Actinomyces: características, taxonomia, morfologia, patogênese

Actinomyces é um gênero de bactérias gram-positivas anaeróbias facultativas que pertencem à família Actinomycetaceae. Esses microrganismos são encontrados comumente no solo, na flora oral e intestinal de animais e humanos. As espécies de Actinomyces possuem forma de bacilos ou cocos, com filamentos ramificados que se assemelham a hifas fúngicas.

As infecções causadas por Actinomyces, conhecidas como actinomicose, são geralmente crônicas e localizadas no tecido mole, ossos ou pulmões. A patogênese da doença geralmente ocorre devido à ruptura da barreira mucosa, permitindo a invasão do microrganismo nos tecidos adjacentes. O diagnóstico da actinomicose pode ser desafiador devido à sua semelhança com outras infecções bacterianas e fúngicas.

Em termos de taxonomia, o gênero Actinomyces é dividido em várias espécies, sendo as mais comuns A. israelii, A. naeslundii e A. odontolyticus. Estudos recentes têm explorado a diversidade genética e a virulência dessas espécies, visando melhorar o diagnóstico e tratamento das infecções por Actinomyces.

Entenda o que é a actinomicose e suas características clínicas e microbiológicas.

A actinomicose é uma infecção crônica causada por bactérias do gênero Actinomyces, que são bacilos anaeróbicos gram-positivos. Essas bactérias são parte da microbiota normal da cavidade oral, do trato gastrointestinal e do trato genital feminino. A infecção por Actinomyces geralmente ocorre quando há um trauma na mucosa, permitindo a invasão dessas bactérias nos tecidos subjacentes.

As características clínicas da actinomicose incluem a formação de abscessos com drenagem de pus purulento, presença de grânulos de enxofre, fibrose e formação de fístulas. Os abscessos podem se espalhar para tecidos vizinhos, levando a complicações graves se não forem tratados adequadamente.

Do ponto de vista microbiológico, as bactérias do gênero Actinomyces são aeróbicas estritas e crescem de forma lenta em meios de cultura. Elas formam colônias branco-amareladas, com aspecto filamentoso e textura viscosa. A identificação precisa dessas bactérias requer técnicas laboratoriais específicas, como a análise bioquímica e a reação de Gram.

Em relação à taxonomia, as espécies mais comumente associadas à actinomicose são Actinomyces israelii e Actinomyces naeslundii, porém outras espécies do gênero também podem estar envolvidas. Essas bactérias são sensíveis a alguns antibióticos, como penicilina e clindamicina, sendo o tratamento padrão para a infecção por Actinomyces.

Em resumo, a actinomicose é uma infecção bacteriana crônica causada por bactérias do gênero Actinomyces, que apresenta características clínicas distintas, como abscessos com drenagem de pus purulento e formação de fístulas. Do ponto de vista microbiológico, essas bactérias são aeróbicas estritas e crescem de forma lenta em meios de cultura. O tratamento da actinomicose envolve o uso de antibióticos específicos, como penicilina e clindamicina.

Como ocorre a transmissão da bactéria Actinomyces?

A transmissão da bactéria Actinomyces ocorre principalmente através do contato direto com secreções contaminadas de indivíduos infectados. Essa bactéria faz parte da microbiota normal da boca, garganta e intestinos de seres humanos e animais, e pode causar infecções quando há ruptura da barreira mucosa.

Quando ocorre uma lesão na mucosa, seja por traumas, cirurgias ou outros fatores, as bactérias Actinomyces presentes na cavidade oral podem invadir os tecidos adjacentes, levando a infecções crônicas e supurativas. Além disso, a ingestão de alimentos contaminados também pode ser uma via de transmissão da bactéria.

É importante ressaltar que a transmissão da Actinomyces não é tão comum como a de outras bactérias patogênicas, e geralmente ocorre em indivíduos com algum tipo de imunossupressão ou condição que favoreça a colonização e invasão dos tecidos.

Portanto, a prevenção da transmissão da bactéria Actinomyces inclui a manutenção de uma boa higiene bucal, o tratamento adequado de lesões na mucosa e a adoção de medidas de controle de infecção em ambientes de saúde.

Tratamento para actinomicose: saiba como combater essa infecção bacteriana de forma eficaz.

A actinomicose é uma infecção bacteriana rara, causada principalmente pela bactéria Actinomyces. Essa condição pode afetar diversas partes do corpo, como pulmões, cérebro, abdômen e pele. Para combater essa infecção de forma eficaz, é fundamental seguir um tratamento adequado.

O tratamento para a actinomicose geralmente envolve o uso de antibióticos, como penicilina ou amoxicilina, por um período prolongado, que pode variar de 6 a 12 meses. Em casos mais graves, pode ser necessário realizar procedimentos cirúrgicos para drenar abscessos ou remover tecidos infectados.

Relacionado:  Dryopithecus: descoberta, características, crânio, alimentação

Além disso, é importante manter uma boa higiene e cuidar da saúde geral do paciente, incluindo uma alimentação saudável e a prática de atividades físicas. O acompanhamento médico regular também é essencial para monitorar a evolução do tratamento e prevenir possíveis complicações.

Em resumo, o tratamento para actinomicose requer o uso de antibióticos por um longo período de tempo, associado a procedimentos cirúrgicos em casos mais graves. Seguir corretamente as orientações médicas e manter hábitos saudáveis são fundamentais para combater essa infecção bacteriana de forma eficaz.

Actinomyces: características, taxonomia, morfologia, patogênese

Actinomyces é um gênero de bactérias composto por bacilos Gram-positivos, caracterizado por um padrão de crescimento filamentoso semelhante aos galhos de uma árvore. No passado, esse gênero era confundido com fungos devido à sua morfologia, mas depois descobriram que suas espécies se comportam como agentes bacterianos.

Existem 42 espécies identificadas, mas suas principais espécies são : A. israelii, A. naeslundii, A. odontolyticus, A. viscosus, A. meyeri, A. pyogenes, A. georgiae, A. turicensis, A. gerencseriae, A. graevenitzii.

Actinomyces: características, taxonomia, morfologia, patogênese 1

Esse gênero bacteriano faz parte da microbiota usual do trato gastrointestinal em humanos e animais, variando da orofaringe ao cólon.

Recentemente, foi sugerido que esse organismo poderia ser um restaurante relativamente frequente, residente na pele e membranas mucosas da região urogenital.

Estas espécies são muito adaptadas para viver na superfície das membranas mucosas sem causar danos.No entanto, eles podem causar infecções quando atravessam a barreira epitelial sob condições que produzem tensão de oxigênio suficientemente baixa para produzir multiplicação (necrose do tecido).

Portanto, as patologias que produzem não são contagiosas, pois a infecção ocorre endogenamente, por trauma, cirurgia ou corpo estranho.

Entre as patologias mais frequentes estão a actinomicose orocervicofacial, torácica e abdominoplastia.A doença também pode aparecer como actinomicose cutânea, doença músculo-esquelética, pericardite, infecção do sistema nervoso central (SNC) ou doença disseminada.

Caracteristicas

Algumas espécies são anaeróbias estritas e outras são microaerofílicas. Eles crescem lentamente, algumas cepas precisam de até 7 dias ou mais para aparecer.

Crescem de 35 a 37 ° C. Eles não são móveis, nem formam esporos. Como bacilos ácidos resistentes, sua parede celular tem alguma semelhança com a parede das micobactérias.

Os Actinomyces têm baixo potencial de virulência, causando doença são violados apenas quando as barreiras das mucosas, trauma, cirurgia ou inflamação – infecção, favorecida por condições de baixa pressão do tecido de O 2 .

A infecção por Actinomyces promove a invasão pélvica de outros germes, como Escherichia coli , estreptococos, bactérias anaeróbicas, entre outros.

Microbiota usual

Eles aparecem em tenra idade como uma microbiota oral e gastrointestinal. Um estudo descobriu que bebês de 2 meses de idade já foram colonizados por A . odontolítico na cavidade oral.

Aos 2 anos de idade já existe uma grande variedade de espécies A. naeslundii, A. viscosus, A. graevenitzii e A. gerencseriae no momento da erupção dos dentes decíduos.

As espécies de Actinomyces foram descritas para desempenhar um papel central nos estágios iniciais da formação de biofilme nos dentes (placa dentária), tanto acima (supragengival) quanto abaixo (subgengival) da linha da gengiva.

Isso permanece na idade adulta, não estando relacionado a doenças periodontais.No entanto, A. turicensis foi considerada a espécie mais comum de Actinomyces na superfície da língua em pacientes com halitose, seguida por A. odontolyticus, A. israelii e A. radingae.

Da mesma forma, algumas espécies deste gênero foram isoladas do trato urogenital feminino na ausência de infecção actinomicética.São consideradas microbiota nativa, que migraram da área perineal ou como resultado de sexo oral e relações anovaginais.

Entre eles estão A. meyeri, A. neuii, A. radingae, A. turicensis e A. urogenitalis.

Por outro lado, as seguintes espécies foram isoladas a partir de amostras de urina: A. neuii, A. turicensis, A. urogenitalis, A. europaeus, A. odontolyticus, A. graevenitzii, A. naeslundii e A. oris como parte integrante da microbiota da bexiga feminina.

Relacionado:  Raiz tuberosa: características, propagação e exemplos

Enquanto isso, A. socranski é um colonizador normal da vagina, cólon e boca.

Características bioquímicas

Actinomyces: características, taxonomia, morfologia, patogênese 2

Características gerais de crescimento

Actinomyces: características, taxonomia, morfologia, patogênese 3

Taxonomia

Domínio: Bactérias.

Filo: Actinobactérias.

Ordem: Actinomycetales.

Subordem: Actinomicineae.

Família: Actinomycetaceae.

Gênero Actinomyces.

Morfologia

São bacilos Gram-positivos de 1 µm de diâmetro, mas de comprimento variável, pois podem formar filamentos ramificados ou não ramificados. Também pode ser apresentado como bacilos de difteria curtos ou na forma de um clube.

Dependendo da espécie, eles podem se desenvolver lentamente, moderadamente ou rapidamente no ágar-sangue. Suas colônias são ásperas ou lisas, dependendo da tensão envolvida.

A cor das colônias no ágar-sangue varia de acordo com as espécies entre branco, cinza, vermelho ou translúcido, podendo ser opacas ou brilhantes e ter bordas irregulares ou lobadas.

No tecido humano infectado, eles são concentrados como microcolônias, juntamente com elementos teciduais, que formam grânulos amarelo-alaranjados, chamados grânulos sulfurosos devido à sua semelhança com os grãos de enxofre.

Patologias

Actinomicose

É uma condição inflamatória e granulomatosa crônica que se origina nos tecidos adjacentes às superfícies mucosas.As lesões seguem um curso lento de expansão lateral e profunda com considerável endurecimento e fístulas que drenam.

Sua natureza exata depende dos órgãos e estruturas envolvidos.É mais frequente em pacientes adultos e no sexo masculino.

Sinais e sintomas podem ser muito inespecíficos, como inchaço, tosse, febre baixa e perda de peso.

O diagnóstico é muitas vezes difícil, pois a observação de uma massa fibrótica crescente, que se espalha pelos planos dos tecidos, pode ser confundida com um tumor maligno.

Entre os tipos de actinomicose estão:

Actinomicose cervicofacial

Está relacionado à falta de higiene dental, extração de peças dentárias ou trauma na boca ou mandíbula. Produz linfadenopatia.

A infecção pode levar à osteonecrose da mandíbula relacionada aos bifosfonatos.

As espécies mais isoladas nesse tipo de lesão são A. israelii (42%), A. gerencseriae (26,7%), A. naeslundii e A. viscosus (9%), enquanto A. odontolyticus, A. meyeri, A. georgiae e A. neuii subsp. neuii se recupera ocasionalmente.

Actinomicose torácica

São incomuns e provêm de aspiração traumática ou introdução de material orofaríngeo infectado que leva à erosão através da pleura, tórax ou parede abdominal. Você também pode entrar pela corrente sanguínea, mas é mais raro.

No caso da actinomicose torácica, é necessário fazer um diagnóstico diferencial com câncer de pulmão, pneumonia e tuberculose.

Actinomyces graevenitzii tem uma predileção especial pela área torácica, sendo os principais Actinomyces isolados desse tipo de infecção.

No entanto, A. meyeri, A. israelii, A. odontolyticus e A. cardiffensis se recuperaram de lesões actinomicóticas nos locais pulmonares e esporadicamente A. naeslundii e A. viscosus.

Actinomicose abdominal-pélvica

A actinomicose abdominal ocorre principalmente como consequência de procedimentos invasivos, como colecistectomia laparoscópica, com cálculos biliares perdidos ou infecções abdominais, como apendicite.

Embora a actinomicose pélvica tenha sido associada ao uso prolongado de dispositivos contraceptivos intra-uterinos (endometrite crônica).Isso ocorre porque o microorganismo cresce em meio intra-uterino sintético unindo-se e formando colônias em forma de aranha até que um biofilme poroso seja estabelecido.

Outra forma de infecção é após certas manipulações, como a recuperação transvaginal de ovócitos, que pode levar a um abscesso tubo-ovário devido ao Actinomyces.

Actinomyces naeslundii, A. meyeri , A. israelii, A. funkei, A. odontolyticus e A. turicensis são os mais isolados nos distúrbios abdominais.

Nos pélvicos A. israelii A. odontolyticus , A. urogenitalis, A. hongkongensis, A. cardiffensis e A. turicensis são os mais frequentes.

Actinomicose cutânea

A actinomicose cutânea é geralmente um processo infeccioso secundário, com um foco subjacente nos tecidos mais profundos, com tendência à formação de fístulas através das quais os grânulos característicos fluem.

Relacionado:  Planarias: características, reprodução, alimentação, espécies

Eles raramente podem aparecer como resultado da disseminação hematogênica de uma lesão actinomicótica em qualquer parte do corpo.

Manifestações com mamas únicas ou múltiplas de drenagem podem ocorrer em vários locais do corpo, incluindo a face, tórax, diafragma, quadril, além das extremidades superior e inferior.

Actinomyces meyeri e A. viscosus têm sido as cepas mais frequentemente isoladas na actinomicose cutânea.

Actinomicose Musculoesquelética

É possível ver casos de osteomielite na coluna vertebral; O organismo pode isolar o líquido cefalorraquidiano e toda a medula espinhal , o que pode deixar o paciente com sintomas neurológicos graves.

Actinomyces israelii e A. meyeri são os mais frequentes neste caso.

Actinomicose cerebral

As lesões actinomicóticas no sistema nervoso central causam a forma mais grave de actinomicose.

Os organismos Actinomyces geralmente obtêm acesso a essa área, seja por disseminação hematogênica de locais remotos ou diretamente por lesões actinomicóticas locais da cabeça. A doença geralmente aparece como um ou vários abscessos cerebrais .

Deve-se suspeitar da possibilidade de actinomicose no SNC, principalmente em pacientes com sintomas neurológicos com histórico de actinomicose em outras partes do corpo.

Actinomyces israelii e A. naeslundii são as espécies mais importantes nesse tipo de lesão.

Diagnóstico

O diagnóstico é baseado na natureza da lesão, no curso do progresso lento e na história de trauma ou doença que predispõe à invasão da mucosa por Actinomyces.

O diagnóstico é difícil, porque geralmente os microrganismos são escassos no pus, pois se concentram em microcolônias de grânulos sulfurosos profundamente escondidos no tecido endurecido.

Por outro lado, essas lesões geralmente estão contaminadas com outras bactérias, principalmente bacilos Gram-negativos, que desviam ou confundem o diagnóstico etiológico real, se uma cultura em aerobiose for levada em consideração.

O diagnóstico infalível é dado por biópsia (estudo histopatológico) se for possível observar que os grânulos de enxofre têm valor diagnóstico.

Para o estudo histopatológico, os grânulos são triturados, corados com Gram e observados ao microscópio.

O estudo revelará um centro de filamentos ramificados entrelaçados Gram-positivos típicos, com bacilos individuais ramificados na periferia, cercados por células inflamatórias, principalmente neutrófilos polimorfonucleares.

No entanto, várias amostras podem precisar ser examinadas até que os grânulos sejam observados, pois são escassos.

Tratamento

O primeiro é o desbridamento da lesão e depois o tratamento antibiótico.

A penicilina G é o tratamento de escolha para a actinomicose. Também ampicilina, doxiciclina, eritromicina e clindamicina são ativas. O tratamento com penicilina deve ser prolongado (de 6 a 12 meses) e com doses elevadas.

Prevenção

É importante que os médicos indiquem tratamento profilático cada vez que realizam manobras cirúrgicas na cavidade oral e no trato gastrointestinal.

Isso pode impedir a invasão e progressão de doenças causadas por Actinomyces.

Em geral, o prognóstico é excelente se o diagnóstico for feito e o tratamento for atendido.

Referências

  1. Bouza Y, Jam B, Tartabull Y. Actinomicose pulmonar. Apresentação de caso. Medisur 2015; 13 (6): 795-800. Disponível em: scielo.sld.
  2. ActinomycesWikipedia, A Enciclopédia Livre . 30 de maio de 2018 às 17:49 UTC. 24 de setembro de 2018 às 22:07 en.wikipedia.org
  3. Sánchez J. Mercado N, Chilaca F, Rivera J. Uso do DIU associado à infecção secundária por Actinomyces no trato genital feminino. Rev Esp Patol . 2004; 37 (4): 383-390.
  4. López-Olmos J, Gasull J. e Vivar B. Actinomyces e infecções mistas na citologia cervicovaginal, em portadores de DIU. Clin Invest Gin Obst. 2010; 37 (4): 134–140
  5. Cardona J, Herrera D, Valência M. Prevalência de Actinomyces spp e distribuição de acordo com alguns fatores demográficos e clínicos, Medellín-Colômbia 2010-2012. Revistas do iMedPub Arch med. 2015; 11 (4): 1-9.
  6. Sharma S, DJ Valentino III. Actinomicose In: StatPearls [Internet]. Ilha do Tesouro (FL): StatPearls Publishing; 2018.
  7. Ryan KJ, Ray C. Sherris .Microbiologia Médica, 6ª edição McGraw-Hill, Nova York, EUA; 2010
  8. Koneman, E, Allen, S, Janda, W, Schreckenberger, P, Winn, W. (2004). Diagnóstico microbiológico (5ª ed.). Argentina, Editorial Panamericana SA

Deixe um comentário