Acilglicerídeos: características, estrutura, tipos, funções

Os acilglicerídeos são lipídios que desempenham um papel importante no armazenamento de energia em organismos. Eles são compostos por uma molécula de glicerol ligada a uma ou mais cadeias de ácidos graxos. Essas moléculas podem ser classificadas de acordo com o número de ácidos graxos ligados ao glicerol, sendo os principais tipos os triglicerídeos (com três ácidos graxos), diglicerídeos (com dois ácidos graxos) e monoglicerídeos (com um ácido graxo).

Os acilglicerídeos são essenciais para a manutenção da estrutura e função das membranas celulares, além de servirem como reserva de energia para o organismo. Eles também desempenham um papel na absorção de vitaminas lipossolúveis, como as vitaminas A, D, E e K.

Entenda o significado dos Acilgliceróis e sua importância para o organismo humano.

Os Acilgliceróis, também conhecidos como Acilglicerídeos, são compostos formados por ácidos graxos ligados a uma molécula de glicerol. Eles são uma das principais formas de armazenamento de energia no organismo humano, sendo encontrados em grande quantidade nas células adiposas.

Existem diferentes tipos de Acilgliceróis, dependendo do número de ácidos graxos ligados ao glicerol. Os mais comuns são os triglicerídeos, que possuem três ácidos graxos, os diglicerídeos, com dois ácidos graxos, e os monoglicerídeos, com um ácido graxo.

Os Acilgliceróis desempenham diversas funções no organismo, sendo essenciais para a absorção e transporte de vitaminas lipossolúveis, como as vitaminas A, D, E e K. Além disso, eles são uma importante fonte de energia, sendo utilizados pelo corpo quando há necessidade de combustível.

É fundamental manter um equilíbrio na ingestão de Acilgliceróis, pois o excesso de triglicerídeos no sangue está associado a doenças cardiovasculares, como a aterosclerose. Por outro lado, a falta de Acilgliceróis pode levar a deficiências nutricionais e problemas de absorção de vitaminas.

Portanto, os Acilgliceróis desempenham um papel crucial no organismo humano, fornecendo energia, auxiliando na absorção de nutrientes e desempenhando outras funções vitais. É importante manter uma dieta equilibrada e saudável para garantir níveis adequados desses compostos no organismo.

Desvendando a composição dos triglicerídeos: conheça a estrutura dessa importante molécula lipídica.

Os acilglicerdios são moléculas lipídicas essenciais para o funcionamento do nosso organismo. Compostos por ácidos graxos ligados a uma molécula de glicerol, esses lipídios desempenham diversas funções no nosso corpo.

A estrutura dos acilglicerdios é formada por três ácidos graxos ligados a um esqueleto de glicerol. Essa ligação ocorre por meio de ligações éster, que unem os ácidos graxos ao glicerol. Essa estrutura confere aos acilglicerdios características únicas, como a capacidade de armazenar energia de forma eficiente.

Existem diferentes tipos de acilglicerdios, dependendo dos ácidos graxos que estão ligados ao glicerol. Os principais tipos são os triglicerídeos, os diglicerídeos e os monoglicerídeos. Cada um desses tipos possui funções específicas no organismo, como reserva de energia, isolamento térmico e proteção de órgãos.

Os triglicerídeos, por exemplo, são a forma mais comum de acilglicerdios encontrada no corpo humano. Eles são utilizados como reserva de energia, sendo armazenados nos tecidos adiposos. Já os diglicerídeos e monoglicerídeos são utilizados principalmente na absorção e transporte de gorduras no organismo.

Sua estrutura única e suas diversas funções fazem deles componentes fundamentais para a nossa saúde e bem-estar.

Importância e benefícios dos glicerídeos para o organismo humano.

Os glicerídeos são moléculas essenciais para o funcionamento do organismo humano, sendo uma das principais fontes de energia para o corpo. Eles são formados por ácidos graxos ligados a uma molécula de glicerol, formando os chamados acilglicerídeos.

Relacionado:  Alelo dominante: características e exemplos

Os acilglicerídeos apresentam uma estrutura simples, porém fundamental para diversas funções no organismo. Existem diferentes tipos de acilglicerídeos, como os triglicerídeos, fosfolipídios e glicolipídios, cada um desempenhando papéis específicos no corpo.

Os triglicerídeos são a principal forma de armazenamento de energia no organismo, sendo encontrados em tecido adiposo e utilizados em momentos de necessidade energética. Já os fosfolipídios são componentes essenciais das membranas celulares, garantindo sua integridade e funcionamento adequado.

Além disso, os acilglicerídeos desempenham um papel importante na absorção e transporte de vitaminas lipossolúveis, como as vitaminas A, D, E e K. Eles também atuam como isolantes térmicos e protegem os órgãos internos contra impactos físicos.

Portanto, é fundamental manter um equilíbrio adequado de acilglicerídeos na dieta, garantindo assim o bom funcionamento do organismo e prevenindo doenças relacionadas ao metabolismo lipídico. Uma alimentação saudável e equilibrada, aliada à prática regular de exercícios físicos, contribui para a manutenção dos níveis adequados de glicerídeos no corpo.

Descubra a organização molecular dos lipídios e sua importância para o funcionamento celular.

Os lipídeos são moléculas orgânicas importantes para o funcionamento celular, desempenhando diversas funções essenciais no organismo. Entre os lipídeos, destacam-se os acilglicerídeos, que são compostos por uma molécula de glicerol ligada a ácidos graxos por meio de ligações éster.

Essa estrutura molecular dos acilglicerídeos os torna uma importante fonte de energia para as células, já que podem ser facilmente quebrados durante a respiração celular para produzir ATP. Além disso, os acilglicerídeos também atuam como reservas de energia no organismo, armazenando ácidos graxos que podem ser utilizados em momentos de necessidade.

Existem diversos tipos de acilglicerídeos, como os triglicerídeos, que são os mais comuns e encontrados em alimentos como óleos e gorduras. Os fosfolipídios, por sua vez, são um tipo de acilglicerídeo essencial para a formação das membranas celulares, garantindo sua integridade e permeabilidade.

Além de suas funções energéticas e estruturais, os acilglicerídeos também desempenham papéis importantes na absorção de vitaminas lipossolúveis, como as vitaminas A, D, E e K. Essas vitaminas são essenciais para diversas funções no organismo, e sua absorção adequada depende da presença de lipídeos na dieta.

Portanto, é essencial manter uma dieta equilibrada que forneça quantidades adequadas desses lipídeos para garantir a saúde e o bom funcionamento do organismo.

Acilglicerídeos: características, estrutura, tipos, funções

Acilglicerídeos: características, estrutura, tipos, funções

Os acilglicerídeos ou acilgliceróis são os lipídios simples, como as ceras. Eles são formados a partir de uma reação de esterificação, consistindo de uma molécula de glicerina (propanetriol), à qual estão ligados um a três ácidos graxos (grupos acil).

Os acilglicerídeos são incluídos nos lipídios saponificáveis, assim como outros lipídios simples, como os ceretos, e alguns mais complexos, como os fosfoglicerídeos e os esfingolípidos.

Quimicamente, os lipídios saponificáveis ​​são ésteres de um álcool e vários ácidos graxos. A saponificação constituiria a hidrólise de um grupo éster, resultando na formação de um ácido carboxílico e um álcool.

Caracteristicas

Acilglicerídeos são substâncias oleosas ao toque. Eles são insolúveis em água e menos densos. No entanto, eles são solúveis em muitos solventes orgânicos, como álcool, acetona, éter ou clorofórmio.

Relacionado:  Receptores de insulina: características, estrutura, funções

Esses lipídios podem estar no estado líquido ou ser sólidos com um ponto de fusão moderado. De acordo com este critério, é possível reconhecer o seguinte: óleos (líquidos, temperatura ambiente), manteigas (sólidos que derretem abaixo de 42 ° C) e sebo que derretem acima da temperatura mencionada para manteigas.

Os óleos predominantemente têm origem nos tecidos vegetais, possuindo pelo menos algum ácido graxo insaturado em sua estrutura. Por outro lado, o sebo e a banha de porco são de origem animal. O sebo é caracterizado por ser constituído exclusivamente por ácidos graxos saturados.

Em contraste, as manteigas são feitas de uma combinação de ácidos graxos saturados e insaturados. Estes últimos são mais complexos que nos óleos, o que lhes confere um estado sólido e um ponto de fusão mais alto.

Estrutura

A glicerina é um álcool que possui três grupos -OH. Uma reação de esterificação pode ocorrer em cada um deles. O -H do grupo carboxila de um ácido graxo se liga a um grupo -OH de glicerina, originando uma molécula de água (H2O) e um acilglicerídeo.

Os ácidos graxos, como componentes dos acilgliceróis, têm características semelhantes entre si. Eles são monocarboxilados, consistem em uma cadeia alquil (hidrocarboneto), apolar e não ramificada e um grupo carboxil polar ionizável (-COOH) (-COO + H + ).

Por esse motivo, as moléculas lipídicas são anfipáticas ou hidrofóbicas, formando monocamadas, bicamadas ou micelas em meio aquoso. Eles normalmente contêm um número par de átomos de C, sendo os mais comuns de 14 a 24 pares de átomos de carbono, sendo predominantes os de 16 a 18 C. Também podem estar saturados ou conter insaturações (ligações duplas).

Os ácidos graxos envolvidos na formação de acilgliceróis são muito diversos. No entanto, os mais importantes e abundantes são o ácido butírico (com 4 átomos de carbono), ácido palmítico (com 16 átomos de C), ácido esteárico (com 18 átomos de carbono) e ácido oleico (18 carbonos e com um insaturação).

Nomenclatura

A nomenclatura de glicerídeo requer a listagem dos carbonos de glicerol. Em C-2 não há ambiguidade, mas em C-1 e C-3. De fato, esses carbonos aparecem como equivalentes, mas é suficiente que exista um substituinte em um deles para o plano de simetria desaparecer e, consequentemente, é possível que existam isômeros.

É por esse motivo que foi acordado listar o C-2 de glicerol com o hidroxil à esquerda (L-glicerol). O carbono superior recebe o número 1 e o número inferior de carbono 3.

Tipos

De acordo com o número -OH do glicerol substituído, distinguem-se monoacilgliceróis, diacilgliceróis e triacilgliceróis.

Temos então monoacilgliceróis se apenas um ácido graxo interfere na esterificação. Diacilgliceróis, se dois grupos –OH de glicerina forem esterificados por ácidos graxos e triacilgliceróis, onde três ácidos graxos estão ligados à estrutura da glicerina, ou seja, a todos os seus grupos –OH.

Os ácidos graxos ligados ao glicerol podem ser a mesma molécula, mas na maioria das vezes são ácidos graxos diferentes. Essas moléculas têm polaridades diferentes, pois isso depende da existência de grupos -OH livres no glicerol. Apenas monoacilglicerídeos e diacilglicerídeos com 1 e 2 grupos -OH livres retêm alguma polaridade.

Relacionado:  Conjugação bacteriana: processo, estrutura e fatores

Por outro lado, nos triacilglicerídeos não há -OH livre devido à união de três ácidos graxos e eles não têm polaridade, razão pela qual também são chamados de gorduras neutras.

Monoacilgliceróis e diacilgliceróis funcionam basicamente como precursores dos triacilgliceróis. Na indústria de alimentos, eles são usados ​​para a produção de alimentos mais homogêneos, com maior facilidade de processamento e tratamento.

Recursos

As gorduras e óleos naturais são misturas bastante complexas de triglicerídeos, incluindo pequenas quantidades de outros lipídios, como fosfolipídios e esfingolípidos. Eles têm várias funções dentre as quais se destacam:

Armazenamento de energia

Este tipo de lipídeo constitui aproximadamente 90% dos lipídios que entram na nossa dieta e representam a principal fonte de energia armazenada. Como eles são compostos de glicerol e ácidos graxos (por exemplo, ácidos palmítico e oleico), sua oxidação e também os carboidratos levam à produção de CO2 e H2O, além de muita energia.

Quando armazenadas em estado anidro, as gorduras podem gerar duas a seis vezes mais energia que carboidratos e proteínas em quantidades iguais de peso seco. Por esse motivo, eles são uma fonte de energia a longo prazo. Nos animais em hibernação, eles são a principal fonte de energia de apoio.

O armazenamento dessas moléculas com grande energia útil no metabolismo ocorre nos adipócitos. Grande parte do citoplasma dessas células contém grandes acúmulos de triacilgliceróis. A biossíntese também ocorre neles e constitui o transporte da referida energia para os tecidos que a requerem, usando o sistema circulatório como caminho.

No metabolismo lipídico, a oxidação de um ácido graxo libera muita energia a cada ciclo de β-oxidação, fornecendo enormes quantidades de ATP em comparação à glicose. Por exemplo, a oxidação completa do ácido palmítico na forma ativada (palmitoil-CoA) gera quase 130 moléculas de ATP.

Proteção

Os adipócitos fornecem uma barreira ou proteção mecânica em muitas áreas do corpo, incluindo as superfícies de contato das palmas das mãos e as solas dos pés.

Eles também funcionam como isolantes térmicos, físicos e elétricos para os órgãos presentes na região abdominal.

Formação de sabão

Por exemplo, se considerarmos a reação de um triacilglicerídeo com uma base (NaOH), o átomo de sódio se liga ao -O do grupo carboxila do ácido graxo e o grupo -OH da base se liga aos átomos de C da molécula de glicerina. Dessa forma, teríamos um sabão e uma molécula de glicerina.

Referências

  1. Garrett, RH e Grisham, CM (2008). Bioquímica. 4ª edição, Boston, Thomson Brooks / Cole.
  2. Benito Peinado, PJ, Calvo Bruzos, SC, Gómez Candela. C., & Iglesias Rosado Carlos. (2014). Alimentação e nutrição na vida ativa: exercício físico e esporte . Editorial da UNED.
  3. Devlin, TM (1992). Livro didático de bioquímica: com correlações clínicas. John Wiley & Sons, Inc. Empresas
  4. Nelson, DL, & Cox, MM (2006). Princípios de Bioquímica de Lehninger. 4ª edição. Ed Omega. Barcelona (2005) .
  5. Pilar, CR, Soledad, ES, Angeles, FM, Marta, PT e Dionisia, SDC (2013). Principais compostos químicos . Editorial da UNED.
  6. Teijón Rivera, JM, Garrido Pertierra, A., Blanco Gaitán, MD, Olmo López, R. e Teijón López, C. (2009). Bioquímica Estrutural. Conceitos e testes. 2nd. Ed. Editorial Tébar.
  7. Voet, D. & Voet, JG (2006). Bioquímica. Pan-American Medical Ed.

Deixe um comentário