André Gunder Frank: Teoria da Dependência, Contribuições e Obras

André Gunder Frank (1929-2005) foi um economista e sociólogo nascido na Alemanha. Sua contribuição mais reconhecida internacionalmente é a teoria da dependência, que lida com a razão pela qual os países menos desenvolvidos não conseguem melhorar adequadamente sua economia.

Frank pertence à corrente neomarxista da ciência econômica e se considerava um economista radical. Seus escritos e pensamentos desfrutaram de muitas dificuldades na América Latina a partir dos anos 60, quando o autor residia em vários países da região.

André Gunder Frank: Teoria da Dependência, Contribuições e Obras 1

Universidade de Chicago, onde Frank estudou economia

Parte de seus estudos foi realizada na Universidade de Chicago, onde a corrente econômica neoliberal estava se formando naquele momento. Ele escreveu numerosos livros nos quais analisou a sociologia econômica do mundo. Suas obras receberam elogios e críticas, estas últimas mesmo por grupos próximos do autor ideologicamente.

Sua outra faceta era a de um professor: lecionou em várias universidades latino-americanas, como Brasília ou a Universidade Autônoma do México. Ele morreu após combater o câncer por 12 anos, mas nunca parou de trabalhar.

Biografia de André Gunder Frank

Idade precoce

André Gunder nasceu em Berlim, Alemanha, em 24 de fevereiro de 1929. A chegada dos nazistas ao poder obrigou sua família a deixar o país, estabelecendo sua residência na Suíça. Já durante a Segunda Guerra Mundial, eles se mudaram para os Estados Unidos, onde ele estudou no ensino médio.

Ao escolher disciplinas universitárias, o jovem optou pela economia e ingressou na Universidade de Chicago. O doutorado alcançou-o em 1957, apresentando uma tese sobre agricultura na União Soviética.

Naquela época, a Universidade de Chicago era um dos centros mais importantes no campo das ciências econômicas. Nisto estava surgindo um grupo de economistas que seria muito importante na expansão do neoliberalismo em todo o mundo.

Frank, de idéias neomarxistas totalmente contrárias a esse grupo, reconheceu que os debates que ocorreram ali o reafirmaram em suas crenças.

Depois de terminar seus estudos, ele fez contato com a realidade latino-americana. Ele viajou e morou em vários países, como Brasil, México e Chile. O autor foi pego pela realidade socioeconômica e política e se envolveu nos movimentos de esquerda.

Fique no Chile

De todos esses países, talvez tenha sido o Chile que mais marcou Gunder Frank. Ele se estabeleceu lá em 1967 e começou a frequentar os círculos acadêmicos do país. Sua esposa era daquela nacionalidade e isso contribuiu para sua incorporação na vida intelectual chilena.

Frank trouxe para os movimentos de esquerda os princípios neomarxistas que alguns americanos estavam propagando. Além disso, ele alertou sobre o pensamento neoliberal que foi desenvolvido em Chicago por pensadores como Friedman.

Viagem e morte

Frank e sua esposa tiveram que deixar o Chile por causa do golpe liderado por Pinochet. Um dos aspectos que o piorou foi o mau tratamento recebido do governo dos EUA.

Frank havia decidido deixar a nacionalidade daquele país e retornar ao alemão, o que foi muito ruim em sua antiga terra natal.

O autor viajou por todo o mundo, do Canadá à Holanda, mas nunca deixou de ser considerado na América Latina. A presença em quase todo o continente de ditaduras militares era uma grande antipatia por ele.

Outro golpe o levou quando sua esposa morreu, uma aflição que não o deixaria até sua própria morte. Depois de ser viúvo, ele residia no Canadá e, já sob o governo Clinton, foi autorizado a trabalhar nos Estados Unidos.

Seus últimos dias foram no Luxemburgo, onde morreu em 23 de abril de 2005, vítima de um câncer com o qual lutava por 12 anos.

Teoria da dependência

O antecedente do trabalho de Frank sobre a teoria da dependência remonta à década de 1940. Nessa década, o argentino Raúl Prebisch começou a lançar a idéia sobre a diferença de desenvolvimento entre o centro e a periferia. Foi em Santiago do Chile que o debate aberto por essa teoria ganhou mais força.

A idéia básica da teoria da dependência é que a economia mundial sempre acaba prejudicando os países menos desenvolvidos. Para torná-lo mais compreensível, seus autores usaram a metáfora do centro e da periferia.

Assim, a periferia (não desenvolvida) tem um papel atribuído de fornecedor de matéria-prima; enquanto os lucros e a industrialização permanecem no centro.

A partir dos anos 60, autores como Marini ou o próprio Frank desenvolveram essa teoria muito mais profundamente.

A visão de Gunder Frank

O ponto de vista de Gunder Frank sobre a teoria da dependência pode ser claramente visto lendo suas próprias palavras:

“O subdesenvolvimento não é consequência da sobrevivência de instituições arcaicas, da falta de capital nas regiões que se mantiveram afastadas da torrente da história mundial; pelo contrário, o subdesenvolvimento foi e ainda é gerado pelo mesmo processo histórico que também gera o desenvolvimento econômico do próprio capitalismo. ”

Segundo seus escritos, o comércio mundial possui mecanismos que impedem os países periféricos de melhorar, mantendo-os em uma pobreza conveniente para eles. Alguns desses mecanismos são:

– O mercado global permite apenas que a periferia atue como exportadora de matérias-primas ou como consumidora dos produtos já fabricados. Não deixa opção para serem produzidos em seus próprios países.

– Os países centrais monopolizaram todo o desenvolvimento tecnológico, aumentando os preços dos produtos.

– Se algum dos países com economia periférica melhorar, o mercado garantirá que, devido à diferença de preços, as importações aumentem e as exportações estagnem.

Contribuições para a economia

As idéias de Gunder Frank e seus apoiadores não foram deixadas sozinhas em teoria. Alguns países latino-americanos começaram a implementar algumas manobras para evitar estagnação no subdesenvolvimento.

Dentre esses movimentos, destacou-se o protecionismo comercial, com a imposição de tarifas e controles sobre produtos estrangeiros. Da mesma forma, foi feita uma tentativa de criar uma estrutura que permitisse a fabricação de produtos importados anteriormente.

Outra das políticas desenvolvidas foi monetária. As moedas foram supervalorizadas, a fim de comprar mais barato.

Embora isso tenha funcionado por um tempo, especialmente nos anos 70, no final, a pressão dos países centrais pelo uso da dívida externa que os periféricos sempre tiveram, forçou a estratégia a ser modificada.

Teoria do Sistema Mundial

Uma das contribuições mais recentes de Frank foi sua teoria do sistema mundial. É quase um trabalho histórico-econômico no qual, do ponto de vista marxista, ele revisa as relações sociais e políticas durante a história.

O autor fala sobre a existência do que ele chama de sistema mundial. Segundo Frank, a princípio esse sistema mundial tinha a China como centro, mas a descoberta da América e de sua riqueza a deslocou para a Europa. Atualmente, ele previa um retorno daquele centro mundial para a Ásia.

Outras contribuições

Outra idéia que o autor desenvolveu em suas obras foi sua visão de que os Estados Unidos estavam instalados no capitalismo desde o século XVI.

Ele também afirmou que existe um estilo lumpenburg em todo o continente, com desenvolvimento precário e muito vulnerável. Finalmente, ele conduziu um estudo abrangente sobre os efeitos da dívida externa nos países em desenvolvimento.

Trabalhos principais

Capitalismo e subdesenvolvimento na América Latina , 1967

América Latina: subdesenvolvimento ou revolução , 1969

Sociologia do desenvolvimento e subdesenvolvimento da sociologia: o desenvolvimento do subdesenvolvimento , 1969

Lumpenburguesía: desenvolvimento lumpendido. Dependência, classe e política na América Latina , 1972

Sobre o subdesenvolvimento capitalista , 1975

Capitalismo e genocídio econômico , 1976

A acumulação global 1492-1789 , 1978

Acumulação dependente e subdesenvolvimento , 1978

Transformando a revolução: movimentos sociais no sistema mundial (com Samir Amin, Giovanni Arrighi e Immanuel Wallerstein), 1990

O subdesenvolvimento do desenvolvimento: um ensaio autobiográfico , 1991

Referências

  1. Dos Santos, Theodonio. André Günder Frank morreu. Obtido em tool.com.ar
  2. Economia e Gestão Teorias do subdesenvolvimento. Obtido de abc.com.py
  3. García Menéndez, José Ramón. Em memóriam: André Gunder Frank, economista, sociólogo … professor. Obtido em elpais.com
  4. Seddon, David. Andre Gunder Frank. Obtido em independent.co.uk
  5. Review Sociology. Teoria da Dependência. Obtido em revisesociology.com
  6. Uwazie, I. U, Igwemma, AA, Ukah, FI Contribuições de Andre Gunder Frank para a teoria do desenvolvimento e subdesenvolvimento: implicações na situação de desenvolvimento da Nigéria. Obtido em iiste.org
  7. Kay, Cristobal. Andre Gunder Frank: ‘Unidade na Diversidade’, do Desenvolvimento do Subdesenvolvimento ao Sistema Mundial. Obtido em tandfonline.com
  8. Lawrence H. Simon David F. Rucio. Uma análise metodológica da teoria da dependência: explicação em Andre Gunder Frank. Recuperado de sciencedirect.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies