Terceiro militarismo no Peru: causas, características

O terceiro militarismo é uma etapa da história do Peru, na qual vários governos militares foram bem-sucedidos. Seu início ocorreu em 1930, com a chegada ao poder de Luis Miguel Sánchez Cerro através de um golpe de estado. Depois de renunciar ao cargo, ele formou um partido político com o qual venceu nas eleições de 1931.

Alguns historiadores estendem esse período até os anos 50, abrangendo os governos militares da época. No entanto, a maioria é limitada pelo mandato de Sánchez Cerro e pelo seu sucessor, Oscar R. Benavides. Isso permaneceu até 1939 na presidência.

Terceiro militarismo no Peru: causas, características 1

Sánchez Cerro com seu governo – Fonte: Centro de Estudos Históricos Militares
sob a licença Creative Commons Attribution Share Alike 3.0

O surgimento do terceiro militarismo foi precedido pelas repercussões no Peru da crise econômica mundial de 1929. A isto se acrescentou o cansaço após os onze anos da ditadura de Leguía, em que instabilidade, repressão e corrupção eram moeda comum.

No entanto, Sánchez Cerro não significou uma grande mudança nesses aspectos. Sua ideologia, muito próxima do fascismo europeu, levou-o a banir partidos políticos e reprimir oponentes. Benavides amenizou um pouco a situação e empreendeu uma série de medidas sociais.

Causas

O último mandato presidencial de Augusto Bernardino de Leguía é conhecido pelo Oncenio, que durou 11 anos, de 1919 a 1930. Essa etapa foi caracterizada pelo deslocamento do civilismo como força política dominante, pela implantação de um sistema autoritário de governo e para o culto da personalidade .

O presidente abriu a economia no exterior, especialmente para os americanos. Da mesma forma, ele tentou modernizar as estruturas do Estado e empreendeu um ambicioso plano de obras públicas.

Durante seu mandato, houve uma mudança no Peru em relação às forças políticas dominantes. Assim, surgiram novas organizações, como a APRA e os comunistas.

Um golpe de estado, liderado pelo comandante Luis Miguel Sánchez Cerro, terminou sua permanência no poder.

Causas econômicas

As políticas econômicas de Leguía fizeram com que o Peru se tornasse totalmente dependente dos Estados Unidos. Seu plano de obras públicas, realizado com empréstimos dos EUA, aumentara substancialmente a dívida externa.

O Crac de 29 e a Grande Depressão subsequente pioraram a situação. O Peru, como o resto do planeta, foi seriamente afetado, a ponto de entrar em falência.

Os EUA, que também estavam sofrendo com a crise, fecharam as fronteiras ao comércio exterior. Isso causou uma queda nas exportações peruanas, aumentando os problemas econômicos internos.

Causas sociais

A oligarquia peruana foi ameaçada pelo crescente descontentamento sociopolítico. Essa instabilidade os levou a formar uma aliança com os militares, apoiando o golpe de estado.

Ao mesmo tempo, o Peru não era estranho a um fenômeno que estava ocorrendo em grande parte do mundo: o nascimento do fascismo. Assim, vários movimentos surgiram com essa ideologia, como o catolicismo nacional, o sindicalismo nacional ou o fascismo clerical. Por outro lado, trabalhadores e organizações comunistas também começaram a se fortalecer.

Causas políticas

O cenário político no Peru havia passado por grandes mudanças durante o século XI. Foi naqueles anos em que surgiram os primeiros partidos modernos do país, substituindo os tradicionais, como o civil ou o democrata.

As organizações mais importantes que se formaram durante esses anos foram o Partido Aprista Peruano e o Partido Socialista Peruano. O primeiro tinha um caráter marcadamente anti-imperialista e contrário à oligarquia. O segundo adotou o marxismo-leninismo como uma ideologia, embora fosse bastante moderado.

Ambas as partes fizeram com que os setores mais privilegiados do Peru ficassem preocupados. O medo de perder parte de seu poder fez com que apoiassem os militares na tomada do governo.

Relacionado:  Quem proclamou a independência do Peru?

Instabilidade territorial

Durante o período de Leguía, várias insurreições foram vividas em províncias como Cuzco, Puno, Chicama e, principalmente, Cajamarca.

A resposta violenta do governo apenas piorou a situação, criando um clima de instabilidade que teve um impacto negativo na economia e tranquilidade social e política.

Caracteristicas

O período do terceiro militarismo começou com o golpe de estado perpetrado por Luis Sánchez Cerro, que mais tarde foi eleito presidente constitucional. Após sua morte, ele foi substituído pelo general Oscar R. Benavides.

Aspecto político

Os militares que protagonizaram esse estágio da história do Peru foram líderes que responderam à crise econômica e política assumida. Para isso, estabeleceram uma aliança com a oligarquia nacional, com medo do progresso dos movimentos progressistas.

Sánchez Cerro, que esteve na Itália antes de seu golpe de Estado, tinha idéias muito próximas do fascismo. Seu governo era autoritário e xenófobo, aplicando algumas medidas populistas e corporativistas.

Os militares, depois de deixar o poder em 1930, fundaram um partido político para concorrer às seguintes eleições: a União Revolucionária. Sanchez conseguiu ganhar a votação, organizando um governo repressivo com os oponentes.

A União Revolucionária tinha uma faceta populista, combinada com um poderoso culto ao líder.

Quando Benavides chegou ao poder, ele tentou relaxar os aspectos mais repressivos de seu antecessor. Assim, ele decretou uma Lei de Anistia para presos políticos e as partes puderam reabrir sua sede.

No entanto, ele não hesitou em reprimir os apristas quando considerou que ameaçava sua presidência.

Aspecto Econômico

A crise de 29 atingiu o Peru com força. Havia escassez de produtos e a inflação era muito alta. Isso fez com que a população começasse a protestar e várias greves foram convocadas durante a década de 1930.

Sánchez Cerro contratou a Missão Kemmerer para tentar encontrar soluções para a situação. Os economistas desta comissão recomendaram reformas econômicas, mas o presidente aceitou apenas algumas. Mesmo assim, o Peru conseguiu reajustar um pouco sua política monetária e substituiu a libra peruana pelo sol.

Durante o período de Benavides, o ciclo econômico começou a mudar. A oligarquia optou por um conservadorismo liberal, com um estado forte que garantirá a lei e a ordem, condições consideradas essenciais para alcançar a estabilidade econômica.

Aspecto social

O terceiro militarismo, especialmente durante a presidência de Sánchez Cerro, foi caracterizado pela repressão contra oponentes e contra setores minoritários da sociedade. Seu caráter fascista apareceu em atos de violência contra os apristas e os comunistas, além do controle exercido sobre a imprensa.

Outra área em que o governo demonstrou grande crueldade foi lidar com estrangeiros. Durante a década de 1930, eles promoveram várias campanhas xenófobas contra a imigração asiática. Isso foi acentuado após a morte de Sánchez e a nomeação de Luis A. Flores como líder de seu partido.

A União Revolucionária foi organizada como uma estrutura vertical, com uma milícia intimamente relacionada à igreja. Sua ação política foi focada na criação de um estado corporativista e autoritário, com um único partido.

Isso não foi um obstáculo, de modo que, ao longo do Terceiro Militarismo, algumas medidas sociais foram promulgadas em favor da classe trabalhadora. Por outro lado, esse aspecto também era muito típico do fascismo.

Aspecto internacional

Um incidente aparentemente menor estava prestes a provocar uma guerra entre o Peru e a Colômbia durante a presidência de Sánchez Cerro. Os peruanos vieram mobilizar suas tropas e estavam preparados para enviá-los para a fronteira.

Relacionado:  As 5 alfândegas renascentistas mais destacadas

No entanto, o assassinato do presidente, precisamente logo após a revisão das tropas, permitiu que o conflito fosse evitado. Benavides, um substituto para Sánchez, começou a resolver o problema pacificamente.

Presidentes

Após a saída do poder de Augusto Leguía, uma Junta Militar presidida pelo general Manuela Ponce Brousset assumiu o governo do país. A falta de popularidade do novo presidente o substituiu por Luis Sánchez Cerro, muito mais conhecido pelo povo.

Sanchez, que havia se levantado em armas, como outros, contra Leguía, chegou a Lima em 27 de agosto de 1930. Sua recepção, segundo as crônicas, era apoteótica. O Conselho Militar de Brousset foi dissolvido e outro formado sob o comando de Sánchez Cerro.

Governo Provisório de Sánchez Cerro

A situação no Peru quando o novo presidente ocupou o cargo foi crítica. Os tumultos aconteciam em grande parte do país, estrelando trabalhadores, estudantes e militares.

Cerro promulgou medidas para interromper os protestos e, além disso, criou um tribunal especial para julgar casos de corrupção durante a presidência de Leguía.

A política de repressão, com a ilegalização de alguns sindicatos, culminou no massacre de Malpaso em 12 de novembro. Nele, 34 mineiros foram mortos.

No lado econômico, Sánchez Cerro contratou a Missão Kemmerer, um grupo de economistas americanos. As medidas propostas pelos especialistas foram, na maioria das vezes, rejeitadas pelo presidente, embora as aprovadas tenham tido um pequeno efeito positivo.

Antes de convocar as eleições, um grupo de oficiais do Exército e membros da polícia se rebelaram contra o governo provisório em fevereiro de 1931. O levante fracassou, mas mostrou descontentamento em relação ao regime.

Uma nova rebelião, em Arequipo, forçou Sánchez Cerro a renunciar em 1º de março de 1931. Depois dele, seguiu-se uma série de presidentes interinos que mal ocupavam o cargo. O mais importante deles foi Samanez Ocampo.

Governo Provisório de Samanez Ocampo

Samanez Ocampo assumiu o comando do Congresso Constituinte e conseguiu pacificar o país momentaneamente. Seu mandato, curto, foi dedicado à preparação das seguintes eleições. Para isso, ele criou um Estatuto Eleitoral e o Júri Nacional de Eleições.

Dentro das leis aprovadas para as eleições, padres, militares, mulheres, analfabetos e menores de 21 anos de idade foram excluídos do direito de voto. Da mesma forma, qualquer defensor do ex-presidente Leguía foi banido.

Apesar da melhora da situação, Samanez Ocampo teve que enfrentar algumas rebeliões em Cuzco. Todos foram reprimidos pela violência.

Finalmente, as eleições presidenciais foram realizadas em 11 de outubro de 1931. Alguns historiadores as consideram as primeiras eleições modernas na história do Peru.

Entre os candidatos estava Luis Sánchez Cerro, que havia fundado um partido fascista para se apresentar, a União Revolucionária. A APRA era seu principal rival.

Os votos foram favoráveis ​​a Sánchez Cerro, embora seus rivais tenham denunciado fraudes eleitorais e ignorado o resultado. No entanto, Samanez Ocampo permaneceu firme e entregou seu cargo a Sánchez Cerro.

Governo Constitucional de Luis Sánchez Cerro

Sánchez Cerro assumiu a presidência em 8 de dezembro de 1931. Uma de suas primeiras medidas foi ordenar trabalhos na redação de uma nova Constituição, que finalmente foi promulgada em 9 de abril de 1933.

Seu governo foi caracterizado pela repressão desencadeada contra seus oponentes, especialmente apristas e comunistas. Além disso, realizou campanhas cruzadas de xenófobos contra trabalhadores da Ásia.

O novo presidente teve que enfrentar a crise econômica que o país já estava sofrendo antes de sua chegada ao cargo. As matérias-primas perdiam cada vez mais valor e a inflação disparava. Apesar de contratar a Missão Kemmerer, as receitas tributárias caíram e o desemprego atingiu valores muito altos.

Relacionado:  Aliança Tripla (México): antecedentes e mansões independentes

A instabilidade política, com numerosas greves convocadas pelo Partido Comunista e pela APRA, não ajudou a economia a se recuperar. O presidente até sofreu um ataque fracassado e viu os navios de Callao se revoltarem contra ele.

Durante seu mandato, ele estava prestes a declarar uma guerra contra a Colômbia. Somente seu assassinato, ocorrido em 30 de abril de 1933, interrompeu os preparativos para o conflito.

Administração Oscar Benavides

Benavides foi nomeado presidente do Congresso no mesmo dia em que Sánchez Cerro foi morto. Embora a medida violasse a Constituição, ele assumiu o cargo para completar o período do falecido presidente, até 1936.

Benavides conseguiu parar o conflito com a Colômbia, alcançando um acordo de paz em 1934. Ele também aproveitou a mudança no ciclo econômico para deixar para trás a crise mais séria.

Em 1936, Benavides se apresentou como candidato às novas eleições. Seus principais rivais foram Jorge Prado (inicialmente apoiado pelo governo) e Luis Antonio Eguiguren, que tinham mais apoio social.

Assim que a contagem começou, o Júri Nacional anulou as eleições. A desculpa era que os apristas, cujo partido era proibido de participar da votação, apoiaram maciçamente Eguiguren.

O Congresso decidiu que Benavides estenderia seu mandato por mais três anos e, além disso, assumiria o poder legislativo. Seu lema para esse período era “ordem, paz e trabalho”. Ele teve o apoio do exército e da oligarquia.

No final de seu mandato, ele teve que enfrentar uma tentativa de golpe de estado. Embora ele tenha conseguido parar a tentativa, Benavides assumiu que não deveria continuar no cargo.

Consequências

As eleições de 1939 marcaram, para muitos historiadores, o fim do terceiro militarismo. Benavides apoiou Prado Ugarteche, filho do então presidente do Banco Central da Reserva do Peru.

O outro candidato principal era José Quesada Larrea, um jovem empresário que lutou pela liberdade eleitoral, com a evidência de que o governo poderia cometer fraudes.

Por outro lado, a APRA ainda era ilegal, embora fosse a mais importante do país. Finalmente, a União Revolucionária também foi banida.

A votação declarou Prado o vencedor, com uma vantagem considerável. Muitos denunciaram irregularidades maciças durante as eleições, mas nada mudou o resultado final.

Nova constituição

O Terceiro Militarismo não acabou com a instabilidade política do país. A União Revolucionária Sánchez Cerro, com sua ideologia fascista, reprimiu duramente todos os tipos de partidos populares de protesto e oposição, especialmente a APRA e o Partido Comunista.

Apesar da persistente crise econômica, a classe média aumentou. A oligarquia, por outro lado, fortaleceu sua posição privilegiada, apoiando os governos militares e os presidentes eleitos depois deles.

Segundo os historiadores, o fim do Terceiro Militarismo levou ao Peru o que foi catalogado como democracia fraca, com governos amplamente controlados pela oligarquia acima mencionada.

O legado mais importante deste período foi a Constituição de 1933. Esta se tornou a base econômica, política e social do país até 1979.

Referências

  1. História do Peru Terceiro militarismo Obtido em historiaperuana.pe
  2. Salazar Quispe, Robert. República Aristocrática – Terceiro Militarismo. Recuperado de visionhistoricadelperu.files.wordpress.com
  3. Escola Militarismo no Peru Obtido em school.net
  4. A biografia Biografia de Luis Sánchez Cerro (1889-1933). Obtido em thebiography.us
  5. John Preston Moore, Robert N. Burr. Peru Obtido em britannica.com
  6. Enciclopédia Biográfica Mundial. Oscar R. Benavides. Obtido de prabook.com
  7. Manual da Área da Biblioteca do Congresso dos EUA. Política de massa e mudança social, 1930-68. Recuperado de motherearthtravel.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies