Vasoconstrição: Periférica, Cutânea, Substâncias, Medicamentos

A vasoconstrição é um fenômeno fisiológico no qual os vasos sanguíneos se contraem, resultando em uma redução do diâmetro dos mesmos e, consequentemente, uma diminuição do fluxo sanguíneo para determinada região do corpo. Este processo pode ocorrer de forma periférica, afetando os vasos sanguíneos em todo o corpo, ou de forma mais localizada, como na pele. A vasoconstrição pode ser desencadeada por diversas substâncias, como hormônios, neurotransmissores, entre outras, e também pode ser induzida por medicamentos. Neste contexto, é importante compreender os mecanismos envolvidos na vasoconstrição e seus efeitos no organismo, tanto fisiológicos quanto terapêuticos.

Lista de medicamentos vasoconstritores usados para tratamentos de diversas condições de saúde.

Vasoconstrição é o estreitamento dos vasos sanguíneos, o que pode ser útil no tratamento de diversas condições de saúde, como hemorragias, hipotensão e congestão nasal. Existem diversos medicamentos vasoconstritores que podem ser utilizados para promover esse efeito.

Alguns dos medicamentos vasoconstritores mais comuns incluem a fenilefrina, o cloridrato de nafazolina e a oximetazolina. A fenilefrina é utilizada principalmente para tratar a congestão nasal, enquanto o cloridrato de nafazolina é indicado para aliviar os sintomas de alergias respiratórias. Já a oximetazolina é frequentemente encontrada em descongestionantes nasais de venda livre.

Além desses medicamentos, há também a adrenalina, que é um poderoso vasoconstritor utilizado em situações de emergência, como em casos de anafilaxia ou parada cardíaca. A dopamina também pode ser utilizada como vasoconstritor em casos de choque hipovolêmico.

É importante ressaltar que o uso de medicamentos vasoconstritores deve ser feito sob orientação médica, uma vez que o uso excessivo dessas substâncias pode causar efeitos colaterais indesejados, como aumento da pressão arterial e taquicardia.

Principais substâncias que causam constrição dos vasos sanguíneos no organismo humano.

A vasoconstrição é um processo fisiológico que resulta na constrição dos vasos sanguíneos, levando a uma diminuição do fluxo sanguíneo em determinadas áreas do corpo. Existem várias substâncias que podem desencadear esse processo, tanto de forma natural quanto através de medicamentos.

Uma das principais substâncias que causam vasoconstrição é a norepinefrina, um neurotransmissor produzido pelo sistema nervoso simpático. A norepinefrina atua nos receptores alfa-adrenérgicos dos vasos sanguíneos, levando à contração muscular e, consequentemente, à redução do diâmetro dos vasos.

Além da norepinefrina, a serotonina também é uma substância conhecida por promover a vasoconstrição. A serotonina é um neurotransmissor que desempenha um papel importante na regulação do humor e do sono, mas também pode influenciar o tônus vascular.

Outras substâncias que podem causar vasoconstrição incluem a endotelina, um peptídeo vasoconstritor produzido pelas células endoteliais dos vasos sanguíneos, e a angiotensina II, um hormônio que atua no sistema renina-angiotensina-aldosterona para regular a pressão arterial.

Além das substâncias endógenas, alguns medicamentos também podem induzir a vasoconstrição como efeito colateral. Exemplos incluem os descongestionantes nasais, que atuam nos receptores alfa-adrenérgicos para aliviar a congestão nasal, mas também podem causar constrição dos vasos sanguíneos periféricos.

Relacionado:  Músculo redondo principal: anatomia e considerações clínicas

O entendimento desses mecanismos é essencial para o tratamento de condições como a hipertensão arterial e a doença vascular periférica.

Entenda o funcionamento dos medicamentos vasoconstritores no organismo humano.

A vasoconstrição é um processo fisiológico no qual os vasos sanguíneos se contraem, resultando em uma diminuição do diâmetro dos mesmos. Isso leva a uma redução do fluxo sanguíneo em determinadas áreas do corpo. Os medicamentos vasoconstritores atuam estimulando os receptores adrenérgicos presentes nos vasos sanguíneos, promovendo assim a contração destes.

Os vasoconstritores podem ser utilizados para diversos fins, como no tratamento de congestão nasal, alergias, hemorragias e até mesmo em procedimentos estéticos. Ao promover a vasoconstrição, esses medicamentos ajudam a reduzir a inflamação e a aumentar a pressão sanguínea em determinadas áreas do corpo.

É importante ressaltar que o uso indiscriminado de vasoconstritores pode levar a efeitos colaterais indesejados, como aumento da pressão arterial, taquicardia e até mesmo necrose tecidual em casos mais graves. Por isso, é fundamental que esses medicamentos sejam utilizados com cautela e sob prescrição médica.

Seu uso deve ser controlado e monitorado por um profissional de saúde para evitar possíveis complicações.

Significado e função da vasoconstrição na pele: entenda esse processo fisiológico importante.

A vasoconstrição é um processo fisiológico que consiste na contração dos vasos sanguíneos, resultando em uma diminuição do diâmetro dos mesmos. Na pele, a vasoconstrição tem diversas funções importantes para o organismo.

Quando ocorre a vasoconstrição na pele, há uma redução do fluxo sanguíneo na região, o que pode ajudar a conservar o calor do corpo em situações de frio extremo. Além disso, a vasoconstrição pode ser uma resposta do organismo a estímulos externos, como o medo ou o estresse, preparando o corpo para uma possível situação de perigo.

Existem diversas substâncias e medicamentos que podem induzir a vasoconstrição na pele, como a adrenalina e alguns descongestionantes nasais. Essas substâncias atuam nos receptores dos vasos sanguíneos, promovendo a contração dos mesmos e consequente redução do fluxo sanguíneo na região.

É um processo fisiológico importante que contribui para a homeostase do organismo.

Vasoconstrição: Periférica, Cutânea, Substâncias, Medicamentos

A vasoconstrição é a redução do diâmetro de um vaso sanguíneo, devido à contracção do músculo liso vascular, que forma as paredes das artérias, arteríolas e as veias. Os capilares – vasos sangüíneos muito pequenos – não têm musculatura nas paredes e, portanto, não se enquadram no conceito de vasoconstrição.

Essa redução no calibre vascular ocorre por várias razões e também tem vários propósitos. O controle da contração e relaxamento da musculatura vascular depende de muitos fenômenos intra e extracelulares, e qualquer alteração no mesmo pode causar eventos patológicos como hipertensão, isquemia e infarto.

Vasoconstrição: Periférica, Cutânea, Substâncias, Medicamentos 1

Vasoconstrição periférica

A vasoconstrição periférica é uma importante resposta autonômica do corpo a estímulos específicos.

Esse fenômeno ocorre basicamente na presença de hipotermia e sangramento grave; no primeiro caso, tentar manter a temperatura corporal adequada; e no segundo caso, conservar o suprimento de sangue para os principais órgãos.

Hipotermia

Quando há uma imagem de hipotermia, seja por contato com água muito fria ou exposição a climas com temperaturas abaixo de zero, o sistema nervoso simpático é ativado e instrui as glândulas supra-renais a liberar certas substâncias, como adrenalina e noradrenalina, que Eles têm um poderoso efeito vasoconstritor no nível periférico.

Essas substâncias atuam no nível de certos receptores encontrados nas paredes dos vasos sanguíneos.

Uma vez ativados esses receptores, as células musculares das artérias e arteríolas se contraem, reduzindo sua luz ou calibre, enquanto diminuem o fluxo de sangue através deles e os desviam para os órgãos vitais.

Este mecanismo é ativado quando a temperatura central do corpo diminui, não a temperatura da pele. É por isso que exposições prolongadas ao frio são necessárias ou estão em temperaturas extremamente baixas para que a vasoconstrição periférica ocorra como tal, com a conseqüente redistribuição do fluxo sanguíneo.

Sangramento

Quando ocorrem grandes hemorragias, sejam simples sangramentos ou mediadas por lesões, também ocorre vasoconstrição.

Sangramento simples significa aquele que não é uma conseqüência da destruição do tecido, como sangramento digestivo ou sangramento uterino disfuncional. Hemorragia de lesões musculoesqueléticas é geralmente mais grave.

O sistema nervoso simpático é ativado pela percepção da perda de sangue e da diminuição da pressão arterial. Liberam-se substâncias vasoconstritoras que exercem suas funções aumentando a resistência vascular periférica, a pressão sanguínea e assegurando o fluxo sanguíneo para o coração, cérebro e pulmões, comprometendo os rins e intestinos.

Esse efeito vasoconstritor tem ação limitada, tanto em tempo quanto em intensidade, tanto pelo consumo das substâncias que o geram quanto por suas conseqüências definitivas, uma vez que o comprometimento do fluxo sanguíneo prolongado pode causar necrose renal e infartos mesentéricos, deteriorando a condição clínica do paciente

Vasoconstrição Cutânea

A vasoconstrição cutânea não é um fenômeno separado do periférico, mas possui características próprias. A principal característica da vasoconstrição cutânea é a palidez.

Ao diminuir o calibre das arteríolas e pequenos vasos da derme, com a redução imediata do fluxo sanguíneo, ocorre perda anormal da cor da pele e hipotermia ao toque.

A palidez, considerada um sinal clínico pelos médicos em geral, é geralmente uma das primeiras consequências óbvias de pacientes com sangramento ativo ou hipotermia.

De fato, sua aparência é muito precoce e permite que os profissionais de saúde atuem antes que ocorram complicações maiores.

Algumas situações particulares, que não sejam frio ou sangramento, podem desencadear vasoconstrição cutânea. O estresse, o uso de certos medicamentos ou drogas , a atividade esportiva e várias doenças podem causar palidez por diferentes mecanismos, sendo o único denominador comum a entrada de cálcio nas células musculares vasculares.

Substâncias e medicamentos vasoconstritores

Os fatores que desencadeiam a vasoconstrição podem ser endógenos ou exógenos. Qualquer que seja sua origem, eles mediarão múltiplos elementos internos, de modo que a conseqüência final é a redução do calibre vascular.

Relacionado:  Nervo radial: anatomia e funções

Vasoconstrição: Periférica, Cutânea, Substâncias, Medicamentos 2

Epinefrina

Também conhecida como adrenalina (talvez seu nome mais popular), é uma substância natural permanentemente presente no sangue e que produz um efeito vasoconstritor quando seus níveis séricos são aumentados.

Norepinefrina

Quimicamente muito semelhante à epinefrina, mas com um efeito vasoconstritor mais potente. É liberado apenas das glândulas supra-renais em situações muito precisas.

Também é conhecido como noradrenalina . Alguns autores se referem à noradrenalina quando se fala em produtos naturais e noradrenalina quando falam sobre produtos sintéticos.

Vasopressina

Forma sintética do hormônio antidiurético produzido na hipófise. Além de concentrar a urina, promovendo a reabsorção renal de água, tem um importante efeito vasoconstritor.

Dopamina

A dopamina é uma catecolamina orgânico produzido no cérebro e rins que satisfaz muitas funções no corpo humano, incluindo tarefas vasoconstrição.

Essas primeiras quatro substâncias são produzidas naturalmente pelo organismo, mas também podem ser sintetizadas em laboratórios farmacológicos.

Todos têm uso clínico e são freqüentemente usados ​​em unidades de terapia intensiva, traumatismo craniano e salas de cirurgia.

Angiotensina II

Potente vasoconstritor endógeno, cuja ativação é inibida pela administração usual de medicamentos conhecidos como IECA (inibidores da enzima de conversão da angiotensina), que são alguns dos anti-hipertensivos mais usados ​​no mundo.

Tromboxanos e endotelina

Substâncias endógenas que atuam no campo da musculatura vascular, favorecendo a entrada de cálcio nas células musculares e gerando vasoconstrição.

Algumas substâncias químicas produzidas em laboratórios, clandetinosas ou não, utilizadas para fins recreativos, têm efeito vasoconstritor predominantemente periférico e podem ser administradas por diferentes vias. Entre essas substâncias, temos:

– A cocaína .

– anfetaminas .

– Alfa-metiltriptalina (Indopan).

– 25I ou «N-Bomb».

– LSD.

– Mephedrone (miau miau, comida para cactos, CatMef).

Vários medicamentos têm algum efeito vasoconstritor, não necessariamente como sua principal função, mas com impacto nos valores da pressão arterial. Os mais reconhecidos são:

– efedrina.

– Pseudoefedrina.

– Fenilefrina.

– Oximetazolina.

Anti-histamínicos.

Cafeína e xantinas, presentes no café e em vários tipos de chá, podem causar vasoconstrição assintomática em humanos.

Referências

  1. Clark, Joseph e Pyne-Geithman, Gail (2005). Função do músculo liso vascular: A fisiologia e patologia da vasoconstrição.Fisiopatologia , 12 (1), 35-45.
  2. Johnson, John; Minson, Christopher e Kellogg, Dean (2014). Mecanismos Vasodilatadores Cutâneos e Vasoconstritores na Regulação da Temperatura.Comprehensive Physiology, American Physiological Society, 4: 33-89.
  3. Kirkman, E e Watts, S (2014). Alterações hemodinâmicas no trauma.British Journal of Anesthesia, 113 (2), 266-275.
  4. Van Someren, Eus (2011). Alterações relacionadas à idade na termorecepção e termorregulação.Manual da Biologia do Envelhecimento, 7ª edição, capítulo 22, 463-478.
  5. Wikipedia (última edição, abril de 2018). Vasoconstrição Recuperado de: en.wikipedia.org
  6. Encyclopaedia Britannica (sf). Vasoconstrição Recuperado de: britannica.com

Deixe um comentário