Wildness: significado e exemplos

A wildness é um termo que se refere à qualidade ou estado de ser selvagem, não domesticado ou controlado. Pode ser associado à natureza bruta, imprevisível e indomada. A wildness pode estar presente em diversas formas, como na flora, fauna, paisagens naturais, comportamentos e emoções humanas. Neste contexto, a wildness pode ser vista como uma força poderosa e vital que nos conecta com nossa essência mais primitiva e selvagem. Alguns exemplos de wildness incluem florestas intocadas, animais selvagens, tempestades violentas, emoções intensas e comportamentos instintivos.

A vastidão selvagem: explorando a beleza e os desafios da natureza intocada.

A vastidão selvagem: explorando a beleza e os desafios da natureza intocada é um tema que desperta fascínio e admiração em muitas pessoas. A ideia de espaços naturais intocados pelo homem, onde a vida selvagem floresce livremente, é algo que nos conecta com um senso de aventura e liberdade. A selvagem representa a pureza e a essência da natureza, sem interferência humana.

Quando exploramos a vastidão selvagem, somos confrontados com a magnificência e a brutalidade da natureza. É um lugar onde as leis da natureza prevalecem, onde a sobrevivência é uma batalha diária para todas as criaturas que habitam esse ambiente hostil. A selvagem nos lembra da fragilidade da vida e da interconexão de todas as formas de vida no planeta.

Alguns exemplos de vastidão selvagem incluem as florestas tropicais intocadas da Amazônia, os desertos áridos do Saara e as vastas planícies geladas da Antártica. Nestes lugares, a natureza se manifesta em sua forma mais pura e indomável, desafiando aqueles que se aventuram a explorar suas paisagens imponentes e majestosas.

Em última análise, a vastidão selvagem nos convida a refletir sobre nosso papel no mundo e a importância de preservar esses espaços naturais para as gerações futuras. A beleza e os desafios da natureza intocada nos lembram da necessidade de respeitar e proteger o meio ambiente, garantindo que a selvagem continue a existir para inspirar e nos maravilhar.

Aventura na Selva: um filme emocionante que explora os mistérios da natureza selvagem.

Aventura na Selva é um filme emocionante que nos leva a explorar os mistérios da natureza selvagem. A história gira em torno de um grupo de exploradores que se aventuram em uma expedição pela selva, em busca de descobrir segredos antigos e desconhecidos. A medida que adentram cada vez mais na floresta, eles se deparam com desafios e perigos inesperados, que testam sua coragem e determinação.

Relacionado:  Literatura indígena da Colômbia: tópicos e características

O filme nos transporta para um mundo repleto de vida selvagem e paisagens exuberantes, nos mostrando a beleza e a grandiosidade da natureza. Através das cenas de ação e suspense, somos levados a refletir sobre a importância de preservar o meio ambiente e respeitar a vida selvagem.

Wildness: significado e exemplos

A palavra “wildness” em inglês significa selvageria ou natureza selvagem. Ela representa a essência indomável e imprevisível da natureza, que muitas vezes nos fascina e assusta ao mesmo tempo.

Um exemplo de wildness pode ser observado em um safari na África, onde podemos ver de perto animais selvagens em seu habitat natural, agindo de forma livre e instintiva. A imprevisibilidade e a beleza desses momentos nos lembram da importância de conservar a vida selvagem e proteger os ecossistemas naturais.

Wildness: significado e exemplos

A selvageria é o caminho a seguir que tem uma pessoa que se assemelha ao comportamento que teriam os animais selvagens ou os indivíduos, mas também se refere a etapa básica da história. Assim, podemos ver que a selvageria é abordada de diferentes ramos, como arqueologia ou antropologia, e especialistas colocam esse período do ser humano há 400.000 anos.

Se consultarmos a Real Academia Espanhola, ela definirá a selvageria como uma maneira de ser ou agir de maneira apropriada aos selvagens; e também o concede a algo que tem a qualidade de selvagem.

Wildness: significado e exemplos 1

Ou seja, uma pessoa é referida hoje, com base no que o ser humano era há muitos anos atrás, quando não tinha noção de comunidade, muito menos de comportamentos “civilizados”.

Apesar do esforço que a antropologia fez para localizar essa tenra idade do homem (que aprofundaremos mais adiante), hoje ainda existem comportamentos qualificáveis ​​como tais, incluindo comunidades que se recusam a ter qualquer contato com seres humanos desses tempos.

Selvagens e antropologia

Observada pela antropologia, de acordo com a teoria evolutiva do século XIX, de Lewis Henry Morgan (1818-1881), considerado um dos fundadores da antropologia, a selvageria é o primeiro estágio da evolução cultural dos seres humanos.

De acordo com o livro Evolução Social de Gordon Chidle, essa etapa é seguida por barbárie e civilização, pelo menos vistas do desenvolvimento econômico e tecnológico. Esta etapa é subdividida em selvageria inferior, média e superior.

Relacionado:  485 Exemplos de palavras com B (classificados em ordem alfabética)

Baixa selvageria

Seguindo o esquema de Morgan, a selvageria inferior (algo como a “infância” da humanidade) é o estágio cultural mais atrasado, com o homem no meio de pequenas hordas nômades em florestas tropicais ou subtropicais, onde a promiscuidade está em alta. agenda e cuja economia se baseia na coleta de frutas e alimentos à base de raízes.

Nesta etapa, o principal avanço foi a formação de uma linguagem articulada. Tampouco se exclui que houve casos de antropofagia (aqueles que comem carne ou tecidos de humanos).

É difícil localizar esse período no tempo, pois claramente não há referência que o localize com precisão. No entanto, as representações arqueológicas mais conhecidas desse estágio pertencem às idades paleolítica e mesolítica, ou seja, estamos falando de 400 mil anos atrás.

Selvageria média

O homem também começou a se alimentar de peixes, moluscos ou crustáceos; fogo descoberto; Ele começou a esculpir a pedra para fazer ferramentas e usou as primeiras armas, como lanças. Graças a esses eventos, o homem se tornou independente do clima e dos lugares.

Selvageria superior

Aqui, o homem já criou o arco e a flecha, ele se tornou um caçador e isso se torna uma atividade normal na qual ele é sustentado. Além disso, alguns laços foram banidos, como o casamento entre irmãos ou o sistema de descendência por linha materna (matrilinhagem). Além disso, tendências sedentárias e vida comunitária começaram.

A cerâmica foi o que delimitou a passagem da selvageria ao que Morgan chamou de barbárie, o que significou uma evolução na vida do ser humano e um passo anterior à civilização.

Para a selvageria, o arco e a flecha eram a arma principal, assim como a espada de ferro para barbárie e uma arma de fogo para civilização.

Exemplos de tribos selvagens do século XXI

Já vimos que a selvageria é antiga, há muitos milênios, e embora pareça incrível, ainda existem pequenas comunidades impermeáveis ​​a esses tempos e, em muitos casos, são hostis a qualquer tipo de abordagem.

Korowai

Essa comunidade vive na Papua Nova Guiné, no continente da Oceania, e a primeira vez que os antropólogos tiveram contato com eles foi em 1974.

Eles são arquitetos especialistas, especializados na construção de casas em altura, mais precisamente nas árvores que abundam na cordilheira de Jayawijaya, onde moram.

Relacionado:  Salvador Novo: biografia, estilo, obras e frases

No passado, alguns membros eram canibais, mas com o tempo essa prática foi eliminada. Hoje eles são uma tribo ligada à sociedade circundante, deixando entre 3.000 e 4.000 habitantes nas condições tradicionais.

O Mascho-Piro

Esta comunidade vive no Peru, América do Sul, mais precisamente na área de Madre de Dios e Ucayali. Apesar de permanecerem isolados por décadas, nos últimos anos eles estavam mais abertos a serem vistos.

Eles costumam aparecer na margem do rio Alto Madre de Dios para procurar instrumentos e produtos agrícolas para suas vidas diárias. Apesar das abordagens, eles não desejam integrar-se à sociedade moderna.

As sentinelas

Eles fizeram manchetes por matar um turista americano que havia tentado subir a área para pregar o cristianismo.

Eles vivem na Ilha North Senitel, na Baía de Bengala, na Índia, localizada no Oceano Índico e a milhares de quilômetros de qualquer porto da Índia continental.

Pouco se sabe sobre eles, pois são totalmente agressivos diante de qualquer contato com estrangeiros. Acredita-se que eles sejam descendentes diretos dos primeiros migrantes da África e habitam a área por 60.000 anos.

Sua rejeição extrema a qualquer contato remonta há muito tempo: em 1974, um documentarista recebeu uma queda por uma das pernas quando tentou filmar. Em 2004, após o tsunami no final daquele ano, o governo indiano queria se aproximar para saber se eles haviam sobrevivido, quando o helicóptero por onde viajava uma equipe de profissionais recebeu uma chuva de flechas.

Dois anos depois, dois pescadores que vagavam pela área foram mortos após serem atingidos pelas temíveis flechas dos Sentinelese

Estima-se que hoje de 50 a 150 pessoas morem nessa pequena ilha, e qualquer tipo de praga, por mínima que seja, poderia matar toda a população porque são altamente frágeis a infecções.

Referências

  1. Selvageria (2019). Real academia espanhola. Recuperado de: dle.rae.es
  2. Gordon Childe (1988). «Evolução Social» . Recuperado de: books.google.bg
  3. Manuel Marzal (1996). «História da antropologia». Recuperado de: books.google.bg
  4. BBC World (2019). Quem são os Sentinelenses? Recuperado de: bbc.com/mundo
  5. Aurelia Casares. (2006). «Antropologia de gênero» . Recuperado de: books.google.bg

Deixe um comentário