Andrômeda: descoberta, origem, características, estrutura

Andrômeda é uma galáxia espiral localizada a aproximadamente 2,5 milhões de anos-luz da Via Láctea, sendo a galáxia mais próxima do nosso próprio sistema solar. Descoberta em 964 d.C. pelo astrônomo persa Abd al-Rahman al-Sufi, Andrômeda é uma das maiores galáxias do Grupo Local, contendo bilhões de estrelas, nuvens de gás e poeira cósmica. Sua estrutura em espiral, semelhante à da Via Láctea, a torna um objeto fascinante de estudo para os astrônomos, que buscam compreender a evolução e formação das galáxias no universo. Suas características únicas e sua proximidade com a Via Láctea a tornam um alvo de interesse para futuras missões de exploração espacial.

Origem da constelação de Andrômeda: deuses, mitos e lendas que contam sua história.

A constelação de Andrômeda é uma das mais famosas do céu noturno e tem uma origem fascinante que remonta à mitologia grega. De acordo com a lenda, Andrômeda era uma princesa muito bela e filha do rei Cefeu e da rainha Cassiopeia. No entanto, a vaidade de Cassiopeia a levou a se gabar de que sua filha era mais bonita do que as ninfas do mar, o que enfureceu Poseidon, o deus dos mares.

Para punir a arrogância de Cassiopeia, Poseidon enviou um monstro marinho, conhecido como Cetus, para devastar o reino de Cefeu. Desesperado, o rei consultou o Oráculo de Delfos, que aconselhou que Andrômeda fosse sacrificada ao monstro para acalmar a ira de Poseidon. Assim, a princesa foi acorrentada a uma rocha à beira-mar, onde seria devorada por Cetus.

No entanto, Andrômeda foi salva por Perseu, o herói grego que estava em uma missão para derrotar a Medusa. Perseu matou Cetus e libertou Andrômeda, que ele posteriormente desposou. Em homenagem a essa história, os deuses transformaram Andrômeda em uma constelação, que podemos ver nos céus até hoje.

Andrômeda: descoberta, origem, características, estrutura

A constelação de Andrômeda foi descoberta pelos antigos gregos e é uma das 88 constelações reconhecidas oficialmente. Ela está localizada no hemisfério norte e é mais visível durante os meses de outono e inverno. Andrômeda é conhecida por conter a galáxia de Andrômeda, também chamada de Messier 31, que é a galáxia espiral mais próxima da Via Láctea.

Composta por estrelas brilhantes e facilmente identificáveis, Andrômeda possui uma forma característica em “V” invertido, o que a torna fácil de ser localizada no céu. Além da galáxia de Andrômeda, a constelação também abriga outros objetos celestes interessantes, como aglomerados estelares e nebulosas.

Descoberta de Andrômeda: Quando foi encontrado o planeta no sistema solar?

A descoberta de Andrômeda aconteceu em 1764 pelo astrônomo francês Charles Messier. Este planeta do sistema solar foi encontrado quando Messier observava o céu noturno em busca de cometas, e acabou descobrindo um objeto celestial com características de um planeta. Andrômeda foi inicialmente classificado como um cometa, mas posteriormente foi reconhecido como um novo planeta em nosso sistema solar.

Andrômeda: Origem, Características e Estrutura

Andrômeda é um planeta gasoso com uma atmosfera densa composta principalmente de hidrogênio e hélio. Sua origem remonta aos primórdios do sistema solar, e sua formação está intimamente ligada à evolução dos planetas gasosos do nosso sistema. Sua estrutura interna é composta por um núcleo rochoso rodeado por camadas de gases em constante movimento.

Algumas das características mais marcantes de Andrômeda incluem suas intensas tempestades atmosféricas, como os ventos que alcançam velocidades superiores a 1000 km/h. Além disso, o planeta possui anéis finos e coloridos que o tornam um espetáculo visual único no sistema solar.

Descobridor da galáxia de Andrômeda ainda é um mistério para os cientistas.

A galáxia de Andrômeda, também conhecida como M31, é uma das mais fascinantes do universo. Sua descoberta remonta a séculos atrás, quando astrônomos antigos observaram uma mancha difusa no céu noturno. No entanto, foi apenas com o advento do telescópio que sua verdadeira natureza pôde ser revelada.

Andrômeda é uma galáxia espiral gigante, localizada a cerca de 2,5 milhões de anos-luz da Terra. Sua origem remonta a bilhões de anos, quando nuvens de gás e poeira se fundiram para formar um disco rotativo de estrelas. Atualmente, ela abriga bilhões de estrelas, bem como uma grande quantidade de matéria escura.

Relacionado:  Via Láctea: origem, características, peças, componentes

As características de Andrômeda são impressionantes. Com um diâmetro de aproximadamente 220 mil anos-luz, ela é muito maior do que a Via Láctea. Sua estrutura é composta por um núcleo brilhante, braços espirais e uma coroa de estrelas velhas que orbitam ao seu redor.

Apesar de todo o conhecimento acumulado sobre Andrômeda, o descobridor dessa galáxia ainda é um mistério para os cientistas. Alguns atribuem a descoberta a astrônomos antigos, enquanto outros acreditam que ela foi identificada pela primeira vez por um observador anônimo. Independentemente disso, o fascínio por essa galáxia continua a impulsionar a pesquisa científica e a exploração espacial.

A descoberta da galáxia: a incrível jornada rumo aos mistérios do universo revelados.

A galáxia de Andrômeda, também conhecida como M31, é uma das descobertas mais fascinantes do universo. Localizada a aproximadamente 2,5 milhões de anos-luz da Terra, essa galáxia é a mais próxima da nossa Via Láctea. Sua descoberta remonta a séculos atrás, quando astrônomos antigos observaram uma mancha difusa no céu noturno.

Andrômeda é uma galáxia espiral gigante, com um diâmetro estimado em cerca de 220.000 anos-luz. Sua estrutura é composta por um núcleo central denso, braços espirais cheios de estrelas jovens e um halo difuso de estrelas antigas. Essa galáxia também abriga um buraco negro supermassivo em seu centro, que exerce uma forte influência sobre a movimentação das estrelas ao seu redor.

As características de Andrômeda são impressionantes, com bilhões de estrelas, aglomerados estelares, nebulosas e sistemas planetários. Sua origem remonta ao início do universo, quando as primeiras estrelas começaram a se formar e a se agrupar em galáxias. Andrômeda é um verdadeiro tesouro cósmico, revelando os mistérios e segredos do universo para os cientistas e astrônomos.

Sua origem, características e estrutura são elementos essenciais para a compreensão da vastidão do cosmos e da nossa própria existência.

Andrômeda: descoberta, origem, características, estrutura

Andrômeda: descoberta, origem, características, estrutura

Andrômeda é uma galáxia composta por um conglomerado de sistemas estelares, poeira e gás, todos sujeitos à força da gravidade. Está a 2,5 milhões de anos-luz de distância da Terra e é o único objeto visível a olho nu que não pertence à Via Láctea.

O primeiro registro da galáxia remonta a 961, quando o astrônomo persa Al-Sufi a descreveu como uma pequena nuvem na constelação de Andrômeda. Certamente, outros povos da antiguidade conseguiram reconhecê-la igualmente.

Mais tarde, usando o telescópio, os astrônomos que seguiram Galileu o chamaram simplesmente de “nebulosa”. Em meados do século XIX, o telescópio mais poderoso tinha 72 polegadas de diâmetro e foi construído pelo astrônomo irlandês William Parsons, que observou diretamente a curiosa estrutura espiral de algumas nebulosas.

Foi em 1924 que o astrônomo Edwin Hubble percebeu que a nebulosa espiral de Andrômeda não fazia parte da Via Láctea. Para isso, ele usou as propriedades das Cefeidas, uma classe de estrelas cujo brilho varia regularmente. 

O tamanho e a temperatura das cefeidas aumentam e diminuem, relacionando a luminosidade de maneira muito precisa com o período. Dessa maneira, o Hubble conseguiu estabelecer uma escala de distância para o universo e estimar a distância entre Andrômeda e a Via Láctea. Isso confirmou que a nebulosa era, de fato, uma galáxia independente e o universo um lugar muito maior do que eles imaginavam.

Características de Andrômeda

Andrômeda é uma galáxia espiral cuja forma é semelhante à da Via Láctea. Tem a forma de um disco plano, com uma protuberância no centro e vários braços em espiral. Nem todas as galáxias têm esse design.

Hubble, que observou centenas deles, classificou-os em elíptico (E), lenticular (L) e espiral (S), em seu famoso diapasão ou diagrama de seqüência que ainda hoje é usado.

Por sua vez, as galáxias espirais são distinguidas em dois grupos, aqueles com uma barra central e aqueles sem. 

O consenso atual é que nossa Via Láctea é uma galáxia espiral barrada de Sbb, embora não possamos vê-la de fora, mas Andrômeda é uma galáxia espiral Sb simples ou não barrada, que vemos quase cantando daqui.

Os dados mais significativos de Andrômeda são:

-Tem um núcleo duplo (veja a seção Estrutura abaixo)

-Suas dimensões são comparáveis ​​à Via Láctea. Andrômeda é apenas um pouco maior em extensão, mas a Via Láctea é mais maciça, com mais matéria escura.

-A Andrômeda possui várias galáxias satélites, com as quais interage gravitacionalmente: as galáxias elípticas anãs: M32 e M110 e a pequena galáxia espiral M33.

– Seu diâmetro é de 220 mil anos-luz.

-É aproximadamente duas vezes mais brilhante que a Via Láctea, com 1 bilhão de estrelas.

– Cerca de 3% da energia emitida por Andrômeda está na região do infravermelho, enquanto na Via Láctea esse percentual é de 50%. Normalmente, esse valor está relacionado à taxa de formação de estrelas, portanto, na Via Láctea, é alta e em Andrômeda, mais baixa.

Como ver Andrômeda?

O catálogo Messier, uma lista de 110 objetos astronômicos datados de 1774, nomeia a galáxia de Andrômeda, visível na constelação de mesmo nome, como o objeto M31. 

Por seu turno, o catálogo NGC ( Novo Catálogo Geral de Nebulosas e Aglomerados de Estrelas ) o chama NGC 224. 

É conveniente lembrar essas designações para encontrar a galáxia nos mapas celestes, pois elas são usadas em inúmeras aplicações astronômicas para computador e telefone.

Para visualizar Andrômeda , é conveniente localizar primeiro a constelação de Cassiopea, que tem uma forma muito característica na forma da letra W ou M, dependendo de como você a vê.

Cassiopea é muito fácil de visualizar no céu e a galáxia de Andrômeda fica entre ele e a própria constelação de Andrômeda, como pode ser visto neste diagrama:

Lembre-se de que, para ver a galáxia a olho nu, o céu deve estar muito escuro e sem luzes artificiais por perto.

No entanto, é possível ver a galáxia mesmo de uma cidade povoada em uma noite clara, mas sempre com a ajuda de binóculos, pelo menos. Nestas circunstâncias, um pequeno oval esbranquiçado é distinguido no local indicado.

Com um telescópio, muitos mais detalhes da galáxia são distinguidos e duas de suas pequenas galáxias complementares também podem ser localizadas.

As épocas do ano mais apropriadas para visualizá-lo são:

Hemisfério Norte : embora seja mais visível ao longo do ano, os meses ideais são agosto e setembro.

Hemisfério Sul : entre outubro e dezembro.

Finalmente, é aconselhável fazer a observação durante a lua nova, para que o céu esteja muito escuro, além de usar roupas adequadas para a estação.

O grupo local de galáxias

Tanto a galáxia de Andrômeda quanto a própria Via Láctea pertencem ao Grupo Local de galáxias, que agrupa um total de 40 galáxias. A Via Láctea, Andrômeda e a galáxia do triângulo são os maiores membros deste grupo.

O restante é constituído por galáxias anãs do tipo elíptico, espiral ou irregular que incluem as nuvens de Magalhães.

Estrutura

A estrutura de Andrômeda é basicamente a mesma de todas as galáxias espirais:

-Um núcleo, que abriga um buraco negro supermassivo.

-O bulbo, circundando o núcleo e cheio de estrelas avançadas em sua evolução.

-Um disco de material interestelar.

-O halo, uma enorme esfera difusa que circunda as estruturas já nomeadas e que é confundida com o halo da Via Láctea vizinha.

Origem e evolução Como Andromeda se originou?

As galáxias têm sua origem nas protogalaxias ou nuvens de gás primordial que se organizavam relativamente logo após o Big Bang, a grande explosão que deu origem ao universo.

Durante o Big Bang, os elementos mais leves, hidrogênio e hélio, foram formados. Dessa maneira, as primeiras protogalaxias eram necessariamente compostas por esses elementos.

No começo, o assunto era distribuído igualmente, mas em alguns pontos acumulou um pouco mais do que em outros. Em lugares onde a densidade era mais alta, a força da gravidade entrava e fazia com que mais matéria se acumulasse. Com o tempo, a contração gravitacional deu origem às protogalaxias.

Andrômeda pode ser o resultado da fusão de várias protogalaxias que ocorreram há cerca de 10 bilhões de anos atrás.

Relacionado:  Saturno: características, composição, órbita, estrutura

Levando em conta que a idade estimada do universo é de 13,7 bilhões de anos, Andrômeda foi formada logo após o Big Bang, assim como a Via Láctea.

Durante o curso de sua existência, Andrômeda absorveu outras protogalaxias e galáxias, o que contribuiu para dar a sua forma atual. Da mesma forma, sua taxa de formação de estrelas variou durante todo esse tempo, pois durante essas abordagens a taxa de formação de estrelas aumenta.

Apesar do fato de que o universo é conhecido por se expandir, a galáxia de Andrômeda está atualmente se aproximando rapidamente da Via Láctea a uma taxa de 300 km / s; portanto, espera-se uma “colisão” entre as duas ou pelo menos uma abordagem em um futuro distante. para que ambos sejam muito deformados.

Tais eventos não são incomuns e não são necessariamente violentos ou destrutivos, dada a grande distância entre as estrelas. 

Se as galáxias em colisão tiverem o mesmo tamanho, provavelmente perderão sua forma e uma galáxia elíptica ou uma galáxia irregular se originará. Se um for menor, o maior manterá sua forma absorvendo-o ou sofrerá uma deformação mais ou menos apreciável.

Cefeidas e distâncias astronômicas

Edwin Hubble usou as Cefeidas para determinar a distância de Andrômeda e demonstrar que era uma galáxia à parte da Via Láctea.

As cefeidas são estrelas extremamente brilhantes, muito mais brilhantes que o Sol , para que possam ser vistas mesmo muito longe. Polaris, a estrela polar é um exemplo de cefeida.

Eles são caracterizados pelo fato de sofrerem expansões e contrações periódicas, durante as quais seu brilho aumenta e diminui em intervalos regulares. É por isso que eles são conhecidos como estrelas pulsantes .

A astrônoma Henrietta Leavitt (1868-1921), descobriu que qualquer cefeida com o mesmo período T tem o mesmo brilho ou magnitude intrínseca Mv, de acordo com a equação:

M v = -1,43 – 2,81 log T

Isso é válido para qualquer cefeida, não importa a que distância esteja. Portanto, ao identificar uma cefeida em uma galáxia distante, o exame de seu período também terá sua magnitude, uma vez que existem curvas de magnitude versus período previamente calibradas.

Agora, qualquer fonte de luz tem magnitude intrínseca e magnitude aparente.

Quando duas luzes igualmente brilhantes são vistas à noite à distância, ambas podem ter o mesmo brilho intrínseco, mas uma das fontes também pode ser menos brilhante e mais próxima e, portanto, tem a mesma aparência.

A magnitude intrínseca de uma estrela está relacionada à sua luminosidade: é claro que quanto maior a magnitude, maior a luminosidade. Por sua vez, a diferença entre a magnitude aparente e a intrínseca está relacionada à distância da fonte.

Relação entre magnitude e distância

Os astrônomos usam a seguinte equação que relaciona as três variáveis ​​mencionadas; magnitude intrínseca, magnitude aparente e distância:

m v – M v  = -5 + 5 log d

Onde m v  é a magnitude aparente, M v  é a magnitude absoluta ed é a distância em que a fonte de luz está (em parsecs *), neste caso a estrela. 

Dessa maneira, Hubble encontrou Cefeidas na nebulosa de Andrômeda com magnitudes muito pequenas, o que significa que elas estavam muito distantes.

A distância entre nós e Andrômeda que o Hubble determinou com esse método foi de 285 quiloparseg, pouco mais de 929 mil anos-luz. O valor atualmente aceito é de 2,5 milhões de anos-luz, quase o dobro do estimado pelo Hubble.

Acontece que, na data em que o Hubble fez sua estimativa, não havia duas classes de cefeidas conhecidas e, portanto, subestimou a distância. Apesar disso, ele conseguiu provar que era tão grande que Andrômeda definitivamente não fazia parte da Via Láctea.

 * 1 parsec = 3,26 anos-luz.

Referências

  1. Taylor, N. A galáxia de Andrômeda (M31): localização, características e imagens. Recuperado de: space.com.
  2. Universidade de Manitoba. Projeto de Pesquisa 1: Galáxias Espirais. Recuperado de: physics.umanitoba.ca.
  3. Pasachoff, J. 2007. O Cosmos: Astronomia no Novo Milênio. Terceira edição. Thomson-Brooks / Cole.
  4. Seeds, M. 2011. Fundamentos da Astronomia. Sétima edição. Aprendizado Cengage.
  5. Wikipedia. Galáxia de Andrômeda. Recuperado de: es.wikipedia.org.

Deixe um comentário