8 mitos psicológicos populares que já têm explicação científica

A psicologia é uma ciência fascinante que busca compreender o funcionamento da mente humana e seu impacto no comportamento. Ao longo dos anos, diversos mitos populares sobre a psicologia têm se disseminado, muitas vezes sem embasamento científico. Neste artigo, iremos explorar e desmistificar 8 desses mitos, apresentando as explicações científicas por trás de cada um deles. Através da análise e compreensão dessas explicações, podemos ampliar nosso conhecimento sobre a psicologia e promover uma visão mais precisa e fundamentada sobre o funcionamento da mente humana.

Descubra os 7 mitos mais conhecidos que você precisa desvendar agora mesmo!

Existem muitos mitos populares relacionados à psicologia que circulam por aí e que muitas vezes acabam influenciando nossa forma de pensar e agir. No entanto, é importante desvendar essas crenças equivocadas para termos uma visão mais clara e precisa sobre o funcionamento da mente humana.

Hoje vamos falar sobre 8 mitos psicológicos populares que já têm explicação científica. Vamos descobrir juntos como essas ideias errôneas podem impactar nossa vida e como a ciência pode nos ajudar a compreender melhor o comportamento humano.

1. A ideia de que usamos apenas 10% do nosso cérebro é um dos mitos mais conhecidos. Na verdade, estudos mostram que utilizamos grande parte do nosso cérebro em atividades cotidianas, e que até mesmo em repouso o cérebro está em constante atividade.

2. O mito de que emoções negativas são sempre prejudiciais também é algo que precisa ser desconstruído. Emoções como tristeza e raiva têm seu papel na regulação emocional e podem nos ajudar a lidar com situações desafiadoras.

3. A crença de que a memória é como uma gravação perfeita é outro equívoco comum. Na verdade, a memória é suscetível a distorções e influências externas, o que pode levar a falsas lembranças.

4. O mito de que a terapia é apenas para pessoas com problemas mentais graves é algo que afasta muitas pessoas em busca de ajuda psicológica. A terapia pode ser benéfica para qualquer pessoa que queira melhorar sua qualidade de vida e bem-estar emocional.

5. A ideia de que a personalidade é fixa e imutável ao longo da vida também é um equívoco. Estudos mostram que a personalidade pode mudar ao longo do tempo, e que o desenvolvimento pessoal e as experiências de vida podem influenciar quem somos.

6. O mito de que a felicidade é constante e alcançável o tempo todo é algo que muitas pessoas buscam, mas a felicidade é um estado emocional que pode variar e ser influenciado por diversos fatores, tanto internos quanto externos.

7. A crença de que a intuição sempre nos leva à melhor decisão é outro mito que precisa ser desvendado. A intuição pode ser útil em algumas situações, mas é importante também considerar a racionalidade e a análise crítica na tomada de decisões.

Desvendar esses mitos populares pode nos ajudar a ter uma visão mais realista e informada sobre questões relacionadas à psicologia e ao comportamento humano. É importante questionar essas crenças e buscar conhecimento científico para compreender melhor como nossa mente funciona e como podemos melhorar nossa qualidade de vida.

Mitos científicos: quais são as crenças equivocadas que rondam o mundo da ciência?

Muitas vezes, a ciência é mal interpretada e cercada por mitos que não têm base científica. Existem várias crenças equivocadas que circulam no mundo da psicologia, por exemplo, e que já foram explicadas pela ciência. Neste artigo, vamos abordar 8 mitos psicológicos populares que já têm uma explicação científica sólida.

Um dos mitos mais comuns é o de que utilizamos apenas 10% do nosso cérebro. No entanto, estudos mostram que utilizamos todas as partes do nosso cérebro, mesmo que em momentos diferentes. Outro mito é o de que sonhar com a morte significa que alguém próximo vai morrer. Na realidade, sonhos têm relação com nossas emoções e pensamentos, e não podem prever o futuro.

Outro mito popular é o de que memórias reprimidas podem ser recuperadas com hipnose. A ciência já provou que a hipnose não é um método confiável para recuperar memórias reprimidas, pois pode levar a falsas lembranças. Além disso, o mito de que mulheres são mais emotivas do que homens também não tem base científica. Estudos mostram que a expressão emocional varia de pessoa para pessoa, independentemente do gênero.

Relacionado:  Auto-regulação: o que é e como podemos promovê-lo?

Outros mitos incluem a ideia de que pessoas com transtornos mentais são perigosas (na verdade, a maioria não representa perigo), o mito de que psicoterapia é apenas para pessoas com problemas graves (ela pode ser benéfica para qualquer pessoa) e o mito de que introspecção é prejudicial (na verdade, refletir sobre si mesmo pode ser muito construtivo).

É importante desmistificar essas crenças equivocadas e buscar sempre informações embasadas em evidências científicas. A psicologia é uma ciência complexa e fascinante, e é fundamental separar os mitos da realidade para compreendermos melhor o funcionamento da mente humana.

Quais são os mitos mais famosos e conhecidos ao redor do mundo?

Os mitos são narrativas que fazem parte da cultura de diversos povos ao redor do mundo. Muitos deles são passados de geração em geração e acabam se tornando populares e conhecidos globalmente. No entanto, alguns desses mitos populares possuem explicações científicas que desmistificam suas crenças. Neste artigo, vamos explorar 8 mitos psicológicos populares que já foram explicados pela ciência.

Um dos mitos mais famosos é o da “lua cheia afetar o comportamento humano”. Muitas pessoas acreditam que durante a lua cheia as pessoas ficam mais agitadas e até mesmo violentas. No entanto, estudos científicos demonstraram que não há nenhuma relação entre a fase da lua e o comportamento humano. A crença nesse mito pode ser atribuída a observações casuais e à tendência das pessoas de procurarem padrões onde não existem.

Outro mito comum é o de que “utilizamos apenas 10% do nosso cérebro”. Essa crença é amplamente difundida, mas já foi desmentida pela neurociência. Na verdade, utilizamos 100% do nosso cérebro, mesmo que nem todas as áreas estejam ativas ao mesmo tempo. Cada região do cérebro desempenha funções específicas e trabalha em conjunto para o funcionamento adequado do organismo.

Um terceiro mito psicológico popular é o da “memória fotográfica”. Muitas pessoas acreditam que algumas pessoas possuem uma memória quase perfeita, capaz de lembrar detalhes com precisão fotográfica. No entanto, estudos mostram que a memória humana é mais complexa do que isso, envolvendo processos de codificação, armazenamento e recuperação de informações. A memória é suscetível a distorções e esquecimentos, não se assemelhando a uma simples imagem fotográfica.

Esses são apenas alguns exemplos de mitos psicológicos populares que já foram desmistificados pela ciência. É importante questionar crenças e buscar conhecimento embasado em evidências para não cair em armadilhas da desinformação.

Quais são os mitos contemporâneos que ainda influenciam nossa sociedade atualmente?

Existem muitos mitos contemporâneos que ainda exercem influência em nossa sociedade atualmente, mesmo que já existam explicações científicas para eles. Muitas vezes, esses mitos são difundidos de geração em geração e acabam se tornando parte do senso comum. Neste artigo, vamos explorar 8 mitos psicológicos populares que já foram desmistificados pela ciência.

Um dos mitos mais comuns é o de que usamos apenas 10% do nosso cérebro. Na verdade, estudos de neuroimagem mostram que utilizamos todas as áreas do cérebro, mesmo em repouso. Outro mito é o de que pessoas de Olhos claros são mais sensíveis à luz. Na verdade, a sensibilidade à luz não está relacionada à cor dos olhos, mas sim à quantidade de melanina na íris.

Outro mito psicológico popular é o de que a Memória humana funciona como uma câmera, registrando fielmente todos os eventos. Na realidade, a memória é um processo complexo e suscetível a distorções e influências externas. Além disso, o mito de que as pessoas só usam a parte esquerda ou direita do cérebro para atividades específicas também foi desmentido pela ciência.

Mitos sobre a Inteligência também são comuns, como o de que o QI é o único indicador de inteligência. Na verdade, existem diferentes tipos de inteligências e o QI é apenas uma medida delas. Outro mito é o de que as pessoas introvertidas são tímidas e antissociais. Na realidade, a introversão está relacionada à preferência por ambientes mais calmos e reflexivos.

Com o avanço da ciência e da psicologia, podemos entender melhor o funcionamento da mente humana e combater essas ideias equivocadas que ainda persistem.

8 mitos psicológicos populares que já têm explicação científica

8 mitos psicológicos populares que já têm explicação científica 1

Toda disciplina do conhecimento abrange dados curiosos aos olhos do público em geral. A psicologia é talvez uma daquelas disciplinas onde curiosidades abundam, como não são muitas lendas sobre o nosso comportamento.

Mitos psicológicos: preto e branco com base em dados científicos

Hoje vamos revisar oito deles, oito mitos psicológicos.

1. Detectar mentiras

Existe uma crença popular de que há um número de pessoas com uma capacidade superior de perceber quando estão na frente de alguém que está mentindo para elas . Embora o mito não seja assim, pode-se dizer que uma investigação realizada nos Estados Unidos em 1999 descobriu que aquelas pessoas mais capazes de detectar a mentira de outras pessoas tinham graves danos cerebrais no lobo frontal, no hemisfério esquerdo.

Essas lesões fazem com que diminuam suas habilidades lingüísticas, desvantagens que compensam com uma habilidade superior no escrutínio da linguagem não-verbal de outras pessoas e, graças a essa compensação, são capazes de perceber melhor as mentiras.

2. Mensagens subliminares: elas funcionam?

Acredita-se popularmente que as mensagens subliminares (que percebemos inconscientemente) podem realmente gerar mudanças em nosso comportamento, mesmo sem ter consciência de que essas mudanças ocorreram; Sem controle sobre eles.

Em 1957, o publicitário James Vicary disse que havia mostrado que, se certas mensagens subliminares do estilo “Coma doces” ou “Beba Coca-Cola” fossem projetadas na tela, uma demanda maior por esses produtos era gerada e, portanto, um Aumento nas vendas. No entanto, ninguém de agora em diante foi capaz de corroborar esses resultados , e a verdade é que, em 1962, James Vicary reconheceu ter manipulado a investigação.

3. Contando ovelhas contra insônia

A recomendação de contar ovelhas como remédio para insônia foi desacreditada em uma investigação de 2002 realizada na Universidade de Oxford, Reino Unido. Concluiu-se que esta técnica não era de forma alguma eficaz . Para chegar a essa conclusão, o tempo necessário para adormecer de dois grupos de indivíduos que sofrem de insônia foi comparado. Um dos grupos teve que contar ovelhas, e o outro, não.

Não foram relatadas diferenças entre os grupos. Os membros do grupo de contagem de ovelhas se queixaram de estarem entediados mais, mas isso não os fez dormir mais cedo. Algo que ajuda a dormir, de acordo com esse estudo, é pensar em uma cena que gera tranquilidade.

4. Câncer causado por mau humor

Certas doenças, como o câncer, têm sido associadas a certas atitudes pessoais negativas . Sem ir mais longe, foi ouvido em inúmeras ocasiões que aqueles que tendem a reprimir mais suas emoções podem estar mais vulneráveis ​​a adoecer.

No entanto, embora seja verdade que mostrar uma atitude positiva em relação a uma doença possa ajudar a sair dela, não foi demonstrado que manter uma atitude negativa possa causar a doença. De fato, o que foi estudado é que existe uma certa relação na direção oposta: algumas pesquisas revelam que entre as mulheres que trabalham, que relatam um nível de estresse leve ou moderado, a probabilidade de contrair câncer de mama é menor. isso entre as mulheres que não têm estresse.

Relacionado:  6 estratégias de cuidados emocionais para psicoterapeutas

5. Música clássica e inteligência

Você já ouviu falar que ouvir música clássica pode aumentar a inteligência ? Ou que fazer música clássica ouvir bebês por nascer os ajuda a desenvolver sua inteligência.

Essa idéia popular nasceu de um estudo americano em 1993 e parecia confirmada em outro estudo da Universidade da Califórnia dez anos depois. Apesar dessas investigações, a Universidade de Viena realizou recentemente um estudo mais detalhado e sistemático do fenômeno, sem ter relatado nenhum aumento na inteligência de quem ouve música clássica .

6. Nós usamos apenas 10% do cérebro

Talvez um dos mitos mais recorrentes seja o que diz que usamos apenas 10% do nosso cérebro . Como o mito nasceu não é fácil de explicar, mas é possível que tenha acontecido no século 19, quando um conhecido psicólogo americano expressou certas dúvidas sobre as pessoas atingirem mais de 10% do seu potencial intelectual. É provável que tenha surgido como uma interpretação errônea do conhecimento da neurologia do início do século XX, quando a ciência ainda acreditava que apenas 10% dos neurônios podem ser ativados simultaneamente.

Outra explicação possível para a gênese do mito é a idéia de que os neurônios representam apenas 10% do total de células cerebrais, já que o restante são células da glia, as quais, embora necessárias, têm como função básica oferecer suporte energético aos neurônios. De qualquer forma, o mito é totalmente falso. A ideia de que grandes regiões cerebrais permanecem inativas não se baseia em nenhuma premissa científica , lógica ou evolutiva.

O tecido cerebral tem um alto custo em termos de consumo de energia, pois consome mais de 20% do oxigênio que respiramos, apesar de assumir não mais de 3% do peso corporal, e é absurdo pensar que o sistema e a evolução da energia eles mantêm um órgão cuja eficiência é de 10%. Se o mito fosse verdade, uma lesão cerebral, dependendo de qual área não afetaria a operacionalidade dos processos mentais da pessoa, é totalmente incerta.

Se você deseja aprofundar esse mito, recomendamos o artigo:“Nós usamos apenas 10% do cérebro”: mito ou realidade?

7. Memória infalível?

Quanto à memória, acredita-se popularmente que as memórias são um reflexo fiel do que vivemos nos seus dias . Não somos muito capazes de levar em conta que nossa memória pode distorcer os fatos, nem que é inconscientemente.

Mas a realidade é que a memória não funciona como uma máquina de gravação audiovisual (modo player), mas opera de maneira reconstrutiva: ou seja, o produto final (a memória) é uma mistura de alguns detalhes concretos e outros que realmente Nós reconstruímos com base em nossas expectativas, necessidades, crenças e emoções.

Para aprofundar esta questão, recomendamos o artigo: ” Gordon H. Bower: as memórias são mediadas por emoções “

8. Mulheres falam mais que homens

E, finalmente, é necessário esclarecer outro mito generalizado que se refere a uma diferença entre homens e mulheres . Especificamente, o mito é sobre qual dos dois sexos fala mais . Se fizermos a pergunta a um homem, é provável que ele responda que eles falam muito mais do que falam. Mas a verdade é que vários estudos revelaram que, em média, ambos os sexos usam um número semelhante de palavras por dia: cerca de 16.000.

É verdade, porém, que eles tendem a expressar suas emoções e pensamentos mais abertamente, além de serem capazes de perceber a comunicação não verbal com mais precisão. Parece que também há uma explicação para o fato de o sexo masculino considerar que as mulheres falam mais: aparentemente, a voz feminina possui uma entonação mais longa, um tom superior e inflexões mais complexas, fatores que podem causar irritação na pele. homem, se ele for exposto por muito tempo ao discurso feminino.

Deixe um comentário