Balão de ar quente: história, características, peças, como funciona

Um balão de ar quente é um dirigível que permite levantar cargas e pessoas através do ar e que funciona através do princípio da flutuabilidade. Não requer asas, pás ou motor para subir. Basta que, em uma bolsa, balão ou balão, um gás mais leve seja fechado que o ar circundante.

Este gás é geralmente ar quente, uma vez que, sendo mais leve que o ar frio circundante, permite que ele suba ou flutue. Anexado ao globo há uma cesta ou cabine onde são colocadas cargas e / ou passageiros.

Balão de ar quente: história, características, peças, como funciona 1

Balão de ar quente. Fonte: pixabay

Geralmente, os balões de ar quente não possuem nenhum tipo de hélice; portanto, a direção do vôo é determinada pelo vento, embora a maioria dos balões de ar quente possua um sistema que permita controlar a altura.

História do balão de ar quente

O crédito à invenção do balão de ar quente corresponde aos irmãos Montglofier, Joseph – Michel e Jacques – Étienne, que o mostraram publicamente em 4 de junho de 1783 na França, embora seus primeiros modelos tenham sido feitos um ano antes.

Joseph e Etienne sonhavam com a possibilidade de voar há muito tempo, mas não haviam encontrado um caminho.

A inspiração veio a eles quando Joseph segurou a camisa pelo pescoço no ar quente que subia pela chaminé e percebeu que aquele ar poderia elevá-la.Eles entenderam que o ar quente é mais leve que o frio e, por esse motivo, flutua.

Então, a tarefa era colocar esse ar em uma bolsa grande o suficiente para levantar uma carga. Obviamente, quanto maior a carga, maior o volume da bolsa que conteria o ar quente.

Em setembro de 1782, eles construíram um balão de um metro cúbico de capacidade, que encheram de ar quente que conseguiu subir até trinta metros de altura.Já para o mês de dezembro, eles construíram um de maior capacidade, três metros cúbicos, com o qual continuaram seus experimentos.

Em abril de 1783, eles conseguiram erguer um balão de 10 metros de diâmetro, de 850 metros cúbicos de volume, até 365 metros de altura. Em junho do mesmo ano, eles fizeram uma demonstração pública da invenção.

A manifestação perante o rei Luís XVI

A grande manifestação ocorreu em setembro de 1783, em Versalhes, diante dos olhos do rei Luís XVI, da rainha Maria Antonieta, de toda a corte francesa e de um público de 130 mil pessoas, que ficaram perplexas com a manifestação.

A bordo da cesta de balões em Versalhes, em setembro de 1783, havia um galo, uma ovelha e um pato. Um mês depois, ocorreu o primeiro vôo de um ser humano em um balão de ar quente.

O primeiro homem a subir no céu com um balão de ar quente foi Jean-François Pilâtre de Rozier (outubro de 1783). Infelizmente, dois anos depois, Jean-François e um companheiro morreram em um acidente de balão de ar quente.

Outro marco histórico ocorre em 1792, quando o balão de ar quente é usado pela primeira vez para fins militares. A demonstração do Colégio Real de Artilharia de Segóvia foi realizada na presença do rei Carlos IV da Espanha.

Em outubro de 1797, André Jacques Garnerin deu o primeiro salto de pára-quedas de um balão de ar quente voando pelos céus parisienses.

Caracteristicas

As principais características de um balão de ar quente são:

– Não se pode dizer que é um dispositivo voador, mas sim um dispositivo flutuante.

– São necessárias condições adequadas de fluxo de ar para garantir flutuabilidade e segurança.

– Possui um invólucro ou balão de tecido leve e resistente que é preenchido com ar quente.

– O ar que enche o envelope é aquecido por queimadores a gás.

– A carga e a tripulação entram em uma cesta pendurada no mundo e é feita com materiais leves.

Partes do balão de ar quente

As três partes principais de um balão de ar quente são:

– O embrulho.

Os queimadores.

-A cesta ou bolacha.

O envoltório ou a vela é volumoso ou em forma de balão é feito de tiras de tecido leves e impermeáveis ​​que são costuradas para dar a forma esférica.

Atualmente, os tecidos e fios usados ​​para fazer o envoltório são feitos de fibra de nylon ou poliéster, mas deve-se notar que essas fibras não existiam quando os primeiros balões de ar quente apareceram. A fibra de nylon foi inventada em 1938 e o poliéster em 1946. A embalagem dos primeiros balões foi feita de seda ou papel.

A função da vela ou do invólucro é armazenar o ar quente e garantir a flutuabilidade do balão de ar quente. Embora o tecido seja resistente, é necessário, na confecção da vela, colocar fitas de reforço longitudinais e transversais.

A parte superior da vela possui uma válvula de sobreposição ou rasgo, conhecida como páraquedas , que é operada por uma corda que, quando puxada pelo piloto, permite que o ar quente escape para que a subida ou a altura possam ser controladas.

Queimadores e combustível

Na parte superior externa da vela, há cordas presas ao final dos cintos de carga e ajudam na inflação e deflação da vela.

Os queimadores são orientados de modo que o fogo aponte para a entrada ou a boca do envelope.

O combustível usado para aquecer o ar e encher o envelope é propano. Os tanques de propano usados ​​para encher o balão de ar no início permanecem no chão. A bordo, podem ir outros menores que poderíamos chamar de tanques de manutenção.

A cesta ou a cesta do balão de ar quente ainda é construída com vime. Outros materiais leves e resistentes foram testados, mas o vime ainda possui quatro características principais: é barato, leve, resistente e absorve os impactos do pouso.

O piso do cesto é feito de madeira compensada e possui cabos de aço que o circundam vertical e longitudinalmente para serem enganchados nas fitas de reforço da vela e nos suportes do queimador.

Equipamento moderno

Além deste equipamento básico, as equipes de balão atualmente possuem alguns instrumentos de vôo, como:

– Altímetro.

– Termômetro

Bússola.

– Extintores de incêndio.

– GPS

– equipamento de rádio.

Operação

Antes de operar um balão, você deve ter em mente todos os preparativos, entre eles e não menos importante para escolher o local do voo corretamente.

Nesta eleição, deve-se levar em consideração que o local não possui torres ou cabos de alta tensão, a direção e a velocidade do vento e para qual área o balão será direcionado.

Para encher o balão ou vela, ele é colocado no chão e, por meio de um ventilador, é preenchido com ar quente.O processo detalhado da inflação é o seguinte:

– A vela é esticada, desdobrando-a horizontalmente, usando os cintos de carga em ambos os lados. São necessárias pelo menos duas pessoas para esta operação.

Balão de ar quente: história, características, peças, como funciona 2

Inflar balão de ar quente. Fonte: pixabay

– É muito importante verificar se as vedações ou velcro do paraquedas ou da válvula de coroa estão seladas para que o ar quente não escape durante o enchimento do balão.

– A vela é preenchida com a ajuda de ventiladores que, se poderosos o suficiente, inflam o balão. Em seguida, os queimadores são acesos para introduzir mais ar quente para completar o preenchimento da vela.

– Com a vela aberta e segurada por pelo menos duas pessoas, os queimadores são direcionados para o interior do globo e acendem por breves intervalos até o balão subir e apertar os cabos e cordas que o prendem à cesta. A cesta deve ser aterrada para evitar elevações indesejadas.

– Depois de cheia de ar quente, a vela sobe, indicando que o balão está pronto para uso. O balão deve ser preso ao chão para evitar que fique fora de controle.

Como manobrar o balão?

Quando você solta os laços, o balão sobe. Sua direção é determinada pelas correntes de ar. Porém, em alturas diferentes, essas correntes podem ter direções diferentes; portanto, controlando a altura, também é possível escolher a direção do voo.

Quando você deseja subir ou deseja manter a altura, os queimadores são ativados, mas para abaixá-los, são desativados, de modo que o ar dentro do balão esfrie e se torne mais pesado, para que comece a descer.

Se for observado que a descida é muito rápida, os queimadores devem ser ativados novamente para reduzir a velocidade de descida.

É muito importante que, uma vez que a cesta toque o chão, os passageiros permaneçam na cesta até que ela esteja completamente amarrada ao chão. Caso contrário, o balão poderá começar a subir novamente e causar um acidente indesejado.

Tipos de balões de ar quente

Os balões de ar quente podem ser classificados em vários tipos, dependendo de suas características, como se eles têm algum tipo de sistema de direção.

-Não balões de dirigível

Eles não possuem um sistema de propulsão, portanto seu deslocamento na distância e direção é determinado pelas correntes atmosféricas.

Elas possuem uma bolsa ou vela grande que retém o ar que aquece um queimador localizado na entrada ou boca inferior da vela, que direciona o ar quente para dentro.

Nesse tipo de balão, a tripulação e os passageiros entram em uma cesta que é presa à vela por meio de cabos e correias.

As manobras são limitadas ao controle da subida e descida. No entanto, em alturas diferentes, as correntes de ar podem apontar em direções diferentes, o que confere a esse tipo de balão de ar quente uma certa margem de direcionalidade.

– dirigíveis dirigíveis

Às vezes, eles são conhecidos pelo nome de aeronaves ou no zepelim alemão . A principal característica é que eles têm um motor propulsor que lhes permite decidir e manter a direção do voo, mesmo contra o vento.

Normalmente, o balão ou vela é fechado e preenchido com um gás mais leve que o ar, como hidrogênio ou hélio. O hidrogênio é altamente inflamável, enquanto o hélio como gás nobre não corre o risco de pegar fogo ou explodir. Nos dirigíveis, a altura do globo é relativamente constante.

Balões de ar quente misto

São aqueles que possuem uma porção de gás leve, como o hélio, envolto em balões que diminuem o peso total, mas também possuem a vela que é preenchida com o ar quente proveniente dos queimadores. Eles podem ou não ter um sistema de propulsão.

– Balões tripulados e não tripulados

Outra classificação possível dos balões é se eles carregam ou não membros da tripulação.

Balões de ar quente não tripulados

Eles geralmente são usados ​​para fins de publicidade em feiras e outros eventos. Eles estão amarrados a uma altura constante. Esses tipos de balões usam gás em vez de ar quente.

Entre os balões não tripulados estão os balões meteorológicos, que sobem permanentemente e enviam dados ao solo por meio de sinais de rádio. Esses dados são altura, temperatura, velocidade e direção do vento, pressão atmosférica e outros dados de interesse.

Balões de ar quente tripulados

Eles exigem um membro da tripulação e geralmente são de ar quente. Este tipo de balão é usado por entusiastas do vôo, mas também pode ter fins comerciais e turísticos. Também existem competições em que os pontos de partida e chegada são estabelecidos e a capacidade dos membros da tripulação de atingir os objetivos propostos é avaliada.

Como fazer um balão de ar quente caseiro

A seguir, indicaremos as etapas básicas para construir um balão de ar quente caseiro que realmente suba.

Esse tipo de balão também é comercializado sob o nome de balões de desejo , porque geralmente é feito um desejo quando ele aumenta.

Materiais

– Um saco grande daqueles usados ​​para o lixo, procurando que ele seja feito de plástico fino, e não os ultra-fortes que são feitos de plástico mais grosso.

– Um par de fios finos, mas rígidos. O fio usado na construção pode ser usado. Os fios do cabide são muito grossos e pesados ​​(eles não funcionam para o experimento)

– Fio de cobre fino ou usado para arranjos de flores.

– Um grão de algodão ou papel higiênico.

– Álcool para queimar.

– Queimador de álcool.

– Quatro pedaços de fita adesiva.

Procedimento

– Abra a bolsa, para que possam ser feitas as medições da boca aberta da bolsa.

– Depois de fazer as medições, cortamos dois fios que se juntam formando uma cruz, cujo objetivo é manter a extremidade inferior da bolsa bem aberta. As extremidades desses fios devem ser dobradas em L com comprimento aproximado de 1 cm.

– Para juntar a cruz, usamos o fio de cobre fino. Também na interseção dos dois fios, consertamos a mancha de algodão ou papel higiênico que impregnam com álcool em chamas.

– Fixamos a cruz na extremidade aberta da sacola para que ela fique totalmente aberta.

– Depois, seguramos a sacola no topo para que ela assuma a forma de um balão.

– Para aquecer o ar dentro da bolsa, no início um queimador de álcool é colocado no chão, o que fará com que o ar quente entre na bolsa e se mova para o ar frio.

– Quando se observa que a bolsa está bem inchada, a mancha ou o papel de algodão que está na base em forma de cruz acende e o balão é liberado assim que percebemos que ela quer subir.

Referências

  1. Briceño, G. Balão de ar quente. Recuperado de: euston96.com
  2. Como fazer um balão de ar quente caseiro. Recuperado de: espaciociencia.com.
  3. Descrição de um balão. Recuperado de: ballooning.es
  4. O voo de balão de ar quente. Recuperado de: pasionporvolar.com
  5. Wikipedia Balão de ar quente. Recuperado em: wikipedia.com/es

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies