Tratado de Tordesilhas: causas, conteúdo e consequências

O Tratado de Tordesilhas foi um documento assinado em 7 de junho de 1494 em Tordesilhas (Valladolid) pelo rei Fernando II de Aragão e pela rainha Isabel I de Castela, representando a Espanha; e o rei Juan II de Portugal como contrapartida.

Ocorreu alguns anos após a descoberta do Novo Mundo pelos espanhóis, das viagens de Cristóvão Colombo iniciadas em 1492. O tratado fixava a distribuição das zonas de navegação e conquista que estavam na América e no Oceano Atlântico. com o objetivo de evitar conflitos entre o reino de Portugal e a monarquia da Espanha.

Tratado de Tordesilhas: causas, conteúdo e consequências 1

A imagem mostra a casa onde o Tratado de Tordesilhas foi assinado. Fonte: Txo [Domínio público]

O Tratado de Tordesilhas foi o primeiro entre Espanha e Portugal que teve a ver com as colônias americanas, porque antes disso já haviam assinado acordos entre os dois países. No entanto, a descoberta da América fez brilhar novamente os interesses de ambos pela conquista e colonização de novos territórios.

O tratado permaneceu em vigor por anos, mas gerou conflitos e não foi respeitado na íntegra, sendo cancelado por tratados subsequentes repetidamente. É o caso do Tratado de Madri (1750), que por sua vez foi anulado pelo Tratado de Anulação (1761) e, finalmente, pelo Tratado de San Ildefonso (1777).

Atualmente, este documento está no Arquivo da Torre do Tombo (Lisboa) e, desde 2007, é considerado pela UNESCO como Patrimônio Mundial, é muito importante conhecer e entender a história da América e suas relações com a Europa, bem como a história do Oceano Atlântico.

Antecedentes

Tratado de Tordesilhas: causas, conteúdo e consequências 2

O principal antecedente do Tratado de Tordesilhas foi o Tratado de Alcáçovas, assinado em 4 de setembro de 1479 pelo rei Fernando II de Aragão e pela rainha Isabel I de Castela, e pelo rei Alfonso V de Portugal.

Sua principal causa foi a Guerra da Sucessão Espanhola, que foi uma grande guerra civil entre os reinos da Espanha e Portugal pela sucessão da coroa de Castela, após a morte do rei Henrique IV. Com este tratado de paz, o rei Alfonso V renunciou ao trono de Castela e os reis católicos renunciaram ao trono de Portugal.

A assinatura deste tratado visava restaurar a paz, bem como delimitar territórios e direitos sobre o Oceano Atlântico. Após este documento, a Espanha recebeu poder sobre as Ilhas Canárias e Portugal algumas posses na África Ocidental.

Causas

Quando Colombo voltou a Lisboa depois de chegar em sua viagem à América, as notícias sobre a descoberta foram ainda mais conhecidas e se espalharam por toda a Europa.

Nesse contexto, o rei Juan II de Portugal demonstrou interesse no novo território e queria tomá-lo como posse com base no Tratado de Alcáçovas.

O rei Juan II alegou que este território estava abaixo das Ilhas Canárias, portanto pertenciam a Portugal. Com base nesse argumento, ele enviou pilotos portugueses para verificá-lo.

Fernando II não expressou seu acordo com o que o rei português exclamou, pois a descoberta ocorreu a oeste das Ilhas Canárias; isto é, fora do que havia sido estabelecido em 1479 como um território sob o controle dos portugueses.

Apoio papal

Foi assim que os reis católicos foram ao papa Alexandre VI para receber apoio. Ele desenvolveu quatro documentos pontificiais conhecidos como touros alexandrinos, que concederam à coroa de Castela o direito de conquistar a América, com a obrigação de espalhar o cristianismo naquele território por meio de missionários.

Da mesma forma, ele condenou a excomungar todas as pessoas que desejavam realizar qualquer tipo de atividade e navegou para as Índias Ocidentais sem a licença concedida pelos reis católicos.

O rei Juan II não concordou completamente com o que foi estabelecido nos touros alexandrinos, mas motivado por seu interesse no território descoberto e para explorar, ele insistiu em negociar com a rainha Elizabeth e com o rei Fernando.

O que estabeleceu o Tratado de Tordesilhas?

Após a negociação entre os reis católicos e o rei de Portugal, foi finalmente alcançado um acordo no qual uma nova delimitação do território foi estabelecida: de polo a polo, 370 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde.

Portugal teria o direito de navegar e explorar no hemisfério oriental, enquanto a coroa de Castela teria o mesmo direito no hemisfério ocidental. O território sobre o qual Portugal recebeu direitos era aproximadamente o que atualmente é São Paulo (Brasil).

Nesse mesmo dia, também foi assinado um acordo que tratava das pescas na África, uma questão que havia causado conflitos desde anos anteriores. Nesse acordo, foi determinado que os espanhóis não podiam pescar entre o Cabo Bojador e o Rio de Oro; Além disso, o reino de Fez foi dividido para possíveis conquistas futuras.

O cumprimento desses tratados não foi imposto imediatamente após sua assinatura, mas foram concedidos lapsos de cumprimento: 100 dias para respeitar a delimitação oceânica e terrestre estabelecida e 50 dias para cumprir a proibição de pesca e divisão sobre o território africano.

Violação

O problema com a fronteira (marítima e terrestre) estabelecida no Tratado de Tordesilhas era que, na prática, os navegadores e exploradores não sabiam exatamente até onde podiam ir ou, por exemplo, quantas léguas havia em um grau.

Mesmo entre 1580 e 1640, os tratados estabelecidos perderam o sentido, já que Espanha e Portugal estavam sob o comando dos mesmos reis; Felipe II, Felipe III e Felipe IV, respectivamente. Essa situação alcançou a desejada união dinástica por um longo tempo, que durou 60 anos.

Consequências

Durante o período de 1580 a 1640, o Tratado de Tordesilhas não foi cumprido como originalmente estabelecido, uma vez que Espanha e Portugal tinham o mesmo governante no poder e, nessa época, uma união dinástica muito desejada foi alcançada. No entanto, durante esse período, Portugal colonizou o território brasileiro que não lhe foi concedido.

O Brasil é um reflexo claro da grande influência que os europeus – neste caso, os portugueses – tiveram na cultura dos territórios descobertos, explorados e colonizados. As línguas adotadas nos territórios colonizados eram e continuam sendo espanhol e português.

Entre as consequências mais importantes das disposições do Tratado de Tordesilhas estão implicações culturais, como a mistura de raças que surgiram após a colonização por europeus, espanhóis e portugueses; e a adoção de costumes e tradições européias na América.

Aumento do comércio e do cristianismo

Juntamente com a chegada dos europeus, a atividade comercial na América aumentou; o cultivo maciço das terras e a exploração das minas começaram. Os produtos gerados neste continente, como açúcar e café, foram levados de volta aos portos europeus para serem comercializados nos mercados de lá.

A gastronomia de ambos os territórios, América e Europa, foi enriquecida graças ao intercâmbio cultural e comercial, bem como à chegada de novos produtos. Da mesma forma, surgiu uma fusão entre arte indígena e arte européia.

Da mesma forma, como exigia o Papa Alexandre VI, o cristianismo foi ensinado pelos missionários jesuítas na América e essa se tornou a religião predominante, deixando para trás as crenças politeístas que os povos indígenas que já habitavam as terras possuíam.

Tratados subsequentes

O Tratado de Tordesilhas foi substituído pelo Tratado de Madri ou pelo Swap, em 13 de janeiro de 1750. Este acordo foi assinado pelos reis Fernando III da Espanha e Juan V de Portugal.

Nesse tratado, uma nova fronteira foi estabelecida entre o território da América, sob o direito dos espanhóis e portugueses. Esse limite começaria do ponto médio da foz do rio Madeira até o rio Yavarí.

No entanto, o Tratado de Madri também foi posteriormente anulado pelo Tratado de Anulação, assinado no Local Real de El Pardo (Madri) em 12 de fevereiro de 1761. Foi estabelecido que o Tratado de Madri deveria ser considerado cancelado por retorne à linha de delimitação estabelecida no Tratado de Tordesilhas.

O problema era que, como havia acontecido nos anos anteriores, o Tratado de Tordesilhas e a linha imaginária que representava a fronteira não eram respeitados; as entradas a oeste da referida fronteira aumentaram e as missões jesuítas foram interrompidas.

Portanto, vários anos depois, foi desenvolvido outro acordo conhecido como Tratado de San Ildefonso, assinado em 1º de outubro de 1777. Nesse tratado, várias resoluções foram alcançadas, como a recuperação da paz entre os dois países, a libertação prisioneiros ea fixação de uma nova linha de fronteira.

Além disso, também foi acordado que os espanhóis deixariam a ilha de Santa Catalina (Brasil) em troca dos portugueses que deixassem a colônia de Sacramento (Uruguai) e produzissem as ilhas de Annobón e Fernando Poo (Guiné).

Referências

  1. (2007). O Tratado de Tordesilhas. Retirado em 30 de março da Unesco: unesco.org
  2. Rodrigo, B. (2013). O Tratado de Tordesilhas e como distribuiu Portugal e Castela. Recuperado em 30 de março, ABC: abc.es
  3. Caryl, S. (2014). Tratado de Tordesilhas. Retirado em 30 de março da National Geographic: nationalgeographic.org
  4. Villumbrales, M. (2016). Os Tratados da África Atlântica dos séculos XV e XVI. Retirado em 30 de março da Universidade de Valladolid: uvadoc.uva.es
  5. Bejarano, M. (2016). Os touros alexandrinos: detonadores da evangelização no novo mundo. Retirado em 30 de março da Scielo: scielo.org.mx
  6. Campbell, H. (2019). Tratado de Tordesilhas. Retirado em 30 de março da Encyclopedia Britannica: britannica.com
  7. Sánchez, L. (sf). Tratado de Tordesilhas. Recuperado em 30 de março do Ministério da Educação e Formação Profissional: sede.educacion.gob.es
  8. (sf). O Tratado de Madri de 1750: sua causa, sua celebração, seu fracasso. Retirado em 31 de março da Universidad de la Rioja: dialnet.unirioja.es
  9. (sf). Bairro histórico da cidade de Colonia del Sacramento. Recuperado em 31 de março, Organização das Cidades Patrimônio da Humanidade: ovpm.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies