Transtorno da personalidade masoquista: sintomas, causas e tratamento

O transtorno da personalidade masoquista é caracterizado por um padrão de comportamento que envolve a busca de situações de sofrimento, humilhação ou dor física ou emocional. Os indivíduos com esse transtorno tendem a se colocar em situações onde são maltratados ou abusados, muitas vezes de forma inconsciente.

Os sintomas incluem uma tendência a se submeter a situações abusivas, dificuldade em estabelecer limites saudáveis nos relacionamentos, baixa autoestima e uma forte necessidade de aprovação dos outros. As causas desse transtorno podem estar relacionadas a traumas emocionais na infância, experiências de abuso ou negligência, entre outros fatores.

O tratamento para o transtorno da personalidade masoquista geralmente envolve terapia cognitivo-comportamental, terapia de grupo e, em alguns casos, medicação para tratar sintomas associados, como depressão ou ansiedade. É importante buscar ajuda de um profissional de saúde mental para obter um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Transtorno de personalidade autodestrutiva: quando o auto sabotagem é uma constante na vida.

O Transtorno da personalidade masoquista é caracterizado por um padrão persistente de comportamento autodestrutivo, onde a pessoa tende a se colocar em situações que causam sofrimento físico ou emocional. Este tipo de transtorno de personalidade está relacionado à auto sabotagem, onde a pessoa parece estar sempre se prejudicando de alguma forma.

Os sintomas do Transtorno da personalidade masoquista incluem a busca constante por situações de sofrimento, a recusa em receber elogios ou reconhecimento, bem como a tendência a se envolver em relacionamentos abusivos. As causas deste transtorno podem estar relacionadas a experiências traumáticas na infância, baixa autoestima e dificuldade em lidar com as emoções.

O tratamento para o Transtorno da personalidade masoquista geralmente envolve terapia cognitivo-comportamental, onde o indivíduo aprende a identificar e modificar padrões de pensamento autodestrutivos. Além disso, a terapia de grupo e o apoio de familiares e amigos também podem ser úteis no processo de recuperação.

Parafilias: origens e abordagens terapêuticas para tratamento das disfunções sexuais incomuns.

As parafilias são consideradas disfunções sexuais incomuns que envolvem a fixação em atividades ou objetos não convencionais para obter prazer sexual. Essas práticas podem causar desconforto e prejuízo para a pessoa que as possui, além de serem muitas vezes consideradas socialmente inaceitáveis.

As origens das parafilias ainda são motivo de debate entre os especialistas. Alguns acreditam que essas preferências sexuais atípicas podem ter origens biológicas, como alterações neurológicas ou genéticas. Outros argumentam que fatores psicológicos, como traumas de infância ou problemas de autoestima, podem desempenhar um papel importante na sua manifestação.

No que diz respeito ao tratamento das parafilias, as abordagens terapêuticas podem variar de acordo com a gravidade e a natureza específica da disfunção sexual. Entre as opções mais comuns estão a terapia cognitivo-comportamental, que busca identificar e modificar padrões de pensamento e comportamento disfuncionais, e a terapia sexual, que visa promover uma relação saudável com a sexualidade e com o parceiro.

Transtorno da personalidade masoquista: sintomas, causas e tratamento.

O transtorno da personalidade masoquista é caracterizado pela tendência da pessoa em se submeter a situações de sofrimento, humilhação ou dor como forma de obter prazer ou gratificação. Alguns dos sintomas mais comuns incluem a busca por relacionamentos abusivos, a auto sabotagem e a dificuldade em estabelecer limites saudáveis.

As causas do transtorno da personalidade masoquista também são complexas e podem envolver uma combinação de fatores genéticos, biológicos e psicossociais. Traumas de infância, experiências de abuso ou negligência e padrões disfuncionais de relacionamento podem contribuir para o desenvolvimento desse transtorno.

O tratamento do transtorno da personalidade masoquista geralmente envolve a psicoterapia, que pode ajudar a pessoa a entender as origens de seu comportamento masoquista, desenvolver habilidades de auto-empoderamento e estabelecer limites saudáveis. Além disso, a terapia de grupo e o apoio familiar também podem ser úteis no processo de recuperação.

Masoquista: Indivíduo que obtém prazer com sensações dolorosas e intensas.

O transtorno da personalidade masoquista é caracterizado por um padrão de comportamento que envolve uma preferência por situações dolorosas e intensas. Indivíduos com esse transtorno tendem a buscar experiências que envolvam sofrimento físico ou emocional, encontrando prazer nesse tipo de sensação.

Relacionado:  Os 10 melhores psicólogos em Algeciras

Os sintomas do transtorno da personalidade masoquista incluem uma tendência a se submeter a abusos ou situações degradantes, dificuldade em estabelecer limites saudáveis em relacionamentos e uma tendência a se punir de forma excessiva. Esses comportamentos podem prejudicar a qualidade de vida do indivíduo e afetar suas relações interpessoais.

As causas do transtorno da personalidade masoquista não são totalmente compreendidas, mas acredita-se que fatores genéticos, ambientais e psicológicos possam desempenhar um papel no seu desenvolvimento. Traumas de infância, abuso emocional ou físico, e padrões disfuncionais de relacionamento podem contribuir para o surgimento desse transtorno.

O tratamento do transtorno da personalidade masoquista geralmente envolve terapia cognitivo-comportamental, terapia de grupo e, em alguns casos, medicação. O objetivo do tratamento é ajudar o indivíduo a desenvolver habilidades saudáveis de enfrentamento, estabelecer limites saudáveis e melhorar sua autoestima e autoconfiança.

Asfixiofilia: o estudo psicológico por trás da excitação sexual com a falta de ar.

A asfixiofilia é um comportamento sexual em que a pessoa sente excitação ao ter sua respiração restringida, seja por estrangulamento, sufocação ou qualquer outra forma de restrição de ar. Essa prática pode ser extremamente perigosa e até mesmo fatal, pois pode levar à privação de oxigênio no cérebro e causar danos irreversíveis.

Do ponto de vista psicológico, a asfixiofilia pode estar relacionada a questões de controle, poder e submissão. Alguns indivíduos podem buscar essa sensação de perigo e vulnerabilidade para aumentar a excitação sexual. No entanto, é importante ressaltar que essa prática não é segura e pode resultar em consequências graves.

Quando falamos sobre transtornos da personalidade masoquista, podemos observar algumas semelhanças com a asfixiofilia. Pessoas com esse transtorno podem sentir prazer em serem humilhadas, agredidas ou submetidas a situações de dor e sofrimento. Esses comportamentos podem estar ligados a questões de autoestima, controle e submissão.

Os sintomas do transtorno da personalidade masoquista incluem a busca constante por situações de sofrimento, a dificuldade em estabelecer limites saudáveis em relacionamentos e a tendência a se colocar em situações de perigo. As causas desse transtorno podem estar relacionadas a traumas passados, problemas de autoimagem e dificuldades emocionais.

O tratamento para o transtorno da personalidade masoquista geralmente envolve terapia cognitivo-comportamental, psicoterapia e, em alguns casos, o uso de medicamentos. É fundamental buscar ajuda de um profissional qualificado para compreender e lidar com os sintomas desse transtorno e encontrar formas saudáveis de lidar com questões de controle, poder e submissão.

Transtorno da personalidade masoquista: sintomas, causas e tratamento

Transtorno da personalidade masoquista: sintomas, causas e tratamento 1

Abnegação e sacrifício para ajudar os outros são aspectos que são valorizados positivamente pela sociedade quando partem da vontade de ajudar alguém em um momento específico. No entanto, existem pessoas que sempre apresentam as necessidades fora das suas e até negam as suas ou a possibilidade de experimentar prazer ou alegria por si e por si mesmas .

Não estamos falando de alguém generoso que nos faz um favor, mas alguém que literalmente se dedica a suprir as necessidades dos outros, mesmo sem eles pedirem ou considerarem necessário. Pessoas que negam todo tipo de reconhecimento, mas ao mesmo tempo se sentem profundamente ofendidas se seus esforços forem ignorados. Pessoas com uma emocionalidade constantemente disfórica, com pensamentos de não merecer nada de positivo e uma grande insegurança e medo.

Estamos falando de pessoas com uma personalidade disfuncional, que não lhes permite se adaptar adequadamente ao meio ambiente e geram grande sofrimento. Estamos falando sobre o que as pessoas vivem com um transtorno de personalidade masoquista ou autodestrutivo .

Transtorno de personalidade masoquista ou autodestrutivo

O transtorno de personalidade autodestrutivo ou masoquista é considerado aquele tipo de personalidade caracterizada pela presença de um padrão de comportamento e visão de mundo relativamente estável ao longo do tempo e por situações nas quais elementos de autodestruição e autonegação estão aparecendo constantemente .

Relacionado:  Bruxismo (ranger de dentes): causas, sintomas e tratamento

As pessoas com esse tipo de personalidade caracterizam-se por apresentar comportamentos desvalorizados e buscar dor e sofrimento , visíveis na busca de ambientes que tendem a levar à presença de frustração ou mesmo à busca de abuso ou irritação (não é incomum para eles tendem a considerar as pessoas que são atraídas por elas chatas e se sentem atraídas por personalidades sádicas), a negação de suas próprias necessidades e a evitação de buscar prazer e diversão. Tende a haver uma rejeição daqueles que o tratam bem e negam a possibilidade de serem ajudados.

É provável que, após experiências positivas, eles busquem vivenciar experiências aversivas ou deprimidas. São pessoas que manifestam comportamentos excessivamente altruístas e generosos com os outros, geralmente se sacrificando, apesar de não serem necessárias ou exigidas. Além disso, tende a falhar em atingir seus próprios objetivos . Eles geralmente acumulam situações de frustração e auto-mutilação.

Pessoas com esse tipo de personalidade geralmente vêem os outros como seres que precisam de ajuda ou como seres competitivos e cruéis, enquanto se veem como seres desprezíveis, merecedores de dor ou simplesmente inúteis. Eles tendem a procurar a rotina e consideram que suas realizações se devem mais à sorte ou à intervenção externa.

São pessoas com alta vulnerabilidade à humilhação, grande insegurança e medo de abandono . Geralmente, eles não pedem favores ou fazem grandes esforços para alcançar seus próprios objetivos, tendo uma atitude bastante passiva e buscando gratificação na abnegação e no benefício de outros. Eles tendem a permanecer em segundo plano e permitir abusos contra eles, tendo um perfil angustiado e dando aparência de simplicidade. Eles geralmente apresentam distorções cognitivas, se consideram inferiores e acreditam que têm o dever de ajudar os outros e nunca priorizar. Da mesma forma, ajudar os outros é visto como necessário.

É necessário levar em consideração que esse distúrbio não deriva apenas da experiência ou medo de sofrer algum tipo de abuso, nem ocorre exclusivamente durante a presença de um episódio de depressão maior.

  • Você pode estar interessado: ” Baixa auto-estima? Quando você se torna seu pior inimigo “

Afeto no nível vital

Obviamente, as características anteriores geram que essas pessoas apresentam uma série de dificuldades importantes no seu dia a dia, que podem ocorrer com um alto nível de sofrimento. Não é incomum que eles experimentem altos níveis de frustração , algo que, por sua vez, alimenta suas crenças de serem indignas.

Em seus relacionamentos, eles tendem a receber abuso e abuso, sendo comportamentos frequentes de submissão absoluta. Isso também se reflete em outros relacionamentos: muitas pessoas podem tirar proveito delas , enquanto muitas outras tendem a se afastar delas devido à sua excessiva generosidade e submissão. Aqueles que os tratam bem ou geralmente querem ajudá-los podem se sentir rejeitados por essas pessoas.

E não apenas nos problemas sociais, mas também nos locais de trabalho: podem ocorrer longas horas de trabalho com o objetivo de beneficiar os outros. Isso também pode diminuir sua própria produtividade. Sua falta de confiança pode limitar suas chances de melhoria em todas as áreas, bem como a passividade comportamental em relação à busca do seu próprio bem-estar.

Causas possíveis

A razão para as causas desse tipo de personalidade é desconhecida, na verdade tendo uma origem multicausal. Embora as causas não sejam totalmente claras, algumas das hipóteses a esse respeito mostram a influência das experiências e lições das crianças aprendidas ao longo da vida.

As principais hipóteses nesse sentido são baseadas principalmente em uma perspectiva psicanalítica. Entre os diferentes fatores que parecem influenciar a aparência desse transtorno de personalidade está a confusão e a integração no mesmo assunto da experiência de punição, dor e sofrimento, juntamente com o sentimento de proteção e segurança. Também é possível que tenha sido aprendido que a única maneira de obter afeto é em momentos de sofrimento pessoal (algo que no futuro causará a auto-desvalorização como um mecanismo para alcançar esse afeto).

Relacionado:  Herpetofobia: sintomas, causas e tratamento

A presença de modelos parentais deficientes (pais ausentes e frios, irritados e com um alto nível de frustração vital) que a criança mais tarde replicará como forma de funcionar e ver o mundo também é proposta como hipótese. Outro dos elementos mencionados é a falta de capacidade de integrar elementos positivos, sentindo-se seguro, sentindo-se desprezado e infeliz.

Tratamento deste distúrbio de personalidade O tratamento de um distúrbio de personalidade (seja um ou outro) é um tanto complexo. No final do dia, estamos diante de uma maneira de prosseguir e ver o mundo que foi configurado ao longo da vida de uma pessoa. Apesar disso, não é impossível.

No caso em questão e com base no modelo de Millon, o tratamento procuraria reverter a polaridade da dor do prazer (uma pessoa com esse transtorno de personalidade tende a ter algum desacordo em obter prazer da dor e vice-versa) e fortalecer a busca de gratificações. -se (diminuindo a dependência de outros). Também procuraria gerar uma mudança de crenças em relação a si mesmo e modificar crenças negativas e desvalorizantes em relação a si mesmo e a necessidade de consentir em abusos e abnegados constantes e excessivos. Ele procuraria modificar a crença de que eles merecem sofrer ou que sua vida não tem valor para si mesmos e só tem valor se ajudarem os outros, assim como o restante das distorções cognitivas que eles geralmente apresentam.

Eles também tentavam parar de ver os outros precisando de ajuda ou entidades hostis e geravam modificações comportamentais para que parassem de procurar relacionamentos de dependência. Altere também a maneira de se relacionar com os outros e com o mundo, além de promover um posicionamento vital mais ativo e menos ousado. Melhorar a auto-estima e diminuir o nível de inibição vital também são elementos que podem ajudar as pessoas a adotar uma maneira de ver o mundo mais adaptável.

Para isso, o uso de técnicas como reestruturação cognitiva, experimentos comportamentais, uso de técnicas expressivas ou psicodrama seria útil. O treinamento de habilidades sociais também pode ser útil para aprender a se relacionar positivamente. O uso de terapia assistida por animais também pode ser útil, bem como treinamento de assertividade. Da mesma forma, a ativação comportamental pode ser muito necessária para ajudá-los a adquirir uma posição mais vitalmente ativa.

  • Você pode estar interessado: ” Tipos de terapias psicológicas “

Status atual da etiqueta de diagnóstico

Assim como no transtorno de personalidade sádico, o transtorno de personalidade masoquista foi contemplado na revisão da terceira edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais ou DSM-III-R.

No entanto, os dois rótulos de diagnóstico foram removidos em edições posteriores, tornando-se parte da classificação de transtorno de personalidade não especificado. Em relação a Millon, cujo modelo biopsicossocial é um dos mais reconhecidos em relação aos transtornos de personalidade , ele continua a mantê-lo como um distúrbio de personalidade no MCMI-III.

Referências bibliográficas:

  • Associação Americana de Psiquiatria (1987). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 3ª edição revisada (DSM-III-R). Washington D. C
  • Caballo, V. (2001). Uma introdução aos transtornos de personalidade no século XXI. Psicologia comportamental, 9 (3); 455-469.
  • Horse, VE (2015). Manual de transtornos de personalidade. Descrição, avaliação e tratamento. Síntese editorial.
  • Millon, T., Davis, R., Millon, C., Escovar, L. e Meagher, S. (2001). Transtornos da personalidade na vida moderna. Barcelona: Masson.
  • Millon, T., Grossman, S., Davis, R. e PhD, e Millon, C. (2012). MCMI-III, Inventário Clínico Multiaxial de MILLON. Ed: Pearson, Nova York.

Deixe um comentário