Bandeira do México: história e significado

A bandeira do México é o símbolo nacional mais importante desta república americana. É composto por três faixas verticais de tamanho igual, verde, branco e vermelho. No centro da faixa branca, é imposto o escudo do país, composto por uma águia em um cacto, devorando uma cobra.

Os pavilhões na história do México têm uma origem muito antiga. Já havia símbolos nos tempos pré-hispânicos para identificar o Império Mexicano, mas bandeiras convencionais foram estabelecidas com os espanhóis. Não foi até a independência que o México conheceu suas próprias bandeiras, que surgiram para identificar os novos exércitos.

Bandeira do Mexico. (Veja o histórico de arquivos abaixo para obter detalhes. Baseado nas armas de Juan Gabino. [Domínio público]).

Os primeiros símbolos foram pavilhões com a Virgem de Guadalupe. Posteriormente, foi incorporada a imagem que sempre acompanhava a bandeira: a águia devorando a cobra no cacto. A origem do tricolor teria surgido através dos exércitos insurgentes do sul do México e isso foi consolidado com a bandeira do Exército Trigarant.

Por muitos anos, a bandeira mexicana não teve uma regulamentação clara, o que deixou em aberto suas características de uso. A cor verde está relacionada à esperança, branca com unidade e vermelha com sangue derramado pelo México.

Histórico da bandeira

O México tem uma história rica, marcada por suas civilizações pré-hispânicas. Estima-se que o território esteja povoado há mais de 20 mil anos. A evolução foi gradual até a agricultura consolidar diferentes civilizações em várias áreas do México atual. O milho era seu principal produto desde o milênio V a. C. Embora não convencionalmente, o uso de bandeiras já é de civilizações indígenas.

– símbolos pré-hispânicos

Embora houvesse grandes civilizações como os olmecas, os toltecas e os maias, os primeiros símbolos representativos de um estado conhecido hoje foram do Império Mexicano. De fato, aqui também é a origem do escudo do México, com a águia empoleirada no cacto.

Os mexicanos se mudaram de Aztlan para o vale do México. Nesse local, durante o ano de 1325, eles fundaram o México-Tenochtitlan. A escolha do local deveu-se ao fato de o deus Huitzilopochtli ter indicado a eles que a terra prometida seria uma ilhota onde havia uma pêra espinhosa, na qual uma águia pousava ao devorar uma cobra.

Foi lá que a capital foi estabelecida porque, segundo a lenda, havia sido encontrado o que Deus prometeu.

Topoglifos do vale do México

Essa imagem representativa do mito fundador do México é o que existe hoje no escudo nacional do país, também presente na bandeira. No entanto, o México-Tenochtitlan manteve os primeiros símbolos nacionais. Especificamente, um topóglifo os identificou. Consistia em um símbolo com um cacto nascido da terra, mostrando seus frutos.

Topóglifo do México-Tenochtitlan. (XcepticZP [domínio público]).

Ao norte do México-Tenochtitlan, foi estabelecida a Cidade do México-Tlatelolco, também no vale do México. Foi fundada por outra tribo mexicana que havia separado e fundado sua própria cidade em algumas ilhotas ao norte. Nesse caso, seu topóglifo mostrava a Terra saindo através de um semicírculo.

Topóglifo do México-Tlatelolco. (Veja a página do autor [Domínio público]).

– colonização espanhola

O poder indígena na região foi diminuído após o início da conquista pelos espanhóis. Tenochtitlan caiu em 1521 depois de uma batalha de três anos contra o poder espanhol. Quatorze anos depois, foi fundado o vice-reinado da Nova Espanha.

O vice-reinado rapidamente se tornou uma das entidades mais importantes do Império Espanhol. Isso ocorreu devido à descoberta de depósitos de mineração nas proximidades do vale do México, bem como à facilidade de cultivar terras agrícolas que já eram usadas por culturas indígenas.

Primeiro, nas colônias espanholas da América, a bandeira da Cruz da Borgonha foi usada. Consistia em um pano branco no qual uma cruz pontilhada na forma de um X vermelho foi imposta. O Império Espanhol não tinha uma bandeira oficial, mas usava diferentes insígnias navais.

Bandeira da cruz da Borgonha (por Ningyou. [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html)) ou CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by- sa / 3.0 /)], do Wikimedia Commons).

Novos símbolos Bourbon

O vice-reinado da Nova Espanha manteve a Cruz da Borgonha como um ensinamento distinto. No entanto, em 1701, foi criado um novo pavilhão naval espanhol, com duas versões: gala e simplificado. Essa mudança se deve ao fato de que na Espanha uma nova dinastia assumiu o trono: a casa de Bourbon, que mantinha a cor branca dinástica.

O pavilhão de gala naval consistia em um pano branco antes do qual as armas reais eram impostas no lado esquerdo. Estes foram cercados por um sapo e adornados com fitas vermelhas.

O escudo mantinha os símbolos de todos os reinos espanhóis, como Castela, Aragão, Sicília, além dos símbolos da casa de Bourbon-Anjou, com a flor de lis.

Pavilhão naval da Espanha. (1701-1760). (Por Durero [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) ou CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]), do Wikimedia Commons )

A versão simplificada deste pavilhão só deixou as armas de Aragão e Castela e mudou a cor das fitas para azul.

Pavilhão naval simplificado da Espanha. (1701-1760). (Por Buho07 ([1]) [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0) ou GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) ], via Wikimedia Commons).

A chegada ao trono do rei Carlos III em 1760 significou uma mudança do pavilhão e do escudo. Nesse caso, as armas dos diferentes reinos Bourbon estavam concentradas em duas estruturas ovais.

Pavilhão naval da Espanha (1760-1785). (Por Durero [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) ou CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]), do Wikimedia Commons )

Criação da bandeira espanhola

A cor branca não era exclusiva da Espanha, porque a dinastia Bourbon também reinava em outras regiões da Europa. Além disso, outros reinos também usavam a cor branca, tornando muito difícil para os navios espanhóis manter uma bandeira dessa cor. Diante disso, o rei Carlos III decidiu criar novas bandeiras em 1785.

Dois projetos foram apresentados: um para a marinha mercante e outro como pavilhão de guerra, que acabou se tornando uma bandeira nacional. Ambos incorporaram as cores amarelo e vermelho, o que serviu como útil para o contraste no uso de embarcações marítimas. Este símbolo incluía uma versão simplificada do escudo no lado esquerdo da faixa amarela.

Pavilhão naval e bandeira nacional da Espanha (1785-1873) (1875-1931). (Por versão anterior Usuário: Ignaciogavira; versão atual HansenBCN, design de SanchoPanzaXXI [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html)), CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org /licenses/by-sa/3.0/) ou CC BY-SA 2.5 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5)], via Wikimedia Commons).

Desde 1793, o pavilhão de guerra começou a ser usado nos portos espanhóis e foi adotado pelas Cortes de Cádiz quando redigiram a constituição parlamentar conhecida como “La Pepa” em 1812. Isso também influenciou os últimos anos do domínio colonial espanhol em América

Relacionado:  Para que serve uma entrevista? Os 6 usos principais

– Independência de México

As primeiras décadas do século XIX marcaram o início dos movimentos de independência na América hispânica, no âmbito da invasão francesa da Espanha. O México fez o mesmo em 1810 e um de seus primeiros eventos foi o “Grito de Dolores”. Esse movimento foi liderado pelo padre Miguel Hidalgo y Costilla.

Considera-se que a primeira bandeira mexicana foi apresentada no “Grito de Dolores”, mas realmente era um banner com a imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, pintada por Miguel López.

A priori, era uma pintura religiosa que fazia parte da paróquia, mas ainda há dúvidas sobre a veracidade do tecido usado, que seria preservado no Museu Nacional de História após sua captura na batalha de Aculco.

Bandeira de Miguel Hidalgo. (1810). (Sarumo74 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]).

A bandeira da Virgem de Guadalupe tornou-se o símbolo do incipiente movimento de independência. Considera-se que esta bandeira também incluísse posteriormente o escudo monárquico espanhol e o da província eclesiástica de Michoacán.

Além disso, a expressão Viva a Virgem Maria Señora de Guadalupe! Esta é uma versão conhecida como Blasón de Hidalgo.

Brasão de Hidalgo. (Sarumo74 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]).

Bandeiras de Allende

A independência do México foi feita em várias direções. Desde 1810, surgiu outro símbolo, agora conhecido como bandeiras gêmeas de Allende . Isso porque eles foram apresentados por Ignacio Allende, outro dos líderes da independência que acompanhou Miguel Hidalgo.

A criação dessas bandeiras foi feita antes do início da guerra. Sua composição foi dividida em duas bandeiras quadradas de tamanho igual, com uma moldura azul escura. A bandeira da esquerda incluía um escudo com a águia e o cacto, sendo a primeira manifestação desse símbolo.

Bandeira cruzada

Especificamente, esta parte da bandeira mostrava a águia com asas estendidas devorando uma cobra. O animal está empoleirado em um cacto de pera espinhosa.

Na parte de trás, na paisagem, você pode elucidar um céu azul com montanhas, imitando ao amanhecer. No topo, ele preside a figura de São Miguel, que mantém uma cruz na mão e uma balança na outra.

Já na parte inferior da bandeira esquerda estão dois canhões, um tambor, um arco e balas de canhão. Para tudo isso, devemos adicionar duas bandeiras e duas flâmulas. As bandeiras mantinham a forma de uma cruz, intercalando as cores granada e branca.

Por seu lado, a bandeira da direita conservava a imagem de Nossa Senhora de Guadalupe. Isso fez consolidar a imagem da cruzada religiosa contra os franceses que invadiram a Espanha, bem como contra o rei Fernando VII.

Bandeiras gêmeas de Allende. (Cruz). (1810). (Sarumo74 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]).
Sinalizador X

A outra versão da bandeira gêmea de Allende mantinha os mesmos símbolos. A única diferença com a outra era que as bandeiras incluídas no lado direito tinham o formato de um X, em vez de uma cruz.

Bandeiras gêmeas de Allende. (X) (1810). (Sarumo74 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]).

Zitácuaro Board

O movimento de independência continuou a mudar território e líderes. A maior responsabilidade passou a estar nas mãos de Ignacio López Rayón. Em 1811, em Zitácuaro, foi fundado o Conselho Nacional Supremo Americano, também conhecido como Conselho Supremo do Governo da América. Para a cidade onde foi fundada, era conhecida como Junta de Zitácuaro.

Essa instância já levantou o México como uma entidade independente antes da invasão francesa da Espanha. Sua operação foi concentrada com a identificação de um escudo, que incluiu a águia mexicana novamente.

Selo do Conselho de Zitácuaro. (1811-1813). (Sarumo74 [domínio público]).

No entanto, apesar de não ter sido estabelecida como bandeira oficial, o Conselho Zitácuaro usou bandeiras. Um deles incluía a Cruz da Borgonha em azul claro sobre fundo branco. Isso foi usado durante as reuniões do conselho, bem como em juramentos. Seu uso também se deve à existência de grupos de defesa de Fernando VII no quadro.

Bandeira da Borgonha Cruz do México. (1815). (Sarumo74 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]).

Congresso de Anahuac ou Chilpancingo

Posteriormente, a força do movimento da independência mudou-se para o sul, com o padre José María Morelos à frente. Este clérigo começou a liderar batalhas de sucesso com seu exército.

Depois de mais de um ano de vitórias, ele formou o Congresso Anahuac, também conhecido como Congresso de Chilpancingo em 1813. Foi convidado por deputados das províncias mexicanas, que assinaram o Ato de Independência da América do Norte.

Assim, o México foi constituído pela primeira vez como um país independente. O quadro jurídico era a chamada Constituição de Apatzingán. Em 1815, esse congresso emitiu dois decretos, nos quais o país independente já é chamado de México. Eles estabeleceram três bandeiras para identificar o país: guerra, parlamentar e comércio.

Bandeira nacional da guerra

A bandeira principal aprovada pelo congresso era conhecida como bandeira de guerra. Era um campo de grade com quadrados azuis e brancos claros entremeados.

A borda da bandeira era vermelha e na parte central, um oval incorporado ao grande selo da nação. Isso mantinha muitas características das bandeiras Junta de Zitácuaro e Allende, tendo a águia no cacto e tendo estandartes e armas como canhões.

A bandeira de guerra acabou se tornando uma bandeira de uso geral e o principal símbolo do México.

Bandeira de guerra nacional do México. (1815). (Sarumo74 [CC BY 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/3.0)]).
Bandeira parlamentar

O outro símbolo aprovado pelo congresso era conhecido como bandeira parlamentar. Nesse caso, uma forma quadrada foi imposta, com uma borda azul clara. O fundo era branco e na parte central foi imposto um buquê de azeitonas acompanhado por uma coroa de louros. Ambos foram conectados por uma espada arranjada horizontalmente.

Bandeira parlamentar do México. (1815). (Sarumo74 [CC BY 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/3.0)]).
Bandeira comercial

Finalmente, o terceiro símbolo aprovado pelo congresso era conhecido como bandeira comercial. Nesse caso, a forma quadrada foi novamente adotada com uma moldura branca e um fundo azul claro, sobre o qual uma cruz branca foi imposta. No topo do mastro, uma flâmula horizontal e alongada foi incorporada com as mesmas cores que o emblema.

Bandeira de comércio do México. (1815). (Sarumo74 [CC BY 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/3.0)]).

Essas bandeiras permaneceram em vigor até a derrota de Morelos, na Batalha de Temalaca. O rei Fernando VII recuperou o trono espanhol e enviou tropas ao México para aplacar a revolução, que terminou com o tiroteio de Morelos em Ecatepec, em dezembro de 1815.

Relacionado:  Bolsa diplomática: Definição e Características

Surgimento do tricolor

O tricolor mexicano começou a surgir no declínio do breve período de independência dominado por Morelos. Naquela época, o primeiro tricolor que surgiu veio de diferentes exércitos independentes. Um deles chamava-se Siera Flag, erguido pelo exército de Nicolás Bravo.

Este símbolo é o primeiro conhecido com as cores nacionais. Na faixa central, incorporava um símbolo onde combinavam arco e flecha com espada.

Siera bandeira do México. (Marrovi [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]).

Posteriormente, surgiu a chamada bandeira veterana do Batalhão Pátria. Essas forças foram lideradas por Valeriano Trujillo desde 1810. Para sua criação, ele pegou as três cores e, na parte central, incorporou o escudo com a águia sobre o cacto. Foi a primeira vez que os dois símbolos foram apresentados juntos em uma bandeira.

Nesse caso, a águia estava em uma pedra no lago Texcoco. Nas laterais, foram adicionadas bandeiras e, no topo, um sol nascente e um boné frígio. A apresentação deste pavilhão costumava ser quadrada.

Bandeira de veterano do Batalhão Pátria do México. (Sarumo74 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]).

Exército Trigarant

Após a execução de Morelos, poucos sucessos tiveram os exércitos da independência. Apenas alguns exércitos ao norte e ao sul permaneceram na luta e o vice-rei aprovou um perdão pelas forças insurgentes que o líder militar Vicente Guerrero rejeitou com a frase La Patria Es Primero .

A situação também mudou na Espanha, com o triênio liberal que encerrou o absolutismo da monarquia em 1820. Antes disso, a Constituição de Cádiz ou “La Pepa” havia sido aprovada, estabelecendo direitos incipientes de igualdade em ambos os lados do oceano. Atlântico Os crioulos brancos novoshispanos eram contra essas mudanças, então ficaram do lado da independência.

O líder das insurreições foi Agustín de Iturbide. Juntamente com Vicente Guerrero, ele promulgou o Plano Iguala em 1821. Esse ato mais uma vez estabeleceu a independência do México, mas a deixou como uma monarquia, que seria chefiada pelo rei espanhol Fernando VII ou por alguém de sua dinastia. O objetivo era manter a Religião, Independência e União, que se tornou o lema do Exército Trigarante de Agustín de Iturbide.

Bandeira de Trigarante

O chefe político espanhol na Nova Espanha, Juan O’Donojú, assinou com Iturbide os Tratados de Córdoba, que eram uma extensão do Plano Iguala em setembro de 1821. Eles reconheceram a independência do México. No entanto, o governo espanhol rejeitou esse ato, embora não tenha combatido a princípio.

As forças lideradas por Iturbide no exército Trigarante agitaram a bandeira Trigarante. Esse exército se uniu na defesa do Plano Iguala e sua bandeira foi criada pelo próprio Iturbide e confeccionada pelo alfaiate José Ocampo.

Sua forma era quadrada e dividida em três faixas diagonais do mesmo tamanho: branco, verde e vermelho. Em cada um deles, ele mantinha uma estrela de seis pontas, das mesmas três cores, mas invertida.

No centro, dentro de um branco oval, uma coroa imperial foi adicionada com as insígnias RELIGIÃO, ANDEPENDENTE, UNIÃO, REGIME E NORTE .

Trigarante bandeira do México. (1821) (Sarumo74 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]).

– Primeiro Império Mexicano

Na ausência da nomeação de um governante espanhol e da busca ineficaz de um príncipe europeu para governar o México, Agustín de Iturbide assumiu a regência do trono.

O rei espanhol respondeu que não assumiria o trono porque não reconheceu a independência mexicana. Isso levou ao congresso coroado Iturbide como imperador em maio de 1822, com o título de Agostinho I.

A duração do Império Mexicano foi efêmera, de apenas seis meses. Os problemas econômicos eram graves, e a conspiração de Antonio López de Santa Anna e seu ex-aliado Vicente Guerrero no Plano da Casa Mata pôs fim à monarquia efêmera em um movimento militar, antes do qual Iturbide deveria ser exilado. Esse movimento envolveu a separação das províncias da América Central.

Bandeira do primeiro império mexicano

O Império Mexicano de 1821 estabeleceu uma nova bandeira, que manteve o tricolor. Antes da coroação de Agostinho de Iturbide, o Congresso Constituinte do Império decretou as características da bandeira e do escudo. As três listras eram verticais do mesmo tamanho. O escudo foi adicionado no centro do alvo.

Mais uma vez, o escudo levou em consideração a águia que pousa em um cacto no topo da lagoa. No entanto, a maior diferença é que não está comendo uma cobra. Além disso, a águia segurava uma coroa imperial.

Bandeira do Império Mexicano (1821-1823). (ByAldoEZ [domínio público], da WikimediaCommons).

– Primeira República Mexicana

Em 1823, a nova República Mexicana já era um fato. Em 1824 e após um governo provisório, o Congresso Constituinte promulgou a nova constituição republicana.

Desde então, uma república federal com capital na Cidade do México foi estabelecida. Durante todo esse período, personagens como Antonio López de Santa Anna foram decisivos, ocupando a presidência várias vezes e ainda enfrentando as potências espanholas.

O maior discurso deste primeiro período foi entre liberais e conservadores. Os liberais tentaram reformar o estado, mas Santa Anna, com sua reentrada na presidência com apoio conservador, o impediu.

Uma constituição centralista em 1843 gerou a independência de vários estados por alguns anos. A fraqueza desse estado favoreceu uma invasão americana entre 1846 e 1848.

O conflito acabou tirando o México de mais da metade de seu território. Enquanto se desenvolvia, os liberais tomaram o poder e reabilitaram a constituição de 1824, que estabeleceu uma república federal.

Após a guerra com os Estados Unidos, o México estava em uma posição de extrema fraqueza. Santa Anna voltou anos depois à presidência e proclamou-se ditador.

Bandeiras da Primeira República Mexicana

Desde 1823, a primeira bandeira da República Mexicana foi aprovada. Novamente, o esquema de três faixas verticais permaneceu, mudando o escudo. A diferença consistiu na supressão da coroa imperial e na adição da cobra que devora a águia. Além disso, um buquê de carvalho e louro foi adicionado sobre ele.

Em princípio, essa foi a bandeira oficial até 1879, com exceção do Segundo Império Mexicano. No entanto, não havia um modelo de bandeira única, por isso foi uma criação popular bastante plural ao longo dos anos.

Bandeira do Mexico. (1823-1879). (Sarumo74 [CC BY 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/3.0)).

Outros modelos de bandeira foram apresentados especialmente após a invasão dos EUA. Após a restauração da república, os liberais usaram uma bandeira com uma águia voltada para a esquerda.

Relacionado:  Quais são os bens finais na economia?

Bandeira do México usada pelos liberais. (1846-1879). (Sarumo74 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]).

Em vez disso, a bandeira usada pelos conservadores mantinha a própria águia, mas com um perfil à direita.

Bandeira do México usada pelos conservadores. (1846-1879). (Sarumo74 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]).

– Segundo Império Mexicano

Após a proclamação de Santa Anna como ditador, os liberais lideraram a Revolução Ayutla que o forçou ao exílio. Diante disso, foram criadas as Leis de Reforma que separavam o Estado da Igreja. Benito Juarez assumiu como o primeiro presidente indígena do México e seu governo enfrentou uma guerra com os conservadores, que terminou com a vitória do presidente Juarez em 1861.

O governo de Benito Juárez assumiu a suspensão dos pagamentos de sua dívida externa devido à impossibilidade de pagamento. Isso gerou pressão da França, Espanha e Inglaterra.

O exército francês, liderado por Napoleão III, começou a atacar o México militarmente em 1863. Essa situação levou à transferência do governo mexicano para San Luis Potosí e depois para Paso del Norte, enquanto os franceses tomavam a Cidade do México.

Foi assim que nasceu o Segundo Império Mexicano. Napoleão III queria fortalecer sua presença no México para enfraquecer os Estados Unidos, que enfrentaram a Guerra Civil. Uma regência assumiu o governo até a chegada do imperador Maximiliano de Habsburgo, arquiduque da Áustria que havia aceitado a posição de imperador oferecida a ele.

Bandeira do Segundo Império Mexicano

O Império Mexicano liderado por Maximiliano de Habsburgo só durou até 1867. Finalmente, o imperador foi baleado e os franceses tiveram que se retirar. Em seu mandato, uma nova bandeira imperial do México foi usada. Isso manteve as três listras verticais, mas mudou o escudo para armas reais.

Desde 1863, a Regência mudou o escudo para imperial. De qualquer forma, isso não entrou na bandeira até a chegada de Maximiliano I, com um decreto em junho de 1864.

No entanto, pouco mais de um ano depois, em novembro de 1865, foi emitido um novo decreto estabelecendo várias bandeiras: bandeira imperial, bandeira de guerra, nacional, comerciante, corpo de exército e flâmula da marinha.

A bandeira nacional consistia na mesma bandeira tricolor, mas com o escudo real de Maximiliano I, com bordas douradas, coroa e uma fita com o lema Equidade na justiça . Note-se que esta bandeira compartilhava destaque com outras pessoas.

Bandeira do Império Mexicano. (1865-1867). (Elementos de Ludovicus Ferdinandus e Sarumo74 [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]).

O pavilhão imperial também era conhecido, embora só fosse usado na presença de imperadores. A diferença deles era que a águia imperial dourada era adicionada nos quatro cantos.

Pavilhão imperial do México. (1865-1867). (TownDown [domínio público]).

– Porfiriato

O fim do império mexicano liderado por Maximiliano de Habsburgo envolveu a restauração da república liderada por Benito Juarez, que continuou a governar até a morte em 1872. Seu governo gerou divisões e, em 1871, Juarez teve que enfrentar outros candidatos liberais nas eleições.

Sebastián Lerdo de Tejada assumiu a presidência quando Juárez morreu, mas ao tentar ser reeleito, o ex-candidato Porfirio Díaz o derrotou em um levante. A sucessão presidencial era desconhecida e Díaz assumiu a presidência, iniciando o Porfiriato desde 1876.

Até 1879, a bandeira estabelecida em 1823 era oficialmente usada. No entanto, o México viveu meio século sem uma regulamentação clara das bandeiras. Porfirio Díaz, depois de assumir o poder, tentou normalizar o uso de bandeiras e escudos.

A ordem do governo de Porfirio Díaz consistiu em readoptar a bandeira de 1823, com esse escudo. No entanto, não havia modelo do escudo na época, antes do qual o artista Tomás de la Peña teve que criar um novo modelo, do tipo francês.

Bandeira do Mexico. (1880-1916). (Sarumo74 [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]).

Posteriormente, em 1898, surgiu outro desenho, o corte germânico, de Juan de Dios Fernández. A águia ficou conhecida como a Águia do Centenário.

Bandeira do Mexico. (1889-1916). (Sarumo74 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]).

– Revolução Mexicana

O Porfiriato foi o período do governo dirigido por uma única pessoa mais extensa na história do México. Porfirio Díaz foi sucessivamente reeleito com um regime autoritário aberto ao comércio internacional. Sua reeleição continuou até 1910, eleições nas quais Díaz havia anunciado que não iria aparecer.

Mas, quebrando sua palavra, Porfirio se lançou na batalha eleitoral. Francisco Madero, seu principal oponente, foi preso e Diaz venceu as eleições sem resistência. Mais tarde, Madero escapou da prisão e dos Estados Unidos proclamou o Plano de San Luis em 1910, iniciando a Revolução Mexicana. No ano seguinte, e antes da perda de poder, Díaz entregou o poder e foi para o exílio.

Madero foi eleito presidente em 1911, mas outros líderes como Emiliano Zapata e Pascual Orozco subiram rapidamente. Em 1913, houve um golpe que acabou com o assassinato de Madero e a apreensão de Victoriano Huerta.

Outros líderes revolucionários como Venustiano Carranza e Pancho Villa se levantaram contra Huerta, que teve que deixar o poder no ano seguinte. Francisco Carvajal assumiu a presidência interina.

Bandeira Carrancista

O exército constitucionalista de Venustiano Carranza prevaleceu no país. No início, ele usava apenas as bandeiras porfiristas, para que não pudessem ser distinguidas das outras tropas. Antes disso, em 1916, ele modificou o escudo, incluindo o que estava presente na bandeira.

A posição da águia mudou completamente, quando ele virou o perfil e olhou para a esquerda. Esta posição de águia ainda é mantida. Dessa maneira, a imagem do escudo começou a se unir.

Bandeira do Mexico. (1916-1934). (SVG por Sarumo74 (conversa · contribs) [Domínio público]).

– governo Maximato e Cárdenas

A Revolução Mexicana continuou seu curso e a bandeira adquiriu um poder nacional com a chegada de Carranza ao poder em 1917. Os anos seguintes seguiram os assassinatos de líderes políticos, como Emiliano Zapata, Pancho Villa ou o próprio Carranza.

Sob o mandato de Carranza, foi aprovada a constituição de 1917, que permanece em vigor e consome demandas sociais durante a Revolução Mexicana. Em 1924, Plutarco Elías Calles assumiu o poder, que fundou o Partido Revolucionário Naciona

Conteúdo relacionado:

Deixe um comentário

Ao continuar a usar o site, você concorda com o uso de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close