As 6 funções da linguagem e suas características

As funções linguísticas mais relevantes incluem expor referências e representações do mundo, expressar emoções e estimular a reação das pessoas com quem interage. Essas funções podem ser incluídas no processo comunicativo, no qual tudo o que é transmitido é informação entre indivíduos.

Como fenômeno social, a linguagem desempenha um papel muito importante na vida dos seres humanos. A maneira codificada pela qual os humanos usam a linguagem, usando símbolos, sons, movimentos, regras e estruturas complexas, é um dos fenômenos diferenciadores em relação a outras espécies.

As 6 funções da linguagem e suas características 1

A linguagem é inata para todo ser humano, independentemente das diferenças demográficas, socioeconômicas e étnicas. Mesmo com o tempo, sistemas de linguagem foram desenvolvidos para padronizar a comunicação entre pessoas com deficiência auditiva e visual; é o caso da linguagem gestual e da escrita em braille.

A linguagem fornece um meio perfeito para codificar e transmitir todos os tipos de idéias: de sutis e simples a muito complexas. As funções de linguagem permitem às pessoas formular frases, perguntar, responder, cumprimentar, dizer adeus e outras formas de interação.

Modelo de linguagem

A linguagem foi estudada por disciplinas como sociolinguística e psicolinguística, especialmente durante a segunda metade do século XX.

O linguista russo-americano Roman Jacobson é conhecido por ter desenvolvido um modelo em 1958, onde descreve detalhadamente como o ato de comunicação deve funcionar através da linguagem.

Esse modelo ainda é bastante válido, embora existam outras teorias sobre funções da linguagem. Cada uma das funções apresentadas está associada a um dos elementos da comunicação.

As principais funções da linguagem

Função referencial

Na função referencial influencia o contexto do que está sendo discutido. Procura descrever e representar a situação, objeto ou estado mental na conversa. É também chamado de função cognitiva ou informacional.

Esta função expõe as conexões entre referências do mundo real e referências na mente, conhecimento ou idéias. Com esses referentes, as pessoas estabelecem o contexto da conversa.

A função referencial reconhece apenas o significado mais real e verdadeiro das palavras; isto é, leva em consideração apenas a operacionalidade e a utilidade da mensagem para estabelecer o contexto da forma mais clara possível.

Função poética

É aquele que se concentra na própria mensagem como um meio de expor idéias, reconhecendo o elemento estético ou criativo do uso da linguagem. Nesta função, aspectos como simbologia e linguagem figurada são levados em consideração.

As associações entre significados, a repetição de sons, sotaques, pronúncias e as relações entre palavras e frases são variantes que tornam o uso da linguagem mais orgânico e criativo.

Essa função é usada como matéria-prima para poesia e outras formas de expressão literária, mas não é exclusiva para elas.

Slogans e piadas publicitárias são exemplos do uso da função poética ou estética da linguagem.

Função emocional

Também chamada de função expressiva ou afetiva, refere-se ao remetente da mensagem e suas intenções.

Essa função não deve ser vista apenas como o modo de uso da linguagem para comunicar emoções e sentimentos humanos. Reconhece especialmente as atitudes do emissor em relação ao que ele está expressando. Qualquer mensagem, por mais neutra que seja, sempre revela a condição do orador.

Usando o idioma juntamente com interjeições, alterações de afinação, ênfase, volume, ritmo e alterações de som (sem alterar o significado das palavras), também são adicionadas informações adicionais importantes sobre o estado interno do transmissor.

Função fásica

É o uso do mesmo idioma para garantir que os envolvidos estejam se comunicando corretamente. O objetivo da função ftálica é a própria interação: estabelecê-la, prolongá-la, encerrá-la ou confirmar se ela ainda existe.

É principalmente exemplificado por cumprimentos e conversas casuais, especialmente entre estranhos, onde a interação é rápida e trivial.

Nas conversas telefônicas com dificuldades de conexão, é muito comum usar palavras como “olá?”, “Olá?” Ou “você está me ouvindo?”, Para saber se o contato existe.

Função metalinguística

Também chamada de função reflexiva, a função metalingüística para as pessoas estabelecerem critérios de entendimento sobre os contextos de mensagem e comunicação. Nesse sentido, refere-se ao código do processo comunicativo.

Com essa função, a linguagem é usada para se descrever, a fim de manter a mensagem clara e evitar confusão ou mal-entendido.

Como pessoas diferentes podem usar a linguagem de maneira diferente, é importante que os envolvidos saibam que estão sendo entendidos e que entendem a mensagem para que a comunicação esteja correta.

Nesse sentido, fatores socioculturais, socioeconômicos e educacionais relacionados ao uso da linguagem que possam gerar diferenças nos significados das palavras e frases devem ser levados em consideração. Exemplos disso são dialetos, socioletos, idioletos, jargões, gírias, entre outros.

Com a função metalinguística, os envolvidos usam a linguagem para estabelecer medidas de entendimento quando há dúvidas ou possíveis mal-entendidos.

Função de Apelação

A função de apelação está diretamente relacionada ao destinatário da mensagem. Seu foco são os elementos da linguagem usados ​​com o objetivo de que as pessoas mudem, alterem percepções, ajustem comportamentos ou respondam de uma maneira particular.

Os exemplos mais comuns são o uso de imperativos, comandos, solicitações e solicitações, entre outros.

Referências

  1. Professor John Lye. Comunicação por toque – Sinopse de “Lingüística e poética” de Jakobson (documento on-line). MIT Media Language Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Recuperado de media.mit.edu
  2. Ensaios, Reino Unido. (2013). Cinco funções da linguagem. Ensaio de Língua Inglesa. Obtido em ukessays.com
  3. Vyv Evans Ph.D. (2014). Para que usamos o idioma? Hoje Psicologia – com. Recuperado de psychologytoday.com
  4. Louis Hébert (2011). As funções da linguagem. Sinal de semiótica. Recuperado de signosemio.com
  5. David Crystal, Robert Henry Robins (2017). Linguagem Encyclopædia Britannica. Encyclopædia Britannica, inc. Recuperado de britannica.com
  6. Goodship11 (2012). As seis funções da linguagem. Observações e Relatórios. Recuperado de t.kevinluddy.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies