A teoria da identidade social: características e postulados

A teoria da identidade social é um dos principais enfoques teóricos utilizados para compreender a forma como os indivíduos se identificam e se relacionam dentro de grupos sociais. Desenvolvida por Tajfel e Turner na década de 1970, a teoria da identidade social postula que as pessoas buscam uma identidade positiva por meio da categorização social e da comparação social com outros grupos. A partir desses processos, os indivíduos desenvolvem uma identidade social que influencia suas atitudes, comportamentos e interações dentro de um determinado grupo. Este enfoque teórico tem sido amplamente aplicado em diversas áreas, como psicologia social, sociologia e comunicação, contribuindo para a compreensão das dinâmicas grupais e das relações intergrupais.

Principais características da identidade social: entenda como ela influencia nossas relações e comportamentos.

A identidade social é um conceito fundamental para entendermos como nos relacionamos com os outros e como isso influencia nossos comportamentos. De acordo com a teoria da identidade social, existem algumas características principais que definem esse fenômeno e que são essenciais para compreendermos sua dinâmica.

Uma das principais características da identidade social é a auto categorização, que se refere à forma como nos identificamos e nos agrupamos com determinados grupos sociais. Isso significa que tendemos a nos associar com pessoas que compartilham características semelhantes conosco, formando assim nossa identidade social.

Além disso, a identidade social também está relacionada com a autoestima, pois a forma como nos percebemos dentro de um grupo influencia diretamente nossa autoconfiança e nosso senso de pertencimento. Quando nos vemos como parte de um grupo positivamente valorizado, nossa autoestima tende a ser mais elevada.

Outro aspecto importante da identidade social é a comparação social, que se refere ao processo de avaliação que fazemos de nós mesmos em relação aos outros membros do grupo. Essa comparação pode gerar tanto sentimentos de superioridade quanto de inferioridade, influenciando nossas atitudes e comportamentos dentro do grupo.

Por fim, a identidade social também está relacionada com a adesão às normas e valores do grupo, ou seja, tendemos a seguir as regras estabelecidas pelo grupo ao qual pertencemos, buscando assim manter nossa identidade social e ser aceitos pelos outros membros.

Ao compreendermos suas principais características e postulados, podemos ter uma visão mais clara de como nos relacionamos com os outros e como nossa identidade social molda quem somos e como agimos no mundo.

O que a teoria da identidade social explica sobre a formação de identidades coletivas.

A teoria da identidade social é um importante conceito que explica como as pessoas desenvolvem suas identidades individuais e coletivas com base na sua associação com grupos sociais específicos. De acordo com essa teoria, as pessoas tendem a se identificar e se categorizar em grupos com os quais se identificam, criando assim uma identidade social compartilhada.

Um dos principais postulados da teoria da identidade social é a ideia de que as pessoas buscam uma identidade positiva e distintiva, ou seja, elas procuram se associar a grupos que têm uma imagem positiva e que as diferenciem de outros grupos. Por exemplo, indivíduos que se identificam como parte de um grupo religioso específico podem adotar valores e comportamentos que são considerados característicos desse grupo, reforçando assim a sua identidade coletiva.

Relacionado:  Os 12 tipos de autoridade (na família e na sociedade)

Além disso, a teoria da identidade social também destaca a importância da comparação social na formação de identidades coletivas. As pessoas tendem a comparar seus grupos com outros grupos, buscando destacar as características positivas do seu próprio grupo e minimizar as diferenças negativas em relação aos outros. Isso contribui para a consolidação da identidade coletiva e para a coesão do grupo.

Esses processos são fundamentais para a construção de uma identidade coletiva forte e coesa.

Fatores determinantes da identidade social: elementos essenciais para a construção de quem somos.

A identidade social é um aspecto fundamental da vida de qualquer indivíduo e está intrinsecamente ligada aos fatores determinantes que influenciam a construção de quem somos. A teoria da identidade social, desenvolvida por Tajfel e Turner, destaca alguns postulados e características que ajudam a compreender esse processo.

Um dos fatores determinantes da identidade social é a identificação com determinados grupos sociais. Quando nos identificamos com um grupo, passamos a adotar as características e valores compartilhados por ele, o que influencia diretamente nossa percepção de nós mesmos.

Além disso, a comparação social também desempenha um papel importante na construção da identidade social. Ao nos compararmos com outros grupos, buscamos formas de valorizar nossa própria identidade e reforçar nossa pertença ao grupo ao qual nos identificamos.

Outro fator relevante é a autoestima, que está diretamente ligada à forma como nos vemos e nos sentimos em relação aos outros. Uma autoestima positiva pode fortalecer nossa identidade social e nos tornar mais seguros de quem somos.

Por fim, a socialização desempenha um papel fundamental na construção da identidade social. A forma como fomos criados, os valores e normas internalizados ao longo da vida, tudo isso contribui para moldar nossa identidade e influenciar a maneira como nos relacionamos com os outros.

Em suma, os fatores determinantes da identidade social são essenciais para compreendermos quem somos e como nos relacionamos com o mundo ao nosso redor. A teoria da identidade social nos ajuda a analisar esses elementos de forma mais aprofundada, permitindo uma melhor compreensão de nós mesmos e dos outros.

Os elementos que compõem a identidade social: uma análise aprofundada.

A identidade social é um conceito fundamental na sociologia e psicologia social, que se refere à forma como os indivíduos se identificam e são identificados pelos outros dentro de um determinado grupo social. A teoria da identidade social, desenvolvida por Tajfel e Turner, é uma abordagem que busca explicar como os indivíduos constroem sua identidade com base na pertença a grupos sociais específicos.

Os elementos que compõem a identidade social são diversos e complexos. Primeiramente, a identidade social está relacionada à autoconceito, ou seja, a forma como os indivíduos se veem a si mesmos dentro de um grupo social. Além disso, a identidade social também está ligada à identificação com o grupo, ou seja, o sentimento de pertença e conexão com os outros membros do grupo.

Outro elemento importante da identidade social é a comparação social, que ocorre quando os indivíduos comparam seu grupo com outros grupos sociais, buscando uma avaliação positiva da sua identidade. A distinção social também é um aspecto relevante, pois os indivíduos muitas vezes buscam destacar as características únicas do seu grupo para se diferenciar dos demais.

Por fim, a identidade social também está relacionada à representação social, ou seja, a forma como o grupo é percebido e representado pelos indivíduos dentro e fora do grupo. Esses elementos se interligam e se influenciam mutuamente na construção da identidade social dos indivíduos.

Em suma, a teoria da identidade social oferece uma compreensão profunda dos processos pelos quais os indivíduos constroem e mantêm sua identidade dentro de grupos sociais. A análise dos elementos que compõem a identidade social nos ajuda a entender melhor como as relações sociais e a identificação grupal influenciam a forma como nos vemos e somos vistos pelos outros.

A teoria da identidade social: características e postulados

A teoria da identidade social: características e postulados 1

Na Psicologia Social, a Teoria da Identidade Social (TIS) foi uma teoria fundamental para esse campo da psicologia , que serviu de precedente para o desenvolvimento de novas pesquisas e correntes teóricas ligadas ao comportamento do grupo e às relações interpessoais.

Aqui saberemos em que consiste esta teoria e quais são seus postulados mais importantes.

Origem da teoria da identidade social

Henry Tajfel começou seu trabalho de percepção categórica nos anos 50 . Mais tarde, com alguns colaboradores, ele desenvolveu o paradigma experimental do grupo mínimo.

Esse paradigma destacou o efeito da mera categorização, ou seja, como os grupos desenvolvem comportamentos de discriminação em grupo apenas porque recebem a premissa de que pertencem ao grupo “X” e não a outro.

Turner e Brown, em 1978, cunharam o termo Teoria da Identidade Social para se referir às descrições e idéias que Tajfel usou para explicar os resultados de suas pesquisas.

Identidade social e identidade pessoal

A idéia fundamental da teoria da identidade social é que a pertença de um indivíduo a determinados grupos ou categorias sociais fornece aspectos importantes para a identidade individual do sujeito . Ou seja, nossa participação no grupo e nosso relacionamento com eles determinam em grande parte quem somos individualmente, ou seja, eles influenciam nossa identidade pessoal.

Auto-conceito

Tajfel disse que o autoconceito de uma pessoa é formado em grande parte por sua identidade social . Este é “o conhecimento que um indivíduo possui de que ele pertence a certos grupos sociais, juntamente com o significado emocional e o valor que esse membro tem para ele / ela”. (Tajfel, 1981).

Em suas formulações iniciais, o autor afirmou que o comportamento social de uma pessoa varia ao longo de um continuum unidimensional delimitado por dois extremos: o intergrupo (quando o comportamento é determinado por pertencer a diferentes grupos ou categorias sociais) e o interpessoal (quando o comportamento é determinado pelas relações pessoais com outras pessoas e pelas características pessoais de cada uma).

Na Teoria da Identidade Social, também foi postulado que existe uma tendência individual de alcançar uma auto-estima positiva . Isso é satisfeito no contexto intergrupo, maximizando as diferenças entre o endogrupo (o próprio grupo) e o exogrupo (o “outro” grupo) nas facetas que refletem positivamente o endogrupo ou o favorecem.

  • Você pode estar interessado: ” Os 16 tipos de discriminação (e suas causas) “
Relacionado:  Como iniciar uma conversa sem ter um tópico: 6 dicas

Comparação social

Através da comparação social feita em diferentes facetas, o endogrupo será diferenciado de possíveis exogrupos. Em seguida, nasce o princípio da acentuação, que consiste em aumentar as diferenças intergrupos, principalmente nas facetas em que o endogrupo se destaca positivamente.

Assim, se o próprio grupo basear suas comparações com o exogrupo em facetas valorizadas positivamente, a percepção de superioridade será gerada nessa comparação . Dessa maneira, a pessoa adquirirá uma distinção positiva e, consequentemente, uma identidade social positiva será gerada nela (e no grupo), comparada ao exogrupo.

Se a comparação social causar resultados negativos para a pessoa, ela sentirá insatisfação que promoverá a ativação de mecanismos para combatê-la. Dessa forma, você desenvolverá diferentes formas de comportamento intergrupal, com o objetivo de obter uma identidade social positiva.

Estratégias para obter uma identidade social positiva

Tajfel propôs dois tipos de estratégias para reduzir essa insatisfação e aumentar a identidade social positiva . Vamos vê-los:

1. Mobilidade social

Consiste na pessoa que redefiniu sua associação categórica para se tornar um membro do grupo de status mais alto. Aparece quando existe a crença de que as barreiras entre categorias sociais são permeáveis (podem ser passadas de uma categoria para outra ou de um status mais baixo para um mais alto).

2. Mudança social

É a tentativa das pessoas de desenvolver, em conjunto com seu endogrupo, estratégias para obter uma reavaliação positiva do mesmo. Aparece quando são consideradas barreiras entre grupos à prova d’água (não podem ser passadas de uma categoria para outra).

2.1 Criatividade social

Faz parte da estratégia de mudança social . Estas são três estratégias concretas: procure novas facetas de comparação, redefina os valores concedidos a certas facetas e mude o exogrupo com quem comparamos. Aparece quando os relacionamentos entre grupos são subjetivamente percebidos como seguros (legítimos e estáveis).

2.2 Competição social

É outra estratégia de mudança social. Trata-se de tentar superar ou superar o grupo com o status mais alto na dimensão valorizada por ambos (ou seja, “competir” com ele). Aparece quando a pessoa percebe a comparação entre os grupos como insegura.

Teorias posteriores

Após a Teoria da Identidade Social, Turner e seus colaboradores complementam seus postulados com seu modelo de identificação social (Turner, 1982) e, posteriormente, com a Teoria de Auto-Categorização do Self (TAC) (Turner, Hogg, Oaks, Reicher e Wetherell, 1987).

Referências bibliográficas:

  • Hogg, MA e Abrams, D. (1988). Identificação social: uma psicologia social da relação intergrupo e processo grupal. Londres: Routledge e Kegan Paul.
  • Scandroglio, B, López, J. e San José, MC (2008). A teoria da identidade social: uma síntese crítica de seus fundamentos, evidências e controvérsias. Psicothema, 20 (1), 80-89.

Deixe um comentário