Amanita virosa: características, taxonomia, reprodução, nutrição

A Amanita virosa, também conhecida como Amanita mortal, é um fungo venenoso pertencente à família Amanitaceae. Possui um chapéu de cor branca ou creme, com um anel na base do estipe e lâminas brancas. É uma espécie bastante tóxica que pode causar danos graves ao fígado e rins se consumida.

Em relação à taxonomia, a Amanita virosa faz parte do reino Fungi, filo Basidiomycota, classe Agaricomycetes e ordem Agaricales. É importante ressaltar que a identificação precisa de espécies de Amanita é fundamental para evitar a ingestão acidental de espécies venenosas.

Quanto à reprodução, a Amanita virosa se reproduz através de esporos, que são liberados pelas lamelas localizadas sob o chapéu do fungo. Esses esporos são dispersos pelo vento, solo ou animais, o que contribui para a disseminação da espécie.

Em relação à nutrição, a Amanita virosa é um fungo saprófita, ou seja, se alimenta de matéria orgânica em decomposição. Ela desempenha um papel importante no ciclo de decomposição de nutrientes na natureza, auxiliando na reciclagem de matéria orgânica. No entanto, devido à sua toxicidade, é fundamental evitar o consumo acidental deste fungo e estar atento à sua identificação correta.

Qual é o método de reprodução dos fungos conhecidos como cogumelos?

Os fungos conhecidos como cogumelos, como a Amanita virosa, reproduzem-se principalmente por meio de esporos. Os esporos são produzidos em estruturas chamadas basídios, que são encontradas nos cogumelos. Quando os esporos são liberados, são dispersos pelo vento ou outros meios, e eventualmente germinam e se desenvolvem em novos fungos.

A Amanita virosa é uma espécie de cogumelo altamente tóxico, conhecido como anjo da morte. Pertencente à família Amanitaceae, esse cogumelo possui uma aparência característica, com um chapéu branco e um anel na estipe. É importante ressaltar que a ingestão desse cogumelo pode ser fatal, pois contém toxinas poderosas.

Em termos de nutrição, os fungos como a Amanita virosa são heterotróficos, o que significa que se alimentam de matéria orgânica em decomposição. Eles desempenham um papel essencial na reciclagem de nutrientes no ecossistema, ajudando a decompor matéria morta e liberar nutrientes para serem reutilizados por outros organismos.

Esses fungos são importantes para o ecossistema, pois contribuem para a decomposição da matéria orgânica e a reciclagem de nutrientes.

Qual é a alimentação dos cogumelos?

Os cogumelos, como a Amanita virosa, são organismos saprófitos, o que significa que se alimentam de matéria orgânica em decomposição. Eles desempenham um papel fundamental na reciclagem de nutrientes no ecossistema, decompondo materiais mortos e transformando-os em nutrientes disponíveis para outras plantas.

A Amanita virosa, também conhecida como cogumelo da morte, pertence ao gênero Amanita e à família Amanitaceae. Ela é caracterizada por seu chapéu branco, liso e sua base bulbosa, além de possuir um anel na parte superior do estipe. Este cogumelo é altamente tóxico e pode causar danos graves ao fígado se consumido.

Em relação à reprodução, os cogumelos como a Amanita virosa se reproduzem por meio de esporos. Estes esporos são liberados das lamelas presentes sob o chapéu do cogumelo e são dispersos pelo vento ou por outros meios, dando origem a novos cogumelos.

Quanto à nutrição, os cogumelos obtêm seus nutrientes a partir da matéria orgânica em decomposição. Eles possuem enzimas que quebram os compostos orgânicos complexos em moléculas mais simples, que podem ser absorvidas pelas hifas do cogumelo.

Relacionado:  Sucessão ecológica: tipos, estudos e exemplos

Eles se reproduzem por esporos e possuem enzimas que auxiliam na obtenção de nutrientes a partir da matéria orgânica em decomposição.

Identificação da classe dos cogumelos: descubra mais sobre esses fascinantes fungos.

Amanita virosa, também conhecida como Amanita branca mortal, é uma espécie de cogumelo extremamente tóxica que pertence à família Amanitaceae. Esta classe de cogumelos é caracterizada por possuir um chapéu em forma de guarda-chuva, lâminas debaixo do chapéu e um estipe ou pé.

Amanita virosa é conhecida por sua cor branca, com um chapéu liso e sem verrugas. Possui um anel na parte superior do estipe e uma volva no pé. Esta espécie é altamente venenosa e pode causar sérias complicações físicas se ingerida.

Em termos de taxonomia, Amanita virosa pertence ao reino Fungi, filo Basidiomycota, classe Agaricomycetes, ordem Agaricales e família Amanitaceae. Esta espécie é uma das muitas variedades de cogumelos que fazem parte desta classe diversificada de fungos.

A reprodução dos cogumelos, incluindo Amanita virosa, ocorre através de esporos. Estes são liberados a partir das lâminas localizadas sob o chapéu do cogumelo e são dispersos pelo vento, água ou animais. Os esporos germinam e formam novos micélios, que por sua vez crescem e se desenvolvem em novos cogumelos.

Quanto à nutrição, os cogumelos como Amanita virosa são heterótrofos, o que significa que obtêm seus nutrientes a partir de matéria orgânica em decomposição. Eles desempenham um papel importante na reciclagem de nutrientes no ecossistema, ao decompor matéria morta e liberar nutrientes de volta ao solo.

A importância dos cogumelos Amanita na ecologia e medicina: uma análise detalhada.

Os cogumelos do gênero Amanita são muito importantes na ecologia e medicina devido às suas propriedades únicas. Um exemplo é a Amanita virosa, também conhecida como cogumelo-de-destruição, devido à sua alta toxicidade. Esta espécie pertence à família Amanitaceae e é encontrada em diversas regiões do mundo.

Em termos de reprodução, a Amanita virosa se reproduz por meio de esporos, que são liberados das lamelas localizadas na parte inferior do chapéu do cogumelo. Esses esporos são essenciais para a dispersão e reprodução da espécie, contribuindo para a diversidade dos fungos no ambiente.

Quanto à nutrição, a Amanita virosa é um cogumelo saprófita, ou seja, se alimenta de matéria orgânica em decomposição. Isso é importante para o ciclo de nutrientes na natureza, pois auxilia na decomposição de matéria morta e na reciclagem de nutrientes no solo.

Na medicina, os cogumelos do gênero Amanita têm sido estudados devido às suas propriedades medicinais. Alguns compostos presentes nesses cogumelos têm potencial terapêutico, podendo ser utilizados no tratamento de diversas doenças, como câncer e doenças autoimunes.

Além disso, sua importância na medicina mostra o potencial desses fungos na busca por novos tratamentos e medicamentos.

Amanita virosa: características, taxonomia, reprodução, nutrição

Amanita virosa é um fungo Basidiomycota pertencente à família Amanitaceae. É uma espécie que é distribuída no continente europeu e cresce em florestas de coníferas e faias, estabelecendo associações micorrízicas com essas e outras espécies arbóreas.

Relacionado:  Crustáceos: características, reprodução, respiração

Apresenta um chapéu que pode atingir até 12 cm de diâmetro, inicialmente cônico, tornando-se hemisférico e achatado ao longo do tempo. Os lençóis são livres, brancos e com lamelas intercaladas, enquanto o pé tem um anel e retorna.

Amanita virosa: características, taxonomia, reprodução, nutrição 1

Amanita virosa. Tirada e editada em: Σ64 [CC BY 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/3.0)]

O Amanita virosa é muito tóxico e sua ingestão pode ser fatal para os seres humanos, pode ser facilmente confundido com outras espécies de cogumelos comestíveis. Sua principal toxina é a α-amanitina, que pode causar danos ao fígado e rins.

Seu corpo frutífero aparece entre as estações do verão e do outono e não é uma espécie muito abundante.

Caracteristicas

Esta espécie surge primeiro como um ovo esbranquiçado coberto por um véu universal. Quando o corpo frutífero surge quebrando o ovo, muitos pedaços de véu permanecem presos às bordas do sino. Estes últimos são levemente dobrados para dentro.

O sino, que pode atingir até 12 cm de diâmetro, é inicialmente cônico; depois, torna-se hemisférico para achatar levemente as bordas, sempre com o centro mais alto que as margens e a área média do sino. Não apresenta estrias marginais. Sua cor é branca, adquirindo corantes creme em idade avançada.

As folhas de himenio são separadas do pé, são brancas, estreitas nas bordas e têm lamelas intercaladas entre elas. Eles têm esporângios basidium.

O pé é alongado, pode atingir até 15 cm de comprimento, é um pouco bulboso na base, branco e às vezes coberto por fibrilas peludas de concolora. Possui um anel membranoso móvel frágil, branco, que pode ser anexado ao chapéu. Ele também possui um volva branco, membranoso e envolvente em torno da base.

A carne é de sabor branco, escasso, fedorento e delicado. Em contato com bases fortes, como potássio ou hidróxido de sódio, adquire uma cor amarela brilhante a dourada.

O esporo é branco, formado por esporos ovóides redondos, de 8 a 11 mícrons de diâmetro e amilóide.

Taxonomia

Amanita virosa está taxonomicamente localizada na família Amanitaceae da ordem Agaricales, classe Agaromicetes, divisão Basidiomycota. O gênero foi validamente descrito pela primeira vez por Christian Hendrik Persoon em 1797 e atualmente cobre cerca de 600 espécies descritas.

Por seu lado, a espécie Amanita virosa foi inicialmente descrita por Elias Magnus Fries como Agaricus virosus e mais tarde em 1836 foi transferida para o gênero Amanita por Louis-Adolphe Bertillon. Ele recebe o nome comum de ‘anjo destruidor’ por sua toxicidade.

Outros nomes coloquiais que ele recebe são o de ‘fedorento amanita’ ou o de ‘oronja cheposa’.

Habitat e distribuição

É uma espécie que prefere solos com pH ácido alto, cresce em florestas de coníferas e faias, onde estabelece relações micorrízicas com diferentes espécies vegetais. Seu corpo frutífero emerge nas estações de verão e outono.

É uma espécie européia não muito abundante em países como Inglaterra, Irlanda e Escócia, mas mais comum nos países escandinavos.

Reprodução

O mecanismo de reprodução de Amanita virosa é típico do gênero Amanita e Basidiomycota em geral, com um produto dicarionte de micélio da plasmogamia de dois micélios haplóides e sexualmente compatíveis. O corpo frutífero aparece quando o organismo culmina com seu processo reprodutivo.

Relacionado:  Nightshade: características, habitat, toxicidade, alergias, cultivo

A cariogamia ocorre nos basidios e é seguida por uma divisão meiótica para produzir basidiosporos haplóides que são liberados no ambiente para germinar e iniciar um novo ciclo.

Nutrição

Amanita virosa é uma espécie que estabelece relações ectomicorrízicas com diferentes espécies arbóreas. Os micorrízicos são relações simbióticas de tipo mutualista entre fungos e plantas.

Nas relações ectomicorrízicas, as hifas fúngicas entram em contato com as raízes das plantas e desenvolvem uma estrutura chamada rede Hartig, que permite a troca de nutrientes e outros elementos entre os dois membros da relação.

Dessa maneira, o fungo obtém os compostos orgânicos, principalmente carboidratos necessários para sua nutrição e a planta obtém água e nutrientes inorgânicos que as hifas do fungo capturaram do solo.

As plantas hospedeiras recebem o benefício adicional de obter proteção contra fungos e outros microorganismos potencialmente patogênicos.

Amanita virosa: características, taxonomia, reprodução, nutrição 2

Amanita virosa. Retirado e editado de: Jason Hollinger [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)].

Toxicidade

Amanita virosa é uma das três espécies mais letais de Amanita para seres humanos. As outras duas espécies são A. phalloides e A. verna . Essas três espécies são responsáveis ​​por mais de 90% dos eventos fatais de envenenamento por cogumelos.

A toxicidade deste fungo deve-se principalmente ao fato de conter diferentes tipos de ciclopeptídeos, dos quais o mais tóxico é a α-amanitina, embora possa ter outros ciclopeptídeos, bem como outros tipos de biomoléculas também com atividade tóxica.

Efeitos

A -manitina pode causar danos no fígado que podem ser fatais. Alguns autores sugerem que o dano hepático se deve ao bloqueio do complexo proteico da RNA polimerase II, impedindo a síntese de mRNA e, portanto, a síntese de proteínas no fígado. Outros autores também relatam necrose hepática hemorrágica devido ao consumo de fungos.

A intoxicação pelo consumo de Amanita virosa tem um longo período de latência, que é assintomático. Posteriormente, aparecem sintomas gastrointestinais, lesões graves no nível do fígado e dos rins e, finalmente, a morte.

Tratamento

O tratamento do envenenamento pela ingestão de Amanita virosa é dificultado pelo longo período de latência assintomática, pois quanto mais tarde o tratamento é iniciado, maiores são as chances de resultados fatais.

Não há antídotos ou tratamento específico contra esse tipo de envenenamento. As estratégias de tratamento atualizadas são cuidados médicos intensivos de suporte, procedimentos de desintoxicação e administração de quimioterapia.

Outros tratamentos também foram testados como suprimento de compostos como N-acetilcisteína, silbinina, silimarina e diferentes tipos de antibióticos, isoladamente ou em combinação. No entanto, os níveis de sobrevivência permanecem baixos.

Referências

  1. Trakulsrichai, C. Sriapha, A. Tongpoo, U. Udomsubpayakul, S. Wongvisavakorn, S. Srisuma e W. Wananukul (2017). Características clínicas e resultado da toxicidade do envenenamento por cogumelos Amanita . Revista Internacional de Medicina Geral.
  2. Amanita virosa (Pe.) Bertill. – Destruindo anjo. Recuperado em: first-nature.com
  3. Amanita virosa. Na Wikipedia Recuperado de: en.wikiipedia.org
  4. Amanita virosa. Recuperado de: amaniteceae.org
  5. Amanita virosa . Recuperado de: ecured.cu.
  6. Loranger, B. Tuchweber, C. Gucquaud, S. St-Pierre e MG Côté (1985). Toxicidade de peptídeos de cogumelos Amanita virosa em camundongos. Ciências Toxicológicas

Deixe um comentário