Buda (Siddharta Gautama): biografia, ensinamentos e influências

Siddharta Gautama (c. 563/480 aC – c. 483/400 aC), conhecido como Buda Gautama, era um monge, sábio e filósofo do norte da Índia. O budismo, uma das religiões mais populares da Ásia e com milhões de seguidores em todo o mundo, é baseado em seus ensinamentos.

É notável que, de acordo com a tradição, não seja o primeiro, nem será o último Buda a viver na terra. O conceito de “Buda” foi usado por muitas religiões da região, mas o significado mais popular até o momento era “aquele que alcançou a iluminação”.

Buda (Siddharta Gautama): biografia, ensinamentos e influências 1

Buda Gautama, por HG Wells [Domínio público] via Wikimedia Commons

Gautama mostrou o que chamou de “caminho do meio”, que consiste em um equilíbrio entre o ascetismo, que era o método mais popular na busca da iluminação espiritual e o hedonismo da vida comum.

Alguns dos ensinamentos fundamentais que Siddharta Gautama legou a seus seguidores e que ainda permanecem como base do budismo foram os das quatro nobres verdades, também o nobre caminho óctuplo e, finalmente, a origem dependente.

O que se sabe sobre sua vida?

Os dados sobre a vida de Buda são relativamente obscuros, pois existem várias fontes que às vezes se contradizem. O primeiro texto sobre a vida de Siddharta Gautama é o poema Budacarita , escrito no século II. Mas desde então muitas versões foram narradas.

Acredita-se que Buddha Siddharta Gautama nasceu no sul do Nepal, perto da nascente do rio Ganges. Ele era um membro da casta chatria, que serviu como guerreiros e controlou o poder político da região.

Seus pais eram Sudoana, o líder do Sakia, e Mayadeví, comumente conhecido como Maya. O príncipe Siddharta deve, de acordo com a tradição da família, seguir os passos de seu pai como governante e militar.

A mãe teve um sonho no momento da concepção, no qual um elefante de seis presas entrava ao seu lado. Quando a data de nascimento se aproximava, ele foi à casa de seu pai, mas o menino nasceu na estrada, debaixo de uma sala de árvore, no jardim Lumbini.

Primeiros anos

Pouco tempo depois, Maya morreu e, quando Sudoana realizou a cerimônia para nomear a criança, eles fizeram uma profecia na qual alegavam que Siddharta se tornaria um grande rei ou santo.

Seu pai queria que o garoto o emulasse. Para impedi-lo de se tornar um ser iluminado, ele o manteve protegido de todos os males, como doenças, pobreza, velhice ou morte. Ele também não forneceu educação religiosa durante seus primeiros anos.

Aos 16 anos, casou-se com um primo de sua idade chamado Yasodharā e eles tiveram um filho, chamado Rahula. Apesar de estar cercado por todos os confortos, Siddharta queria conhecer seus súditos e deixou o palácio.

Essa reunião também havia sido planejada por Sudoana, mas Siddharta no caminho viu um homem velho, depois viu um homem doente, um cadáver e um homem pobre. Esse episódio é conhecido como as quatro reuniões. Depois deles, o príncipe renunciou à sua posição e tornou-se ascético.

Vida após as quatro reuniões

Depois de abandonar sua vida no palácio, Siddharta aprendeu práticas de meditação e ioga. No entanto, ele não conseguiu encontrar o caminho para a libertação. Então, ele decidiu que deveria ser mais rígido quanto à austeridade de sua vida, uma prática na qual quatro homens a seguiram.

Siddharta Gautama mal comeu comida e, consequentemente, mal teve força. Então ele percebeu que o caminho para a iluminação deveria ser um caminho do meio, pois os extremos eram prejudiciais.

Dessa maneira, ele entendeu que deveria seguir o nobre caminho óctuplo . Então ele se sentou embaixo da bodhi, uma árvore sagrada, e garantiu que não iria subir até encontrar a verdade. Ele ficou lá por 49 dias até chegar ao estado conhecido como “iluminação” e acordar do sonho da ignorância.

Naquele momento, as quatro nobres verdades lhe foram reveladas e ele se tornou um Buda. Então Siddharta Gautama tinha aproximadamente 35 anos.

Então o Buda se dedicou a viajar pelo Ganges ensinando o dharma, o conjunto de seus ensinamentos. Quando ele tinha 80 anos, anunciou que chegaria ao paranirvana, isto é, deixaria seu corpo terrestre, para terminar o ciclo de morte e reencarnação.

Biografia

Concepção

O pai de Siddharta Gautama era o rei Sudoana, que governava o Sakia. Há versões nas quais se diz que seu mandato foi concedido por aclamação popular das confederações e outras que afirmam que foi um reinado tradicional que foi transferido de pai para filho.

Supõe-se que a família Gautama descende de Gótama Rishi, um dos homens sábios que criaram os mantras dos antigos textos indianos conhecidos como Vedas, nos quais a religião da época era baseada.

Sua mãe, Mayadeví, que costuma ser chamada simplesmente de Maya, era uma princesa dos koli, filha do rei Añjana.

Na noite da concepção do filho de Sudoana e Maya, ela teve um sonho em que um elefante branco com seis presas entrou em seu lado direito.

Nascimento

A tradição indicava que Maya deveria dar à luz na casa de seu pai, então ela partiu para o reino de Añjana. No entanto, a meio caminho entre as terras do marido e do pai, no jardim de Lumbini, a criança nasceu debaixo de uma árvore.

Alega-se que Siddharta surgiu debaixo do braço direito de sua mãe; Além disso, eu deveria andar e conversar assim que nascesse. Também garante que em seu caminho surgiram flores de lótus e que a criança disse que essa seria sua última reencarnação.

Buda (Siddharta Gautama): biografia, ensinamentos e influências 2

Baby Buddha, por Adam Jones de Kelowna, BC, Canadá [CC BY-SA 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)] via Wikimedia Commons

A data do nascimento do Buda é comemorada em muitos países, especialmente no leste da Ásia. Apesar disso, não há data fixa para esta celebração, mas gira todos os anos, pois é ditada pelo calendário lunar e varia de acordo com a área.

Geralmente está localizado entre abril e maio e, às vezes, é comemorado em junho.

Primeiros anos

Profecia

A data da morte de Maya é contradita nas fontes que existem sobre a vida de Siddharta Gautama. Alguns dizem que ele morreu na mesma época do nascimento de seu filho e outros morreram uma semana depois.

Após o nascimento do jovem príncipe, um eremita chamado Asita, que era muito respeitado pelos Sakias, desceu da montanha onde morava para conhecer o menino. Foi um evento extraordinário, pois se diz que ele passou anos sem ser visto por ninguém.

Depois de examinar as marcas de nascimento do bebê, Asita fez uma profecia na qual afirmava que se tornaria um grande rei ou um líder religioso supremo.

Cinco dias após o nascimento, foi realizada a cerimônia de imposição do nome para o príncipe. Siddharta foi escolhido por Sudoana para seu filho, o significado disso é “quem alcança seu objetivo”.

O rei convidou oito brâmanes para fazer previsões sobre o que esperava seu filho pequeno. Todos concordavam com o que Asita havia expressado, isto é, que Siddharta seria um grande rei ou santo, exceto Kaundinya, que disse que o menino se tornaria um Buda.

Infância

Após a morte de sua mãe, Siddharta passou a cuidar de sua tia materna chamada Mahapajapati Gotami. Ela também era madrasta da criança, pois depois que Maya faleceu, casou-se com o rei Sudoana.

Dizem que em uma ocasião eles deixaram a criança desacompanhada durante uma celebração. Então o encontraram sentado meditando sob uma árvore que, para impedir que o sol o prejudicasse, paralisou todas as suas folhas e deu abrigo a Siddharta.

Do casamento de Sudoana e Mahapajapati, nasceram dois filhos, uma menina e um menino: Sundari e Nanda, respectivamente.

Seu pai não queria que o jovem príncipe Siddharta se tornasse um santo, mas um homem de estado como ele. Por isso, ele construiu três castelos nos quais o garoto encontrava à sua disposição todos os confortos e prazeres possíveis.

Além disso, Sudoana impediu que o garoto fosse instruído em assuntos religiosos para evitar o desenvolvimento dessa inclinação em Siddharta. Ele também proibiu o sofrimento de ser mostrado, por isso não conhecia a vida real, mas um tipo de paraíso ficcional cheio de beleza, juventude e saúde.

Juventude

Quando Siddharta Gautama completou 16 anos, o rei Sudoana arranjou um casamento com uma menina da mesma idade, que era prima do menino em sua família materna. A jovem princesa se chamava Yasodharā.

Pensa-se que o casal permaneceu junto até Siddharta completar 29 anos, que foi quando ele desistiu de sua vida palaciana. Antes disso, ele teve um filho com Yasodharā, que foi batizado como Rahula.

Embora estivesse cercado de beleza, juventude, conforto e abundância durante os primeiros anos de sua vida, Siddharta não conseguiu ser totalmente feliz, pois pensava que a riqueza não era o objetivo da vida.

Os quatro encontros

Aos 29 anos, a curiosidade sobre o mundo exterior atacou Siddharta e pediu ao pai que deixasse o palácio para conhecer seus súditos e o reino que, de acordo com o planejado, ele teria que governar.

Sudoana preparou cuidadosamente a jornada do príncipe. Ele ordenou que as ruas fossem arrumadas e que todos os doentes, pobres e idosos fossem removidos da estrada, para que Siddharta encontrasse um ambiente semelhante ao do palácio do lado de fora.

No entanto, um homem velho conseguiu abordar o encontro entre o príncipe e o povo. No momento em que Siddharta viu aquele homem, ele perguntou a Chana, que estava carregando a carruagem, qual era a aparência daquela pessoa.

Então o cocheiro explicou ao príncipe que era a velhice e que, com o passar do tempo, todos envelheciam e pareciam assim.

Siddharta e Chana continuaram uma jornada na qual encontraram uma pessoa doente, um cadáver e um asceta. Esses eventos foram conhecidos como as quatro reuniões e, a partir deles, Siddharta decidiu que deveria encontrar o caminho para romper a cadeia de sofrimento da vida.

A grande resignação

Depois de retornar ao palácio, Siddharta sabia que não poderia continuar cercado por prazeres mundanos sem se preocupar com os males que afetavam a humanidade. Então ele pediu ao pai para permitir que ele se retirasse para a floresta.

Buda (Siddharta Gautama): biografia, ensinamentos e influências 3

Partida de Siddharta Gautama, por Abanindranath Tagore [Domínio público], via Wikimedia Commons

Sudoana recusou e disse que ele lhe daria qualquer coisa se ela permanecesse ao lado dele e assumisse o reino quando apropriado. Siddharta respondeu que se ele nunca crescesse, adoecesse ou morresse, ele concordaria em ficar e seu pai lhe disse que isso não era possível.

Antes de partir, o príncipe visitou os quartos de sua esposa, que dormia pacificamente junto com a pequena Rahula; e vendo-os tão desamparados, ele sabia que devia tentar encontrar uma maneira de parar o ciclo infinito de vidas e mortes para libertá-los do sofrimento.

Há outra versão que indica que Rahula foi concebido naquela noite e nasceu seis anos depois, quando Siddharta se tornou o Buda.

Então o ato conhecido como a grande renúncia ocorreu: Siddharta deixou o palácio junto com Chana e Kantaka, seu cavalo. A história afirma que os deuses silenciaram seus passos e os do animal para permitir que ele saísse sem ser visto por ninguém.

Siddharta deixou a capital de seu reino, Kapilavastu, e foi para a floresta. Lá, ele cortou o cabelo, tirou as roupas elegantes e vestiu as de um mendigo. A partir desse momento, ele se tornou ascético.

Pesquisar

Enquanto estava em Rajagaha, a identidade de Siddharta foi descoberta pelos homens do rei Bimbisara, que ao saber que o príncipe havia abandonado tudo para buscar a iluminação, ofereceram seu reino.

Siddharta não aceitou a oferta de Bimbisara, mas prometeu que Magadha, seu reino, seria o primeiro a visitar uma vez que atingisse seu objetivo. Então ele seguiu seu caminho em busca da verdade. Para conseguir isso, ele se juntou aos sábios que ensinavam meditação através de práticas como o yoga.

O primeiro foi Araba Kalama, que ao ver que Siddharta tinha sido um grande aluno, pediu que ele assumisse seu lugar e, novamente, Siddharta recusou. Mais tarde, ele estudou com Udaka Ramaputta, que também pediu para substituí-lo e que ele mais uma vez rejeitou.

Então, Siddharta pensou que o caminho para alcançar a iluminação era o ascetismo extremo, que o privava de todos os prazeres e itens materiais, entre os quais a comida. Ele e quatro ascetas que o seguiram ingeriam apenas uma folha ou uma pequena noz diariamente.

Isso enfraqueceu o estado de saúde de Siddharta e seus seguidores a tal ponto que ele não tinha forças para realizar as atividades mais básicas.

O despertar

Depois de quase se afogar em um rio enquanto tomava banho, Siddharta entendeu que a vida de extrema mortificação não o levaria a alcançar seu objetivo, que era alcançar a união entre o indivíduo e o universo.

Ele descobriu dessa maneira que deveria seguir o caminho do meio entre austeridade e abundância. Ele também entendeu que o conhecimento que ele pretendia encontrar não o encontraria fora, mas apenas em si mesmo.

Outra fonte afirma que essa verdade foi entendida ouvindo uma conversa na qual o professor explicou ao aluno que, para tocar cítara, um instrumento semelhante a um violão, as cordas não deveriam ser muito soltas, porque não soariam nem muito tensas. porque eles iriam quebrar

Para levar essa vida de moderação, Siddharta Gautama sabia que deveria seguir o caminho do nobre caminho óctuplo, que compreende três grandes categorias: sabedoria, comportamento ético e treinamento da mente.

Então ele ficou 49 dias debaixo da árvore bodhi, em Bodh Gaya. Os ascetas que o acompanharam deixaram de confiar em sua busca porque a considerava indisciplinada.

Buddha

Mara, o deus do desejo, decidiu tentá-lo, mas como isso era impossível, ele o atacou com diferentes elementos, como vento, pedras, fogo e chuva. No entanto, nada conseguiu atrapalhar a busca de Siddharta.

Depois que Siddharta pôs a mão no chão para perguntar à deusa da terra se era seu direito sentar-se debaixo da árvore e ela respondeu afirmativamente, Mara desapareceu.

Naquela época, Siddharta Gautama começou a se lembrar de todas as suas vidas passadas e sabia que havia deixado de ser ele e se tornara o Buda.

Primeiro sanga

Depois que o Buda entendeu as causas do sofrimento, as quatro nobres verdades e a origem dependente, ele não sabia se deveria ensinar o que havia aprendido ao resto do mundo. Então, Deus Brahma disse a ele que alguns humanos entenderiam sua descoberta e Buda concordou em compartilhá-la.

Buda (Siddharta Gautama): biografia, ensinamentos e influências 4

O Buda ensina dharma, por ก ฤ ษ ณะ สุริยกานต์ [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)] via Wikimedia Commons

Primeiro, ele queria encontrar seus primeiros professores, mas eles haviam morrido naquele momento. Então Gautama tinha 35 anos. Então ele se aproximou de seus antigos companheiros, os ascetas, mas eles foram indiferentes a princípio pelo fato de Gautama ter alcançado a iluminação.

Apesar disso, eles foram os primeiros a ouvir o dharma do Buda. Ele revelou todo o conhecimento que adquiriu e que o guiou à iluminação. Eles entenderam e se tornaram arjat , ou seja, eles iriam para o nirvana após a morte.

Esses homens também foram os primeiros membros da sanga , que é o nome dado à comunidade budista, ao se tornar monges.

Após a conversão do asceta, a fama do sanga cresceu rapidamente. Aos 5 meses, o número de membros ultrapassou 50 monges. Depois que eles se juntaram a três irmãos chamados Kassapa, havia 200 membros da sanga . Tempo depois, Buda tinha 1000 seguidores.

Mestre de Buda

Desde então, o Buddha Gautama foi dedicado a viajar para as margens do rio Ganges; e para onde ele foi, ele ensinou dharma àqueles que estavam interessados, independentemente de sua casta ou costumes. Acredita-se que ele mostrou o caminho da iluminação igualmente para servos e príncipes, canibais e assassinos.

A única época do ano em que a Sangha não estava viajando foi na estação das chuvas, quando se retiraram para mosteiros ou locais públicos onde os interessados ​​em aprender sobre o dharma se aproximaram deles.

Buda cumpriu sua promessa com o rei Bimbisara e foi para Magadha. Acredita-se que ele permaneceu por quase um ano em um mosteiro na capital do reino, Rajagaha. Naquela época, Sudoana soube que seu filho estava lá e enviou 10 delegações para pedir que ele voltasse a Kapilavastu.

No entanto, os homens enviaram as primeiras 9 vezes, em vez de dar a mensagem a Buda, juntaram-se à sanga . A última delegação, encarregada de Kaludayi, contou a Gautama os desejos de seu pai.

Então, Buddha Gautama decidiu viajar para o reino de seu pai. Ele se moveu a pé e, como sempre, estava espalhando, junto com os monges de sua sanga , os ensinamentos do dharma ao longo de sua jornada.

Retornar para Kapilavastu

Dizem que durante o almoço os membros do Sanga pediram esmolas no palácio, uma situação que incomodava Sudoana, já que guerreiros como ele não deveriam implorar. Buda respondeu que sua linhagem de pessoas iluminadas pedia esmolas por um longo tempo.

Lá, o Buda Gautama e Sudoana conversaram e o primeiro mostrou os ensinamentos do dharma ao rei. Vários nobres decidiram se juntar à sanga , incluindo primos do Buda e seu meio-irmão, Nanda.

Antes de Suodana morrer, o Buda foi visitá-lo no leito de morte e falou com o pai mais uma vez, após o que ele se tornou um arjat .

A mãe adotiva de Gautama pediu que ela desejasse tornar-se freira da sanga , mas o Buda não tinha certeza de que isso deveria ser permitido. No entanto, ela e outras mulheres nobres, como a filha, embarcaram na iluminação e viajaram junto com a sanga para Rajagaha.

Eventualmente, o Buda concordou em permitir a ordenação de mulheres, uma vez que elas tinham a mesma capacidade de despertar do sonho da ignorância que os homens, mas facilitou o Vinaya com regras especialmente criadas para elas.

Paranavana

Segundo uma fonte, Buddha Gautama disse que, se quisesse, poderia aumentar a duração de sua vida para uma era completa. Mas Maya apareceu mais uma vez para ele e lhe disse que ele deveria cumprir sua promessa de seguir para o nirvana quando terminasse de ensinar o que havia aprendido.

Buda (Siddharta Gautama): biografia, ensinamentos e influências 5

Morte do Buda, por KarlHeinrich [Domínio público], via Wikimedia Commons

Quando o Buda tinha cerca de 80 anos, ele informou seus seguidores que em breve entraria no paranirvana, que é o último estado do nirvana, ou o fim da mortalidade. Quando chegasse a esse estado, ele finalmente se separaria de seu corpo terreno.

A última comida que ele comeu foi uma oferta de Cunda, um ferreiro. Embora não haja certeza do que foi a última refeição do Buda, algumas fontes dizem que era carne de porco. O próprio Gautama disse que sua morte não tinha nada a ver com comida.

O local escolhido pelo Buda para se tornar um com o universo foi a floresta Kusinara. Ele estava deitado do lado direito entre duas árvores que floresciam instantaneamente. Ele ordenou que um de seus servos se afastasse para que os deuses pudessem ver sua passagem para o paranirvana.

Ele deixou instruções para o funeral, bem como peregrinações nos lugares mais importantes de sua vida. Ele explicou que quando deixasse o corpo, eles deveriam seguir as instruções do dharma e do Vinaya .

Buddha Gautama perguntou a seus discípulos se alguém tinha uma pergunta e ninguém respondeu, ele perguntou novamente três vezes e quando viu que ninguém tinha dúvida, ele entrou em um estado de meditação e entrou em paranirvana.

Ensinamentos

O caminho do meio

Nos ensinamentos de Buda, uma das bases fundamentais é o não-extremismo. Isso se refere ao caminho a percorrer enquanto a iluminação é buscada. Essa teoria estava presente em seu pensamento desde seu primeiro discurso em Sarnath.

O que foi proposto por Buddha Gautama como meio caminho foi interpretado de várias maneiras, dependendo das diferentes escolas filosóficas da religião.

Para alguns, consiste em não seguir o ascetismo extremo, isto é, a privação dos confortos do mundo, nem a mortificação excessiva; mas também não apreciam muito os prazeres. Isso ocorre porque nenhuma direção pode permitir que a clareza mental acorde.

Outros consideraram que é o ponto médio entre existência e vazio, como um conceito de metafísica. Refere-se a saber se os fenômenos estão realmente em um plano tangível ou se são de outra forma parte do nada.

Quatro nobres verdades

Desde o primeiro discurso de Buda Gautama, o Dhammacakkappavattana Sutra , as quatro nobres verdades foram introduzidas. Naquela ocasião, o dharma foi explicado pela primeira vez após o despertar do Buda.

Os textos budistas são chamados de sutras. Neles são usadas as quatro nobres verdades de duplo propósito. A primeira é ilustrar a rota de Gautama para sua ascensão a Buda, mas também é uma maneira de mostrar às pessoas o que elas devem fazer para romper o círculo do materialismo.

Para algumas escolas de budismo, simplesmente conhecer a existência das quatro nobres verdades traz libertação. Enquanto isso, para outras tradições, elas não são tão relevantes quanto outros aspectos da doutrina budista, como a compaixão.

1- Dukha

“Essa é a dor.” A vida, por não ser perfeita, traz sofrimento e insatisfação. É uma verdade que se aplica universalmente. Até as experiências que causam prazer tornam-se dor, pois são temporárias.

“Nascimento é sofrimento, velhice é sofrimento, doença é sofrimento, morte é sofrimento, viver com o indesejável é sofrimento, separar-se do desejável é sofrer, não obter o que é desejado é sofrer. Tudo envolve sofrimento, existência e suas partes estão sofrendo. ”

De acordo com os sutras, todos os estágios da vida envolvem sofrimento, assim como as várias situações em que uma pessoa pode ser encontrada. Ou seja, a vida é um estado de dor absoluta.

2- Samudaya

“Esta é a origem da dor.” A dor vem da mesma natureza humana, pois nasce das paixões e escolhas que cada indivíduo faz.

“A origem do sofrimento é o desejo que leva ao renascimento, é acompanhada de deleite e luxúria, buscando prazer em toda parte”.

Ou seja, o homem através de seus desejos e apegos só pode encontrar sofrimento e perpetuar o ciclo do samsara , ou renascimento, o que torna o estado de insatisfação um fardo perpétuo.

3- Nirodha

“Este é o fim da dor.” Se alguém é capaz de se livrar de seus desejos e apegos, então encontrará o fim da dor de acordo. O comportamento adequado deve ser analisado para identificar quais elementos devem ser excluídos.

“A supressão da dor é possível eliminando nosso desejo, libertando-nos do desejo – apego, abandonando-o para sempre, não dando-lhe as boas-vindas”.

Assim, o fim do sofrimento é alcançado quando o ser humano é capaz de conhecer seus desejos e eliminá-los completamente. Esta é a única maneira de alcançar um estado de satisfação, pois enquanto houver um desejo, haverá dor presente.

4- Magga

“O caminho que leva à cessação da dor.” Nesta verdade, Buda Gautama mostrou qual era o caminho a ser seguido para alcançar a iluminação e a cessação do sofrimento. É o ponto de partida daqueles que buscam o fim da dor e a síntese dos preceitos budistas.

“Este é o nobre caminho óctuplo, consiste na intenção correta, na visão certa, na palavra certa, na ação certa, na ocupação certa, no esforço certo, na atenção correta e na concentração correta”.

Todo mundo que quer seguir o dharma deve começar a aplicar esses oito princípios em sua vida. Após essas declarações, qualquer um pode se tornar um Buda, de acordo com as palavras de Gautama.

Buda (Siddharta Gautama): biografia, ensinamentos e influências 6

Gautama Buddha, de Mistvan [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)], via Wikimedia Commons

O nobre caminho óctuplo

Para alcançar o nirvana, você deve seguir o nobre caminho óctuplo, cujas diretrizes explicam o Buda Gautama, representado na roda do dharma. Através desse conhecimento, uma pessoa pode se libertar de seu sofrimento.

Esse caminho é dividido em três grandes categorias: sabedoria, comportamento ético e treinamento da mente.

Sabedoria ( lenço )

1- Visão correta

Também conhecido como “entendimento” correto. Este ponto refere-se ao fato de que as ações têm consequências que não terminam com a morte, mas também afetam o seguinte através do karma.

Para ter uma visão correta, confusão, mal-entendidos e pensamentos que não têm propósito devem ser eliminados. Para algumas escolas budistas, isso significa entender que não existem dogmas ou conceitos rígidos; portanto, você deve descartar seus próprios pontos de vista.

2- Pensamento correto

Esse elemento também é conhecido como determinação correta. Ocorre quando quem busca a iluminação decide deixar para trás sua vida terrena, seu lar e o que o liga a seus preconceitos.

Isso pode ser exemplificado pela grande renúncia que Siddharta Gautama fez quando abandonou sua família, seu título e seu reino para tentar acordar do sonho da ignorância e quebrar a cadeia do sofrimento.

O renunciante deve deixar para trás os prazeres do mundo e a má vontade. Você também deve considerar que nada é permanente. Consequentemente, tudo é uma fonte de sofrimento para as pessoas.

Comportamento ético ( sila )

3- Palavra correta

Nesse ponto, são explicadas quatro coisas que não devem ser feitas para encontrar a iluminação: abster-se de mentir, professar difamação ou divisão, cometer abuso ou desrespeito e cair em frivolidades.

Consequentemente, o discurso correto contém a verdade, enquanto é afetiva e persegue o objetivo de encontrar o dharma. Segundo Buda Gautama, algo que não foi benéfico nunca deve ser dito. No entanto, o que era verdadeiro e bom deveria ser dito se era ou não bem-vindo.

4 – Ação correta

Da mesma maneira que na palavra correta as diretrizes são marcadas sobre o que não deve ser dito, este ponto mostra o que não deve ser feito se você deseja alcançar o nirvana.

A primeira ação que não deve ser cometida é assassinato. Isso para os budistas se aplica a todos os seres vivos e não apenas aos seres humanos. As plantas são excluídas disso porque são consideradas como não sentidas.

Depois, há a abstenção de roubo. Você deve pegar apenas algo que é oferecido diretamente por seu dono, pois, de qualquer outra forma, o karma do qual o objeto é recebido será afetado e não poderá ser liberado.

Finalmente, as pessoas são instadas a abster-se de comportamento sexual incorreto. Em geral, esse preceito refere-se a não manter relacionamentos com alguém que não é o marido do indivíduo. No entanto, para os monges budistas, esse ponto se refere ao celibato estrito.

5- Ocupação correta

Também conhecido como o modo de vida certo. É explicado que o praticante do budismo não pode se dedicar a profissões que possam prejudicar outros seres vivos de qualquer maneira.

No caso dos monges, eles devem viver de esmolas, mas nunca devem aceitar mais do que o necessário. Para indivíduos comuns, isso implica que eles não podem participar de negócios como o comércio de armas, seres vivos, carne, bebidas alcoólicas ou veneno.

Nem devem ganhar dinheiro com meios incorretos, como roubo, trapaça, corrupção ou fraude.

Treinamento da mente ( samadhi )

6- Esforço correto

Consiste em quatro arestas principais que são para evitar estados mentais ruins e não saudáveis ​​que não surgiram, destruir os estados mentais não saudáveis ​​que já existem, gerar novos estados mentais saudáveis ​​e manter aqueles que já existem.

7- Atenção correta

Trata-se de manter a mente no presente para que ela possa estar atenta aos fenômenos que a cercam, ao mesmo tempo em que expulsa de seu pensamento os desejos que alteram a calma e causam sofrimento.

8- concentração correta

Este último princípio refere-se à meditação e é explicado pelos jhanas . O primeiro é distanciar-se da sensualidade e da perturbação para alcançar êxtase e felicidade, acompanhadas de pensamentos.

No segundo passo, o pensamento discursivo e verbal é suprimido para tranquilizar a mente. Então você entra no terceiro estado que consiste em uma absorção contemplativa.

No estado final, a contemplação é alcançada com pura equanimidade. Nesta etapa, você não sente prazer ou dor.

Influência

No mundo oriental

Embora Buda Gautama não seja considerado um deus, ele é reconhecido como o fundador do budismo. Essa é uma das religiões mais praticadas no mundo oriental, e suas doutrinas permeiam outras, como a religião tradicional chinesa, o confucionismo ou o zen.

No norte da Índia, o budismo se tornou popular desde que eliminou castas. Assim, aqueles que pertenciam aos estratos mais baixos da religião hindu preferiram se converter ao budismo e encontrar um novo modo de vida.

O Camboja é o país com a maior proporção de budistas entre seus habitantes, já que 96,90% da população professa essa religião. É seguido pela Tailândia com 93,20% e Mianmar com 87,90%. Apesar disso, a China é o país que abriga o maior número de praticantes de budismo, com 244.130.000.

No Tibete, havia uma teocracia governada pelo Dalai Lama, até 1950, quando a China invadiu seu território. Atualmente, essa figura cumpre apenas funções espirituais, sendo equivalente ao papa católico na religião budista tibetana.

O Dalai Lama é considerado uma reencarnação do Avalokiteśvara, que é um Bodhisattva protetor do Tibete. O termo se traduz como “alguém que se dirige à iluminação”.

No mundo ocidental

Nos Estados Unidos da América, o budismo tem um grande número de crentes. O número é de 3,8 milhões de pessoas. Além disso, a religião budista e a vida de Gautama são objetos de estudo em algumas universidades. Em outros países ocidentais, essa influência também é bastante significativa.

No entanto, não foi até o final de 1800, quando os ocidentais começaram a se interessar em entender o budismo. O crescimento populacional dos budistas na América e na Europa ocorreu durante os séculos XIX e XX, em grande parte devido à migração asiática.

A figura de Buddha Gautama apareceu em filmes como Little Buddha (1994), de Bernardo Bertolucci, documentário chamado The Buddha (2010), narrado por Richard Gere. Também no romance Siddharta (1922), de Hermann Hesse.

As representações do Buda Gautama são frequentemente confundidas com as de Budai, um monge chinês gordo que carregava um saco a reboque. No entanto, embora alguns sugiram que Budai possa ser a encarnação de Matreiya, ele não tem relação direta com Gautama.

Referências

  1. In.wikipedia.org. (2019).Gautama Buddha . [online] Disponível em: en.wikipedia.org [Acessado em 10 de maio de 2019].
  2. Editores da History.com (2017).Budismo – redes de televisão de A&E . [online] HISTÓRIA. Disponível em: history.com [Acessado em 10 de maio de 2019].
  3. Sharma, A. (2016).Perfil de vida e biografia de Buda . Diamond Pocket Books
  4. Schober, J. (2002).Biografia sagrada nas tradições budistas do sul e sudeste da Ásia . Delhi: Motilal Banarsidass.
  5. Lopez, D. (2019).Buda Biografia e fatos . [online] Enciclopédia Britânica. Disponível em: britannica.com [acessado em 10 de maio de 2019].

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies