Vantagem comparativa: teoria de David Ricardo, México, Colômbia

A teoria da vantagem comparativa, desenvolvida pelo economista David Ricardo, é amplamente reconhecida como uma das bases do comércio internacional moderno. Segundo esta teoria, um país deve se especializar na produção daquilo que tem menor custo de oportunidade, em relação aos outros países, e depois trocar esses bens com outros países que possuem vantagens comparativas distintas. Neste contexto, o México e a Colômbia são países que têm se beneficiado da vantagem comparativa em diversos setores, como agricultura, manufatura e serviços, para expandir suas exportações e fortalecer suas economias. Este artigo irá explorar como esses dois países têm utilizado a teoria da vantagem comparativa para impulsionar seu desenvolvimento econômico e aumentar sua competitividade no mercado global.

A explicação da teoria das vantagens comparativas por David Ricardo de forma resumida.

A teoria das vantagens comparativas de David Ricardo explica que os países devem se especializar na produção de bens e serviços onde possuem uma vantagem relativa em relação aos outros países. Isso ocorre quando um país tem um custo de oportunidade mais baixo na produção de determinado bem ou serviço em comparação com outro país. Dessa forma, os países podem se beneficiar ao se especializarem naquilo que produzem de forma mais eficiente, e depois trocarem esses bens e serviços entre si.

Ricardo argumentava que mesmo que um país seja menos eficiente na produção de todos os bens em comparação com outro país, ainda assim pode se beneficiar da especialização e do comércio internacional. Isso porque cada país possui recursos e habilidades únicas que o tornam mais eficiente em determinadas áreas, permitindo que ambos os países se beneficiem da troca de bens e serviços.

Assim, a teoria das vantagens comparativas de David Ricardo enfatiza a importância da especialização e do comércio internacional para o crescimento econômico e o bem-estar dos países envolvidos. Ao se concentrarem naquilo que fazem de melhor, os países podem aumentar sua produtividade e expandir suas economias de forma mais eficiente.

Entenda o conceito de vantagens comparativas e como ele influencia no comércio internacional.

A teoria das vantagens comparativas, desenvolvida por David Ricardo, é um dos princípios fundamentais do comércio internacional. Segundo essa teoria, um país deve se especializar na produção daquilo que consegue fazer com maior eficiência relativa, mesmo que não seja o melhor em tudo. Isso significa que, mesmo que um país seja capaz de produzir todos os bens de que necessita, ele ainda pode se beneficiar ao se especializar na produção daqueles em que possui vantagem comparativa.

As vantagens comparativas surgem devido às diferenças de custos de produção entre os países. Por exemplo, se o México tem uma mão de obra mais barata em relação à Colômbia na produção de café, enquanto a Colômbia tem uma terra mais fértil para o cultivo de bananas, ambos os países podem se beneficiar ao se especializar na produção desses produtos e depois realizar o comércio entre si.

Essa especialização e troca de produtos com base nas vantagens comparativas leva a um aumento da eficiência e da produtividade global. Além disso, ela permite que os países ampliem sua diversificação e acessem bens e serviços que não seriam viáveis de serem produzidos internamente.

Portanto, as vantagens comparativas são essenciais para entender como o comércio internacional funciona e como ele pode beneficiar todos os países envolvidos. Ao se basear nesse princípio, os países podem maximizar seus recursos, aumentar sua competitividade e promover um crescimento econômico sustentável a longo prazo.

A teoria das vantagens comparativas de Estácio: sugestões para o comércio internacional e desenvolvimento econômico.

A teoria das vantagens comparativas, desenvolvida por David Ricardo, sugere que os países devem se especializar na produção de bens e serviços nos quais possuem vantagens comparativas em relação a outros países. Isso significa que um país deve se concentrar na produção daquilo que ele é mais eficiente em realizar, e depois trocar esses produtos com outros países para obter uma maior variedade de bens e serviços a um custo mais baixo.

Essa teoria tem sido aplicada com sucesso em diversos países, como México e Colômbia, para promover o comércio internacional e impulsionar o desenvolvimento econômico. Ao se especializarem na produção de determinados bens, esses países conseguem aumentar sua produtividade e competitividade no mercado global, o que resulta em maior crescimento econômico e geração de empregos.

Além disso, a teoria das vantagens comparativas também sugere que o comércio internacional beneficia todos os países envolvidos, pois permite que cada um se beneficie das especializações dos outros. Dessa forma, o comércio internacional se torna uma via de mão dupla, com países trocando bens e serviços de acordo com suas vantagens comparativas, o que resulta em um aumento do padrão de vida para todos os envolvidos.

Portanto, a teoria das vantagens comparativas de Estácio oferece importantes sugestões para o comércio internacional e o desenvolvimento econômico, mostrando que a especialização e a troca de bens e serviços podem ser benéficas para todos os países envolvidos, promovendo um crescimento econômico sustentável e uma maior prosperidade para a população.

Relacionado:  Oligopólio: características, causas, modelos, exemplos reais

Identificando vantagem comparativa através da análise de custos e recursos específicos.

Vantagem comparativa é um conceito fundamental na teoria econômica de David Ricardo, que destaca a importância da especialização na produção para o comércio internacional. Através da análise de custos e recursos específicos, é possível identificar as vantagens que cada país possui em determinados setores da economia.

No caso do México e da Colômbia, por exemplo, podemos observar que o México tem uma vantagem comparativa na produção de automóveis, devido aos seus baixos custos de mão de obra e a presença de indústrias automotivas bem desenvolvidas. Por outro lado, a Colômbia possui uma vantagem comparativa na produção de café, devido ao seu clima favorável e aos seus solos férteis.

A análise de custos e recursos específicos é essencial para identificar as vantagens comparativas de cada país e para orientar as políticas econômicas voltadas para o comércio internacional. Ao entender os pontos fortes de cada nação, é possível promover uma maior especialização na produção e aumentar a eficiência econômica.

Portanto, ao analisar os custos e recursos específicos de cada país, podemos identificar claramente as vantagens comparativas que levam ao desenvolvimento de setores específicos da economia. Essa abordagem ajuda a promover o comércio internacional e a maximizar o potencial de crescimento econômico para todos os países envolvidos.

Vantagem comparativa: teoria de David Ricardo, México, Colômbia

A vantagem comparativa é um termo econômico que se refere à capacidade de uma economia produzir bens e serviços a um custo de oportunidade menor do que o de parceiros de negócios. É um princípio fundamental na teoria do comércio internacional.

Uma vantagem comparativa oferece à empresa a capacidade de vender bens e serviços a um preço menor do que seus concorrentes e obter margens de vendas mais altas. A lei da vantagem comparativa é atribuída ao economista político inglês David Ricardo com seu livro Sobre os princípios de economia política e tributação de 1817.

Vantagem comparativa: teoria de David Ricardo, México, Colômbia 1

Fonte: pixabay.com

Em geral, um produto será produzido no país onde o custo de oportunidade de fabricá-lo é o mais baixo. Ou seja, no país onde o uso alternativo de recursos é menos atraente.

Basicamente, uma vez que um país ou empresa desenvolva um produto ou serviço de maneira mais eficiente e com menor custo, esse país ou empresa deve concentrar seus esforços na produção desse produto ou serviço em detrimento de outros. Isso lhes dá uma vantagem comparativa.

Especialização em Produção

A vantagem comparativa é a razão pela qual empresas e países se concentram na produção de bens específicos, como carros e caminhões fabricados pelos Estados Unidos, ou na produção de petróleo na Arábia Saudita.

O desenvolvimento de outros produtos pode ser feito importando, usando a renda dos produtos que exportam.

O investidor Warren Buffett considera a vantagem comparativa como um fosso de castelo. Em tempos de dificuldades financeiras, um país ou uma empresa poderia pelo menos confiar no produto que produzem bem.

Portanto, esse país ou empresa pode contar com esse produto para atuar como uma medida de defesa em tempos de economia tóxica.

O investimento em capital humano é essencial para manter uma vantagem comparativa nessa economia global baseada no conhecimento.

Teoria da vantagem comparativa de David Ricardo

Na teoria econômica, a vantagem comparativa é um dos conceitos mais significativos. É um princípio fundamental da tese que indica que, a todo momento, todos os participantes podem se beneficiar do comércio e cooperação voluntários.

O economista do século XVIII, David Ricardo, criou a teoria da vantagem comparativa. Ele afirmou que um país aumenta seu crescimento econômico concentrando-se no setor em que possui a vantagem comparativa mais substancial.

Ricardo desenvolveu sua teoria para combater as restrições comerciais na Inglaterra ao trigo importado. Ele argumentou que não fazia sentido restringir trigo de alta qualidade e baixo custo de países com as condições climáticas e de solo adequadas.

A Inglaterra receberia mais valor exportando produtos que exigiam mão de obra e máquinas qualificadas. Você poderia comprar mais trigo no comércio do que conseguir por conta própria.

A chave para entender a vantagem comparativa é com um sólido conhecimento do custo de oportunidade. Esse é o benefício potencial que alguém perde ao selecionar uma opção específica em detrimento de outra.

A empresa com o menor custo de oportunidade ou com a menor perda de lucro potencial terá esse tipo de vantagem.

Comércio internacional

David Ricardo explicou que Portugal e Inglaterra se beneficiavam do comércio e da especialização de acordo com suas vantagens comparativas.

Nesse caso, Portugal conseguiu produzir vinho a baixo custo, enquanto a Inglaterra conseguiu fabricar tecidos a baixo custo. Ricardo previu que cada país acabaria reconhecendo esses fatos e pararia de tentar fabricar o produto que era mais caro de gerar.

De fato, com o tempo, a Inglaterra parou de produzir vinho e Portugal parou de fabricar tecidos. Ambos os países viram que era uma vantagem para eles interromper seus esforços para produzir esses itens localmente e, em vez disso, negociar entre si para obtê-los.

A teoria da vantagem comparativa explica por que o protecionismo comercial não funciona a longo prazo.

Os líderes políticos estão sempre sob pressão de seus eleitores para aumentar as tarifas e, assim, proteger os empregos da concorrência internacional.

No entanto, isso é apenas uma solução temporária. A longo prazo, prejudica a competitividade da nação. Faz com que o país desperdice recursos em indústrias malsucedidas. Também força os consumidores a pagar preços mais altos comprando produtos nacionais.

Vantagem comparativa no México

Localização geográfica

Os principais países asiáticos, como Japão, China ou Malásia, levam entre 13 e 23 dias a mais para fornecer o mercado norte-americano e sul-americano, em comparação com as empresas mexicanas.

Tratados comerciais

O México possui um conjunto de acordos comerciais únicos no mundo, incluindo acordos de livre comércio com os principais mercados mundiais: a União Europeia e os EUA, bem como com diferentes países da Ásia e América Latina.

Esses tratados permitem que os produtos sejam exportados sob tratamento preferencial, uma vantagem que os países concorrentes não têm.

México e Estados Unidos

Os Estados Unidos estão melhor equipados e mais preparados para produzir mais produtos agrícolas do que o México. No entanto, o uso de uma vantagem comparativa e especialização pode beneficiar ambos os países.

Em geral, EUA Pode produzir mais milho, cereais e outras culturas que o México, mas o México é muito bom na produção de frutas tropicais e alguns vegetais.

Se os Estados Unidos concentrarem suas energias mais na produção de milho, grãos e outras culturas, e menos na produção de frutas tropicais e alguns vegetais, o excesso poderá ser exportado para o México.

Então, se o México se concentrar mais na produção de frutas tropicais e alguns vegetais, e menos na produção de milho, cereais e outras culturas, o excesso poderá ser exportado para os Estados Unidos.

Dessa maneira, os dois países produzirão o suficiente para serem auto-suficientes e terão excesso de produtos à venda. Ambos os países terão efetivamente o mesmo suprimento de alimentos e estarão em melhores condições.

Vantagem comparativa na Colômbia

Na categoria de vantagens comparativas sustentáveis ​​ao longo do tempo, há um grupo de produtos: peixe, congelado ou fresco, café e produtos similares ao café e produtos vegetais, como flores e plantas.

Esses três grupos de produtos têm a capacidade de competir com os americanos nos mercados nacional e norte-americano.

Quatro outros grupos de produtos agrícolas se enquadram na categoria de vantagens comparativas potencialmente sustentáveis ​​ao longo do tempo.

São moluscos, crustáceos e outros invertebrados aquáticos, conservados ou preparados, nozes e frutas (secas ou frescas), confeitaria feita com açúcar, mel e melaço.

Esses quatro grupos têm o potencial de enfrentar a concorrência exibida pelos mesmos produtos dos Estados Unidos, tanto neste país quanto na Colômbia.

Por esse motivo, são considerados pontos potencialmente fortes da Colômbia no intercâmbio com os Estados Unidos de produtos agrícolas.

Focus

Nesse cenário, a política econômica da Colômbia deve se concentrar em apoiar a consolidação ou o reforço das vantagens comparativas desses grupos, a fim de continuar reproduzindo-os nos anos seguintes.

Por exemplo, através de medidas que beneficiam o uso de fertilizantes e, portanto, a produtividade.

Da mesma forma, o apoio público à pesquisa e desenvolvimento poderia ser melhorado. Isso deve ser considerado indispensável para realmente intensificar as exportações para os Estados Unidos de produtos agrícolas e é um instrumento a serviço da economia colombiana.

Vantagem comparativa na Argentina

A Argentina oferece uma base sólida de recursos para atrair investimentos. Recursos humanos qualificados com uma atraente combinação de habilidades, universidades reconhecidas e centros de pesquisa de alta capacidade.

Isso fornece uma excelente oferta de recursos naturais e industriais de grande valor, a custos competitivos, em uma infraestrutura em desenvolvimento.

A Argentina é o oitavo país do mundo classificado em extensão geográfica e um dos principais locais com maior quantidade de terras aráveis, além de outros recursos naturais, como petróleo e mineração.

Além disso, a Argentina é adequada para a pesca devido aos seus inúmeros rios e à costa atlântica de 4000 quilômetros.

Procurando uma vantagem competitiva e comparativa, os produtores argentinos aplicaram tecnologia em suas atividades agrícolas para otimizar os resultados de seu trabalho.

Graças à tecnologia agrícola, o contorno da produção cresceu 10 milhões de hectares nos últimos 60 anos. Assim, o país se tornou um dos principais exportadores de soja, trigo, milho e frutas, como maçãs, peras ou limões, entre outros.

No ano passado, a Argentina exportou mais de 15 milhões de toneladas de produtos de origem animal e vegetal para a União Européia.

Vantagem comparativa com a Alemanha

A teoria da vantagem comparativa explica por que a Argentina é especializada na criação de gado, enquanto a Alemanha na fabricação de carros.

Relacionado:  Cheque certificado: características, vantagens e exemplo

Digamos que na Alemanha você precise de US $ 90.000 em recursos para criar 30 vacas e US $ 30.000 para produzir um carro. Se os alemães decidirem criar mais gado, eles podem produzir menos carros. Da mesma forma, fabricar mais carros significa menos gado.

Se a Alemanha decidir criar 30 vacas, elas param de produzir US $ 90.000 / US $ 30.000 = 3 carros. Se eles decidem fazer mais um carro, eles param de se reproduzir (US $ 30.000 / US $ 90.000) * 30 vacas = 10 vacas.

Na Argentina, são necessários US $ 40.000 para criar 30 vacas e US $ 20.000 para fabricar um carro. Então, para criar 30 vacas, eles deixam de produzir US $ 40.000 / US $ 20.000 = 2 carros. Para fazer um carro adicional, eles param de procriar (US $ 20.000 / US $ 40.000) * 30 vacas = 15 vacas.

Com base nisso, os carros devem ser fabricados na Alemanha. Lá você desiste de menos gado (10, em vez de 15) por produzir mais um carro. Da mesma forma, o gado é criado com mais eficiência na Argentina, onde menos carros parariam de ser entregues.

Vantagem comparativa no Peru

Uma nação como o Peru se destaca na produção de itens como ouro, prata e produtos de peixe.

Seu sucesso na exportação desses produtos para importantes parceiros de negócios como Estados Unidos, Brasil e China fornece os meios para importar bens e serviços, como equipamentos de gás, petróleo e telecomunicações, onde eles não são bons em produzi-los.

Com base na teoria econômica, essa balança de exportação / importação oferece ao Peru uma vantagem comparativa no mercado econômico global.

Por outro lado, o Peru possui o melhor clima do mundo para cultivar cana, tornando-o o primeiro produtor do mundo.

A manga se posicionou como o segundo maior produto agrícola em exportação.

Isso se deve à vantagem de poder exportá-lo durante o período que não pode ser feito pelo principal exportador mundial, o México. Seu sucesso é pela qualidade de seu sabor, firmeza e coloração.

Da mesma forma, o Peru possui vantagens comparativas sobre o Brasil, principal produtor de etanol de cana do mundo, uma vez que não pode cultivá-lo o ano todo, mas apenas 6 meses, uma vez que chove mais de 2000 mm. anual, afetando a cultura em seu progresso vegetativo.

Metais

Além disso, o Peru tem a vantagem comparativa de ser uma nação polimetálica, dada a insegurança criada pelo desempenho da economia chinesa e a normalidade das condições financeiras globais.

Embora a China seja um fator específico para os preços do metal, especialmente o cobre, o Peru também produz zinco e outros minerais, que nunca são mencionados e cujos preços não estão caindo.

Outros exemplos

China e EUA

A vantagem comparativa da China com os Estados Unidos está na forma de mão-de-obra barata. Os trabalhadores chineses produzem bens de consumo simples a um custo de oportunidade muito menor.

A vantagem comparativa dos Estados Unidos é mão de obra especializada. Trabalhadores americanos produzem mercadorias sofisticadas a custos de oportunidade mais baixos. A especialização e o comércio a esse respeito beneficiam cada um.

Diferença de habilidade

Considere um atleta famoso como Michael Jordan. Esse renomado jogador de basquete é um atleta excepcional, cujas habilidades físicas superam as da maioria das outras pessoas.

Jordan provavelmente poderia pintar sua casa rapidamente, devido às suas habilidades e à sua altura impressionante. Hipoteticamente, digamos que Jordan possa pintar sua casa em oito horas.

No entanto, nessas mesmas oito horas, ele também poderia participar das filmagens de um comercial de televisão, que lhe renderia US $ 50.000.

Por outro lado, o vizinho de Jordan, Joe, poderia pintar a casa em dez horas. Nesse mesmo período, ele poderia trabalhar em um restaurante de fast food e ganhar US $ 100.

Neste exemplo, Joe tem uma vantagem comparativa, embora Michael Jordan possa pintar a casa mais rápido e melhor. O melhor seria Jordan filmar o comercial de televisão e pagar Joe para pintar sua casa.

Como Michael Jordan ganha os esperados US $ 50.000 e Joe ganha mais de US $ 100, a bolsa está ganhando. Devido à diferença de habilidades, Jordan e Joe provavelmente descobrirão que esse é o melhor arranjo para benefício mútuo.

Referências

  1. Adam Hayes (2019). Vantagem comparativa Investopedia. Retirado de: investopedia.com.
  2. Kimberly Amadeo (2018). Teoria e exemplos comparativos das vantagens. The Balance Retirado de: thebalance.com.
  3. Preço Bryson (2019). Comércio e agricultura mexicanos. Retirado de: pricebryson.wordpress.com.
  4. Jenny Paola Danna-Buitrago (2019). Vantagens comparativas da Colômbia versus os Estados Unidos: o caso de produtos agrícolas. Banrep Retirado de: banrep.gov.co.
  5. Aliança Global das PME (2016). Economia e negócios na Argentina. Retirado de: globalsmes.org.
  6. Andina (2014). O Peru tem uma vantagem comparativa de ser um país polimetálico. Retirado de: andina.pe.
  7. Empresas Agroalimentares (2015). Vantagens comparativas e competitivas no agronegócio peruano. Retirado de: agrifood companies2015.blogspot.com.
  8. Eumed (2019). As vantagens comparativas do México. Retirado de: eumed.net.

Deixe um comentário