A teoria do feedback facial: gestos que criam emoções

A teoria do feedback facial sugere que nossas expressões faciais não apenas refletem nossas emoções, mas também têm o poder de influenciar e até mesmo criar emoções. Em outras palavras, o simples ato de sorrir pode realmente nos fazer sentir mais felizes, enquanto franzir a testa pode nos deixar mais irritados ou tristes. Essa teoria destaca a importância do feedback facial como uma ferramenta poderosa para regular nossas emoções e nos ajudar a lidar com situações estressantes ou desafiadoras. Neste contexto, compreender como nossos gestos faciais podem afetar nossos estados emocionais pode ser uma ferramenta valiosa para melhorar nosso bem-estar emocional e nossa capacidade de lidar com as adversidades da vida.

Quais elementos são responsáveis por desencadear sentimentos e reações emocionais nos indivíduos?

Os sentimentos e reações emocionais dos indivíduos são desencadeados por uma série de elementos, sendo um dos mais importantes a teoria do feedback facial. De acordo com essa teoria, os gestos faciais que fazemos podem influenciar diretamente as emoções que experimentamos, criando um ciclo de feedback entre nossas expressões faciais e nossos sentimentos.

Quando sorrimos, por exemplo, nosso cérebro interpreta esse gesto como um sinal de felicidade e libera neurotransmissores associados a esse sentimento. Da mesma forma, franzir a testa pode desencadear uma sensação de tristeza ou preocupação. Essa conexão entre expressões faciais e emoções pode ser tão poderosa que apenas fazer certos gestos faciais pode realmente nos fazer sentir as emoções correspondentes.

Além dos gestos faciais, outros elementos que podem desencadear sentimentos e reações emocionais incluem experiências passadas, crenças e valores pessoais, contexto social e ambiental, entre outros. No entanto, a teoria do feedback facial destaca a importância das expressões faciais na regulação e expressão das emoções.

Portanto, ao reconhecer a influência dos gestos faciais em nossas emoções, podemos aprender a usar essa conexão a nosso favor, praticando expressões faciais que correspondam aos sentimentos que desejamos experimentar. Isso pode ser especialmente útil em situações de estresse ou ansiedade, onde podemos usar conscientemente nossas expressões faciais para influenciar positivamente nossos estados emocionais.

O processo de formação das emoções: descubra como funciona esse fenômeno complexo.

A formação das emoções é um fenômeno complexo que envolve uma série de processos cognitivos e fisiológicos. Uma teoria interessante que explora esse tema é a teoria do feedback facial, que sugere que nossas expressões faciais não apenas refletem nossas emoções, mas também podem influenciar a forma como nos sentimos.

De acordo com essa teoria, quando fazemos certas expressões faciais, como sorrir ou franzir a testa, nosso cérebro recebe um feedback desses gestos e interpreta isso como uma indicação de uma emoção específica. Por exemplo, se sorrimos, nosso cérebro pode interpretar essa expressão como um sinal de felicidade, o que pode levar a uma mudança em nosso estado emocional.

Esse processo de retroalimentação facial pode ser uma explicação para como as emoções são formadas e reguladas em nosso cérebro. Ao praticarmos certos gestos faciais, podemos influenciar ativamente nosso estado emocional e promover sentimentos positivos, como alegria e gratidão.

É importante ressaltar que a teoria do feedback facial não é a única explicação para a formação das emoções, e que existem outros fatores que também desempenham um papel nesse processo. No entanto, essa teoria oferece uma interessante perspectiva sobre como nossas expressões faciais podem impactar nossos sentimentos e emoções.

Relacionado:  Alucinações ao usar olhos cobertos por várias horas

A teoria do feedback facial é uma abordagem interessante que sugere que nossas expressões faciais podem influenciar ativamente nossos sentimentos, destacando a importância de nos atentarmos para a forma como nos expressamos emocionalmente.

Como as ações impactam as emoções no indivíduo: uma análise profunda.

A teoria do feedback facial sugere que nossas ações físicas podem influenciar diretamente nossas emoções. Quando sorrimos, por exemplo, nosso cérebro interpreta esse gesto como um sinal de felicidade e libera hormônios que nos fazem sentir bem. Da mesma forma, quando franzimos a testa ou fazemos uma expressão de tristeza, nosso cérebro responde produzindo sentimentos negativos.

Essa conexão entre ações e emoções pode ser bastante poderosa e demonstra como nossos gestos físicos podem ter um impacto significativo em nosso bem-estar emocional. Por exemplo, se nos forçarmos a sorrir, mesmo quando não estamos nos sentindo felizes, é provável que com o tempo comecemos a sentir uma melhora em nosso humor. Isso ocorre porque nosso cérebro associa o sorriso com a emoção positiva e começa a liberar os hormônios correspondentes.

Da mesma forma, se adotarmos uma postura corporal confiante e aberta, como manter os ombros para trás e a cabeça erguida, podemos começar a nos sentir mais autoconfiantes e poderosos. Essa ligação entre ações físicas e emoções é um aspecto importante a ser considerado quando se trata de gerenciar nosso estado emocional.

Ao entender como nossos gestos influenciam diretamente nossos sentimentos, podemos utilizar esse conhecimento para melhorar nosso bem-estar emocional e promover uma maior harmonia entre corpo e mente.

O que desencadeia as emoções dentro de nós?

A teoria do feedback facial sugere que as emoções podem ser desencadeadas não apenas por pensamentos ou situações, mas também por gestos faciais específicos. De acordo com essa teoria, nossas expressões faciais podem influenciar diretamente as emoções que sentimos.

Por exemplo, se franzimos a testa e apertamos os lábios, nosso cérebro pode interpretar esses gestos como sinais de preocupação ou tristeza, levando-nos a experimentar essas emoções. Da mesma forma, se sorrimos amplamente e levantamos as sobrancelhas, podemos nos sentir mais felizes e animados.

Essa ligação entre expressões faciais e sentimentos é conhecida como feedback facial. Em outras palavras, nossos gestos faciais não são apenas reflexos de nossas emoções, mas também podem influenciar ativamente como nos sentimos. Portanto, se quisermos mudar nosso estado emocional, podemos começar mudando nossa expressão facial.

Os estudos sobre a teoria do feedback facial demonstram que mesmo forçar um sorriso pode levar a um aumento temporário no humor. Além disso, pesquisas mostram que pessoas que recebem injeções de botox, que limitam a capacidade de fazer certas expressões faciais, relatam uma diminuição na intensidade das emoções que correspondem a essas expressões.

Então, da próxima vez que se encontrar em um estado emocional negativo, experimente mudar sua expressão facial e veja como isso pode afetar sua experiência emocional.

A teoria do feedback facial: gestos que criam emoções

A teoria do feedback facial: gestos que criam emoções 1

A teoria do feedback facial (feedback) propõe que os movimentos faciais associados a uma certa emoção podem influenciar as experiências afetivas . É uma das teorias mais representativas do estudo psicológico das emoções e cognição, por isso continua a ser discutido e experimentado constantemente.

Neste artigo , veremos qual é a teoria do feedback facial , como foi definida e quais foram algumas de suas verificações experimentais.

Relacionado:  A esquerda é tão dogmática quanto a direita?

Teoria do feedback facial O movimento do rosto cria emoções?

A relação entre cognição e experiências emocionais tem sido amplamente estudada pela psicologia. Entre outras coisas, foram feitas tentativas para explicar como as emoções ocorrem, de que maneira as conscientizamos e qual é sua função individual e social.

Uma parte da pesquisa nesse campo sugere que as experiências emocionais ocorrem depois que processamos cognitivamente um estímulo associado a uma emoção. Por sua vez, este último geraria uma série de reações faciais, por exemplo, um sorriso, que percebem a emoção que estamos experimentando.

No entanto, a teoria do feedback facial, ou teoria do feedback facial, sugere que o fenômeno oposto também pode ocorrer: realizar movimentos com os músculos faciais relacionados a uma certa emoção tem um impacto significativo na forma como a vivenciamos; mesmo sem a necessidade de processamento cognitivo intermediário.

É chamada de teoria do “feedback” facial, precisamente porque sugere que a ativação muscular da face pode gerar feedback sensorial para o cérebro ; uma questão que finalmente nos permite experimentar e processar conscientemente uma emoção.

Pesquisadores de base e afins

A teoria do feedback facial tem seus antecedentes nas teorias do final do século XIX, que priorizam o papel da ativação muscular com a experiência subjetiva das emoções .

Esses estudos continuam até os dias de hoje e têm sido desenvolvidos de maneira importante desde os anos 60, quando as teorias da afetividade se tornam especialmente relevantes nas ciências sociais e cognitivas.

Em uma compilação sobre o pano de fundo da teoria do feedback facial, Rojas (2016) relata que, no ano de 1962, o psicólogo americano Silvan Tomkins propôs que o feedback sensorial realizado pelos músculos do rosto e as sensações da pele , pode gerar uma experiência ou estado emocional sem a necessidade de intercessão cognitiva. Isso representou o primeiro grande antecedente da teoria do feedback facial.

Posteriormente, as teorias de Tournages e Ellsworth foram adicionadas em 1979, que falavam da hipótese de modulação emocional mediada pela propriocepção, que constitui outro dos grandes antecedentes da definição dessa teoria. Os trabalhos de Paul Ekman e Harrieh Oster sobre emoções e expressões faciais também são reconhecidos na mesma década .

Muitos outros pesquisadores se seguiram entre os anos 80 e 90, que realizaram inúmeras experiências para ver se de fato os movimentos musculares podem ativar certas experiências afetivas. Desenvolveremos abaixo algumas das mais recentes, bem como as atualizações teóricas que derivaram delas.

O paradigma da caneta sustentada

Em 1988, Fritz Strack, Leonard L. Martin e Sabine Stepper conduziram um estudo pedindo aos participantes que observassem uma série de desenhos animados engraçados. Enquanto isso, parte deles foi convidada a segurar uma caneta com os lábios. Os outros foram convidados a mesma coisa, mas com os dentes.

O pedido anterior tinha um motivo: a postura facial feita com uma caneta entre os dentes contrai o principal músculo zigomático, que usamos para sorrir , o que favorece a expressão facial sorridente. Pelo contrário, o movimento facial realizado com a caneta entre os lábios contrai o músculo orbicular, o que inibe a atividade muscular necessária para sorrir.

Dessa forma, os pesquisadores mediram a atividade facial associada ao sorriso e queriam ver se a experiência subjetiva de alegria estava relacionada a essa atividade. O resultado foi que as pessoas que seguravam a caneta com os dentes relataram que os desenhos animados eram mais divertidos do que aqueles que seguravam a caneta com os lábios.

Relacionado:  23 melhores psicólogos em Madrid

A conclusão foi que expressões faciais associadas a alguma emoção podem efetivamente transformar a experiência subjetiva dessa emoção; mesmo quando as pessoas não estão totalmente conscientes dos gestos faciais que estão realizando.

O feedback facial é inibido quando somos observados?

Em 2016, quase três décadas após o experimento de Strack, Martin e Stepper, o psicólogo e matemático Eric-Jan Wagenmakers, junto com seus colaboradores, replica o experimento da caneta sustentada.

Para surpresa de todos, eles não encontraram evidências suficientes para apoiar o efeito do feedback facial. Em resposta, Fritz Strack explicou que o experimento Wagenmakers havia sido realizado com uma variável que não estava presente no estudo original, o que certamente havia afetado e determinado os novos resultados.

Essa variável foi uma câmera de vídeo que registrou a atividade de cada um dos participantes . Segundo Strack, a experiência de sentir-se observada causada pela câmera de vídeo teria modificado significativamente o efeito do feedback facial.

O efeito da observação externa na experiência afetiva

Dada a controvérsia anterior, Tom Noah, Yaacov Schul e Ruth Mayo (2018) repetiram o estudo novamente, primeiro usando uma câmera e depois omitindo seu uso. Como parte de suas conclusões, eles propõem que, longe de serem exclusivos, os estudos de Strack e Wagenmakers são consistentes com as teorias que explicam como o sentimento observado afeta os sinais internos relacionados à atividade mais básica; neste caso, com feedback facial.

Em suas investigações, eles verificaram que o efeito do feedback facial é notoriamente apresentado quando não há registro de dispositivos eletrônicos (o que significa que os participantes não estão preocupados em monitorar sua atividade).

Pelo contrário, o efeito diminui quando os participantes sabem que estão sendo monitorados pela câmera de vídeo. A inibição do efeito é explicada da seguinte forma: a experiência do sentimento observado cria a necessidade de se ajustar às expectativas externas , para as quais as informações internas não estão disponíveis ou não são preparadas.

Assim, Noah, Schul e Mayo (2018) concluíram que a presença da câmera levou os participantes a adotar a posição de uma terceira perspectiva sobre a situação e, consequentemente, geraram menos sintonia com o feedback facial de seus próprios músculos.

Referências bibliográficas:

  • Noah, T., Schul, Y. e Mayo, R. (2018). Quando o estudo original e sua falha na replicação estão corretos: o sentimento observado elimina o efeito de feedback facial. Jornal da personalidade e da psicologia social, (114) 5: 657-664.
  • Rojas, S. (2016). Feedback facial e seu efeito na avaliação da publicidade humorística. Projeto final de graduação. Programa de Psicologia, Universidad del Rosario, Bogotá, Colômbia.
  • Wagenmakers, EJ., Beek, T., Dijkhoff, L., Gronau, QF, Acosta, A., Adams, RB, Jr., … Zwaan, RA (2016). Relatório de replicação registrado: Strack, Martin e Stepper (1988). Perspectives on Psychological Science, 11, 917-928.
  • Strack, F., Martin, LL. e Stepper, S. (1988). Inibindo e facilitando as condições do sorriso humano: um teste não invasivo da hipótese do feedback facial. Revista de Personalidade e Psicologia Social. 54 (5): 7688-777.
  • Ekman, P. e Oster, H. (1979). Expressões faciais de emoção. Annual Review of Psychology, 30: 527-554.

Deixe um comentário