Barbitúricos: características, mecanismo de ação e efeitos

Os barbitúricos são uma classe de medicamentos sedativos e hipnóticos que atuam no sistema nervoso central. Eles são conhecidos por seu potencial de causar depressão do sistema nervoso, levando a efeitos como relaxamento muscular, sonolência e redução da ansiedade. O mecanismo de ação dos barbitúricos envolve a potencialização da ação do neurotransmissor GABA, que é responsável por inibir a atividade neuronal. No entanto, o uso excessivo ou prolongado de barbitúricos pode levar a dependência, tolerância e overdose, o que pode resultar em complicações graves, incluindo coma e até mesmo morte. Por isso, é importante utilizá-los apenas sob orientação médica e seguir as recomendações de dosagem corretamente.

Entenda o uso e os efeitos dos barbitúricos na saúde e no tratamento.

Os barbitúricos são uma classe de medicamentos que agem no sistema nervoso central, sendo utilizados principalmente como sedativos e hipnóticos. Eles têm a capacidade de diminuir a atividade cerebral, promovendo relaxamento, sono e redução da ansiedade.

O mecanismo de ação dos barbitúricos ocorre através da potencialização da ação do neurotransmissor GABA (ácido gama-aminobutírico) no cérebro. Isso leva a uma inibição da atividade neuronal, resultando em efeitos sedativos e hipnóticos.

No entanto, o uso de barbitúricos pode trazer efeitos colaterais indesejados, como sonolência excessiva, tontura, confusão mental, dificuldade de coordenação motora e até mesmo dependência química. Por isso, seu uso deve ser controlado e monitorado por um profissional de saúde.

Os barbitúricos também são utilizados no tratamento de convulsões e em procedimentos cirúrgicos como anestésicos

Seu uso deve ser controlado devido aos seus potenciais efeitos colaterais e riscos para a saúde, sendo necessária a supervisão de um profissional de saúde durante o tratamento.

Efeito cumulativo dos barbitúricos: entenda suas características e como afetam o organismo.

Os barbitúricos são uma classe de medicamentos que atuam como depressores do sistema nervoso central, sendo utilizados principalmente como sedativos, hipnóticos e anticonvulsivantes. Seu mecanismo de ação envolve a potencialização da ação do neurotransmissor GABA, levando a uma inibição da atividade cerebral.

Uma característica importante dos barbitúricos é o seu efeito cumulativo no organismo. Isso significa que, ao longo do tempo, a substância se acumula no corpo, levando a um aumento da sua concentração no sistema nervoso central. Com isso, doses repetidas de barbitúricos podem resultar em uma intensificação dos seus efeitos, podendo levar a uma intoxicação grave.

Os efeitos dos barbitúricos no organismo podem incluir sedação, redução da ansiedade, indução do sono, diminuição dos reflexos e da coordenação motora, e em casos mais graves, depressão respiratória e coma. O uso prolongado e abusivo dessas substâncias pode levar ao desenvolvimento de dependência e tolerância, tornando-se necessário aumentar as doses para obter o mesmo efeito desejado.

Portanto, é importante ter cautela ao usar barbitúricos, seguindo sempre as orientações médicas e evitando a automedicação. O acompanhamento de um profissional de saúde é fundamental para garantir o uso seguro desses medicamentos e prevenir possíveis complicações decorrentes do seu efeito cumulativo no organismo.

Significado dos barbitúricos: conheça mais sobre esses medicamentos sedativos e hipnóticos comuns.

Os barbitúricos são medicamentos sedativos e hipnóticos que atuam no sistema nervoso central, produzindo efeitos de depressão do sistema nervoso. Eles são utilizados principalmente para induzir sono, controlar convulsões e aliviar a ansiedade.

O mecanismo de ação dos barbitúricos envolve a potencialização da ação do neurotransmissor GABA, que é responsável por inibir a atividade neuronal. Isso resulta em uma redução da excitabilidade neuronal e consequente relaxamento e sedação do paciente.

Alguns dos efeitos colaterais dos barbitúricos incluem sonolência, confusão, tonturas, dificuldade de coordenação motora e até mesmo depressão respiratória em casos de superdosagem. Por esse motivo, o uso desses medicamentos deve ser feito com cautela e sob prescrição médica.

Apesar de sua eficácia no tratamento de certas condições, os barbitúricos também apresentam potencial de abuso e dependência, o que os torna controlados e de uso restrito em muitos países.

Diferenças no mecanismo de ação entre barbitúricos e benzodiazepínicos no sistema nervoso central.

Os barbitúricos são uma classe de drogas sedativas que agem no sistema nervoso central, deprimindo a atividade neuronal e resultando em efeitos sedativos, hipnóticos e anticonvulsivantes. Eles são utilizados principalmente como indutores do sono e no tratamento de convulsões.

Relacionado:  Hidrofobia: sintomas, causas e tratamentos

O mecanismo de ação dos barbitúricos envolve a potenciação dos efeitos do neurotransmissor GABA (ácido gama-aminobutírico), o principal inibidor do sistema nervoso central. Os barbitúricos ligam-se aos receptores de GABA, aumentando a sua atividade e inibindo a excitabilidade neuronal.

Em contraste, os benzodiazepínicos também atuam no sistema nervoso central, porém de uma maneira diferente. Eles aumentam a afinidade do GABA pelos seus receptores, facilitando a ação inibitória do neurotransmissor e resultando em efeitos ansiolíticos, sedativos e relaxantes musculares.

Essas diferenças no mecanismo de ação podem influenciar as propriedades farmacológicas e os efeitos clínicos dessas drogas.

Barbitúricos: características, mecanismo de ação e efeitos

Os barbituratos são um grupo de drogas que são derivados do ácido barbitúrico. Esses medicamentos atuam no sistema nervoso central como sedativos e são capazes de gerar uma ampla variedade de efeitos cerebrais.

A ação dos barbitúricos no sistema nervoso central pode causar desde sedação leve até anestesia total. O efeito causado depende principalmente da dose do medicamento consumido.

Barbitúricos: características, mecanismo de ação e efeitos 1

Embora a principal ação dos barbitúricos seja a sedação, esses medicamentos também são utilizados como ansiolíticos, hipnóticos e anticonvulsivantes, pois são capazes de realizar esses efeitos no nível cerebral.

Da mesma forma, os barbitúricos são caracterizados por causar efeitos analgésicos no organismo, embora esses efeitos tendam a ser fracos e não muito permanentes, portanto, geralmente não são usados ​​para fins terapêuticos da anestesia.

Atualmente, há uma controvérsia notável sobre o papel dos barbitúricos como drogas psicoterapêuticas. Essas substâncias têm um alto potencial de dependência, tanto físicas quanto psicológicas, e geram um grande número de efeitos colaterais.

De fato, nos últimos anos, os barbitúricos foram deslocados no tratamento de condições como ansiedade e insônia devido aos benzodiazepínicos, uma vez que estes últimos são medicamentos mais seguros e com maiores taxas de eficácia.

História

Os barbitúricos são uma família de medicamentos derivados do ácido barbitúrico, substância sintetizada pela primeira vez em 1864 pelo químico alemão Adolf von Baeyer.

A síntese do ácido barbitúrico foi realizada através da combinação de uréia (um produto obtido a partir de resíduos de animais) e ácido malônico (um ácido derivado de maçãs). Através da mistura dessas duas substâncias, foi obtido um ácido que Baeyer e seus colaboradores denominaram ácido barbitúrico.

Na sua origem, o ácido barbitúrico não era uma substância farmacologicamente ativa e, portanto, não era usado como medicamento. No entanto, após seu surgimento, um grande número de produtos químicos começou a investigar uma grande variedade de derivados do ácido barbitúrico.

Inicialmente, nenhum valor terapêutico foi encontrado para os derivados do ácido barbitúrico; até 1903, dois químicos alemães, Emil Fischer e Josef von Mering, descobriram propriedades sedativas na substância. Após esse momento, a substância começou a ser comercializada sob o nome de Veronal.

Atualmente, os barbitúricos são comercializados através do pentotal, que é usado para induzir anestesia e pelo nome de fenobarbital como um medicamento anticonvulsivante.

No entanto, ambos os medicamentos permaneceram em desuso hoje devido ao alto vício produzido por seu consumo e à gama limitada de efeitos benéficos que os barbitúricos têm.

Mecanismo de ação

Os barbitúricos são substâncias solúveis em gordura que se dissolvem facilmente na gordura corporal. Através da sua administração no corpo, a substância atinge a corrente sanguínea.

Sendo uma substância psicoativa, os barbitúricos viajam através do sangue para as regiões do cérebro. Eles atravessam facilmente a barreira cerebral do sangue e entram em regiões específicas do cérebro.

No nível cerebral, os barbitúricos são caracterizados por apresentar várias ações em sua célula-alvo, ou seja, nos neurônios.

Ação no GABA

Barbitúricos: características, mecanismo de ação e efeitos 2

Primeiro, os barbitúricos se destacam por unir-se ao receptor gama-aminobutico (GABA), o principal neurotransmissor inibitório no cérebro. Quando acoplados a esses receptores, os barbitúricos produzem uma entrada de cálcio que hiper-polariza o neurônio e bloqueia o impulso nervoso.

Nesse sentido, os barbitúricos atuam como depressores inespecíficos do sistema nervoso central, produzindo efeitos tanto no nível pré-sináptico quanto no nível pós-sináptico.

Atualmente, o local específico de ligação dos barbitúricos no receptor GABA é desconhecido. No entanto, sabe-se que é diferente do dos benzodiazepínicos.

Relacionado:  Angústia: sintomas, causas e tratamentos

O fluamecenil, uma droga antagonista competitiva dos benzodiazepínicos, não exibe atividade antagonista contra os barbitúricos. Este fato mostra que ambas as substâncias têm diferentes pontos de fixação.

Por outro lado, estudos radiológicos nos quais o GABA e os benzodiazepínicos marcados com barbitúricos são co-administrados mostraram que estes aumentam a ligação ao receptor GABA.

Essa última avaliação é importante ao justificar o aumento significativo da toxicidade quando o consumo de barbitúricos é combinado com outras substâncias psicoativas.

Ação no glutamato

Barbitúricos: características, mecanismo de ação e efeitos 3

Os barbitúricos também afetam o funcionamento do glutamato; eles são acoplados aos receptores glutametérgicos AMPA, NMDA e receptor de cainato.

O papel do glutamato no nível cerebral é antagônico ao do GABA. Ou seja, em vez de inibir, estimula o funcionamento do sistema nervoso central.

Nesse caso, os barbitúricos agem como antagonistas dos receptores AMPA e cainato seletivamente, e também agem como depressores, reduzindo a excitabilidade do glutamato.

Os canais de sódio dependentes da tensão contribuem para a despolarização do neurônio para gerar os impulsos elétricos. De fato, alguns estudos mostram que a atividade do barbitúrico está relacionada a esses canais, produzindo contrações bem acima daquelas consideradas terapêuticas.

Finalmente, deve-se notar que os barbitúricos influenciam os canais dependentes da tensão de potássio, que afetam a repolarização do neurônio. Nesse sentido, observou-se que alguns barbitúricos inibem os canais em concentrações muito altas, o que causa excitação do neurônio.

Esse fator sobre a atividade dos barbitúricos pode explicar o efeito altamente convulsivo gerado por alguns desses medicamentos, como o meto-hexital.

Efeitos

Barbitúricos: características, mecanismo de ação e efeitos 4

Os barbitúricos são caracterizados por apresentar várias ações farmacológicas. Devido a seus diferentes mecanismos de ação, essas substâncias não realizam uma única atividade no nível do cérebro.

Antiepiléptico

Por um lado, os barbitúricos são drogas antiepilépticas, graças a suas ações anticonvulsivantes, que parecem não refletir a depressão inespecífica que geram no sistema nervoso central.

Sedativos ou ansiolíticos

Por outro lado, embora os barbitúricos carecem de atividade analgésica, são substâncias que podem ser usadas como sedativos ou ansiolíticos. Embora para o tratamento da ansiedade eles tenham sido substituídos por benzodiazepínicos, por serem mais seguros e eficazes.

Nesse sentido, os barbitúricos são medicamentos atualmente indicados para o tratamento de crises agudas devido a epilepsia, cólera, eclâmpsia, meningite, tétano e reações tóxicas aos anestésicos locais e estricnina.

No entanto, a adequação terapêutica dos barbitúricos para o tratamento de convulsões agudas não se estende a todos os medicamentos desse tipo, sendo o fenobarbital o único barbitúrico recomendado.

Outros

Por outro lado, deve-se notar que hoje os barbitúricos são usados ​​no tratamento de AVC e como anticonvulsivante em neonatos, uma vez que são medicamentos eficazes nesses casos.

De fato, ao contrário do que acontece com o tratamento de transtornos de ansiedade, em que os benzodiazepínicos usaram barbitúricos, o fenobarbital resulta em uma droga de primeira escolha entre os neonatologistas para fins anticonvulsivantes, relegando os benzodiazepínicos para segundo plano.

Toxicidade de barbitúricos

Os barbitúricos são drogas que podem ser tóxicas através de diferentes mecanismos. Os principais são:

Dose administrada

O principal fator tóxico dos barbitúricos está na quantidade de consumo.

Por exemplo, no butabarbital, uma dose plasmática de 2-3 g / mL produz sedação, uma em 25 induz o sono e uma concentração maior que 30 g / mL pode causar coma.

No entanto, doses excessivas de qualquer tipo de barbitúrico causam coma e morte no consumidor.

Farmacocinética

Os barbitúricos são drogas altamente solúveis em gordura, que podem causar o acúmulo da substância no tecido adiposo. Isso pode ser uma fonte de toxicidade quando essas reservas são mobilizadas.

Mecanismo de ação

Do ponto de vista toxicológico, os barbitúricos geram neurotoxicidade devido a um aumento na entrada de cálcio no neurônio.

Os barbitúricos podem atuar nas mitocôndrias dos neurônios, causando uma inibição que levaria a uma redução na síntese do ATP.

Interação

Finalmente, os barbitúricos são indutores enzimáticos, portanto, são medicamentos que aumentam o metabolismo de medicamentos como alguns antagonistas hormonais, antirrítmicos, antibióticos, anticoagulantes, cumarínicos, antidepressivos, antipsicóticos, imunossupressores, corticosteróides e estrogênio.

Barbiturates vs benzodiazepines

Barbitúricos: características, mecanismo de ação e efeitos 5

A imagem dos barbitúricos como ferramentas da farmacoterapia mudou radicalmente devido ao aparecimento de benzodiazepínicos.

Relacionado:  Transtorno de Ansiedade de Separação: Sintomas, Causas, Tratamentos

De fato, antes que os benzodiazepínicos emergissem como drogas ansiolíticas, os barbitúricos eram os principais medicamentos para o tratamento de ansiedade e distúrbios do sono.

No entanto, os efeitos colaterais, a dependência e o perigo do consumo de barbitúricos levaram à investigação de novas opções farmacológicas para o tratamento desse tipo de condição.

Nesse sentido, os benzodiazepínicos são hoje em dia medicamentos muito mais seguros, mais eficazes e adequados para tratar distúrbios de ansiedade. Da mesma forma, atualmente os benzodiazepínicos são usados ​​com mais frequência no tratamento de distúrbios do sono.

As principais diferenças entre os dois medicamentos são as seguintes:

Mecanismo de ação

Barbitúricos: características, mecanismo de ação e efeitos 6

O mecanismo de ação dos barbitúricos é caracterizado pelo acoplamento aos receptores GABA, aumentando a entrada de cloro intracelular, bem como a ação sobre o glutamato, reduzindo sua atividade.

Esse fato induz sedação, euforia e outros transtornos do humor. Além disso, a ação depressora inespecífica gerada pelos barbitúricos causa depressão respiratória e, se altas doses são consumidas, pode levar à depressão cardiovascular e à morte.

O mecanismo de ação dos benzodiazepínicos, por outro lado, é caracterizado pela ligação específica aos receptores GABA, gerando uma entrada controlada de cloro no neurônio e hiper-polarização ou inibição neuronal.

O consumo de benzodiazepínicos em doses terapêuticas também inibe os neurônios por mecanismos desconhecidos, não ligados à ação do GABA. Os principais efeitos dessas substâncias são sedação e relaxamento do músculo esquelético.

Da mesma forma, as sobredosagens com benzodiazepínicos causam um efeito inibitório menor no sistema nervoso central, resultando em medicamentos mais seguros.

Indicações

Atualmente, os barbitúricos são indicados apenas para o tratamento de certos tipos de crises epilépticas e como drogas anticonvulsivantes em neonatos.

Os benzodiazepínicos, entretanto, são medicamentos indicados para o tratamento da ansiedade e agitação, doenças psicossomáticas e delirium tremens. Da mesma forma, são utilizados como relaxantes musculares e anticonvulsivantes e medicamentos sedativos.

Efeitos secundários

Os efeitos colaterais causados ​​pelo consumo de barbitúricos são geralmente amplos e graves. Esses medicamentos geralmente causam tontura, perda de consciência, disartria, ataxia, estímulo paradoxal por desinibição de comportamento e depressão do sistema nervoso, função respiratória e sistema cardiovascular.

Por outro lado, os efeitos colaterais dos benzodiazepínicos são mais limitados e mais leves. Esses medicamentos podem causar tonturas, perda de consciência, ataxia, desinibição comportamental e dermatite.

Tolerância e dependência

O consumo de barbitúricos causa tolerância e dependência com facilidade. Isso significa que o corpo exige doses cada vez mais altas para experimentar os efeitos desejados e, posteriormente, requer que o consumo da substância funcione adequadamente (dependência).

A tabela de dependência de barbitúricos é semelhante à do alcoolismo crônico. Quando uma pessoa dependente de barbitúricos suprime o consumo, geralmente experimenta uma síndrome de abstinência caracterizada por convulsões, hipertermia e delírios.

Os benzodiazepínicos, por outro lado, só geram dependência se consumidos cronicamente e em altas doses. Assim como os barbitúricos, a supressão do consumo de benzodiazepínicos pode produzir uma retirada semelhante ao alcoolismo crônico.

Interações medicamentosas

Os barbitúricos interagem com mais de 40 medicamentos devido à alteração enzimática que produzem no fígado. Por outro lado, os benzodiazepínicos experimentam apenas um efeito de soma com o álcool.

Referências

  1. Asano T, Ogasawara N. Estimulação dependente de cloreto da ligação de GABA e receptor de benzodiazepina por barbitúricos. Brain Res 1981; 255: 212-216.
  2. Chang, Suk Kyu. Hamilton, Andrew D. (1988). “Reconhecimento molecular de substratos biologicamente interessantes: Síntese de um receptor artificial para barbitúricos empregando seis ligações de hidrogênio”. Jornal da sociedade química americana . 110 (4): 1318-1319.
  3. Neal, MJ (fevereiro de 1965). »A ação hiperalgésica dos barbituratos em ratos».British Journal of Pharmacology and Chemotherapy . 24 (1): 170-177.
  4. Neurociência para Crianças – Barbitúricos »Arquivado no original em 16 de junho de 2008. Recuperado em 02/06/2008.
  5. DG Vesce Nicholls, WH Soine S. Duan et. para CM Anderson, BA Norquist. Os barbitúricos induzem despolarização mitocondrial e potencializam a morte neuronal excitotóxica. o jornal de neurociência, novembro de 2002; 22 (21): 9203-9209.
  6. Teichberg VI, Tal N., Goldberg O. e Luini A. (1984) Barbitúricos, álcoois e neurotransmissão excitatória do SNC: efeitos específicos nos receptores de cainato e quisqualato. Brain Res., 291, 285-292.

Deixe um comentário