A geração depressiva ou a geração anestesiada?

A geração depressiva ou a geração anestesiada? 1

Nestes tempos em que estamos lidando, é normal cair em especulações (mais ou menos precisas) sobre a situação da juventude. Achei este artigo publicado no El País muito interessante . A frase é ótima, mas tenho sérias dúvidas de que o problema em questão seja exatamente a depressão . Embora eu ainda tenha três festivais quando jovem, eu me incluo no grupo e compartilho minha visão e reflexão pessoal sobre o assunto sem mais delongas.

Uma geração marcada por despreocupação

A geração de infância feliz , adolescência despreocupada , juventude estudiosa . Viver sem muitos problemas (estou generalizando), em um ambiente superprotegido no qual os problemas do mundo foram colocados em um terceiro mundo que parecia muito distante. Ainda hoje nos referimos à África quando falamos de pobreza, entendendo o continente que temos às portas como uma entidade no espaço, que só existe nas notícias. “Os pobres não têm pátria”, disse alguém dois séculos atrás, como gostaria de ler mais. Os jovens de hoje cresceram em função de dogmas que se tornaram milongas: “estude e você trabalhará”, “meu”, “com esforço, tudo dará certo” …

O treinamento (especialmente pós-universitário) nada mais é do que um negócio usual para lucrar às custas das esperanças de um jovem que perdeu seu tempo e dinheiro com o pai e a mãe (ou estudantes que trabalham à noite). ) ganhou para pagar por isso.

Depressão na juventude ou geração anestesiada?

Não há tristeza. As pessoas não estão deprimidas no sentido estrito da palavra. As pessoas são anestesiadas , o que é diferente. Nasce uma geração anestesiada, nada mais. Há uma ansiedade latente pelo medo de um futuro que, já hoje, normalizou-se para trabalhar de graça, dividir um apartamento, não conseguir sair do andar dos pais, não conseguir planejar uma família ou continuar fazendo uma mamadeira (para dizer algo menos sério) até 40. A jornada para esse futuro é inóspita. Sempre haverá compositores fãs de voluntarismo e outros mamarrachadas que dirão “se você quiser, você pode” Mas se não houver condições para poder, você não será capaz de merda.

Relacionado:  Sufragistas: as heroínas feministas das primeiras democracias

Jordan Belfort, os Yupis, os grandes empresários que fizeram muitas horas (de “trabalho”, de acordo com a lenda que visa prender pessoas que normalizaram a especulação às custas de qualquer pessoa e o aumento da mais-valia ao custo dos salários). Esses foram os exemplos de ansiedade . Com sua coca, suas anfetaminas e suas coisas. Uma ansiedade por ter, supostamente, muito trabalho.

Hoje não. Hoje há um jovem ansioso por não poder fazer nada . Ou por fazer muitas coisas e que nada vai bem.

O medo do futuro. Para um futuro muito próximo.

Piscando para o ótimo filme que era segunda-feira ao sol ,Poderíamos dizer que estamos gastando o melhor da nossa vida ao sol. Mas aludindo a outra grande série agora, o pior é que o inverno está chegando .

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies