Alizarina: características, preparação, usos e toxicidade

A alizarina é um corante vermelho natural que pode ser encontrado em plantas como a raiz da Rubia tinctorum. É amplamente utilizado na indústria têxtil para tingir tecidos de algodão, lã e seda, devido à sua resistência à lavagem e à luz. A preparação da alizarina envolve a extração da substância da raiz da planta e sua posterior purificação. No entanto, é importante ressaltar que a alizarina pode ser tóxica se ingerida em grandes quantidades, podendo causar danos ao fígado e aos rins. Portanto, é essencial manuseá-la com cuidado e seguir as recomendações de segurança ao utilizá-la.

Usos e aplicações da alizarina na indústria têxtil e de tintas.

A alizarina é um composto orgânico amplamente utilizado na indústria têxtil e de tintas devido às suas propriedades de corante vermelho intenso. Ela é extraída das raízes da planta ruibarbo e possui uma estrutura química que a torna ideal para tingir tecidos e pigmentar tintas.

Na indústria têxtil, a alizarina é usada principalmente para tingir tecidos de algodão, seda e lã. Sua cor vermelha vibrante é altamente valorizada em peças de vestuário, decoração e acessórios. Além disso, a alizarina é resistente à lavagem, o que garante uma durabilidade maior das cores nos tecidos.

Já na indústria de tintas, a alizarina é utilizada como pigmento vermelho em tintas a óleo, acrílicas e aquarelas. Sua intensidade de cor e resistência à luz a tornam uma escolha popular entre artistas e fabricantes de tintas. A alizarina é conhecida por produzir tons de vermelho profundos e ricos, sendo frequentemente misturada com outros pigmentos para criar uma variedade de cores.

Apesar de sua ampla aplicação na indústria, é importante ressaltar que a alizarina pode ser tóxica se inalada ou ingerida em grandes quantidades. Portanto, é essencial seguir as medidas de segurança recomendadas ao lidar com esse composto, como usar equipamentos de proteção individual e manter o ambiente de trabalho bem ventilado.

Qual é a cor da alizarina?

A alizarina é um corante orgânico que possui uma cor vermelho-alaranjada intensa. Ela é extraída principalmente das raízes da planta ruibarbo e é amplamente utilizada na indústria têxtil para tingir tecidos.

A preparação da alizarina envolve a extração das raízes do ruibarbo, seguida por processos de purificação e cristalização. O composto químico é então isolado na forma de um pó vermelho solúvel em álcool e éter.

Usos: A alizarina é amplamente utilizada na indústria têxtil para tingir tecidos de algodão, lã e seda. Ela também é empregada em tintas, corantes, pigmentos e cosméticos, devido à sua intensa cor vermelha.

Relacionado:  Erva-doce: características, habitat, propriedades, cultivo

Apesar de sua ampla utilização, a alizarina é considerada tóxica e pode causar irritação na pele e nos olhos. Portanto, é importante manuseá-la com cuidado e seguir as orientações de segurança ao trabalhar com esse composto.

Alizarina: características, preparação, usos e toxicidade

A alizarina é um conjunto de corantes orgânicos que são obtidos naturalmente a partir das raízes de uma planta de louro nome, descoberto pelo químico francês Pierre-Jean em 1826.

A primeira tintura sintetizada foi o vermelho de alizarina, mas também há amarelo de alizarina, azul de alizarina e violeta de alizarina. De todos os mencionados, o vermelho alizarino é aquele com as maiores aplicações e, por ser o mais usado, nos referimos a ele simplesmente como alizarino.

Alizarina: características, preparação, usos e toxicidade 1
Estrutura química da alizarina e estrutura 3D da alizarina. Fonte: Arrowsmaster [Domínio público] / Ben Mills e Jynto [Domínio público]

O vermelho de alizarina foi o primeiro a sintetizar artificialmente (sinteticamente) a partir do antraceno, graças à descoberta de dois químicos alemães, Carl Graebe e Carl Liebermann, em 1868. O nome científico do vermelho de alizarina é 1,2-dihidroxiantraquinona e Sua fórmula química é C14H8O4.

O uso de pigmento de raiz loira para tingir tecidos data da época do faraó Tutancâmon, como evidenciado pelas descobertas encontradas em seu túmulo. Da mesma forma, também foi observado nas ruínas de Pompéia.

Posteriormente, na época de Carlos Magno, o cultivo da loira foi incentivado, tornando-se um importante exercício econômico na região.

Durante muito tempo, foi usado para tingir os tecidos com os quais confeccionavam os uniformes dos soldados que pertenciam ao exército inglês e britânico. Os uniformes tinham uma cor vermelha muito particular que os caracterizava; sendo chamado pela gíria popular Red Coats.

Caracteristicas

Alizarin era um composto essencial na fabricação de vários corantes ou pigmentos, do Blonde, geralmente chamado de “Rose madder” e “alizarin carmine”. Dessas tinturas veio o nome de vermelho carmesim.

Atualmente, o vermelho de alizarina é usado como corante para a determinação de vários estudos envolvendo cálcio. É um pó formado por pequenos cristais laranja-avermelhados ou laranja-púrpura. Também é conhecido pelo nome de alizarina vermelha. Sua massa molecular é de 240,21 g / mol e seu ponto de fusão é de 277-278 ° C.

A forma natural é obtida a partir das raízes do louro, especificamente das espécies R. tinctorum e R. cordifolia.

Posteriormente, a produção de pigmento natural a partir da raiz do louro foi substituída pela produção sintética a partir do antraceno. Esse processo requer a oxidação do ácido antraquinona-2-sulfônico com nitrato de sódio em uma solução concentrada de hidróxido de sódio (NaOH).

Após os anos de 1958, o uso de alizarina vermelha foi substituído pelo de outros pigmentos com maior estabilidade à luz. Exemplos são derivados de quinacridona desenvolvidos pela Dupont.

Variantes de alizarina (corantes alizarinos)

Todas as variantes têm em comum um núcleo antraquinônico.

Alizarin carmine

O alizarin carmine é derivado do alizarin carmine, um pigmento de laca que fornece boa permanência nos substratos e é vermelho semi-escuro.

Alizarina amarela

Existe uma variante chamada alizarina amarela R usada como um indicador de pH. Esta substância abaixo de 10,2 é amarela, mas acima de 12 é vermelha.

Alizarin blue

Por outro lado, o azul de alizarina é um indicador de pH que possui duas zonas de curva: uma com pH entre 0,0-1,6, onde passa de rosa para amarelo, e outra faixa de curva entre pH 6,0-7,6. , cuja mudança é de amarelo para verde.

Violeta alizarina

É um corante usado para determinação espectrofotométrica de alumínio na presença de surfactantes.

Preparação da solução de alizarina vermelha

A preparação dependerá da utilidade que será dada. Por exemplo, nas técnicas de avaliação do processo de biomineralização, é utilizado na concentração de 0,1%

Para a rotulagem de algas de coral geniculadas, a concentração com o melhor resultado é de 0,25%.

Usos

Embora seja verdade que há anos a alizarina foi usada como corante têxtil, hoje ela tem outras aplicações. Por exemplo, no nível da saúde, é útil determinar a presença de cálcio em várias formas.

Em outras áreas como a geologia, a alizarina é útil para detectar certos minerais, como carbonato de cálcio, aragonita e calcita.

Utilizações mais frequentes

Atualmente, é amplamente utilizado para revelar a presença de depósitos de cálcio na formação de tecido ósseo. Uma das áreas que o alizarino mais utiliza é a histoquímica.

Por exemplo, é usado durante o processo de biomineralização em culturas de células in vitro da linha osteogênica, onde a alizarina vermelha mancha os cristais de cálcio formados durante o processo.

Também na técnica da diafanização, procedimento que permite estudar o desenvolvimento ósseo e dentário em animais experimentais. Graças ao alizarino vermelho, é possível identificar os centros de ossificação.

Relacionado:  Monstro de Gila: características, habitat, reprodução, comida

Por outro lado, é útil para detectar a presença de cristais de fosfato de cálcio no fluido sinovial.

Pesquisa que usou corante de alizarina

Vanegas e colaboradores usaram alizarina vermelha para avaliar o desenvolvimento de osteoblastos em superfícies de titânio; Material candidato para a fabricação de implantes dentários. Graças a essa técnica de coloração, ele pôde ver que os osteoblastos conseguiram aderir, proliferar e biomineralizar nas superfícies testadas.

Por outro lado, Rivera e colaboradores avaliaram a idade e a taxa de crescimento de algas de coral no sudoeste do Golfo da Califórnia, México. Os autores realizaram dois tipos de marcação. O primeiro estava usando vermelho de alizarina e o segundo com marcas metálicas de aço inoxidável. A rotulagem de alizarina foi a melhor técnica para esse fim.

Da mesma forma, Aguilar P estudou a validação do método potenciométrico por íons seletivos usando alizarina para a determinação de fluoreto em sal, água e urina, demonstrando ser um método satisfatório.

Dantas e colaboradores usaram o alizarin violet N (AVN) como reagente espectrofotométrico na determinação do alumínio, obtendo bons resultados.

Toxicidade

A NFPA (National Fire Protection Association) classifica o alizarina em vermelho da seguinte forma:

– Risco para a saúde no grau 2 (risco moderado).

– Risco de inflamabilidade no grau 1 (risco leve).

– Risco de reatividade no grau 0 (sem risco).

Referências

  1. Vanegas J, Garzón-Alvarado D, Casale M. Interação entre osteoblastos e superfícies de titânio: aplicação em implantes dentários. Rev Cubano Invest Bioméd. 2010; 29 (1). Disponível em: scielo.org
  2. Rivera G, García A, Moreno F. Técnica de diafanização com alizarina para o estudo do desenvolvimento ósseo Revista colombiana de saúde gratuita. 2015; 10 (2): 109-115. Disponível em: researchgate.
  3. Aguilar P. Validação do método potenciométrico seletivo de íons para a determinação de fluoreto em sal, água e urina. Peru med. exp. saúde pública. 2001; 18 (1-2): 21-23. Disponível em: scielo.org.pe/scielo
  4. «Carmine of alizarin.» Wikipedia, a enciclopédia livre. 8 de maio de 2017 às 15:54 UTC. 30 de maio de 2019 às 00:19
  5. «Alizarina.» Wikipedia, a enciclopédia livre. 20 de fevereiro de 2019 às 15:52 UTC 30 de maio de 2019 às 00:21 en.wikipedia.org.
  6. Dantas, Alailson Falcão, Costa, Antônio Celso Spínola e Ferreira, Sérgio Luís Costa. Utilização do Nizar violeta alizarina (AVN) como reagente espectrofotométrico na determinação de alumínio. Nova Chemistry, 2000; 23 (2), 155-160. Disponível em: Scielo.org

Deixe um comentário