Wuchereria bancrofti: características, transmissão, sintomas

O Wuchereria bancrofti é um verme pertencente à aresta de Nematoda, por isso possui a forma cilíndrica característica. São pequenos e alojam-se dentro dos vasos linfáticos do hospedeiro.

Ele recebe seu nome em homenagem a dois cientistas conhecidos: Joseph Bancroft e Otto Wucherer. É um patógeno comum que causa em humanos a doença conhecida como filariose linfática.

Wuchereria bancrofti: características, transmissão, sintomas 1

Wuchereria Bancrofti. Fonte: Veja a página do autor [Domínio público]

Esta doença afeta milhões de pessoas todos os anos, especialmente em regiões tropicais, onde as temperaturas são quentes e úmidas, como a América do Sul e a África. A filariose linfática é uma doença que afeta as pessoas não apenas fisicamente, mas também psicologicamente, devido à deformidade corporal que causa.

Caracteristicas

Wuchereria bancrofti é um organismo que pertence ao grupo de seres vivos cujo DNA está dentro do núcleo celular, delimitado pela membrana nuclear. O DNA está em conformidade com os cromossomos. É por isso que eles são chamados eucariotos.

Além disso, eles são compostos de diferentes tipos de células, o que os torna organismos multicelulares. Essas células se originam de três camadas germinativas que aparecem durante o desenvolvimento embrionário: mesoderma, endoderma e ectoderma. Graças a isso, eles são conhecidos como organismos triblásticos.

Após o desenvolvimento embrionário, esse parasita é deuterostomed, pois a partir da blastoporo (estrutura embrionária) o ânus se desenvolve primeiro e a boca se desenvolve posteriormente a partir de outra estrutura.

Este parasita tem simetria bilateral. Isso significa que é composto de duas metades exatamente iguais. Ao traçar uma linha imaginária ao longo do eixo longitudinal do corpo do animal, isso é evidente.

São organismos dióicos, uma vez que os sexos são separados. Existem indivíduos masculinos e femininos. Eles também têm dimorfismo sexual.

Para sobreviver, o Wuchereria bancrofti deve estar dentro de um hóspede (ser humano). Caso contrário, ele não pode se desenvolver. É um patógeno conhecido que causa uma doença chamada filariose linfática em humanos.

Sua reprodução é sexual, são ovovivíparas e têm desenvolvimento indireto.

Taxonomia

A classificação taxonômica de Wuchereria bancrofti é a seguinte:

-Domain: Eukarya

– Reino: Animalia

-Filo: Nematoda

-Class: Secernentea

-Pedido: Spirurida

-Família: Filarioidea

-Gênero: Wuchereria

-Espécie: Wuchereria bancrofti.

Morfologia

Wuchereria bancrofti é um parasita que, como muitos vermes parasitas, possui uma coloração esbranquiçada. Eles são muito pálidos.

Eles têm um corpo cilíndrico sem nenhuma segmentação. Apresentam na extremidade da cabeça a boca, que não possui lábios e é cercada por papilas.

Feminino

É muito maior que o macho. Eles medem entre 7 e 10 cm, com uma média de 0,3 mm de espessura. Seu fim caudal termina reto. Apresenta ao nível do esôfago a vulva.

Masculino

É menor. Mede aproximadamente entre 4 e 5 cm com 0,1 de espessura. Sua cauda termina com uma curvatura ventral característica. Ele também possui algumas estruturas chamadas espículas, usadas para o processo de acoplamento.

Ciclo biológico

Para que seu ciclo de vida se desenvolva com sucesso, esse parasita requer um vetor e um hospedeiro. Dentro de cada um, parte do desenvolvimento do parasita ocorre.

Vetor

O vetor de Wuchereria baancrofti é um mosquito. No entanto, não é apenas uma espécie de mosquito que pode desempenhar essa função, mas existem muitas espécies que podem fazê-lo. Essas espécies pertencem a cinco gêneros da família Culicidae.

Esses gêneros são os seguintes: Anopheles (10 espécies), Aedes (11 espécies), Mansonia (2 espécies), Coquillettidia (1 espécie) e Culex (4 espécies). Os vetores dependem da região geográfica, pois alguns são encontrados em alguns e não em outros.

Convidado

O hospedeiro definitivo desse parasita é o ser humano, pois é nele que sua forma adulta se desenvolve e é também a que sofre com a patologia que causa.

Dentro do vetor

Os parasitas adultos, que se alojam especificamente nos canais linfáticos, produzem larvas microfilariais, que se movem livremente através do sistema linfático e entram nos vasos sanguíneos.

Neles, observa-se um fenômeno bastante curioso, e seu deslocamento é determinado pela hora do dia. Isso significa que eles são particularmente abundantes no sangue durante horas específicas, entre 22h e 14h. Isso é conhecido como periodicidade das microfilárias e também foi observado em outros parasitas.

Wuchereria bancrofti: características, transmissão, sintomas 2

Ciclo de vida de Wuchereria bancrofti. Fonte: CDC [Domínio público]

Bem, quando um mosquito morde um ser humano infectado, especialmente durante o período mencionado, ele absorve junto com o sangue as microfilárias que circulam nele.

Dentro do mosquito, a larva perde sua bainha protetora e se move do sistema digestivo para alcançar os músculos torácicos. Lá eles experimentam a primeira muda e passam para o estágio larval L1. Posteriormente, após um pequeno período de tempo (8 dias), ele sofre outra alteração e se torna uma larva L2.

Nos próximos oito dias, a larva L2 se transforma em larva L3, que é a sua forma infecciosa. Essas larvas L3 migram para a área bucal do mosquito, esperando serem inoculadas em um novo hospedeiro.

Dentro do ser humano

Quando o mosquito morde um ser humano saudável, as larvas L3 aproveitam a oportunidade para penetrar na corrente sanguínea a ferida causada pela picada. A partir disso, eles passam para o sistema linfático e se alojam nos grandes vasos, especificamente naqueles encontrados na metade inferior do corpo.

Lá eles passam por sua transformação de larvas L3 em adultos. As fêmeas adultas já são capazes de acasalar. Em um período de aproximadamente 6 a 12 meses, a fêmea já é capaz de gerar microfilárias que circulam na corrente sanguínea.

Transmissão

Como o Wuchereria bancrofti requer que um vetor desenvolva certos estágios larvais, sua transmissão ocorre quando esse vetor, que é um mosquito da família Culicidae, morde um ser humano infectado e subsequentemente morde um indivíduo saudável.

Evidentemente, um período prudencial de tempo deve passar entre uma mordida e outra, na qual a larva do parasita sofre certas transformações até adquirir a capacidade de infectar outro hospedeiro.

Doença

Wuchereria bancrofti é um patógeno e, como tal, causa em seu hospedeiro definitivo, que é o ser humano uma doença conhecida como filariose linfática. O nome comum com o qual é conhecido é elefantíase.

Esse parasita não é a única causa dessa patologia, mas é responsável por aproximadamente 90% dos casos. Os outros parasitas que podem causar a doença são Brugia malayi e Brugia timori.

Tem a particularidade de ser uma doença silenciosa, uma vez que os sinais e sintomas não aparecem imediatamente na infecção, mas podem levar anos para fazê-lo. Os especialistas sugerem que o parasita geralmente é adquirido durante a infância, mas é no início da idade adulta que os sintomas mais alarmantes se manifestam.

Wuchereria bancrofti: características, transmissão, sintomas 3

Aedes, um dos vetores de Wuchereria bancrofti. Fonte: Muhammad Mahdi Karim [GFDL 1.2 (http://www.gnu.org/licenses/old-licenses/fdl-1.2.html)]

O que acontece quando uma pessoa sofre da doença é que os vermes adultos, encontrados dentro dos vasos linfáticos, prejudicam o bom funcionamento da mesma.

Entre as conseqüências diretas disso está a obstrução total ou parcial dos ductos linfáticos através dos quais a linfa circula.

Sintomas de infecção

É importante notar que nem todas as pessoas infectadas com Wuchereria bancrofti apresentam sinais e sintomas da patologia. É por isso que se diz que esta é uma doença que, devido à sua silenciosa evolução, constitui um sério perigo para a vida daqueles que a sofrem.

O fato de um indivíduo infectado não apresentar sintomas não significa que o parasita ou suas larvas não estejam causando danos a estruturas como os rins ou o sistema linfático.

Quando a infecção é sintomática, os sintomas que ocorrem com mais frequência são os seguintes:

Febre alta.

– Linfonodos inchados.

– Muita dor. Especialmente ao nível das articulações.

– Inchaço em alguma parte do corpo, de preferência nos membros inferiores e superiores ou nos seios. Os tecidos sofrem de inchaço, endurecimento.

– pele espessada.

– Um sinal característico nos homens é o inchaço escrotal. Aqui o que acontece é que o escroto cresce para atingir um tamanho enorme.

Diagnóstico

O diagnóstico de filariose linfática pode ser feito através de dois procedimentos: por meio de exame de sangue ou ultrassom.

A identificação de microfilárias é possível através de um exame de sangue periférico. No entanto, é importante ter em mente que uma das limitações para a realização desse teste é a periodicidade noturna desse parasita.

Da mesma forma, com a realização de um ultra-som, o médico pôde identificar os parasitas dentro dos vasos linfáticos aumentados e deformados. Este é um teste no qual eles podem não ser capazes de se identificar se estiverem em vasos sanguíneos muito profundos.

Tratamento

O tratamento da filariose linfática depende se está em fase aguda ou se já foi crônica.

O médico pensa primeiro ao diagnosticar um paciente com esta doença: eliminar microfilárias que possam estar circulando na corrente sanguínea e eliminar vermes adultos.

Para isso, a medicação prescrita é a dietilcarbamicina, que afeta negativamente as microfilárias por matá-las. Também foi provado que é capaz de eliminar os vermes adultos até certo ponto.

Outra via de tratamento amplamente utilizada é o uso de alguns medicamentos anti-helmínticos, como o albendazol. Não deve ser administrado isoladamente, mas sim combinado com outro medicamento, como dietilcarbamicina ou ivermectina. Essa combinação ajuda a reduzir bastante e em um curto período de tempo o número de microfilárias no sangue do paciente infectado.

A droga mais comumente usada para eliminar os parasitas adultos é através de um medicamento chamado doxiciclina. Este é um antibiótico que visa eliminar as bactérias que residem dentro dos parasitas. Ao matá-los, o verme adulto morre, pois essas bactérias o ajudam em vários processos metabólicos essenciais a ele.

Quando a doença se torna crônica, causando deformidade em alguma parte do corpo, o tratamento é mais orientado para o cuidado da pele danificada e erodida. Às vezes, o médico decide fazer uma intervenção cirúrgica, a fim de melhorar e otimizar a circulação linfática.

Referências

  1. Beltrán, M., Cancrini, G., Reátegui, G., Melgar, R., Ayllón, C., Garaycochea, M., Reyes, R. e Lammie, P. (2008). Filariose humana na selva peruana: relato de três casos. Revista Peruana de Medicina Experimental e Saúde Pública. 25 (2)
  2. Curtis, H., Barnes, S., Schneck, A. e Massarini, A. (2008). Biologia Editorial médico pan-americano. 7ª edição.
  3. Díaz, M., Norman, F., Monge, B., Pérez, J. e López, R. (2011). Filariose na prática clínica. Doenças infecciosas e microbiologia clínica. 29 (5)
  4. Everard, L., (1944) Filariose devido a Wuchereria bancrofti. Medicina 23 (2)
  5. Hickman, CP, Roberts, LS, Larson, A., Ober, WC e Garrison, C. (2001). Princípios integrados de zoologia (Vol. 15). McGraw-Hill
  6. Narula R., Singh, S., Agarwal, V. e Narula, K. (2010). Filariose linfática. NJIRM 1 (3)

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies