A teoria do esgotamento do ego: existem recursos mentais limitados?

A teoria do esgotamento do ego: existem recursos mentais limitados? 1

A teoria do esgotamento do ego sugere que há um estado de desperdício de energia mental tão importante que pode prejudicar a capacidade de se auto-regular, pelo menos temporariamente.

Entre outras coisas, essa teoria nos permitiu responder a perguntas como: por que é mais difícil executar uma tarefa depois de nos expor ao desgaste ou a conflitos mentais? Quais são os eventos que geram esgotamento do ego? Os esforços para conter o comportamento geram uma diminuição em nossa auto-regulação?

Através de numerosos estudos, o modelo de exaustão nos permitiu analisar os elementos envolvidos em nossa capacidade de tomar decisões e executar tarefas que envolvem esforço mental. Neste artigo, veremos em que consiste o exposto acima e por quais estudos ele foi explicado, bem como algumas manifestações desse fenômeno psicológico na vida cotidiana.

Teoria da exaustão do ego: a auto-regulação é limitada?

Um dos tópicos mais estudados pela psicologia tem sido a auto-regulação, considerada como a capacidade do “eu” de alterar seu próprio comportamento. Essa capacidade é muito útil em termos adaptativos, pois permite ajustar nossas ações às demandas do meio ambiente .

Nesse sentido, a auto-regulação implica um conjunto de decisões que tomamos para conter um impulso ou comportamento. Ou seja, existe um componente importante da “vontade”, que por sua vez depende da capacidade do “eu” de exercê-la.

Desde as primeiras teorias psicanalíticas, o “eu” (o “ego”) tem sido descrito como uma parte da psique que deve lidar constantemente com a realidade externa, mediando entre conflitos ou desejos internos e pressões externas. Mas isso não é alcançado do nada. Para alcançá-lo, o ego precisa fazer uso de um nível importante de energia psíquica .

Relacionado:  Aprendizagem observacional: definição, fases e usos

Em tempos mais recentes, teorias como a exaustão do ego confirmam que existe um tipo de energia ou força psíquica envolvida em atos volitivos. Assim, a energia psíquica é um recurso indispensável para alcançarmos a auto-regulação. Mas temos reservas ilimitadas dessa energia? Se não, o que acontece com a nossa vontade?

A teoria da exaustão sugere precisamente que, dependendo da energia que temos, podemos iniciar um comportamento voluntário ou não (desistiremos rapidamente das tarefas devido à falta de recursos energéticos). Em outras palavras, a auto-regulação pode ser modificada se houver um esgotamento prévio da energia psíquica.

  • Você pode estar interessado: ” Auto-regulação: o que é e como podemos promovê-lo? “

Baumeister e outros estudos representativos

O psicólogo Roy Baumeister, pioneiro nessa teoria, define “esgotamento do ego” (originalmente esgotamento do ego) como um estado em que o “eu” não possui todos os recursos que normalmente possui. Portanto, algumas das funções executivas pelas quais eles são responsáveis ​​(como auto-regulação, tomada de decisão e ativação comportamental), dependem de quantos desses recursos foram consumidos ou estão disponíveis.

Este pesquisador propõe que uma parte importante do “eu” possui recursos limitados , utilizados para todos os atos que envolvam vontade própria. Ou seja, sendo limitados, os recursos não são suficientes para todos os atos, pelo menos não se forem apresentados consecutivamente.

Assim, como um fenômeno psicológico, a exaustão do ego torna o eu temporariamente menos capaz e menos disposto a funcionar de maneira ideal, deteriorando as tarefas subseqüentes. Em outras palavras, depois de fazer um importante esforço mental, o eu se esgota, gerando um estado de fadiga ou relaxamento no qual ele piora a capacidade da pessoa de se auto-regular.

Relacionado:  9 hábitos e costumes de pessoas cronicamente infelizes

De fato, alguns estudos observaram que os esforços que fazemos para nos adaptar a situações estressantes envolvem um “custo psíquico” tão alto que danifica ou deteriora a atividade subseqüente (mesmo que sejam atividades não relacionadas à situação de estresse).

Por exemplo, os esforços mentais feitos para conter comportamentos que geram prazer; como quando trabalhamos duro para seguir uma dieta e, na primeira oportunidade de desfrutar de uma comida agradável, nossa auto-regulação diminui consideravelmente (comemos demais).

Outro exemplo é um estudo em que foi demonstrado que, quando uma pessoa tenta não pensar em um urso branco, esse exercício de auto-regulação gera tanto esgotamento do ego, que as pessoas desistem mais rapidamente ao realizar uma tarefa posterior (embora, aparentemente, isso não tenha nada a ver com com o urso branco, como um teste de anagrama).

Da mesma forma, outras pesquisas na teoria da depleção do ego sugerem que importantes esforços mentais, como dissonância cognitiva e repressão emocional, geram depleção do ego e afetam a tomada de decisão subsequente. No mesmo sentido, alguns estudos sugeriram que quanto maior a exaustão do ego, menor o sentimento de culpa e / ou empatia. E com isso, menos propensos a exercer comportamentos pró-sociais.

Como recuperar a energia do ego?

Como vimos, o esgotamento do ego é um fenômeno presente em muitas de nossas atividades diárias. Mas essa teoria não apenas nos permitiu analisar as repercussões do desgaste da energia psíquica em nossas decisões, habilidades e comportamento.

A teoria da exaustão do ego também nos permitiu analisar a importância de questões básicas para compensar a fadiga, como o descanso. O próprio Braumeister, junto com seus colaboradores, sugeriu que existem medidas compensatórias e restauradoras da força psíquica: sono e experiências emocionais positivas, principalmente.

Relacionado:  Inveja saudável: o que é e por que não é tão "saudável"?

Na mesma linha, outros pesquisadores estudaram a compensação do esgotamento do ego através de experiências fisiológicas agradáveis ​​e gratificantes . Por exemplo, testando alimentos ou bebidas com alto teor de glicose.

No mesmo sentido, uma importante ativação da freqüência cardíaca foi observada diante do alto esforço para exercer o autocontrole (esforço maior em um nível mais alto de exaustão), o que significa que o esforço psíquico tem repercussões diretas em nosso corpo.

Referências bibliográficas:

  • Baumeister, R. e Vohs, K. (2007). Auto-regulação, esgotamento do ego e motivação. Social and Personality Psychology Compass, 1 (1): 115-128.
  • Baumeister, R. (2002). Depleção do ego e falha no autocontrole: um modelo energético da função executiva do self. Self and Identity, 1 (2): 129-136.
  • Baumeister, R., Bratslavsky, E., Muraven, M. e Tice, D. (1998). Esgotamento do ego: o eu ativo é um recurso limitado? 74 (5): 1252-1265.
  • Bejarano, T. (2010). Auto-regulação e liberdade. Thémata. Journal of Philosophy. 43: 65-86.
  • Hagger, MS e Chatzisarantis, NL (2013). O doce sabor do sucesso A presença de glicose na cavidade oral modera o esgotamento dos recursos de autocontrole. Personality and Social Psychology Bulletin, 39: 28-42.
  • Xu, H., Bègue, L. e Bushman, BJ (2012). Muito cansado para cuidar: esgotamento do ego, culpa e comportamento pró-social. Jornal de Psicologia Social Experimental, 43 (5): 379-384.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies