Deuteromicetos: características, ciclo de vida, nutrição

Os deuteromicetos são um grupo de fungos que apresentam características distintas das outras divisões, sendo muitas vezes considerados um grupo artificial por não possuírem ciclo de vida completo e reprodução sexuada bem definidos. Eles são conhecidos por sua capacidade de se reproduzir assexuadamente através da produção de esporos conídios, os quais são dispersados pelo ar.

Em relação à nutrição, os deuteromicetos são organismos saprofíticos, ou seja, obtêm seus nutrientes a partir da decomposição de matéria orgânica em seu ambiente. Alguns também podem ser parasitas de outros organismos, causando doenças em plantas e animais.

Apesar de sua complexidade e diversidade, os deuteromicetos desempenham um papel fundamental no ecossistema como decompositores, contribuindo para a reciclagem de nutrientes e o equilíbrio da cadeia alimentar. É importante estudar e compreender melhor esses fungos para melhorar nossa compreensão sobre a ecologia e a biodiversidade do planeta.

Características dos deuteromicetos: o que você precisa saber sobre esses fungos.

Os deuteromicetos, também conhecidos como fungos imperfeitos, são um grupo diversificado de fungos que não se encaixam nas categorias tradicionais de reprodução sexual. Eles apresentam características distintas que os diferenciam dos demais grupos de fungos.

Uma das principais características dos deuteromicetos é a ausência de um ciclo de vida completo. Isso significa que eles não possuem uma fase sexual definida, reproduzindo-se apenas de forma assexuada. Por conta disso, muitos pesquisadores consideram os deuteromicetos como um grupo artificial, já que não são classificados em nenhuma divisão taxonômica específica.

Em relação à nutrição, os deuteromicetos são heterotróficos, ou seja, obtêm seus nutrientes a partir de matéria orgânica em decomposição. Eles podem ser encontrados em diversos ambientes, desde solos e plantas até alimentos armazenados. Alguns deuteromicetos são patogênicos, causando doenças em plantas e animais.

Apesar de suas limitações reprodutivas, os deuteromicetos desempenham um papel importante no ecossistema, auxiliando na decomposição de matéria orgânica e no ciclo de nutrientes. Eles também são utilizados na produção de enzimas e antibióticos, contribuindo para diversos processos industriais.

Portanto, mesmo com suas peculiaridades, os deuteromicetos são organismos fascinantes e essenciais para o equilíbrio ecológico. É fundamental compreender suas características e papel no ambiente para garantir a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento sustentável.

Entendendo o ciclo de vida dos fungos: conheça as fases de desenvolvimento desses organismos.

Os Deuteromicetos são um grupo de fungos caracterizados por apresentarem um ciclo de vida complexo, que envolve diferentes fases de desenvolvimento. Para compreender melhor esse processo, é importante conhecer as etapas pelas quais esses organismos passam ao longo de sua vida.

As fases do ciclo de vida dos Deuteromicetos incluem a germinação dos esporos, a formação de hifas, a produção de micélio, a formação de esporângios e a liberação de novos esporos. Cada uma dessas etapas é fundamental para a reprodução e sobrevivência desses fungos.

Em relação à nutrição, os Deuteromicetos são organismos heterotróficos, ou seja, obtêm seu alimento a partir da decomposição de matéria orgânica. Eles se alimentam através de processos de absorção, utilizando enzimas para quebrar moléculas complexas em substâncias mais simples, que podem ser absorvidas pelas células fúngicas.

Portanto, ao compreender o ciclo de vida e a nutrição dos Deuteromicetos, é possível ter uma visão mais clara sobre a importância desses fungos no ecossistema e na cadeia alimentar. Esses organismos desempenham um papel fundamental na reciclagem de nutrientes e na manutenção do equilíbrio ecológico.

Por que os fungos deuteromicetos são classificados como fungos imperfeitos na taxonomia?

Os fungos deuteromicetos são classificados como fungos imperfeitos na taxonomia devido à sua natureza de reprodução assexual e à falta de informações sobre a fase sexual de seu ciclo de vida. Esses fungos apresentam características únicas que os distinguem de outros grupos de fungos, tornando sua classificação um desafio para os taxonomistas.

Em relação às características dos deuteromicetos, esses fungos são conhecidos por sua capacidade de se reproduzir por meio de esporos, que são produzidos em estruturas especiais chamadas conídios. Essa forma de reprodução assexual é uma das principais razões pelas quais os deuteromicetos são considerados “imperfeitos” na taxonomia.

Relacionado:  Orrorin Tugenensis: descoberta, características, crânio

O ciclo de vida dos deuteromicetos é incompleto, pois não há evidências claras da fase sexual de seu desenvolvimento. Isso dificulta a classificação desses fungos com base em critérios tradicionais, levando à sua designação como fungos imperfeitos.

Quanto à nutrição dos deuteromicetos, esses fungos são conhecidos por serem saprófitos, ou seja, se alimentam de matéria orgânica em decomposição. Eles desempenham um papel importante no ecossistema ao decompor materiais orgânicos e reciclar nutrientes essenciais para o solo.

Apesar de sua classificação controversa, esses fungos desempenham um papel crucial no ambiente e na ecologia global.

Motivos para a extinção do grupo de fungos imperfeitos/deuteromicetos estão sendo discutidos.

Muitos especialistas estão debatendo os motivos que podem levar à extinção do grupo de fungos imperfeitos, também conhecidos como deuteromicetos. Esses fungos apresentam características únicas que os distinguem dos demais grupos de fungos, como a ausência de um ciclo de reprodução sexual definido.

Uma das razões para a possível extinção desses fungos é a falta de informações sobre seu ciclo de vida completo. Os deuteromicetos são conhecidos por sua capacidade de se reproduzir assexualmente, mas ainda há muitas lacunas em relação ao seu desenvolvimento e reprodução. Além disso, a nutrição desses fungos também é um aspecto que precisa ser mais estudado, uma vez que sua capacidade de se adaptar a diferentes ambientes pode estar comprometida devido às mudanças climáticas e à destruição de habitats naturais.

Outro fator que contribui para a discussão sobre a extinção dos deuteromicetos é a competição com outros grupos de fungos mais adaptados e diversificados. Com a evolução constante das espécies de fungos, os deuteromicetos podem estar perdendo espaço e recursos no ambiente, o que pode levar à sua extinção.

Portanto, é fundamental que mais pesquisas sejam realizadas para compreender melhor as características, o ciclo de vida e a nutrição dos deuteromicetos, a fim de preservar a diversidade fúngica e evitar a possível extinção desse grupo tão peculiar.

Deuteromicetos: características, ciclo de vida, nutrição

O Deuteromycetes, Deuteromycetes ou deuteromycotas , também conhecidos como fungos imperfeitos são fungos que não possuem ou não têm conhecimento do estádio sexual (daí o termo “imperfeito”). Esse táxon, que continha cerca de 25.000 espécies, não é atualmente considerado válido.

São saprófitas na maioria dos casos, ou seja, alimentam-se de matéria orgânica em decomposição. Algumas espécies podem ser parasitas de plantas ou animais, incluindo o homem.

Deuteromicetos: características, ciclo de vida, nutrição 1

Deuteromicetos, Curvularia lunata, conídios. Tirada e editada por micol.fcien.edu.uy/atlas/Deuteromycetes.htm

Alguns cogumelos imperfeitos têm importância comercial. Seu principal uso é nos processos de fermentação industrial de alimentos e bebidas. Eles também são usados ​​para a produção de medicamentos e controle biológico de pragas.

Caracteristicas

Deuteromicetos: características, ciclo de vida, nutrição 2

Deuteromicetos Fonte: commons.wikimedia.org

Os fungos imperfeitos têm uma grande diversidade de formas corporais. A maioria deles é semelhante à fase assexuada dos ascomicetes. Outros podem ser confundidos com basidiomicetos ou zigomicetos. Algumas espécies são unicelulares.

O micélio é formado por hifas bem desenvolvidas, inter ou intracelulares. As hifas são muito ramificadas, multinucleadas e têm septos de poros simples. O principal componente de sua parede celular é a quitina-glucana.

A reprodução é assexuada , geralmente através de esporos não flagelados chamados conídios. Os conídios podem ter a forma de uma esfera, cilindro, estrela, espiral, entre outros.

Esses esporos são produzidos em estruturas chamadas conidióforos. Os conidióforos podem ser simples ou ramificados. Eles podem crescer sozinhos ou em grupos formando frutificações esféricas.

Em alguns casos, as frutificações têm o formato de garrafas; nesses casos, são chamadas de picnídios. Se eles adquirem uma forma de pires, são chamados de acérvulos.

Taxonomia

A classificação tradicional de fungos é baseada principalmente nas características dos corpos de frutas e esporos. Essas estruturas são produzidas durante a reprodução sexual .

Por esse motivo, fungos que não apresentavam, ou eram desconhecidos, esse tipo de reprodução foram incluídos nos filos deuteromicetos. Atualmente, existem cerca de 15.000 espécies de deuteromicetos agrupadas em 2.600 gêneros.

Relacionado:  Cistus albidus: habitat, propriedades, cuidados, doenças

Muitos autores argumentam que os deuteromicetos são realmente ascomicetos cuja fase sexual é desconhecida, provavelmente porque ocorre muito raramente. Também é possível que essa fase tenha sido perdida durante o processo evolutivo.

Vários fatos parecem apoiar essa teoria: a maioria dos deuteromicetos é muito semelhante à fase assexuada (anamorfos) dos ascomicetos; A maioria dos deuteromicetos cuja fase sexual (telomorfos) foi descoberta mostrou-se como ascomicetos, os mesmos resultados foram encontrados no cruzamento entre laboratórios e em estudos moleculares.

Muitos deuteromicetos que foram realocados para outros táxons tiveram uma fase sexual conhecida e descrita como uma espécie diferente. Nesses casos, eles mantiveram os dois nomes, resultando em espécies com dois nomes científicos.

O telomorfo recebe o nome da “espécie” comocomiceto (ou o grupo correspondente) e o anamórfico o nome que recebeu como fungo imperfeito. No entanto, a tendência é que apenas um nome seja aceito.

Habitat

Deuteromicetos são organismos onipresentes. Embora a maioria das espécies seja encontrada nos solos, algumas são indicadas para ambientes aquáticos e outras para o ar.

Alguns organismos vivem em uma variedade de ambientes, outros são habitats mais restritos. Por exemplo, algumas espécies crescem apenas em madeira em decomposição, outras em serapilheira ou em madeira carbonizada.

Alguns são parasitas específicos para uma única espécie hospedeira, outros podem parasitar várias espécies diferentes.

Ciclos de vida

Os deuteromicetos também são conhecidos como “fungos assexuais” e “fungos conidiais”, porque em seu ciclo de vida apenas a fase assexual está presente. O restante dos fungos pode se reproduzir sexualmente e assexuadamente, portanto seus ciclos de vida são mais complexos.

Os esporos liberados para o ambiente são transportados pelo vento, pela água ou por algum vetor biológico e, uma vez assentados no substrato apropriado, germinam. Uma vez que o esporo germina, o novo fungo começa a crescer e se desenvolver.

Se o fungo crescer no substrato, atingirá a maturidade e se reproduzirá no local onde germinou. Se for um endoparasita, deve secretar enzimas que lhe permitam degradar a cobertura protetora de seu hospedeiro.

Os fungos parasitas das plantas secretam enzimas para degradar a parede celular. Aqueles que parasitam insetos ou entomopatógenos secretam quitinases. Os dermatófitos, entretanto, secretam queratinases.

Uma vez atingida a maturidade sexual, eles produzem novos esporos nos conidióforos. No caso dos endoparasitas, quando maduros, projetam os conidióforos fora do hospedeiro.

Depois que os esporos são produzidos, eles são liberados no meio ambiente, de onde serão transportados para onde germinar e iniciar um novo ciclo.

Nutrição

A maioria dos deuteromicetos se alimenta de matéria orgânica em decomposição. Outras espécies são parasitas de plantas ou animais.

As espécies saprofíticas são alimentadas por enzimas que liberam o meio. Essas enzimas digerem e solubilizam a matéria orgânica, permitindo sua adsorção por fungos.

A matéria orgânica pode ser de origem vegetal, como restos de folhas, toras, restos de plantas carbonizadas, frutos em decomposição. Também pode ser de origem animal: cadáveres, ossos, chifres, fezes, entre outros.

As espécies parasitárias devem produzir e liberar substâncias que lhes permitam degradar as paredes celulares, exoesqueletos ou cutículas de seus hospedeiros, para poder penetrá-las e se alimentar de seus fluidos vitais ou de seus tecidos.

Reprodução

Deuteromicetos: características, ciclo de vida, nutrição 3

Pithomyces conidióforos. Fonte: commons.wikimedia.org

Os deuteromicetos se reproduzem assexuadamente por formação de esporos, fragmentação e / ou brotamento de micélio. A esporulação é a forma mais comum de reprodução assexuada. Os esporos, ou conídios, são assexuais e aflagelados e são formados no conidióforo por divisão mitótica.

A fragmentação consiste na ruptura espontânea de uma hifa, produzindo pedaços de hifa que se separam do fungo e são capazes de desenvolver e formar novos organismos.

Durante a brotação, pela divisão celular da hifa, forma-se uma gema que aumenta de tamanho e se desenvolve, sem se separar do fungo. Quando se desenvolve, separa-se dos pais e forma um novo organismo independente.

Como mecanismo para aumentar sua variabilidade genética, raramente os deuteromicetos podem ter um ciclo parassexual. Neste ciclo, há uma troca de material genético dentro do mesmo organismo.

Relacionado:  Quetognatos: características, habitat, reprodução, alimentação

Durante o ciclo parassexual ocorrem os seguintes eventos: formação de um micélio heterocariótico, fusão de alguns pares de núcleos haploides para formar novos núcleos diplóides, mitose de ambos os tipos de núcleos, cruzamento entre núcleos diplóides durante a mitose e haploidização de alguns núcleos diplóides.

A haploidização é um processo de divisão mitótica durante o qual há reticulação e redução no número de cromossomos. Com este processo, os núcleos haplóides podem ser obtidos a partir de núcleos diplóides sem que ocorra meiose.

Doenças

Em plantas

Muitas espécies deste grupo causam doenças nas plantas. Podridão de milho, tomate e algodão, algumas formas de antracnose, aftas e queimaduras de folhas, são algumas das doenças atribuídas aos deuteromicetos.

Em animais

Algumas espécies de deuteromicetos são entomopatogênicas que podem causar epizootias graves o suficiente para eliminar quase completamente as populações de insetos.

O fungo Metarhizium anisopliae ataca os cupins da espécie Heterotermes tenuis , que por sua vez afetam a borracha ( Hevea brasiliensis ) na Amazônia colombiana.

Deuteromicetos do gênero Culicinomyces parasitam mosquitos do gênero Anopheles . Outros gêneros de fungos, como Beauveria , Metarhizium e Tolypocladium também atacam mosquitos.

Deuteromicetos: características, ciclo de vida, nutrição 4

O fungo Metarhizium anisopliae, de cadáveres de cupins. Tirada e editada em http://dailyparasite.blogspot.com/2012/12/metarhizium-anisopliae.html

Os fungos dermatófitos que afetam os animais são principalmente deuteromicetos pertencentes aos gêneros Microsporum e Trichophyton .

Uma classificação funcional dos dermatófitos os separa em zoófilos, que afetam principalmente os animais, mas podem ser transmitidos aos seres humanos; antropofílico, encontrado principalmente em humanos, raramente transmitido aos animais; e geofílico, encontrado principalmente no solo, associado a restos de animais que contêm queratina, infectam humanos e animais.

No gado, as dermatofitoses são muito comuns nos países de clima frio, porque os animais são mantidos em estábulos por períodos prolongados. A maioria das lesões em animais saudáveis ​​se cura espontaneamente por um período de um a vários meses.

Em humanos

O principal efeito dos deuteromicetos em humanos é a dermatofitose. A espécie Epidermophyton floccosum é patogênica para os seres humanos e é a principal responsável pelo “pé de atleta” e tinea cruris. Outras dermatofitoses são os diferentes tipos de micose (tonsurante, corpo, barba, facial, crural, pé, mão, virilha).

A maioria das dermatofitoses não é grave em pessoas saudáveis, mas pode ser mais grave em pessoas com sistema imunológico enfraquecido.

Nesses casos, podem ocorrer infecções atípicas e agressivas, dermatites extensas e abscessos subcutâneos. Outro perigo latente é que bactérias oportunistas podem causar celulite na pele danificada pela dermatofitose interdigital.

Usos / Aplicações

Alguns deuteromicetos são utilizados para fins industriais, principalmente para a fermentação de alimentos e bebidas. Eles também são usados ​​para obter medicamentos, por exemplo, penicilina, obtidos do fungo Penicillium .

Deuteromicetos: características, ciclo de vida, nutrição 5

Deuteromycete, Cladosporium resine, uma espécie que decompõe hidrocarbonetos. Tirada e editada em https://asknature.org/strategy/secretion-solubilizes-oils-and-water/#.W76FstdKjMx

Algumas espécies são usadas para controle biológico de insetos (entomopatógenos). Esses fungos possuem certas vantagens sobre outros agentes de controle microbiano, como bactérias, protozoários e vírus.

Fungos imperfeitos / deuteromicetos e outros fungos são capazes de atacar todos os estágios do desenvolvimento de insetos. Eles também podem atacar espécies de insetos que normalmente não são suscetíveis à infecção por bactérias e vírus.

Referências

  1. M. Arabatsis, A. Velegraki (2013). Ciclo de reprodução sexual no patógeno humano oportunista Aspergillus terreus. Micologia
  2. M. Blackwell, D. Hibbett, J. Taylor, J. Spatafora (2006). Redes de coordenação de pesquisa: uma filogenia para o reino dos fungos (Deep Hypha). Micologia
  3. Fungos imperfeitos. Na Wikipedia Recuperado em 02 de setembro de 2018 de en.wikipedia.org
  4. M. Mora, A. Castilho, M. Fraga (2017). Classificação e mecanismo de infecção de fungos entomopatogênicos. Arquivos do Instituto Biológico.
  5. JL Pitt, JW Taylor (2014). Aspergillus , seus estados sexuais e o novo código internacional de nomenclatura. Micologia
  6. D. Sicard, PS Pennings, C. Grandclément, J. Acosta, O Kaltz, J. Shykoff (2007). Especialização e adaptação local de um parasita fúngico em duas espécies de plantas hospedeiras, conforme revelado por duas características de aptidão. Evolução
  7. J. Guarro, J. Gene, AM Stchigel (1999). Desenvolvimentos em Taxonomia Fúngica. Revisões de Microbiologia Clínica.

Deixe um comentário