Tratados de Ciudad Juárez: antecedentes e consequências

Os Tratados de Ciudad Juárez foram um acordo assinado pelo governo de Porfirio Díaz e Francisco I. Madero para acabar com as hostilidades desencadeadas após as eleições presidenciais de 1910. Neste documento, Díaz prometeu deixar o cargo, terminando quase quatro décadas do chamado Porfiriato .

Porfirio Díaz foi eleito 9 vezes como presidente do México. Seu governo havia se tornado uma ditadura de fato, sem oposição visível devido à repressão. Antes das eleições de 1910, a situação parecia mudar, pois Diaz anunciou que permitiria indicações contrárias às suas.

Tratados de Ciudad Juárez: antecedentes e consequências 1

Fotografia oficial dos vencedores da Batalha de Ciudad Juárez – Fonte: Pàgina de l’autor [Domínio público]

O principal rival foi Francisco I. Madero, candidato ao Partido Anti-Reeleição. No entanto, Díaz o deteve pouco antes das eleições e, com alegações de fraude, foi eleito novamente. Madero conseguiu escapar da prisão, com destino aos Estados Unidos. Lá, ele lançou um apelo para que a população se unisse para derrubar Diaz.

A resposta foi massiva e líderes como Orozco, Villa ou Zapata começaram a atacar as forças do governo. Nessas circunstâncias, Madero e Díaz empreenderam negociações para parar a guerra. O resultado foram os Tratados assinados em Ciudad Juarez.

Antecedentes

Tratados de Ciudad Juárez: antecedentes e consequências 2

Porfirio Díaz

Porfirio Díaz havia sido eleito presidente do México pela primeira vez em 1876. Desde então, e apesar de, a princípio, ser a favor da não reeleição, foi reeleito quase sem interrupção até 1910.

Seu governo conseguiu modernizar o país e fez muitos avanços em campos culturais ou científicos. No entanto, entre suas sombras está a grande repressão contra os oponentes e o aumento da desigualdade econômica.

Eleições de 1910

Desde o início do século XX, os Porfiriato começaram a mostrar sinais de exaustão. Os protestos estavam acontecendo e o clima social era muito desfavorável ao seu governo. Além disso, a economia mostrou sinais claros de desaceleração.

Em uma entrevista em 1908 com um meio de comunicação americano, Díaz parecia ser a favor de permitir que mais partidos políticos participassem das eleições de 1910. Isso incentivou os oponentes do regime, que começaram a se preparar para a ocasião.

Entre os grupos que apareceram, destacou-se o liderado por Francisco I. Madero. O político ganhou o apoio da maioria dos setores anti-Porfiriato e apresentou sua candidatura às eleições. Segundo os cronistas, sua campanha foi um sucesso absoluto.

No entanto, Díaz mudou de idéia e desencadeou uma campanha de repressão contra seus rivais. O próprio Madero foi preso antes da votação.

Por fim, Porfirio venceu em eleições atormentadas por irregularidades. Madero, que conseguiu escapar da prisão, foi para o exílio nos Estados Unidos.

Plano de San Luis de Potosí

Tratados de Ciudad Juárez: antecedentes e consequências 3

Francisco I. Madero

De seu exílio americano, em 5 de outubro de 1910, Madero publicou um documento escrito durante seu tempo na prisão: o Plano de San Luis. Nisso, o político desconhecia o resultado das eleições, bem como a presidência de Porfirio Díaz.

Por meio do plano de San Luis, Madero pediu à população mexicana que se levantasse contra Diaz. Da mesma forma, ele pediu a eliminação da reeleição presidencial, para devolver aos camponeses suas terras levadas e outras medidas revolucionárias.

No documento, foi incluído um roteiro para o México pós-Porfiriato. Primeiro, as eleições seriam convocadas imediatamente, Madero ocupando a presidência provisoriamente até essa data.

O Plano San Luis foi distribuído clandestinamente por todo o país. Foi marcada em 20 de novembro como a data escolhida para começar a revolta, embora o regime tenha reagido mais cedo com ações como o assassinato de Aquiles Serdán em Puebla. Isso apenas aumentou os apoiadores da insurreição.

Rebelião

Tratados de Ciudad Juárez: antecedentes e consequências 4

Paschal Orozco

A resposta ao plano lançado por Madero foi rápida. Em novembro, várias revoltas armadas eclodiram em todo o país. Em Chihuahua, Pascual Orozco atacou tropas do governo e depois seguiu para Ciudad Juarez.

Ao mesmo tempo, eclodiu uma rebelião no estado de Morelos, onde já havia vários distúrbios estrelando os camponeses. Os líderes deste movimento foram os irmãos Zapata: Eufemio e Emiliano.

Madero, encorajado pelos levantes que estavam ocorrendo, voltou ao México em fevereiro de 1911, encontrando-se imediatamente com Pancho Villa e Orozco. Suas forças combinadas cercaram Ciudad Juarez até o final de abril.

Tratados de Ciudad Juárez: antecedentes e consequências 5

Pancho Villa. Fonte: Biblioteca do Congresso, Divisão de Impressões e Fotografias, LC-DIG-ggbain-09255

Os líderes revolucionários não queriam que, bombardeando a cidade, algum projétil pudesse falhar em seu objetivo, atravessar a fronteira e acabar nos Estados Unidos. Portanto, eles decidiram atacar diretamente para conquistá-lo. Em 10 de maio, Ciudad Juarez caiu nas mãos dos rebeldes.

Por sua parte, os zapatistas estenderam sua revolta a Puebla, Tlaxcala, México, Michoacán e Guerrero. Madero, em 14 de abril, nomeou Emiliano Zapata como seu representante na região.

Negociações

O governo de Diaz, assim como os grandes proprietários de terras que o apoiaram, começaram a mostrar sua preocupação com os eventos. A captura de Ciudad Juárez e a extensão dos zapatistas foram duas ameaças que pareciam incapazes de parar.

Portanto, eles estabeleceram contato com Madero para negociar com ele, uma vez que o consideravam preferível a Zapata e seu povo.

Tratados de Ciudad Juárez: antecedentes e consequências 6

Emiliano Zapata. Fonte: Por Bain News Service, editor [Domínio público], indefinido

Os primeiros contatos ocorreram em Nova York, em março de 1911. Por parte de Madero vieram seu pai e seu irmão Gustavo. No lado do governo, o negociador foi José Yves Limantour, ministro das Finanças. Como mediador, foi nomeado o embaixador do México nos Estados Unidos.

A proposta de Limantour era acabar com os confrontos em troca de uma anistia para todos os revolucionários, a renúncia do vice-presidente Ramón Corral e a substituição de quatro ministros e governadores de 10 estados por apoiadores de Madero. Além disso, ele se ofereceu para recuperar o princípio da não reeleição.

A resposta de Madero foi positiva, embora ele tenha acrescentado um ponto inegociável: Diaz teve que deixar a presidência imediatamente.

Objetivo e pontos principais

Os líderes do Partido Anti-Relectista se reuniram no campo do exército libertador para discutir o resultado dessas primeiras conversações.Após a reunião, eles concordaram em continuar as negociações, estabelecendo algumas metas à parte da demissão de Diaz.

Entre esses pontos, os membros do partido obtiveram uma posição dentro do governo. Quatorze seriam nomeados governadores provisórios para convocar eleições imediatas.

Além disso, eles queriam que as tropas localizadas em Chihuahua, Sonora e Coahuila se movessem, e finalmente solicitaram garantias para processos políticos e compensação pelo que foi perdido durante a revolução.

Encontro em Ciudad Juárez

Em 21 de maio de 1911, um representante do governo de Díaz, Francisco S. Carbajal, e Madero e sua equipe se reuniram em Ciudad Juárez. Deste encontro vieram os Tratados finais que traziam o nome da localidade do encontro.

Pontos mais importantes

O ponto mais importante dos Tratados de Ciudad Juárez foi o que estabeleceu que Porfirio Díaz e seu vice-presidente, Ramón Corral, tiveram que apresentar sua demissão em maio do mesmo ano.

Francisco León de la Barra, na época secretário de Relações Exteriores, seria quem assumisse o cargo de presidente interino até as eleições.

Outros pontos incluídos

Além do anterior, o documento contemplava outra série de medidas, começando com a cessação das hostilidades entre o governo e os revolucionários. Este último seria anistiado e ofereceria a oportunidade de entrar nos rurais.

Por outro lado, os Tratados incluíam o compromisso de desmobilizar as forças revolucionárias. Além disso, foi aprovado o pedido de Madero de poder nomear catorze governadores provisórios, além de ter a última palavra no gabinete formada por De la Barra.

Aspectos não incluídos nos Tratados

Para eventos subseqüentes, aspectos não incluídos no tratado foram tão importantes quanto os incluídos, pois causaram divisão entre os revolucionários.

Assim, nenhuma reforma social foi estabelecida no acordo de paz, algo que Madero havia prometido anteriormente. Além disso, a estrutura do governo de Diaz permaneceu praticamente inalterada.

Finalmente, Madero deu seu apoio aos tribunais para resolver os conflitos pela posse da terra, o que causou a ira dos zapatistas e de outros movimentos camponeses.

Consequências

Em 25 de maio, cumprindo os termos dos Tratados, Porfirio Díaz encerrou sua longa presidência. Depois de renunciar, ele partiu para Veracruz e de lá para o exílio na França.

Conforme combinado, Francisco León de la Barra foi nomeado presidente provisório. Depois disso, Madero entrou na Cidade do México e acabaria por assumir a presidência.

Descontentamento de Emiliano Zapata

Emiliano Zapata mostrou desde o início seu desacordo com boa parte dos Tratados. Para começar, ele nunca aprovou a nomeação de De la Barra como presidente provisório. Portanto, ele se recusou a cessar as hostilidades em Morelos.

Madero e Zapata realizaram várias reuniões durante o mês de junho. O líder agrário, a princípio, confiou no futuro presidente, mas acabou se afastando dele devido à não aprovação de reformas que favoreciam os camponeses.

Entre os pontos que separaram os dois líderes estava a reforma agrária que Zapata queria. Isso significaria o confronto com os grandes proprietários de terras, algo que Madero não se atreveu a fazer.

Além disso, os jornais da capital iniciaram uma campanha contra Zapata. Sendo possuído, a maioria deles, dos proprietários de terras, começou a chamá-lo de bandido. Generais federais, incluindo Huerta, empreenderam uma campanha militar contra ele sob o pretexto de não desmobilização dos zapatistas.

O resultado desse desacordo foi a publicação do Plano Ayala por Zapata. Este documento, apresentado em novembro de 1911, denunciou Madero e reconheceu Pascual Orozco como o legítimo presidente e líder da revolução.

Oposição de outros revolucionários

Outros líderes revolucionários também se distanciaram de Madero, a quem chamavam de moderados e conciliadores demais.

Carranza, que mais tarde se tornou presidente do México, disse que a revolução tinha que recomeçar, já que Madero se entregara aos reacionários. Por sua parte, Orozco mostrou sua insatisfação ao ser nomeado simplesmente comandante do Chihuahua rural.

Além disso, ao se apresentar como candidato a governador do Estado, descobriu que Madero apoiava seu rival, Abraham González.

Esse ressentimento fez com que Orozco não obedecesse à ordem de Madero de reprimir Zapata após a promulgação do Plano Ayala. Em março de 1912, ele lançou o Plano Baler e se declarou em rebelião contra Madero.

Madero Murder

Apesar de sua ruptura com os revolucionários, o fim da presidência de Madero não foi causado por eles. O presidente, juntamente com seu vice-presidente, foram vítimas do golpe de estado comandado por Victoriano Huerta e apoiado pelos setores conservadores do país.

Zapata, Villa, Carranza e Orozco, apesar das diferenças com Madero, condenaram o assassinato e iniciaram uma nova luta para acabar com a ditadura de Huerta.

Referências

  1. Historiando Tratados de Ciudad Juárez (1911). Obtido em historiando.org
  2. Conheça Learn. Tratados de Ciudad Juárez. Obtido em independencedemexico.com.mx
  3. Resumo da história do México. Os Tratados de Ciudad Juárez. Obtido de historiademexicobreve.com
  4. Biblioteca do Congresso Tratado de Ciudad Juárez, 21 de maio de 1911. Obtido de loc.gov
  5. Dasandi, Niheer. Batalha de Ciudad Juarez. Obtido em britannica.com
  6. Minster, Christopher. A Revolução Mexicana Obtido em thoughtco.com
  7. Biografia Francisco Madero Obtido em biography.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies