Tipos de terapia cognitiva: o que são e quais são suas características

A terapia cognitiva é uma abordagem psicoterapêutica que se concentra na identificação e modificação de padrões de pensamento e crenças negativas que contribuem para problemas emocionais e comportamentais. Existem diversos tipos de terapia cognitiva, cada um com suas características específicas. Neste artigo, vamos explorar alguns dos principais tipos de terapia cognitiva, incluindo a terapia cognitivo-comportamental (TCC), a terapia cognitiva baseada em mindfulness e a terapia cognitiva baseada em esquemas. Vamos analisar suas diferenças, semelhanças e como cada uma pode ser eficaz para diferentes tipos de problemas psicológicos.

Tipos de terapia cognitiva: conheça as diferentes abordagens terapêuticas para tratamento de problemas psicológicos.

A terapia cognitiva é uma abordagem terapêutica que se baseia na ideia de que nossos pensamentos influenciam nossos sentimentos e comportamentos. Existem diferentes tipos de terapia cognitiva, cada um com suas próprias características e técnicas específicas.

Um dos tipos mais conhecidos de terapia cognitiva é a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC), que se concentra em identificar e modificar pensamentos disfuncionais e comportamentos inadequados. A TCC é frequentemente utilizada no tratamento de transtornos de ansiedade, depressão e fobias.

Outro tipo de terapia cognitiva é a Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness, que combina os princípios da TCC com técnicas de mindfulness para ajudar os pacientes a desenvolver uma maior consciência de seus pensamentos e emoções. Essa abordagem é especialmente eficaz no tratamento do estresse, da ansiedade e da depressão.

Além disso, a Terapia Cognitiva Analítico-Comportamental (TCAC) é uma variação da TCC que se concentra na análise funcional dos comportamentos e pensamentos disfuncionais, buscando compreender as funções que eles desempenham na vida do paciente. A TCAC é indicada para o tratamento de transtornos alimentares, vícios e transtornos de personalidade.

A escolha do tipo de terapia mais adequada depende das necessidades e características do paciente, bem como do problema psicológico a ser tratado.

Características principais da Terapia Cognitivo-Comportamental: o que você precisa saber.

A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é uma abordagem terapêutica eficaz que se baseia na ideia de que nossos pensamentos, emoções e comportamentos estão interconectados. Nessa terapia, o foco está em identificar e modificar padrões de pensamento negativos e crenças distorcidas que podem estar contribuindo para problemas emocionais e comportamentais.

Uma das principais características da TCC é a sua natureza prática e orientada para soluções. Os terapeutas cognitivo-comportamentais trabalham em colaboração com os pacientes para definir metas específicas e desenvolver estratégias concretas para alcançá-las. O objetivo principal é ajudar os pacientes a adquirir habilidades para lidar com seus problemas de forma mais eficaz no dia a dia.

Outra característica importante da TCC é a sua abordagem estruturada e focada no presente. Os terapeutas ajudam os pacientes a identificar pensamentos automáticos negativos e a avaliar sua validade. Eles também ensinam técnicas de relaxamento, resolução de problemas e outras habilidades práticas para lidar com situações desafiadoras.

Além disso, a TCC é uma terapia de curto prazo, que geralmente envolve um número limitado de sessões. Isso torna a abordagem ideal para pessoas que desejam resultados rápidos e práticos. No entanto, é importante ressaltar que a TCC requer comprometimento e prática por parte do paciente, pois as mudanças de pensamento e comportamento exigem esforço e dedicação.

Quantos tipos de terapias cognitivas estão disponíveis atualmente para tratamento de problemas psicológicos?

Atualmente, existem diversos tipos de terapias cognitivas disponíveis para o tratamento de problemas psicológicos. As terapias cognitivas são abordagens terapêuticas que se baseiam na ideia de que nossos pensamentos influenciam nossas emoções e comportamentos. Elas visam identificar e modificar padrões de pensamento disfuncionais que causam sofrimento psicológico.

Relacionado:  Ebriorexia: sintomas, causas e tratamento

Alguns dos tipos de terapias cognitivas mais comuns incluem a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC), a Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness (TCBM), a Terapia de Aceitação e Compromisso (TAC), a Terapia Cognitiva Analítica (TCA) e a Terapia Cognitiva Dialética (TCD).

A TCC é uma das abordagens mais amplamente utilizadas e comprovadamente eficazes no tratamento de uma variedade de transtornos psicológicos, como a depressão e a ansiedade. Ela foca na identificação e modificação de pensamentos distorcidos e comportamentos inadequados.

A TCBM combina técnicas da TCC com práticas de mindfulness, que envolvem estar plenamente presente no momento presente sem julgamento. Essa abordagem é especialmente útil no tratamento de transtornos de humor e estresse.

A TAC, por sua vez, se concentra em ajudar as pessoas a aceitarem suas emoções e experiências internas, enquanto se comprometem com ações que são consistentes com seus valores e objetivos de vida. Essa terapia é eficaz no tratamento de transtornos de personalidade e vícios.

A TCA e a TCD são abordagens mais específicas que se concentram em questões como a relação entre os pensamentos e a identidade do indivíduo (TCA) e a regulação emocional e a resolução de conflitos interpessoais (TCD).

Conheça os três níveis da terapia cognitiva para transformar sua saúde mental.

A terapia cognitiva é uma abordagem terapêutica que se concentra em identificar e modificar padrões de pensamento negativos e distorcidos que podem estar contribuindo para problemas emocionais e comportamentais. Existem três níveis principais dessa abordagem que podem ser utilizados para transformar a saúde mental de um indivíduo.

O primeiro nível é o nível educacional, onde o terapeuta ajuda o paciente a entender como os pensamentos influenciam suas emoções e comportamentos. Neste nível, o foco está em fornecer informações e ensinar habilidades para identificar e desafiar pensamentos disfuncionais.

O segundo nível é o nível prático, onde o terapeuta trabalha com o paciente para aplicar as habilidades aprendidas no nível educacional na vida cotidiana. Aqui, o paciente é encorajado a praticar técnicas de reestruturação cognitiva e a testar novas formas de pensar e agir em situações do dia a dia.

O terceiro nível é o nível emocional, onde o foco está em explorar e lidar com as emoções subjacentes que podem estar influenciando os padrões de pensamento disfuncionais. Neste nível, o terapeuta ajuda o paciente a identificar e expressar suas emoções de forma saudável, promovendo assim uma maior consciência emocional e autocontrole.

Se você está lutando com problemas emocionais ou comportamentais, considerar a terapia cognitiva pode ser o primeiro passo para uma vida mais saudável e equilibrada.

Tipos de terapia cognitiva: o que são e quais são suas características

Tipos de terapia cognitiva: o que são e quais são suas características 1

A maneira como pensamos, na qual processamos as informações de nosso ambiente e as transformamos em nossos próprios esquemas mentais, nos condiciona quando se trata de sentir e agir. Tal é o peso de nossos pensamentos que a geração de idéias distorcidas pode levar a algum tipo de condição psicológica, como ansiedade ou depressão.

Esse fato foi o que impulsionou a criação dos diferentes tipos de terapias cognitivas . Graças a eles, o paciente pode aprender habilidades e estratégias eficazes que o ajudam a modificar a maneira como pensa e, portanto, como se sente e se comporta.

O que é terapia cognitiva?

O termo “cognitivo” refere-se aos processos de pensamento da pessoa, incluindo atenção, aprendizado, planejamento, julgamento e tomada de decisão . Portanto, a terapia cognitiva é um tipo de terapia psicológica que considera que alguns distúrbios ou condições mentais e emocionais estão intimamente ligados aos processos cognitivos.

Isso significa que, de acordo com as teorias que enquadram os diferentes tipos de terapias cognitivas, as pessoas sofrem e desenvolvem condições psicológicas devido à maneira como interpretam o ambiente e aos eventos que ocorrem e não à natureza delas.

Portanto, a missão da intervenção psicológica por meio da terapia cognitiva é que o paciente seja capaz de encontrar interpretações flexíveis, funcionais e adaptáveis ​​dos eventos vitais que experimenta.

Outras interpretações da terapia cognitiva a descrevem como a implementação prática da psicologia cognitiva, que sustenta uma concepção psicológica em relação a diferentes processos mentais e de um ponto de vista intrapsíquico. Em outras palavras, entende-se que existem vários elementos diferentes na mente de cada pessoa que os tornam diferentes dos outros.

Principais tipos de terapia cognitiva

A escolha de um tipo de terapia cognitiva, em detrimento de outro, geralmente está sujeita ao reconhecimento das diferentes necessidades do paciente. Os diferentes tipos de terapia cognitiva são apenas técnicas de intervenção, mas compõem toda uma estrutura da ciência aplicada que pode assumir diferentes formas, dependendo dos objetivos que você deseja alcançar.

Diferentes tipos de terapias cognitivas se desenvolveram ao longo da história da psicologia. No entanto, há dois que se destacam acima do resto: a terapia cognitiva de Aaron Beck, que enfatiza pensamentos automáticos e distorções cognitivas; e a terapia comportamental emocional racional de Albert Ellis, na qual idéias irracionais são trabalhadas.

Ambas as terapias cognitivas abrangem todo um conjunto de técnicas e estratégias terapêuticas, além de uma metodologia que as distingue. Mas sempre se ajustando a um rigoroso método científico.

1. Terapia cognitiva de A. Beck (CT)

A terapia cognitiva de Aaron Beck é um tipo de psicoterapia, desenvolvido nos anos 60 pela American – psiquiatra nascido Aaron T. Beck. Esse tipo de terapia é baseado no modelo cognitivo, que estabelece que pensamentos, sentimentos e comportamentos estão intimamente conectados e que, portanto, as pessoas podem superar suas dificuldades e atingir seus objetivos, identificando e alterando pensamentos inúteis ou incorretos. .

Para conseguir tal modificação, o paciente deve trabalhar em colaboração com o terapeuta para desenvolver todos os tipos de habilidades que lhe permitam identificar pensamentos e crenças distorcidas e depois modificá-los.

No início da terapia cognitiva de Beck, ele se concentrou no tratamento da depressão, elaborando uma lista de erros mentais ou distorções cognitivas que causavam humor deprimido . Entre eles estavam inferência arbitrária, abstração seletiva, generalização excessiva ou ampliação de pensamentos negativos e minimização de positivos.

No entanto, com o avanço da prática e da pesquisa desse tipo de terapia, observou-se que ela pode ser extremamente eficaz no tratamento de muitos outros transtornos psicológicos e mentais, dentre os quais encontramos:

  • Vícios
  • transtorno de ansiedade .
  • O transtorno bipolar .
  • Fobias
  • Baixa auto – estima .
  • Idéias suicidas.
  • Esquizofrenia .
  • Perda de peso.

Método: reestruturação cognitiva

A maneira pela qual o profissional leva a pessoa a aprender e praticar essas habilidades de forma independente é conhecida como reestruturação cognitiva.

Relacionado:  paralisia supranuclear progressiva: causas, sintomas e tratamentos

A reestruturação cognitiva é uma técnica de intervenção em que os identifica pacientes e perguntas seus pensamentos irracionais ou mal adaptadas , conhecido como distorções cognitivas. As etapas para realizar uma reestruturação cognitiva incluem:

  • Identificação de pensamentos problemáticos .
  • Identificação de distorções cognitivas dentro desses pensamentos.
  • Questionamento, através do método socrático, dessas distorções.
  • Desenvolvimento de um argumento racional para esses pensamentos distorcidos.

2. Terapia racional-emocional-comportamental de Ellis (TREC)

A meio caminho entre terapia cognitiva e terapia cognitivo-comportamental, encontramos a terapia racional-emocional-comportamental de Ellis . Isso foi exibido pela primeira vez no ano de 1950 pelo psicoterapeuta e psicólogo americano Albert Ellis, que foi inspirado pelos ensinamentos de diferentes filósofos gregos, romanos e asiáticos para desenvolver esse tipo de terapia cognitiva.

Também conhecida como terapia racional ou terapia emocional racional, consiste em uma terapia de direção ativa, filosófica e empírica que se concentra na resolução de problemas e distúrbios emocionais e comportamentais; e cujo objetivo é garantir que o paciente leve uma vida mais feliz e mais satisfatória.

Uma das premissas fundamentais do TREC é que as mudanças emocionais que as pessoas experimentam não se devem às circunstâncias que as causam , mas à maneira pela qual as visões dessas circunstâncias são construídas através do uso da linguagem. , crenças e significados.

No TREC, o paciente aprende e começa a aplicar essa premissa através do modelo ABCDEF de perturbação e mudança psicológica. O modelo ABC argumenta que não é a adversidade (A) que causa as conseqüências emocionais (C), mas também os pensamentos irracionais que a pessoa (B) cria em relação à adversidade. A adversidade pode ser entendida como uma situação externa como um pensamento, sentimento ou outro evento interno.

Graças a esse tipo de terapia, a pessoa pode identificar e entender as interpretações e suposições ilógicas ou errôneas que faz para questioná-las (D). Finalmente, a criação (E) de modos de pensar mais saudáveis ​​leva as pessoas a novos sentimentos (F) e comportamentos mais adequados à circunstância (A) abordada na terapia.

Usando vários métodos e atividades cognitivas baseadas no diálogo e no debate socrático, o paciente pode obter uma nova maneira de processar as informações; isto é, pensando, muito mais favorável, construtivo e emocional.

Relação com terapia cognitivo-comportamental

Se considerarmos o nome dele, podemos deduzir que a terapia cognitiva e a terapia cognitivo-comportamental têm certos aspectos em comum. Tradicionalmente, é feita uma diferença entre os dois tipos de terapia, levando em consideração o nível de inferência e o arcabouço teórico de partida, seja cognitivo ou comportamental .

A corrente cognitiva clássica apóia a idéia de que, dentro dos processos cognitivos e de pensamento, encontramos uma explicação para nossos comportamentos. Por outro lado, de acordo com a abordagem comportamental, os motivos ou razões de nosso comportamento podem basear-se apenas no ambiente e não em argumentos cognitivos. Então, ambos têm pontos de partida diferentes.

No entanto, as premissas da abordagem cognitivo-comportamental estabelecem que existe uma relação íntima entre comportamento e cognição. Partindo da ideia de que tanto a cognição, o comportamento quanto o afeto ou a emoção estão inter-relacionados, e que, ao fazer uma mudança em qualquer um dos três, também poderemos modificar os outros dois aspectos da pessoa.

Deixe um comentário