Tratado de Trianón: causas, acordos e conseqüências

O Tratado de Trianón foi um acordo assinado em 1920, após o término da Primeira Guerra Mundial, que definiu os termos de paz entre as potências vitoriosas e a Hungria. Este tratado teve como principais causas a derrota do Império Austro-Húngaro na guerra e a necessidade de reorganizar o mapa político da Europa Central. As consequências do Tratado de Trianón foram significativas para a Hungria, que perdeu cerca de dois terços do seu território e população, impactando sua economia e sociedade de forma profunda.

Principais aspectos que determinaram o Tratado de Trianon e suas consequências.

O Tratado de Trianon foi um acordo assinado em 1920, após o fim da Primeira Guerra Mundial, que teve como principal objetivo reorganizar o mapa político da Europa Central e Oriental. Este tratado foi fundamental para definir novas fronteiras e delimitar o território dos países que haviam feito parte do Império Austro-Húngaro.

Entre os principais aspectos que determinaram o Tratado de Trianon estão as reivindicações territoriais das nações vitoriosas da Primeira Guerra Mundial, como a França e o Reino Unido, que buscavam enfraquecer os impérios centrais. Além disso, a autodeterminação dos povos foi um princípio fundamental que influenciou as decisões tomadas durante as negociações do tratado.

As consequências do Tratado de Trianon foram significativas para os países da Europa Central e Oriental. A Hungria foi um dos países mais afetados, perdendo cerca de dois terços de seu território e um terço de sua população. Isso resultou em instabilidade política e econômica no país, que enfrentou dificuldades para se recuperar após o tratado.

Outro aspecto importante das consequências do Tratado de Trianon foi a ascensão do nacionalismo em diversos países da região, que buscavam reivindicar territórios perdidos ou reconquistar a independência. Isso contribuiu para o surgimento de conflitos étnicos e políticos que marcaram a história do século XX na Europa.

Em resumo, o Tratado de Trianon foi determinado por questões territoriais e políticas que surgiram após a Primeira Guerra Mundial, e suas consequências foram profundas para os países da Europa Central e Oriental, influenciando o cenário político e social da região por décadas.

Principais acordos e determinações dos tratados de Saint Germain, Trianon e Lausanne.

O Tratado de Trianón foi assinado em 1920 após o fim da Primeira Guerra Mundial e teve como principal objetivo reorganizar o mapa da Europa Central. O tratado foi resultado das negociações entre as potências vencedoras e a Hungria, que teve que ceder uma parte significativa de seu território.

Entre os principais acordos e determinações dos tratados de Saint Germain, Trianon e Lausanne, destacam-se a transferência de territórios da Hungria para outros países, a redução do tamanho do país e a imposição de restrições militares. Além disso, o tratado estabeleceu a separação da Hungria do Império Austro-Húngaro e reconheceu a independência da Tchecoslováquia, Polônia, Iugoslávia e Romênia.

As causas do Tratado de Trianón estão relacionadas à participação da Hungria na Primeira Guerra Mundial ao lado das Potências Centrais. Com a derrota dessas potências, a Hungria teve que enfrentar as consequências da guerra e ceder parte de seu território para os países vizinhos.

As consequências do Tratado de Trianón foram significativas para a Hungria, que perdeu dois terços de seu território e um terço de sua população. A perda de território afetou a economia do país e gerou instabilidade política, contribuindo para o surgimento de movimentos nacionalistas e autoritários.

Relacionado:  Juan José Flores Aramburu: Biografia

Principais impactos do Tratado de Versalhes: consequências que moldaram o cenário pós-guerra.

O Tratado de Versailles, assinado em 1919, teve impactos significativos no cenário pós-guerra. Uma das principais consequências foi a imposição de pesadas sanções econômicas e territoriais à Alemanha, o que contribuiu para o surgimento de um clima de ressentimento e instabilidade no país. Além disso, a redução do poder militar alemão e a perda de territórios importantes também foram consequências diretas do tratado.

Essas medidas, juntamente com a humilhação imposta à Alemanha, foram elementos que desempenharam um papel fundamental na ascensão do nazismo e no desencadeamento da Segunda Guerra Mundial. O Tratado de Versailles, portanto, teve um impacto duradouro no cenário político e social da Europa, moldando as relações internacionais por muitas décadas.

Tratado de Trianón: causas, acordos e consequências.

O Tratado de Trianón, assinado em 1920, foi resultado das negociações após a Primeira Guerra Mundial e teve como principal objetivo redefinir as fronteiras do Império Austro-Húngaro. Uma das principais causas do tratado foi a dissolução do império, que se fragmentou em diversos estados independentes, como a Hungria, a Tchecoslováquia e a Iugoslávia.

Os acordos estabelecidos no Tratado de Trianón tiveram como consequência a perda de territórios e populações para os países vizinhos, o que gerou um sentimento de revolta e ressentimento entre os húngaros. A Hungria, por exemplo, viu-se reduzida a um território muito menor do que o original, o que impactou sua economia e sua posição geopolítica na região.

Principais tratados e acordos firmados durante a Primeira Guerra Mundial.

O Tratado de Trianón foi um dos tratados firmados durante a Primeira Guerra Mundial. Este tratado foi assinado em 1920 e teve como principal objetivo redefinir as fronteiras do Império Austro-Húngaro, que estava do lado dos perdedores da guerra. Causas do Tratado de Trianón incluem a fragmentação do Império Austro-Húngaro e a busca por paz e estabilidade na região.

Os principais acordos do Tratado de Trianón incluíram a dissolução do Império Austro-Húngaro e a divisão de suas terras entre os países vencedores da guerra, como a Tchecoslováquia, a Polônia e a Iugoslávia. Além disso, a Hungria perdeu grande parte de seu território e população, o que teve consequências devastadoras para o país.

As consequências do Tratado de Trianón foram sentidas pela Hungria por muitas décadas. O país perdeu territórios ricos em recursos naturais e populações étnicas húngaras foram divididas entre diferentes países. Isso gerou instabilidade política e econômica na região, contribuindo para a ascensão do nacionalismo e autoritarismo na Hungria.

Em resumo, o Tratado de Trianón foi um dos principais tratados firmados durante a Primeira Guerra Mundial e teve impactos significativos na Europa Central. Suas causas, acordos e consequências moldaram a história da região e influenciaram os eventos que se seguiram após o término da guerra.

Tratado de Trianón: causas, acordos e conseqüências

O Tratado de Trianon foi um dos acordos de paz assinados entre a Hungria e as potências aliadas após a Primeira Guerra Mundial . Foi assinado em 4 de junho de 1920, no Grande Palácio de Trianon de Versailles, na França. O tratado responsabiliza o Reino da Hungria pelos danos e perdas causados ​​aos aliados (Triple Entente, 1907) e associados.

Isso resultou na demanda de pagamento por reparações de guerra. Outra conseqüência foi a desapropriação territorial da Hungria e a divisão de sua população. Com o Tratado de Trianón, a Hungria perdeu 65% de seu território e 33% da população vivia em outros países recém-criados.

Tratado de Trianón: causas, acordos e conseqüências 1

Chegada dos representantes austríacos Ágost Benárd e Alfréd Drasche-Lázár ao Grande Palácio Trianón de Versailles para a assinatura do Tratado

Este foi o caso de todos os outros impérios que foram dissolvidos através dos tratados de paz. O Tratado de Trianon tornou-se a origem do ressentimento e subsequentes conflitos étnicos e de guerra nesta parte da Europa Central.

Causas

A derrota sofrida durante a Primeira Guerra Mundial pelo Império Austro-Húngaro e o resto das antigas potências imperiais levou à assinatura de tratados de paz na Europa. Nessas, as potências vitoriosas impuseram suas condições aos derrotados: Áustria-Hungria, Alemanha, Turquia e Rússia.

Aliados da Primeira Guerra Mundial – Grã-Bretanha, França, Reino da Itália, Japão e Estados Unidos – queriam impedir a restauração do poder imperial na Europa Central (Alemanha e Áustria-Hungria) e na Turquia (Império Otomano), bem como na expansão do comunismo russo.

Assim como a Áustria, com a assinatura do Tratado de Saint Germain, a Hungria teve que assinar o Tratado de Trianon em termos muito desfavoráveis. Por isso impuseram condições muito duras aos derrotados, para impedir que se tornassem um perigo para a paz mundial.

A ironia é que, apenas por causa da ruína econômica que o Tratado trouxe à Hungria, os húngaros aliaram-se à Alemanha nazista.

Atrasos e unilateralidade

Da mesma forma, a apresentação do projeto de tratado de paz aos húngaros pelos Aliados foi adiada, o que prejudicou a Hungria; os aliados não tinham interesse em fazer acordos com o governo comunista de Béla Kun.

A instabilidade dos governos húngaros moderados que assumiram o poder durante a ocupação romena de Budapeste em 1919 também não ajudou.

Não foi até 16 de janeiro de 1920, quando os aliados reconheceram o novo governo. A delegação húngara recebeu o projeto de tratado em Neuilly, uma cidade perto de Paris.

Embora o Tratado de Trianon tenha sido assinado pelos húngaros, a opinião de seus representantes não foi levada em consideração; de fato, eles não foram autorizados a participar das negociações. O tratado foi elaborado quase inteiramente pelos representantes franceses e britânicos.

Os termos do tratado foram posteriormente alterados. No tratado inicial, foi declarado unilateralmente que a Hungria tinha que pagar uma alta soma de coroas de ouro aos aliados, mas esse dinheiro não foi fixado no momento em que a Hungria assinou o tratado.

Os quatorze pontos de Woodrow Wilson, que delinearam uma estrutura geral para as negociações dos tratados de paz, também não foram levados em consideração. Nestes, o respeito pela autodeterminação dos povos foi estabelecido, mas na prática isso não aconteceu.

Compromissos da França

A França havia prometido aos tchecos e romenos a entrega de territórios húngaros em troca da luta contra os comunistas revolucionários do país. Este é um dos pontos incluídos no tratado e que baseia a distribuição do território húngaro.

Relacionado:  As 5 causas da conquista do México

Com esses “presentes” territoriais concedidos aos vizinhos da Hungria, a França conseguiu estabelecer novos parceiros entre os países bálticos e os Balcãs.

Acordos

Os pontos mais importantes do Tratado de Trianon foram os seguintes:

– A Hungria teve pouco mais de dois terços da sua população quando pertencia ao Império Austro-Húngaro.

– Perdeu cerca de 65% do seu território quando o nascente Estado húngaro foi desmembrado. Os aliados resolveram entregar à recém-criada Tchecoslováquia as regiões da Eslováquia, Pressburg (Bratislava), Rutênia subcarpática e outros territórios menores.

– A Áustria recebeu a parte ocidental da Hungria (isto é, a maioria de Burgenland). Enquanto a Iugoslávia (composta pelo Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos) conquistou a Croácia-Eslavônia e parte do Banat.

– Por seu turno, a Romênia recebeu a maior parte da região de Banat e toda a Transilvânia e Itália ficaram com Fiume. Somente em duas pequenas regiões foram realizados plebiscitos para consultar a população sobre a qual país eles queriam pertencer; Todas as outras transferências territoriais foram inconsistentes.

– O Pacto da Liga das Nações também fazia parte do tratado.

– As forças armadas húngaras não podiam usar aviões. Além disso, eles deveriam se restringir a apenas 35.000 homens, que podiam carregar apenas armas leves. O referido armamento só poderia ser usado na manutenção da ordem interna e na proteção de fronteiras.

– A Hungria reconheceu o pagamento de indenizações e danos causados ​​aos aliados e aos países associados, mas o valor dos reparos impostos à Hungria seria determinado e imposto posteriormente.

Consequências

– Como em todos os outros tratados de paz assinados na Europa, após o final da Primeira Guerra Mundial, o Tratado de Trianon levou à dissolução do Império Austro-Húngaro.

– Após a assinatura do Tratado de Trianon, a Hungria sofreu enormes perdas territoriais (cerca de dois terços do seu território) e população que afetou sua antiga força econômica. Ao perder 13 milhões de seus habitantes, a população da Hungria foi reduzida para apenas 7,62 milhões.

– A nova Hungria ficou sem saída para o Mar Mediterrâneo, impactando sua economia já enfraquecida.

– As restrições militares impostas diminuíram sua influência e poder político.

– Grandes áreas do norte da Hungria foram distribuídas à recém-criada Checoslováquia.

– Outros novos países foram criados com os territórios retirados da Hungria, sem levar em conta elementos de natureza histórica, étnica, social, linguística, cultural e econômica. Mais tarde, isso provocaria confrontos de guerra entre os povos desmembrados.

– O tratado plantou as sementes de ressentimento, conflito étnico e subsequentes guerras entre guerras.

-As autoridades húngaras reivindicaram o que consideravam uma violação aberta dos direitos do povo da Hungria. Eles também reivindicaram o deslocamento de tantos magiares sem nenhum plebiscito, violando o princípio da autodeterminação.

Referências

  1. O Tratado de Trianon. Consultado em historylearningsite.co.uk
  2. O Tratado de Trianon. Recuperado em 6 de março de 2018 de freidenker.cc
  3. Tratado de Trianon. Consultado em britannica.com
  4. Miklós Zeidler: Trianon, Tratado de. Consultado em encyclopedia.1914-1918-online.net
  5. Tratado de Trianon. Consultado em esacademic.com
  6. Os Tratados de Paz e a Liga das Nações. Consultado de storiesiglo20.org
  7. Tratado de Trianon. Consultado em es.wikipedia.org

Deixe um comentário