústrias, contribuindo para a produção de uma ampla gama de produtos químicos e farmacêuticos.

Terbutil: estrutura, características, treinamento, exemplos

Terbutil: estrutura, características, treinamento, exemplos

O terc-butilo ou terc-butilo é um grupo alquilo ou substituinte possuindo a fórmula -C (CH 3 ) 3 e derivado de isobutano. O prefixo tert – vem do terciário , porque o átomo de carbono central, com o qual esse grupo está ligado a uma molécula, é terciário (3º); isto é, forma vínculos com outros três carbonos.

O terbutil é talvez o grupo butil mais importante, acima do isobutil,    n- butil e secbutil. Esse fato é atribuído ao seu tamanho volumoso, que aumenta os impedimentos estéricos que afetam a maneira como uma molécula participa de uma reação química.

Na imagem acima, o grupo terbutil está representado, ligado a uma cadeia lateral R. Essa cadeia pode consistir em um esqueleto de carbono e alifático (embora também possa ser aromático, Ar), um grupo funcional orgânico ou um heteroátomo.

O terbutil se assemelha às pás do ventilador ou a uma perna de três dedos. Quando abrange grande parte da estrutura de uma molécula, como no caso do álcool terc-butílico, diz-se que o composto é derivado dela; e se, pelo contrário, dificilmente é uma fração ou fragmento da molécula, diz-se que nada mais é do que um substituinte.

Nomenclatura e treinamento

Inicialmente, foi esclarecido por que esse grupo é chamado terbutil. No entanto, este é o nome comum pelo qual é conhecido.

Seu nome governado pela antiga nomenclatura sistemática e atualmente também pela nomenclatura da IUPAC é 1,1-dimetiletil. À direita da imagem superior, temos os carbonos numerados, e pode-se ver efetivamente que dois metil estão ligados ao carbono 1.

Diz-se também que o terbutil é derivado do isobutano, que é o isômero estrutural mais ramificado e simétrico do butano.

Começando a partir de isobutano (à esquerda da imagem), o terceiro carbono central deve perder o seu único átomo de hidrogénio (em um circulo vermelho), rompendo a sua ligação CH assim que o radical terbutilo, ° C (CH 3 ) 3, é apresentada . Quando esse radical consegue se ligar a uma molécula ou a uma cadeia lateral R (ou Ar), torna-se um grupo subbutil ou terbutil.

Deste modo, pelo menos no papel, os compostos com a fórmula geral RC (CH 3 ) 3 ou Rt-Bu são obtidos.

Estrutura e características

O grupo terbutil é alquil, o que significa que é derivado de um alcano e consiste apenas em ligações CC e CH. Consequentemente, é hidrofóbico e apolar. Mas essas não são suas características mais marcantes. É um grupo que ocupa muito espaço, é volumoso e não é surpreendente, pois possui três grupos de CH 3 , grandes em si mesmos, ligados ao mesmo carbono.

Cada CH 3 de –C (CH 3 ) 3 gira, vibra, traz interações de forças dispersivas de Londres para seu ambiente molecular. Não é o suficiente, com um, existem três CH 3 que giram como se fossem as pás de uma ventoinha, todo o grupo terbutilo sendo notavelmente volumoso quando comparado com outros substituintes.

Como conseqüência, um obstáculo estérico constante aparece; isto é, uma dificuldade espacial para que duas moléculas possam se encontrar e interagir efetivamente. O terbutil afeta os mecanismos e como ocorre uma reação química, que procurará ocorrer de tal maneira que o impedimento estérico seja o mínimo possível.

Por exemplo, átomos de fechar-se a -C (CH 3 ) 3 serão menos susceptíveis a reacções de substituição; CH 3 irá impedir a molécula ou grupo que quer fazer parte da molécula de se aproximar.

Além do mencionado, o terbutil tende a causar uma diminuição nos pontos de fusão e ebulição , refletindo interações intermoleculares mais fracas.

Relacionado:  Trítio: estrutura, propriedades e usos

Exemplos de terbutil

Um número de exemplos de compostos em que o terbutil está presente será discutido abaixo. Estes são simplesmente obtidos variando as identidades de R na fórmula RC (CH 3 ) 3 .

Halides

Substituindo R por um átomo de halogênio, obtemos os halogenetos de terbutil. Assim, temos seus respectivos fluoretos, cloretos, brometos e iodetos:

-FC (CH 3 ) 3

-ClC (CH 3 ) 3

-BrC (CH 3 ) 3

-Ic (CH 3 ) 3

Destes, ClC (CH 3 ) 3 e BrC (CH 3 ) 3 são os mais conhecidos, sendo os solventes orgânicos e os precursores de outros compostos orgânicos clorados e bromados, respectivamente.

Álcool terbutílico

Álcool terc-butilo, (CH 3 ) COH ou t-BuOH, é outro dos exemplos mais simples derivados de terbutilo, o qual consiste também o mais simples de álcool terciário de todos. Seu ponto de ebulição é de 82 ºC, sendo o de álcool isobutílico 108 ºC. Isso mostra como a presença desse grupo volumoso afeta negativamente as interações intermoleculares.

Hipoclorito de terbutil

Substituindo R por hipoclorito, OCl ou ClO , temos o composto hipoclorito de terbutil, (CH 3 ) 3 COCl, no qual se destaca por sua ligação covalente C-OCl.

Isocianeto de terbutil

Agora, substituindo R por isocianeto, NC ou -N≡C, temos o isocianato composto de terc-butilo, (CH 3 ) 3 CNC ou (CH 3 ) 3 C-N≡C. Na imagem superior, podemos apreciar sua fórmula estrutural. Nele, o terbutil se destaca a olho nu como leque ou perna de três dedos e pode ser confundido com o isobutil (em forma de Y).

Acetato de terbutil

Temos também terbutilo de etilo, CH 3 COOC (CH 3 ) 3 (imagem acima), que obtém-se por substituição de R para o grupo etilo. O terbutil começa a perder a prioridade estrutural porque está ligado a um grupo de oxigênio.

Diterbutileter

O éter diterbutyl (imagem acima) já não pode ser descrita com a fórmula RC (CH 3 ) 3 , de modo que o terbutilo neste caso simplesmente se comporta como um substituinte. A fórmula deste composto é (CH 3 ) 3 COC (CH 3 ) 3 .

Observe que em sua estrutura os dois grupos terbutil ou substituintes se assemelham a duas pernas, onde as ligações OC são suas pernas; um oxigênio com duas pernas de três dedos.

Até agora, os exemplos apresentados foram compostos líquidos. Os dois últimos serão sólidos.

Buprofezine

Na imagem superior, temos a estrutura da buprofezina, um inseticida, onde na extrema direita podemos ver a “perna” do terbutil. No fundo, também temos o grupo isopropil.

Avobenzona

Finalmente, temos o avobenzona, um ingrediente em filtros solares devido à sua alta capacidade de absorver a radiação UV. O terbutil, novamente, está localizado à direita da estrutura devido à sua semelhança com a de uma perna.

O terbutil é um grupo muito frequente em muitos compostos orgânicos e farmacêuticos. Sua presença altera a maneira como a molécula interage com seu ambiente, uma vez que é consideravelmente volumosa; e, portanto, repele em seu caminho tudo o que não é alifático ou apolar, como as regiões polares das biomoléculas.

Referências

  1. Morrison, RT e Boyd, R., N. (1987). Química Orgânica . 5ª Edição. Editorial Addison-Wesley Interamericana.
  2. Carey F. (2008). Química Orgânica . (Sexta edição). Mc Graw Hill.
  3. Graham Solomons TW, Craig B. Fryhle. (2011). Química Orgânica . (10ª edição). Wiley Plus.
  4. Wikipedia. (2020). Grupo Butilo. Recuperado de: en.wikipedia.org
  5. Steven A. Hardinger. (2017). Glossário Ilustrado de Química Orgânica: Tert-butil. Recuperado de: chem.ucla.edu
  6. James Ashenhurst. (2020). t-butilo. Recuperado de: masterorganicchemistry.com

Deixe um comentário