BF Skinner: Teoria do Behaviorismo e Condicionamento Operante

BF Skinner: Teoria do Behaviorismo e Condicionamento Operante

Burrhus Frederic Skinner  (1904-1990), mais conhecido como BF Skinner, foi um psicólogo americano influente por suas contribuições no desenvolvimento da teoria do behaviorismo e por seu romance utópico Walden Two (1948).

Skinner é o psicólogo mais reconhecido dentro da tendência do behaviorismo e sua teoria tem sido uma das mais influentes da psicologia. O behaviorismo assume que todos os comportamentos são respostas a certos estímulos no ambiente ou conseqüências da história do indivíduo.

Embora os behavioristas geralmente aceitem o importante papel da herança na determinação do comportamento, eles se concentram principalmente em fatores ambientais. Assim, eles diferem dos psicólogos cognitivos, que atribuem grande importância aos pensamentos.

Curta biografia

Nascido na Pensilvânia em 1904, Skinner começou a trabalhar em suas idéias de comportamento humano depois de obter seu doutorado em Harvard. Seus trabalhos incluem The Behavior of Organisms (1938) e um romance baseado em suas teorias, Walden Two (1948). Ele explorou o behaviorismo em relação à sociedade em livros posteriores, incluindo Beyond Freedom e Human Dignity (1971).

Como aluno do Hamilton College, Skinner desenvolveu uma paixão pela escrita. Ele tentou se tornar um escritor profissional depois de se formar em 1926, mas teve pouco sucesso. Dois anos depois, ele decidiu seguir uma nova direção para sua vida; Ele se matriculou na Universidade de Harvard para estudar psicologia.

Skinner considerou o livre-arbítrio uma ilusão e ação humana como dependente das consequências de ações anteriores. Se as consequências forem ruins, há uma alta probabilidade de que a ação não seja repetida. Por outro lado, se as consequências forem boas, é provável que a ação seja repetida. Skinner chamou isso de princípio do reforço.

Para fortalecer o comportamento, Skinner usou o condicionamento operante e, para estudá-lo, ele inventou a câmara de condicionamento operante, também conhecida como caixa Skinner.

Na década de 1920, Watson havia deixado a psicologia acadêmica e outros behavioristas estavam começando a ser influentes, propondo novas maneiras de aprender além do condicionamento clássico.

O modo de pensar de Skinner era um pouco menos extremo que o de Watson. Skinner acreditava que possuímos mentes, mas que é simplesmente mais produtivo estudar comportamentos observáveis ​​do que eventos mentais internos.

Introdução ao behaviorismo

O behaviorismo foi o principal paradigma da psicologia entre 1920 e 1950, fundado por John Watson e baseado na crença de que comportamentos podem ser medidos, treinados e alterados. O behaviorismo poderia ser resumido com a seguinte citação de Watson, considerada o “pai” dessa corrente psicológica:

Dê-me uma dúzia de crianças saudáveis ​​e bem-educadas para que eu possa educá-las, e prometo escolher uma aleatoriamente e treiná-la para ser especialista em tudo o que eu puder escolher: médico, advogado, artista, empresário, mendigo ou ladrão, independentemente de seu talento, inclinações, tendências, aptidões, vocações e raça de seus ancestrais ”.

John Watson, Behaviorismo, 1930.

De acordo com os princípios do behaviorismo, todos os comportamentos são aprendidos no ambiente em que crescemos. Os behavioristas não acreditavam em determinações biológicas.

Além disso, eles estavam preocupados principalmente com comportamentos que podiam ser observados e acreditavam que não havia muita diferença entre o aprendizado que ocorre nos seres humanos e o que ocorre nos animais.

Como o behaviorismo começou?

O médico russo Pavlov foi o primeiro a estudar teorias sobre o behaviorismo na década de 1890. O clássico condicionamento pavloviano foi descoberto por acidente, quando ele descobriu, em um experimento sobre a digestão de seus cães, que eles salivavam quando ele entrava na sala. sem sequer trazer comida com você.

Relacionado:  Qual é a ideia norteadora? (Erros comuns)

Para resumir, o condicionamento clássico envolve um aprendizado que associa um estímulo não condicionado que, por padrão, traz uma resposta no corpo (por exemplo, um reflexo) a um novo estímulo, de modo que este último também carrega a mesma resposta.

Essa teoria foi posteriormente desenvolvida por Watson (1913), psicólogo americano que fundou a escola de psicologia comportamental, publicando um artigo chamado “Psicologia como vista por um comportamentalista”. Mais tarde, ele condicionou um garoto a temer um rato branco.

Thorndike, psicólogo e pedagogo americano, formalizou o termo “Lei do efeito” em 1905. Em 1936, Skinner, o psicólogo americano que constitui o verdadeiro foco deste artigo, publicou “O Comportamento dos Organismos” e introduziu os conceitos condicionamento operante e modelagem.

Behaviorismo segundo Burrhus Frederic Skinner

O trabalho de Skinner estava enraizado na visão do condicionamento clássico como simples demais para constituir uma explicação abrangente do comportamento humano complexo. Skinner acreditava que a melhor maneira de entender o comportamento humano era verificar as causas de uma ação e suas consequências. Ele chamou essa abordagem de “condicionamento operante”.

O condicionamento operante tem a ver com operantes: ações intencionais que afetam o meio ambiente ao nosso redor. Skinner começou a identificar os processos que tornavam a ocorrência de certos comportamentos operantes mais ou menos prováveis.

A teoria de Skinner do condicionamento operante é baseada no trabalho de Thorndike (1905). Edward Thorndike estudou o aprendizado em animais usando uma caixa de quebra-cabeças para propor a teoria conhecida como “A Lei do Efeito”.

Condicionamento operante de Skinner

Como dissemos, Skinner é considerado o pai do condicionamento operante, mas seu trabalho é baseado na lei de efeito de Thorndike. Skinner introduziu um novo termo na lei do efeito: reforço. O comportamento reforçado tende a se repetir; comportamento que não é reforçado tende a se extinguir (enfraquece).

Skinner estudou o condicionamento operante conduzindo experimentos com animais, que ele colocou em uma “caixa Skinner”, semelhante ao quebra-cabeça de Thorndike.

Skinner cunhou o termo “condicionamento operante”, que envolve a mudança de um comportamento usando reforços dados após a resposta desejada. Skinner identificou três tipos de respostas ou operadores que podem seguir o comportamento:

  • Operantes neutros. São respostas do ambiente que não aumentam nem diminuem a probabilidade de o comportamento se repetir.
  • Essas respostas aumentam a probabilidade de o comportamento se repetir. Os reforços podem ser positivos ou negativos.
  • São respostas que diminuem a probabilidade de um comportamento se repetir; punições enfraquecem a conduta em questão.

Todos nós experimentamos exemplos de comportamentos que foram afetados por reforços e punições. Quando éramos crianças, por exemplo, se conversávamos durante uma aula, o professor nos calava. Essa resposta do professor constitui uma punição que, pelo menos supostamente, deve enfraquecer o comportamento de conversar com o colega durante a aula.

Durante a adolescência, por exemplo, o uso de um determinado estilo ou marca de roupa pode ser positivamente reforçado por colegas da mesma idade através de bajulação, aceitação social ou simplesmente algum tipo de gesto. Isso reforça e aumenta a probabilidade de o comportamento de usar determinadas roupas de marca ser repetido.

Relacionado:  Misofobia: sintomas, causas, comorbidade, tratamentos

Reforço positivo

Skinner demonstrou como o reforço positivo funcionava, colocando um rato faminto em sua caixa Skinner. A caixa continha uma alavanca de um lado e o rato, enquanto se movia através da caixa, pressionou acidentalmente a alavanca. Imediatamente, um grânulo de comida caiu em um pequeno recipiente ao lado da alavanca.

Os ratos aprenderam rapidamente a ir direto para a alavanca depois de estar na caixa algumas vezes. A conseqüência de receber a comida se eles pressionassem a alavanca assegurava que eles repetissem o comportamento repetidamente.

O reforço positivo fortalece um comportamento, fornecendo uma conseqüência que o indivíduo considera recompensadora. Por exemplo, se seu professor lhe der dinheiro sempre que concluir a lição de casa, é mais provável que você repita o comportamento da lição de casa no futuro, fortalecendo esse comportamento.

Reforço negativo

A remoção de um reforço desagradável também pode fortalecer um certo comportamento. Isso é conhecido como reforço negativo, porque é a remoção de um estímulo adverso que é “recompensador” para a pessoa ou o animal. O reforço negativo fortalece o comportamento porque para ou elimina uma experiência desagradável.

Por exemplo, quando você está com dor de cabeça, toma uma aspirina para aliviá-la. O fato de a dor desaparecer é um reforçador negativo para o comportamento de tomar uma aspirina, tornando mais provável a recorrência no futuro quando você tiver dor de cabeça.

Skinner estudou como o reforço negativo funcionava, novamente, colocando um rato em sua caixa Skinner e expondo-o a uma corrente elétrica desagradável que lhe causou algum grau de desconforto. Desta vez, a alavanca na caixa fez com que a corrente elétrica parasse.

Os ratos, a princípio, pressionaram acidentalmente a alavanca, mas logo aprenderam a pressioná-la para parar a corrente elétrica. A consequência de escapar da corrente garantia que eles repetissem a ação cada vez que fossem colocados na caixa ou cada vez que sentissem eletricidade.

De fato, Skinner ensinou ratos a evitar a corrente elétrica, acendendo a luz pouco antes de a corrente elétrica aparecer. Os ratos logo aprenderam a pressionar a alavanca quando a luz acendeu, porque sabiam que isso impediria que a corrente elétrica fosse ligada.

Essas duas respostas aprendidas são conhecidas como “aprendizado de escape” e “aprendizado de prevenção”.

Punição

Punição é definida como o oposto de reforço, pois é projetada para enfraquecer ou eliminar uma resposta, em vez de aumentar sua probabilidade. É um evento aversivo que diminui o comportamento a seguir.

Assim como no reforço, a punição pode funcionar aplicando diretamente um estímulo desagradável, como choque elétrico após uma resposta, e removendo um estímulo potencialmente recompensador.

Por exemplo, deduzir dinheiro do salário de alguém para punir comportamentos indesejáveis. Note-se que nem sempre é fácil distinguir entre punições negativas e reforços.

Existem vários problemas ao usar punições, como as seguintes:

  • O comportamento punido não é esquecido, é suprimido. Esse comportamento retorna quando a punição não está presente.
  • A punição pode levar ao aumento da agressividade. Pode mostrar que a agressividade é uma maneira de lidar com problemas.
  • As punições criam um medo generalizado a comportamentos indesejáveis, por exemplo, medo de ir à escola.
  • Muitas vezes, o castigo não molda o comportamento em direção ao objetivo desejado. O reforço diz o que você deve fazer, enquanto o castigo apenas o que não fazer.

Modelagem de comportamento

Outra contribuição importante de Skinner é a noção de modelagem de comportamento por meio da abordagem sucessiva. Skinner argumenta que os princípios do condicionamento operante podem ser usados ​​para produzir comportamentos extremamente complexos se recompensas e punições forem realizadas de maneira a incentivar o organismo em questão a estar cada vez mais próximo do comportamento desejado.

Relacionado:  Potomania: sintomas, causas, consequências e tratamentos

Para que esse resultado ocorra, as condições (ou contingências) necessárias para receber a recompensa devem mudar cada vez que o corpo dá um passo para se aproximar do comportamento desejado.

Segundo Skinner, a maior parte do comportamento humano (incluindo a linguagem) pode ser explicada como um produto desse tipo de abordagem sucessiva.

Modificação comportamental

A modificação do comportamento é um conjunto de terapias ou técnicas baseadas no condicionamento operante. O princípio básico é alterar eventos ambientais relacionados a um determinado comportamento de uma pessoa. Por exemplo, reforçar os comportamentos desejados e ignorar ou punir os indesejados.

No entanto, isso não é tão simples quanto parece. Sempre reforçar um comportamento desejado, por exemplo, é basicamente subornar alguém.

Existem vários tipos de reforço positivo. O reforço primário ocorre quando uma recompensa fortalece um comportamento por si só. O reforço secundário ocorre quando algo reforça um comportamento porque leva a um reforçador primário.

Aplicações práticas educacionais

Na situação de aprendizado convencional, o condicionamento operante é aplicado a tópicos relacionados às salas de aula e ao estudo, e não ao conteúdo relacionado ao aprendizado.

Com relação à aplicação educacional da modelagem de comportamento, uma maneira simples de modelar o comportamento é fornecer feedback sobre o desempenho do aluno (por exemplo, elogios, sinais de aprovação, incentivo).

Por exemplo, se um professor quiser incentivar seus alunos a responder perguntas em sala de aula, ele deve elogiá-los em todas as tentativas, independentemente de a resposta estar correta ou não. Gradualmente, o professor só elogiará os alunos quando suas respostas estiverem corretas e, com o tempo, apenas respostas excepcionais serão elogiadas.

Comportamentos indesejados, como atrasos nas aulas e domínio das discussões em classe, podem ser extintos sendo ignorados pelo professor, em vez de reforçados, chamando a atenção do professor para esses comportamentos.

Saber que você teve sucesso também é importante, pois motiva o aprendizado futuro. No entanto, é importante variar o tipo de reforço fornecido, para que o comportamento seja mantido. Esta não é uma tarefa fácil, pois o professor pode parecer falso, se pensar demais na maneira como deve se comportar ao elogiar um aluno.

Outras aplicações práticas e avaliação crítica

O condicionamento operante pode ser usado para explicar um grande número de comportamentos, desde o processo de aprendizado até o vício e a aquisição da linguagem. Também possui aplicações práticas, como as educacionais que descrevemos anteriormente, e nas prisões, hospitais psiquiátricos e economia.

Em economia, uma aplicação bem conhecida do condicionamento operante é a economia de token, um sistema através do qual a pessoa recebe tokens logo após realizar o comportamento desejado. Os tokens são coletados e trocados por algo significativo para o indivíduo.

O uso de pesquisas com animais relacionadas ao condicionamento operante também levanta a questão de extrapolar os achados.

Alguns psicólogos argumentam que não podemos generalizar para o comportamento humano os resultados concluídos de pesquisas com animais, pois sua anatomia e fisiologia são diferentes e não podem refletir sobre suas experiências ou invocar razão, paciência e memória como seres humanos.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies