Tubarão-baleia: características, habitat, comida, comportamento

O tubarão-baleia ( Rhincodon typus ) é um animal marinho que pertence à família Rhincodontidae. É o maior peixe do oceano, podendo medir até 18 metros. Seu corpo é cinza, azulado ou marrom e possui padrões de manchas e linhas em tons claros, semelhantes a um tabuleiro de xadrez.Uma característica que a distingue é a boca, localizada na região frontal da cabeça, ao contrário da maioria dos tubarões que a possuem na parte inferior.

Apesar de ter mais de 300 dentes minúsculos, este tubarão é alimentado por filtração. Um de seus métodos alimentares consiste em nadar perto da superfície e engolir uma grande quantidade de água, que filtra as malhas internas que apresentam as brânquias. A dieta é baseada em crustáceos, lulas, krill, atuns, plâncton e ovas de peixe, entre outros.

Tubarão-baleia: características, habitat, comida, comportamento 1

Tubarão baleia. Fonte: FGBNMS / Eckert [Domínio público]

É distribuído em mares tropicais e temperados, exceto no mar Mediterrâneo. Embora durante o dia seja geralmente encontrada na alimentação superficial, esta espécie faz mergulhos profundos, possivelmente para forrageamento.

Caracteristicas

Tamanho

O typus Rhincodon é o maior peixe vivo e pode medir-se a 18 metros de comprimento. No entanto, geralmente mede 10 a 12 metros e seu peso pode exceder 15 toneladas.

Corpo

Tubarão-baleia: características, habitat, comida, comportamento 2

Usuário: Zac Wolf (original), em: Usuário: Stefan (recorte) [CC BY-SA 2.5 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5)]

O esqueleto do tubarão-baleia é feito de cartilagem espessa e flexível. Além disso, neste animal a caixa torácica não está presente, o que reduz muito o peso corporal. A rigidez do corpo provém de um complexo de fibras de colágeno subdérmico, que atuam como uma estrutura flexível.

Os diferentes músculos locomotores aderem a isso, de tal maneira que desenvolvem um sistema mecanicamente eficiente e muito leve.

O Rhincodon typus possui um corpo aerodinâmico, de forma cilíndrica, mais larga na área média e acentuada nas duas extremidades, na cauda e na cabeça. Possui três saliências proeminentes nas laterais, que começam atrás da cabeça e culminam no pedúnculo caudal.

Quanto às fendas branquiais, estas são grandes e são modificadas na região interna causando as telas de filtragem.

As referidas estruturas são constituídas por placas transversais que se cruzam em cada uma das fendas branquiais. Além disso, eles se ramificam na superfície e se interconectam, formando um filtro. Nesta área, pequenas barragens são mantidas.

Cabeça

Tubarão-baleia: características, habitat, comida, comportamento 3

Laika ac dos EUA [CC BY-SA 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)]

A cabeça é achatada e larga, com um focinho truncado. Na frente, há um par de narinas de tamanho pequeno, que não possuem as dobras existentes em outras espécies de tubarões.

Quanto à boca, é grande, podendo medir cerca de 1,5 metros de largura. Ele está localizado transversalmente na frente dos olhos, na área frontal da cabeça, ao contrário de outras espécies de tubarões que o possuem na região inferior da cabeça.

Em cada maxilar, há entre 300 e 350 fileiras de dentes minúsculos. Em relação aos olhos, eles estão localizados nas laterais da cabeça e carecem de bolsas suboculares. Os espiráculos são menores que os globos oculares e estão localizados atrás deles.

Barbatanas

As barbatanas peitorais são muito grandes, falcam e estreitas. Seu tamanho é muito maior que os pélvicos. O tubarão-baleia possui duas barbatanas dorsais, a primeira é mais longa e larga que a segunda.

Quanto à barbatana anal, possui uma base ampla e um ápice angular. O macho tem uma adaptação especial na referida barbatana, conhecida como pterigopódio. Sua forma é cilíndrica, com bordas sobrepostas e é usada na reprodução. A cauda tem a forma de um crescente e é formada por dois lobos, sendo o superior maior que o inferior.

Pele

A pele do Rhincodon typus é compacta e áspera. Sua espessura pode medir até 15 centímetros. A coloração pode variar, incluindo vários tons de cinza, azul e marrom. Pelo contrário, a barriga é amarelada ou branca.

Possui padrões e marcas semelhantes a um tabuleiro de xadrez. Assim, possui linhas verticais e horizontais de tons claros. Estes, juntamente com as manchas brancas, destacam-se no corpo escuro.

Alguns especialistas tentaram explicar a função desses padrões de cores. Estes poderiam funcionar como camuflagem diante do fundo do mar. Eles também podem fazer parte do comportamento de exposições realizadas por membros desta espécie.

Por outro lado, o tubarão-baleia passa muito tempo nas águas superficiais e, portanto, é exposto a altos níveis de raios ultravioleta. Assim, este modelo de pigmentação em particular pode ser uma adaptação para neutralizar a referida radiação.

Dentículos dérmicos

Na pele deste tubarão existem estruturas escamosas dentadas. Caracterizam-se por falta de quilhas laterais, enquanto a central é forte. Além disso, a margem posterior possui três lóbulos.

Dentículos dérmicos são hidrodinamicamente relevantes, pois podem reduzir o arrasto. Além disso, eles poderiam funcionar como um elemento para repelir os parasitas que tentam aderir à pele.

Migrações

O tubarão-baleia pode realizar migrações transoceânicas sazonais, possivelmente governadas pela necessidade de residir em vários habitats, com a intenção de otimizar seu desenvolvimento. Também pode ser devido ao comportamento reprodutivo, ao acasalamento em populações discretas, bem como à busca pela abundância de alimentos.

Nesse sentido, as flutuações da produtividade local estão associadas ao florescimento do plâncton e à desova de peixes e corais. Assim, a mobilização anual para o recife de Ningaloo se deve à alta concentração de zooplâncton.

Relacionado:  Répteis: características, classificação e reprodução

Tubarão-baleia: características, habitat, comida, comportamento 4

istolethetv [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)]

Estudos de genética populacional de Rhincodon typus apontam para uma grande conectividade entre populações. Além disso, eles sugerem uma metapopulação no Índico-Pacífico, que é separada de outra localizada no Atlântico. A partir daí, o tubarão pode migrar entre as diferentes bacias oceânicas.

A pesquisa mostrou que esta espécie realiza mobilizações plurianuais. Os registros das migrações mais longas feitas por este tubarão são diversos. Uma delas ocorreu entre o Caribe e o Oceano Atlântico, com uma rota de 72.113 quilômetros e duração de 5 meses.

Além disso, na Malásia houve um deslocamento de 8.025 quilômetros e, a nordeste do Pacífico oriental, o tubarão percorreu um total de 13.000 quilômetros, o que levou 37 meses.

Novas descobertas

Recentemente, os pesquisadores marcaram uma mulher que morava na ilha de Coiba, no Panamá. Graças ao rastreamento por satélite, ficou evidenciado que ele percorreu mais de 20.000 quilômetros, do tropical leste do Pacífico ao oeste do Indo-Pacífico, especificamente na Fossa das Marianas.

Essa viagem durou 841 dias e foi realizada principalmente pela Corrente Equatorial do Norte. Este novo registro mostra um corredor migratório entre as duas bacias oceânicas, incluindo a rota para o Mar da China Meridional, para alcançar o Oceano Índico.

Habitat e distribuição

Tubarão-baleia: características, habitat, comida, comportamento 5

MarAlliance2018 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

O tubarão-baleia tem uma ampla distribuição nos mares temperado e tropical, com exceção do Mediterrâneo. Assim, eles geralmente estão localizados entre latitudes 30 ° N e 35 ° S, embora às vezes possam ser encontrados até 41 ° N e 36,5 ° S.

Esta espécie está localizada em todo o Atlântico. Na região oeste deste oceano, pode variar de Nova York, incluindo o Golfo do México e o Caribe, ao Brasil. A parte oriental inclui as águas oceânicas do Senegal, Mauritânia, a ilha de Cabo Verde e o Golfo da Guiné.

Além disso, habita todo o Oceano Índico, inclusive no Golfo Pérsico e no Mar Vermelho. Quanto ao Pacífico, ele é distribuído do Japão para a Austrália e do Havaí para o Chile, pela Califórnia.

– Regiões

O Rhincodon typus habita várias regiões do Indo-Pacífico Ocidental, incluindo África do Sul, Paquistão, Malásia, Índia, Sri Lanka e Austrália (território do norte, Queensland).

Além disso, está na Tailândia, Japão, China, Filipinas, Papua Nova Guiné, Indonésia (Kalimantan, Irian Jaya, Java), Ilhas Havaianas e Nova Caledônia. Também é distribuído no leste do Pacífico, norte do Chile e sul da Califórnia, bem como de Acapulco a Cabo San Lucas

O tubarão-baleia está localizado no riacho Kuroshio, no oeste do Pacífico e no Caribe, bem como no Golfo do México. No Oceano Índico é comum encontrá-lo nas Seychelles, Zanzibar, Maurício, Moçambique ou Madagascar.

A Austrália é uma das regiões onde, regularmente, o tubarão-baleia pode ser encontrado. Nesse país, ele é abundante no Parque Marinho de Ningaloo, Kalbarri e Eden.

Da mesma forma, eles são vistos frequentemente na Índia, África do Sul, Maldivas, Belize, Filipinas, Ilhas Galápagos, Equador, México, Indonésia e Sudeste Asiático.

– Habitat

O tubarão-baleia é uma espécie pelágica migratória costeira e oceânica, que habita águas tropicais e subtropicais temperadas. Ocasionalmente, você pode se aventurar em recifes de coral e lagoas de atol.

Além disso, pode ser encontrado em águas rasas, perto de estuários e foz do rio. Isso geralmente é associado à produção sazonal de camarão.

Durante o dia, ocupa a maior parte do tempo alimentando a superfície, preferindo as regiões onde a salinidade está entre 34 e 34,5 ppt e a temperatura da superfície varia de 21 a 30 ° C. Ao mergulhar, excede uma profundidade de 1700 metros, sendo capaz de tolerar temperaturas de 7,8 ° C.

Essas condições são ideais para o desenvolvimento de pequenos organismos e plâncton, que fazem parte da dieta do tubarão. Freqüentemente, essa espécie está associada a vários peixes pelágicos, principalmente a escorbósides.

Fatores

A distribuição dos tubarões pode estar relacionada à profundidade e temperatura da água. Assim, no Oceano Atlântico, a maioria desses peixes vive a 26,5 ° C e no Oceano Índico, a 30 ° C.

Por outro lado, aquele que vive em diferentes profundidades é um fator importante nas águas oceânicas do Pacífico e do Atlântico. Pelo contrário, no Oceano Índico esse aspecto não representa um elemento relevante.

A grande maioria dos avistamentos ocorre em áreas de alimentação costeira. Nesses, os tubarões são agrupados na superfície para explorar a produtividade sazonal, como ocorre com o florescimento do zooplâncton e a desova dos peixes.

Os Rhincodon typus muitas vezes vivem em áreas altamente produtivas, do ponto de vista alimentar. Assim, ele mora no parque marinho de Ningaloo, onde anualmente, entre os meses de março e abril, ocorre uma grande agregação, relacionada ao aumento da desova em massa de corais.

Segregação

Os especialistas afirmam que o tubarão-baleia existe em diversos habitats, com um alto grau de fidelidade interanual. Nessas áreas, os tubarões são segregados, com base no tamanho e sexo. Assim, o viés é inclinado para machos juvenis medindo de 4 a 8 metros de comprimento.

Em um estudo realizado na população jovem do Golfo da Califórnia, 60% eram do sexo masculino. Estes estavam em águas rasas, com abundância de presas. Por outro lado, os tubarões adultos eram constituídos por 84% de fêmeas, que viviam em águas oceânicas onde se alimentavam de euforóides.

Relacionado:  Flora e fauna de Santa Fe: espécies representativas

Perigo de extinção

As populações de Rhincodon typus estão em declínio em várias regiões, principalmente devido à caça furtiva. É assim que a IUCN acredita que o tubarão-baleia está em um estado vulnerável de extinção.

– Ameaças

Pesca

Durante décadas, essa espécie foi caçada para a comercialização de algumas partes do seu corpo. Assim, sua carne faz parte de pratos requintados em todo o mundo, utilizando frescos, secos ou salgados.

Com as barbatanas, os especialistas em culinária preparam a conhecida sopa de barbatana de tubarão, enquanto o fígado é processado para obter óleo. Restos orgânicos são usados ​​na produção de farinha de peixe.

Por sua vez, a cartilagem é usada em medicamentos naturais e a pele é usada na indústria do couro. A pesca deste tubarão é realizada em vários países, como Índia, Paquistão, China, Senegal, Taiwan, Maldivas, Omã , Filipinas e Austrália.

Capturas acessórias

Outro fator que afeta o declínio da população é a captura acessória, especialmente o que ocorre nas redes de emalhar usadas para capturar atum.

Este peixe é geralmente associado à presença do tubarão-baleia. Por esse motivo, os pescadores costumam colocar malhas ao redor dos tubarões com a intenção de capturar atuns. A mortalidade direta de Rhincodon typus devido ao emaranhamento nessa rede é geralmente baixa, entre 0,91 e 2,56% nos oceanos Atlântico e Índico.

No entanto, nas águas do Pacífico, a porcentagem aumenta. No período de 2007 a 2009, a taxa de mortalidade por captura acidental foi de 12%, reduzindo para 5% em 2010.

Freqüentemente, quando o tubarão é capturado, os pescadores tentam soltá-lo, um aspecto que é realizado com sucesso em um grande número de oportunidades. No entanto, práticas comuns de liberação, como rebocar o animal pela cauda ou levantá-lo, podem causar estresse e ferimentos graves que posteriormente podem causar a morte.

Colisão com barcos

O tubarão-baleia se alimenta regularmente da superfície. Isso o expõe a seu corpo sendo ferido pela hélice dos barcos. Nas águas do oeste do Caribe, o monitoramento de Rhincodon typus resulta em uma alta frequência de lesões causadas por colisão com navios.

Alterações do habitat

Episódios de poluição marinha que ocorrem no habitat natural deste tubarão afetam seu desenvolvimento. Um exemplo disso é o derramamento de 4.900.000 barris de petróleo no Golfo do México, ocorrido em 2010.

Os danos ecológicos se estenderam ao sul do delta do rio Mississippi, onde o tubarão-baleia habita. A mancha de óleo impedia que esses peixes enormes subissem à superfície para se alimentar, então eles precisavam se mudar para outros habitats.

– Ações

Esta espécie é protegida em vários países. É o caso da Austrália Ocidental, das Filipinas, das Maldivas e dos Estados Unidos, especialmente na costa atlântica e nas águas federais do Golfo do México e da Flórida.

Além disso, é protegido legalmente na Tasmânia, Honduras, África do Sul, México, Taiwan e Índia, entre outros. Da mesma forma, este espécime está incluído no Apêndice II da CITES, regulando assim seu comércio internacional.

Além disso, a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (UNCLOS) a adiciona à lista de espécies protegidas no Anexo I.

Por outro lado, várias organizações regionais de gerenciamento de pescas (ORGP) proíbem o uso de redes de cerco com retenida em torno deste tubarão no leste e no centro-oeste do Pacífico.

Taxonomia

– Reino animal.

– Subreino: Bilateria.

– Filum: Cordado.

– Subfiltro: Vertebrado.

– Superclasse: Chondrichthyes.

– Classe: Chondrichthyes.

– Subclasse: Elasmobranchii.

– Ordem: Orectolobiformes.

– Família: Rhincodontidae.

– Gênero: Rhincodon.

– Espécie: Rhincodon typus.

Reprodução

O processo reprodutivo do tubarão-baleia é pouco conhecido. No entanto, nos últimos anos, os pesquisadores fizeram contribuições importantes em torno dessa questão.

Ambos os sexos atingem a maturidade sexual quando medem cerca de 9 metros de comprimento, o que ocorre aproximadamente aos 30 anos. Anteriormente, presumia-se que era um animal ovíparo. Essa abordagem foi baseada na descoberta encontrada em 1953 no Golfo do México.

Eles notaram um grupo de ovos com 30 centímetros de comprimento, 9 centímetros de espessura e 14 centímetros de largura. Entre eles, havia um embrião de tubarão-baleia, com cerca de 36 centímetros de comprimento. Assim, a amostra coletada foi considerada como uma indicação de que este tubarão era ovíparo.

Nova evidência

No entanto, em 1996, uma fêmea grávida foi caçada na costa leste de Taiwan. No interior havia aproximadamente 304 embriões, cada um com um comprimento de 42 a 63 centímetros. Alguns ainda estavam em seus ovos e externamente eles tinham o saco vitelino.

As cápsulas dos ovos eram de cor macia e âmbar. De cada lado eles tinham uma abertura respiratória. Quanto aos embriões, os maiores não tinham o saco externo da gema, indicando que eles haviam se desenvolvido o suficiente para serem liberados.

Esta nova descoberta mostrou que Rhincodon typus tem um desenvolvimento reprodutivo ovovivíparo. Assim, os óvulos são fertilizados internamente e retidos no útero durante a maior parte do desenvolvimento do embrião, até serem expelidos.

Particularidades

Por outro lado, os embriões se alimentam de sacos de gema de ovo, enquanto estão dentro do útero da mãe.

Quanto à prole, eles nem todos nascem ao mesmo tempo, portanto os pesquisadores presumem que a fêmea retém esperma e libera os filhotes em um fluxo constante, em um determinado período de tempo.

Relacionado:  5 Mamíferos voadores e suas características (vivos e extintos)

Além disso, os especialistas sugerem que o tubarão-baleia tem a capacidade de armazenar espermatozóides, sendo capaz de fertilizar os óvulos em estágios sucessivos. Isso faria com que um macho fertilizasse toda a ninhada, de modo que a fêmea provavelmente acasalaria com apenas um.

Regiões reprodutivas

As informações sobre áreas reprodutivas são escassas. No entanto, mulheres grávidas foram avistadas no leste do Pacífico, particularmente no Golfo da Califórnia e na ilha de Darwin, localizada no arquipélago de Galápagos. Isso também é observado na ilha de Santa Eelena, no Atlântico.

Da mesma forma, jovens nas margens de Taiwan, Índia e Filipinas sugerem que essas regiões podem ser importantes áreas de reprodução.

Alimento

O typus é um filtro de sucção do alimentador. Alimenta-se de uma grande variedade de organismos planctônicos e nectônicos. Assim, sua dieta consiste em peixes como sardinha, cavala, anchova, atum e atum. Ele também come larvas de invertebrados, krill, copépodes, camarão, água-viva, lulas e corais reprodutores e peixes. Ocasionalmente, eu podia comer fitoplâncton e macroalgas.

Para alimentar, o tubarão-baleia vai para a zona epipelágica. Os pesquisadores dizem que, quando o tubarão não está capturando presas na superfície, nada com a boca aberta para engolir água, enquanto abre e fecha as fendas branquiais. Dessa forma, capture presas para nutrir.

Tubarão-baleia: características, habitat, comida, comportamento 6

Jaontiveros [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Ele também costuma mergulhar em profundidades de até 1928 metros. Esse comportamento pode estar associado à forragem, principalmente se estiver em águas de baixa produtividade superficial. Durante esses mergulhos, você tem uma dieta mesopelágica.

Embora esta espécie possua cerca de 300 dentes pequenos, não os utiliza para cortar ou mastigar presas. Em vez disso, o tubarão pode peneirar a água que engole, usando a rede que possui nas brânquias. Assim, pode capturar presas muito pequenas, de até 1 milímetro.

Métodos alimentares

O tubarão-baleia freqüentemente coloca seu corpo verticalmente na água, subindo parcialmente acima da superfície e afundando com a boca aberta. Dessa maneira, a água, que contém plâncton, flui através das malhas das brânquias.

Este animal é capaz de filtrar mais de 6000 litros de água a cada hora. Além disso, para otimizar a alimentação, você pode abrir a boca com mais de um metro de largura.

Os tubarões-baleia também podem se alimentar por sucção, enquanto estão na água horizontalmente, verticalmente ou estacionados. Isso é alcançado quando ele abre a boca com força, chupando e engolindo a presa. Quando fechada, a água que entra sai das brânquias, filtrando os alimentos.

A alimentação ativa da superfície ocorre no momento em que Rhincodon typus mantém a boca aberta, com a parte superior acima da linha d’água. Então ele faz um mergulho rápido, com um caminho circular que permite capturar plâncton, entre outras coisas.

Comportamento

O tubarão-baleia geralmente tem um comportamento solitário, embora em algumas regiões possa formar agregações. A maior delas ocorre na ilha de Contoy, localizada no Caribe mexicano. Nesta área, até 420 desses tubarões foram registrados, em uma área de aproximadamente 18 km2.

Esta espécie é caracterizada por nadar lentamente. Tanto adolescentes quanto adultos costumam navegar a uma velocidade de 1 metro por segundo. Esse deslocamento pode mantê-lo por várias horas.

Por outro lado, os resultados do rastreamento via satélite do Rhincodon typus indicam que eles podem percorrer longas distâncias, atingindo mais de 13.000 quilômetros.

Comunicação e Percepção

A posição dos olhos, localizada nas laterais da cabeça, pode criar um amplo campo visual. Isso, junto com o formato largo da cabeça, pode sugerir que o tubarão-baleia tenha visão binocular. Além disso, tem a capacidade de distinguir objetos que estão próximos e em movimento, podendo persegui-los.

Quanto à orelha, possui grandes estruturas auditivas. Por isso, é provável que você consiga captar sons de baixa frequência e ondas longas.

As cápsulas olfativas são grandes e esféricas, portanto esse animal marinho provavelmente pode detectar estímulos químico-sensoriais, assim como os tubarões-enfermeiros ( Ginglymostoma cirratum ).

Referências

  1. Pierce, SJ, Norman, B. (2016). Rhincodon typus. A Lista Vermelha da IUCN de Espécies Ameaçadas em 2016. Recuperada em iucnredlist.org.
  2. Wikipedia (2019). Tubarão-baleia Recuperado de en.wikipedia.org.
  3. Carol Martins, Craig Knickle (2019). Tubarão-baleia Museu de História Natural da Flórida. Recuperado de floridamuseum.ufl.edu.
  4. Froese, R., D. Pauly. (2019). Rhincodon typus. Smith, 1828 Tubarão-baleia. Recuperado de fishbase.se.
  5. Calleros, P., J. Vazquez (2012). Rhincodon typus. Diversidade Animal Recuperado de animaldiversity.org.
  6. ITIS (2019). Rhincodon typus. Recuperado a partir de is.gov.
  7. Marinebio (2019). Tubarões-baleia, Rhincodon typus. Recuperado de marineborg.
  8. Hector M. Guzman, Catalina G. Gomez, Alex Hearn, Scott A. Eckert (2018). Maior migração trans-Pacífico registrada de um tubarão-baleia (Rhincodon typus). Recuperado de mbr.biomedcentral.com
  9. Brad Norman (2019). Tubarão-baleia (Rhincodon typus). Departamento de Meio Ambiente e Energia do Governo Australiano. Recuperado de environment.gov.au.
  10. FAO (2019). Rhincodon typus (Smith, 1828). Recuperado de fao.org.
  11. David Acuña-Marrero, Jesús Jiménez, Franz Smith, Paul F. Doherty Jr., Alex Hearn, Jonathan R. Green, Jules Paredes-Jarrín, Pelayo Salinas-de-León (2014). Presença sazonal, tempo de residência e uso de habitat do tubarão-baleia (Rhincodon typus) na ilha de Darwin, Reserva Marinha de Galápagos. Recuperado de journals.plos.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies