Venustiano Carranza: Biografia

Venustiano Carranza (1859-1920) foi um dos protagonistas mais importantes da segunda etapa da Revolução Mexicana, que foi desde o assassinato de Francisco I. Madero até a Constituição de 1917.

Carranza nasceu em 1859, em Cuatro Ciénegas, em uma família abastada. Sua entrada na política ocorreu em instituições locais e estaduais, onde permaneceu até o início da Revolução. Quando Madero se levantou contra Porfirio Díaz , Carranza se juntou à sua causa.

Venustiano Carranza: Biografia 1

Fonte: Por Unknown (Free Textbook, México.) [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) undefined CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses /by-sa/3.0/)], indefinido

Depois que Madero, sendo presidente, foi morto pelos apoiadores de Victoriano Huerta , Carranza voltou a pegar em armas para tentar derrubar o governo formado após o golpe de estado.

A vitória de Carranza e o resto dos revolucionários não trouxe estabilidade ao país. A Convenção de Aguascalientes, convocada para tentar diminuir as diferenças, não alcançou seu objetivo e Carranza se estabeleceu em Veracruz. Ele lutou contra Zapata e Villa para derrotá-los e proclamar-se presidente.

Carranza promoveu a Constituição de 1917. Ele permaneceu na presidência até 1920. Sua intenção de impor um sucessor levou Pascual Orozco e Díaz Calles a se rebelar, forçando Carranza a fugir, sendo morto por seus inimigos.

Biografia

Venustiano Carranza Garza nasceu em Cuatro Ciénegas (Coahuila), em 29 de dezembro de 1859. Era uma cidade muito pequena, com apenas dois mil habitantes.

A família Carranza foi uma das mais importantes da região. O pai de Venustiano, coronel Jesus Carranza, destacou-se na causa republicana. Os biógrafos afirmam que ele era um admirador declarado de Benito Juarez e que ele educou seu filho, colocando-o como um exemplo de comportamento.

Da mesma forma, Jesús Carranza estava imerso na vida política da região e ocupou várias vezes a presidência municipal de Cuatro Ciénegas.

Venustiano passou parte de sua infância em sua cidade natal. Ele os estudou primeiro, em Saltillo e, mais tarde, na Cidade do México. Na capital, aos 15 anos, ingressou na Escola Nacional de Preparação

Entrada de política

Venustiano Carranza casou-se com Virginia Salinas em 1887. Nesse ano, ele também começou a seguir os passos de seu pai na política local. Ao mesmo tempo, antes da morte de seu pai, ele assumiu as rédeas das propriedades que a família possuía.

Sua carreira política começou quando ele foi eleito presidente municipal. A partir dessa posição, ele manteve sérios confrontos com o governador do estado, José María Garza Galán. De fato, relacionamentos ruins fizeram Carranza deixar seu cargo.

Quando Garza tentou concorrer à reeleição, Carranza claramente se posicionou contra ele. Obviamente, ele convenceu Porfirio Díaz de que sua posição não era contra o governo central.

Bernardo Reyes mediou o assunto e convenceu Carranza a voltar à política. Dessa forma, ele retornou à presidência municipal, onde permaneceu entre 1894 e 1898. Fora esse cargo, foi deputado no Congresso Estadual e senador no Congresso da União.

Já em 1908, Carranza foi nomeado governador de Coahuila em caráter provisório e todos esperavam que a posição fosse definitivamente confirmada. No entanto, seu relacionamento com Reyes fez Porfirio evitá-lo.

Início da Revolução

Após décadas de Porfiriato, muitos setores da sociedade mexicana esperavam uma mudança nas eleições de 1910. O líder da oposição contra Diaz era Francisco I. Madero, que fundou um movimento com grandes chances de ganhar a votação.

Relacionado:  As 7 cidades mais importantes da Mesopotâmia

No entanto, durante a campanha eleitoral, Madero foi preso por forças do governo e, eventualmente, teve que se exilar nos Estados Unidos. A partir daí, ele lançou o Plano de San Luis, que pediu demissão do ditador.

Carranza, antes disso, evitou primeiro se comprometer com o movimento Mader. Segundo os biógrafos, ele esperava que Bernardo Reyes fosse o sucessor de Diaz e o levasse com ele ao governo. Percebendo que isso não iria acontecer, ele deu seu apoio a Madero e até o acompanhou no exílio em San Antonio, Texas, e apoiou o Plano de San Luís.

O triunfo da revolta contra Diaz levou Madero à presidência. Carranza foi nomeado. Primeiro. Governador de Coahuila e, posteriormente, Secretário de Defesa e Marinha.

Já sendo eleito governador de seu estado, Carranza se destacou ao deter a revolta de apoiadores de Pascual Orozco em 1912.

Golpe contra Madero

Apesar das tentativas de Madero de reconciliar o país, tanto no lado revolucionário, Zapata e Villa, quanto nos levantes armados conservadores, não pararam.

A última, a chamada Década Trágica de 1913, foi chefiada por Victoriano Huerta, um militar que havia apoiado Madero na frente de Diaz. Huerta deu um golpe de estado que acabou com o assassinato do presidente e estabeleceu uma ditadura liderada por ele mesmo.

Carranza, embora tenha mantido discrepâncias com Madero, claramente se opôs aos rebeldes. Após o assassinato, ele acusou a igreja e os conservadores de estarem por trás dos fatos.

Plano de Guadalupe

Para combater o governo Huerta, Carranza desenvolveu o Plano Guadalupe. Ele declarou não reconhecer o novo presidente e pediu demissão.

Carranza formou o Exército Constitucionalista, do qual ele declarou Primeiro Chefe. A campanha militar começou em Sonora e Chihuahua.

Segundo o plano, uma vez alcançada a vitória, um governo provisório seria estabelecido até que as eleições pudessem ser convocadas. À frente desse executivo estaria o próprio Carranza.

Alguns dos apoios obtidos por Carranza para demolir Huerta foram Álvaro Obregón e Pancho Villa, no norte, e Emiliano Zapata, no sul, embora este último tivesse sua própria agenda agrária.

Enquanto a guerra se desenvolvia, os Estados Unidos aproveitaram para invadir parte do território mexicano. Carranza negociou com os americanos, garantindo que eles não interferissem no que estava acontecendo.

A superioridade dos revolucionários se manifestou e eles derrotaram as tropas de Huerta em todas as frentes. Em julho de 1914, o ditador entendeu que não tinha chance e renunciou à presidência.

Carranza, junto com seus apoiadores, entrou na Cidade do México. Entre eles, no entanto, não estavam nem Villa nem Zapata, um prelúdio para os confrontos que começaram quase imediatamente.

Convenção de Aguascalientes

A tentativa de estabilizar a situação criada após a queda de Huerta ocorreu na Convenção de Aguascalientes . Carranza convocou boa parte dos revolucionários, embora em princípio tenha deixado de fora os zapatistas. Sua intenção era legitimar sua presidência interina, mas os eventos não se desenrolaram como ele pensava.

Relacionado:  Lauricocha homem: características, descoberta, localização

A reunião foi realizada em outubro de 1914. Apesar dos problemas anteriores, no final, Zapata e Villa compareceram à Convenção. Durante o mesmo, suas posições estavam ganhando apoio e Carranza permaneceu uma minoria. Até alguns de seus apoiadores, além de outros de Orozco, acabaram do lado de Zapata.

Os zapatistas haviam proposto anteriormente, dentro do Plano Ayala, convocar uma reunião semelhante para eleger um presidente interino. Posteriormente, isso seria responsável por convocar eleições para o Congresso.

Reverso para Carranza

À medida que as reuniões se desenvolviam, ficou claro para Carranza que sua intenção de ser nomeado presidente interino não seria concretizada. Segundo os historiadores, seu objetivo era ocupar essa posição para se apresentar com todas as possibilidades para futuras eleições, assim como começar a elaborar uma Constituição.

O resultado da Convenção deixou Carranza sem o comando dos revolucionários. A assembléia, com o forte apoio de zapatistas e moradores, nomeou Gutierrez Ortiz como presidente interino, com a tarefa de convocar eleições de curto prazo.

Carranza não aceitou o resultado. Assim, ele se declarou revoltado e, em janeiro de 1915, marchou para Veracruz com seus apoiadores. Uma vez lá, ele reorganizou seu exército, para o qual contou com a ajuda de Álvaro Obregón, González Garza e outros generais revolucionários enfrentados por Zapata e Villa.

Em Veracruz, Carranza criou sua própria administração e começou a atuar como governante. Entre as medidas adotadas estão a Lei Agrária, a regulamentação do divórcio e a declaração de independência do Poder Judiciário.

Além de seu trabalho legislativo, ele também empreendeu ações militares para tentar derrotar os vencedores da Convenção e retornar à capital.

Retorno à capital

A guerra foi favorável aos interesses de Carranza, principalmente graças às vitórias alcançadas por Obregón entre abril e junho de 1915. Villa foi forçada a deixar a Cidade do México, deixando o caminho livre para o retorno de Carranza. A derrota dos zapatistas foi o elogio definitivo e levou ao reconhecimento dos EUA.

A primeira coisa que o político mexicano fez foi aumentar a necessidade de uma nova Constituição. A intenção era formalizar as reformas que ele propôs, algo que ele já havia apontado em 1913.

Constituição de 1917

Carranza anunciou em 14 de setembro de 1916 que iria iniciar o processo de redigir e promulgar um novo texto constitucional que substituiria o de 1857. Para isso, ele convocou um Congresso e elaborou as regras para eleger os representantes que o formariam.

Depois de Aguascalientes, Carranza não queria que a história se repetisse. Por esse motivo, estipulou uma série de condições para ser membro do Congresso Constituinte que, em teoria, deixou de fora os zapatistas e os villistas.

O projeto de Carranza era reformar a Constituição de 1857, que era liberal. No entanto, quando as reuniões começaram, os mais progressistas rejeitaram o texto proposto.

A maioria optou pela rejeição, pois, como disseram, não incluía ideais revolucionários. Segundo especialistas, as posições dos zapatistas, embora ausentes, haviam ocupado boa parte dos congressistas.

Dessa forma, a Constituição resultante foi bem diferente da proposta por Carranza. Isso, ele não teve escolha senão aceitá-la e a Carta Magna foi promulgada em 5 de fevereiro de 1917. Em seu artigo, foram coletados avanços como relações entre empregadores e trabalhadores, medidas favoráveis ​​aos agricultores e reforma educacional.

Relacionado:  Qual era o idioma dos olmecas?

Presidência

Embora parte de seu projeto constitucional tenha sido modificado, Carranza alcançou seu objetivo de ser nomeado presidente. Em 1 de maio de 1917, ele jurou a posição, com a intenção de pacificar o país.

Zapata e Villa, apesar das derrotas anteriores, não deixaram suas armas. Os dois revolucionários foram enfraquecidos, mas ainda mantiveram sua luta por algum tempo.

O governo carrancista adotou uma política de reconstrução de infra-estrutura, que havia sido severamente danificada pelos anos da guerra. Ele também tentou reviver a economia, também em uma situação muito ruim por causa do conflito prolongado.

Carranza empreendeu uma reforma agrária tímida, distribuindo cerca de duzentos mil hectares, longe das propostas do Plano Ayala.

Ao longo dos meses, no entanto, a política do governo se tornou mais conservadora. Os movimentos trabalhistas foram severamente reprimidos e a reforma agrária foi paralisada. O assassinato de Emiliano Zapata fez com que a popularidade de Carranza fosse ainda mais reduzida.

Revolução Agua Prieta

Apesar dessa perda de popularidade, Carranza chegou ao fim de seu mandato em 1920. Todos pensavam que o sucessor seria Álvaro Obregón, mas o presidente nomeou Ignacio Bonilla, um civil.

Obregón reagiu imediatamente, apoiado por Plutarco Elías Calles e Adolfo de la Huerta . Eles lançaram no Plano Agua Prieta, recusando-se a reconhecer o novo governante.

Tentativa de escapar e morrer

Os signatários do Plano de Água Prieta ganharam o apoio da maior parte do exército, o que lhes deu a vantagem definitiva. Carranza tentou repetir a manobra que já havia feito após a Convenção e instalar o governo em Veracruz.

O ex-presidente partiu para o seu destino com o resto de seu gabinete e suas famílias. Além disso, ele pegou os fundos do governo federal. Estes eram compostos de prata, ouro e papel-moeda. Em suma, tudo no Tesouro.

Em 20 de maio de 1920, ele chegou à estação de Aljibes. As estradas foram dinamitadas e tiveram que entrar na Serra Norte de Puebla. Com ele estavam muitos de seus seguidores e alguns cadetes do Colégio Militar.

Ao longo do caminho, eles pararam para passar a noite na pequena cidade de Tlaxcalantongo, Puebla. Foi nesse lugar, enquanto ele dormia, que as tropas de Rodolfo Herrero os surpreenderam nas primeiras horas de 21 de maio de 1920.

Carranza foi morto no local, sem ter chance de se defender. Seu corpo foi enterrado no Panteão Civil de Dolores, na Cidade do México. Mais tarde, em 1942, seus restos mortais foram transferidos para o Monumento à Revolução.

Referências

  1. Biografias e vidas. Venustiano Carranza. Obtido de biografiasyvidas.com
  2. Briceño, Gabriela. Venustiano Carranza. Obtido de euston96.com
  3. História do México. Venustiano Carranza. Obtido em lahistoriamexicana.mx
  4. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Venustiano Carranza. Obtido em britannica.com
  5. Minster, Christopher. Biografia de Venustiano Carranza. Obtido por thoughtco.com
  6. A Biografia Biografia de Venustiano Carranza (1859-1920). Obtido por thebiography.us
  7. Enciclopédia da Biografia Mundial. Venustiano Carranza. Obtido em encyclopedia.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies