Tipos de relatórios jornalísticos (finalidade e conteúdo)

Existem vários tipos de relatórios jornalísticos , que são possíveis de serem classificados de acordo com a finalidade. São o demonstrativo, o descritivo, a narrativa, o anedótico e o autobiográfico. Mas outros tipos também podem ser diferenciados de acordo com a ordem do conteúdo. São eles: eventos, ação, namoro e reportagem investigativa.

O relatório é um dos gêneros jornalísticos mais extensos e complexos que existem em relação à elaboração narrativa. Consiste no extenso desenvolvimento de um tópico de interesse geral. Nele, o autor dedica-se a investigar todos os tipos de detalhes, como antecedentes, circunstâncias, causas e repercussões do fato ou tema central.

Tipos de relatórios jornalísticos (finalidade e conteúdo) 1

Este gênero jornalístico investiga, descreve, diverte, informa e documenta. E isso é alcançado porque é uma informação que tem um caráter profundo. Não está ligado às notícias mais imediatas, pois o imediatismo não é importante no relatório. Certamente, os relatórios geralmente começam em um evento de notícias. No entanto, neste caso, a chave está na extensão e investigação aprofundada das notícias.

A reportagem permite que o jornalista tenha maior liberdade de exibição e oferece a ele a oportunidade de desenvolver seu próprio estilo literário. Embora isso não signifique que deva haver subjetividade.

Aqui os fatos são narrados como aconteceram, pois o objetivo ainda é informar. Por esse motivo, o relatório deve sempre ser acompanhado por uma investigação completa.

Somente assim é possível garantir que as informações sejam completas e totalmente fiéis. O objetivo é apresentar tudo sobre o assunto para que o leitor possa tirar suas próprias conclusões.

Tipos de relatórios

-De acordo com o objetivo

Relatório de demonstração

Nesse tipo de reportagem, o jornalista se dedica a descobrir problemas e baseia seu trabalho em reivindicações sociais. Como todo trabalho desse gênero jornalístico, a escrita não pode permanecer na exposição dos fatos, mas deve aprofundar-se nas causas do problema para oferecer um panorama mais completo.

Relacionado:  Edward Jenner: Biografia, Descobertas e Contribuições

Nesses tipos de relatórios, os leitores precisam fazer um esforço para entender as informações e prestar muita atenção. E, para atrair o leitor, o jornalista deve tentar animar a história.

Relatório descritivo

Esse tipo de relatório é baseado na observação detalhada do repórter, pois ele deve fornecer, por escrito, uma imagem clara de todas as características do assunto a ser discutido.

Isso inclui objetos, seres humanos, sensações, cidades e todos os aspectos da realidade. Você deve ser capaz de descrever cada elemento para colocar o leitor na história. No relatório descritivo, a investigação é importante, mas a capacidade de observação do repórter é elementar.

Relatório narrativo

Nesse tipo de relatório, o fator tempo assume um papel de liderança. Para esta história, o evento ou problema deve ser muito bem estruturado. Ele deve apresentar sua evolução ao longo do tempo e, para isso, deve ser estabelecido o que aconteceu primeiro e o que depois.

Para realizar um relatório narrativo, é necessário não apenas analisar documentos e fazer descrições de pessoas, objetos ou lugares, mas também coletar opiniões diferentes. Embora seja importante que sejam de pessoas autorizadas ou entidades oficiais.

Relatório retrospectivo-anedótico

Esse tipo de relatório visa reconstruir os detalhes de um evento passado. A história é construída através da análise das informações, que geralmente são coletadas a partir do estudo de documentos ou de entrevistas com testemunhas do fato de que se quer contar.

O relatório retrospectivo-anedótico deve manter seu foco nos eventos diários das pessoas. Pode basear-se na descoberta de fatos que não eram conhecidos. Ou você pode até apostar em negar outras versões contadas do mesmo evento.

Relacionado:  14 Costumes e tradições típicas da Argentina

Relatório autobiográfico

Esse tipo de reportagem foi criado pelo jornalista americano Tom Wolfe, reconhecido por ter feito importantes inovações no estilo jornalístico. O relatório autobiográfico nada mais é do que um trabalho de pesquisa em que não há mais protagonistas do que o repórter.

Ou seja, quem escreve a história se torna o personagem do próprio relatório. Esse tipo de trabalho geralmente é feito quando o jornalista tem algo importante a dizer e o faz da perspectiva dele.

-De acordo com a ordem do conteúdo

Relatório de Eventos

O relato de eventos consiste em apresentar uma visão estática dos fatos. O jornalista atua como um observador responsável por falar sobre os fatos, mas de fora.

Nesse caso, os eventos não são apresentados em ordem cronológica, mas em ordem de importância e simultaneamente.

Relatório de Ação

Tipos de relatórios jornalísticos (finalidade e conteúdo) 2

Cappa, principal fotojornalista e autor de importantes reportagens relacionadas a conflitos de guerra

Ao contrário do relatório de eventos, no relatório de ação, os eventos são apresentados dinamicamente, como se algo estivesse acontecendo. O jornalista deve acompanhar a evolução dos eventos, pois escreve a história de dentro do evento.

E assim deve fazer com que o leitor se sinta também. Esse tipo de relatório está associado à narração, pois a história deve acompanhar a evolução temporal do evento.

Relatório de Nomeação

Este é o relatório que é comumente conhecido como uma entrevista. Os fatos seguem o que o entrevistado conta. E para montar a história, descrições ou narrações alternativas do jornalista com palavras textuais do personagem questionado. Desta forma, o acima é suportado.

Não há regras para entrevistas. No entanto, é melhor evitar forçar o diálogo. Deve haver uma conversa agradável, com perguntas interessantes, para que o entrevistado possa fornecer todas as informações necessárias.

Relacionado:  Qual é a origem da palavra Chulla?

Relatório de Pesquisa

Embora possa parecer óbvio, uma vez que todos os relatórios são baseados em pesquisas, neste caso, é muito mais profundo.

No relatório investigativo, o jornalista deve realizar um trabalho praticamente detetive para capturar todos os detalhes, especialmente aqueles que são desconhecidos.

É também um trabalho que requer fontes muito confiáveis ​​e até confidenciais que fornecem evidências do que é dito no resumo. Esse tipo de relatório geralmente contém dados estatísticos, números atualizados e documentos com informações oficiais.

Referências

  1. Patterson, C. (2003). O bom relatório, sua estrutura e características. Revista Latina de Comunicação Social. Universidade do Panamá Recuperado de ull.es.
  2. A imprensa, um recurso para a sala de aula. Análise de imprensa. Gêneros jornalísticos (sem data). Treinamento em rede, recuperado de ite.educacion.es.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies