Canguru: características, habitat, reprodução, alimentação

Os cangurus são mamíferos marsupiais que habitam principalmente a Austrália. Eles são conhecidos por sua incrível capacidade de saltar grandes distâncias, graças às suas patas traseiras fortes e musculosas. Os cangurus têm uma bolsa abdominal onde as fêmeas carregam e alimentam seus filhotes, que nascem prematuros e completam seu desenvolvimento dentro da bolsa. Sua dieta é predominantemente herbívora, alimentando-se principalmente de grama, folhas e frutas. Os cangurus são animais sociais, vivendo em grupos chamados de “tropas” e são conhecidos por sua agilidade e velocidade. Eles são símbolos da fauna australiana e são protegidos por leis de conservação devido à ameaça de extinção de algumas espécies.

Onde vivem os cangurus?

Os cangurus são animais marsupiais conhecidos pela sua habilidade de saltar longas distâncias. Eles são encontrados principalmente na Austrália, país onde são considerados um símbolo nacional. Os cangurus habitam uma variedade de habitats, desde florestas até planícies abertas, sendo mais comuns em áreas arborizadas e gramadas.

Esses animais possuem características distintas, como patas traseiras fortes, cauda longa e o famoso marsúpio, uma bolsa abdominal onde as fêmeas carregam e alimentam seus filhotes. Os cangurus se reproduzem de forma rápida e eficiente, com as fêmeas sendo capazes de gerar até três filhotes por ano.

Quanto à alimentação, os cangurus são herbívoros, se alimentando principalmente de grama, folhas e brotos. Sua dieta é rica em fibras e nutrientes essenciais para sua sobrevivência.

Sua reprodução eficiente e sua dieta herbívora são características marcantes desses marsupiais.

Como ocorre a reprodução dos cangurus na natureza?

Os cangurus são mamíferos marsupiais que habitam principalmente a Austrália. Eles possuem características únicas, como pernas traseiras fortes, cauda longa e o hábito de saltar grandes distâncias. Além disso, os cangurus são animais herbívoros, se alimentando principalmente de grama, folhas e frutas.

Quando se trata da reprodução dos cangurus, o processo é bastante interessante. As fêmeas têm um período de gestação curto, que dura cerca de 30 a 36 dias. Após o nascimento, o filhote, chamado de “joey”, é extremamente pequeno e subdesenvolvido. Ele rasteja até a bolsa abdominal da mãe, onde irá completar seu desenvolvimento.

Dentro da bolsa, o joey se prende a uma das mamas da mãe e passa várias semanas se alimentando do leite materno. Conforme vai crescendo, ele começa a sair da bolsa e explorar o mundo ao redor, sempre voltando para se alimentar e se proteger. Esse processo de crescimento e desenvolvimento dentro da bolsa é fundamental para a sobrevivência dos filhotes de canguru.

Com o passar do tempo, o joey vai se tornando mais independente e, eventualmente, deixa a bolsa da mãe para explorar o ambiente. A reprodução dos cangurus é um exemplo fascinante de adaptação ao ambiente e de cuidado materno, garantindo a sobrevivência da espécie.

Saiba mais sobre a dieta do canguru e seus alimentos preferidos na natureza.

O canguru é um animal marsupial que pode ser encontrado principalmente na Austrália. Eles são conhecidos por sua habilidade de saltar longas distâncias e por carregar seus filhotes em uma bolsa abdominal. Os cangurus vivem em grupos chamados de “tropas” e são herbívoros, se alimentando principalmente de plantas.

Na natureza, os cangurus preferem se alimentar de gramíneas, folhas, brotos e frutas. Eles possuem um sistema digestivo especializado que lhes permite extrair nutrientes das plantas de forma eficiente. Além disso, os cangurus conseguem sobreviver em ambientes áridos, pois são capazes de extrair água das plantas que consomem.

Em relação à reprodução, os cangurus têm um sistema de reprodução único. As fêmeas possuem uma bolsa abdominal onde carregam seus filhotes, que completam seu desenvolvimento lá dentro. Os filhotes nascem muito pequenos e precisam se desenvolver dentro da bolsa da mãe, onde também se alimentam de leite materno.

Os cangurus são animais adaptados ao ambiente australiano, sendo encontrados em diversos habitats, desde florestas até áreas áridas. Sua dieta variada e sua capacidade de extrair água das plantas os tornam animais muito bem adaptados às condições do seu habitat natural.

De onde surgiu o canguru: descubra a origem desse marsupial australiano fascinante.

O canguru é um animal icônico da Austrália, conhecido por sua habilidade de saltar longas distâncias. Mas de onde surgiu esse marsupial fascinante? Acredita-se que os ancestrais dos cangurus tenham surgido na região da Austrália há milhões de anos, evoluindo para as diversas espécies que conhecemos hoje.

Características do canguru

O canguru é um mamífero que pertence à ordem dos marsupiais. Eles possuem pernas fortes e musculosas, cauda longa e orelhas grandes. Sua pelagem pode variar de cor, sendo geralmente acinzentada ou marrom. Os cangurus também possuem uma bolsa abdominal, onde as fêmeas carregam e alimentam seus filhotes.

Habitat e alimentação

Os cangurus são encontrados principalmente na Austrália, habitando áreas de savanas, florestas e matagais. Eles são herbívoros, se alimentando principalmente de gramíneas, folhas e arbustos. Sua dieta é rica em fibras e nutrientes, o que os ajuda a se manterem saudáveis e fortes.

Reprodução

A reprodução dos cangurus é única, pois as fêmeas possuem uma bolsa onde os filhotes se desenvolvem após o nascimento. O período de gestação é curto, e os filhotes nascem em um estágio muito prematuro, completando seu desenvolvimento dentro da bolsa da mãe. É um processo fascinante que demonstra a incrível adaptação dos cangurus ao seu ambiente.

Sua origem remonta a milhões de anos, e sua evolução é um testemunho da diversidade e adaptabilidade da vida selvagem.

Canguru: características, habitat, reprodução, alimentação

O canguru é um marsupial que pertence à família Macropodidae. Entre suas características distintivas estão a cauda longa e poderosa, usada como membro adicional, e a disparidade no desenvolvimento de suas pernas. Os traseiros são grandes e fortes, enquanto os da frente são menores.

Relacionado:  Flora e fauna de Hidalgo: espécies mais importantes

Outra característica que identifica é que as fêmeas têm uma bolsa de pele na região abdominal, conhecida como marsupium. Nisso, o bebê recém-nascido completa seu desenvolvimento pós-natal.

Canguru: características, habitat, reprodução, alimentação 1

Canguru Fonte: pixabay.com

Geralmente, o termo canguru é usado para descrever as maiores espécies da família, como o canguru cinza oriental e o canguru vermelho. Os menores são chamados de canguru, um dos representantes desse grupo sendo o canguru preto.

O meio de locomoção deste mamífero é o salto, para o qual utiliza a musculatura forte que forma seus poderosos membros posteriores. Quando o animal viaja a uma velocidade mais lenta, ele usa locomoção pentapedal. Nisso, a cauda funciona como uma quinta perna, contribuindo para o movimento.

O canguru é nativo da Austrália, onde vive nas áreas abertas das florestas, nas pastagens, matas e planícies.

Evolução

O registro fóssil mostra evidências da existência de cangurus gigantes durante o Pleistoceno e o Plioceno. Em relação aos menores antepassados ​​dos cangurus, eles viviam no atual continente australiano cerca de 20 milhões de anos atrás.

Os cangurus, como outros macropodídeos, compartilham um ancestral com a família marsupial Phalangeridae. Este ancestral, que existia no meio do Mioceno, morava nas copas das árvores. Seus dentes eram curtos, apropriados para comer folhas de arbustos e árvores.

No final do Mioceno e até do Plioceno e Pleistoceno, o clima passou por grandes mudanças, ficando seco. Isso causou a quase extinção de florestas e o crescimento de pastagens. Ao mesmo tempo, houve uma radiação de macropodídeos, que haviam se adaptado a uma dieta baseada em ervas lenhosas.

Este grupo de marsupiais tinha dentes com coroas altas, uma característica essencial para os animais que são incluídos na dieta da vegetação áspera.

Espécies relacionadas ao canguru e cangurus cinza modernos começaram a aparecer durante o Plioceno. A evolução mais recente é a do canguru vermelho, cujo registro fóssil data de 1 a 2 milhões de anos atrás.

Características gerais

Canguru: características, habitat, reprodução, alimentação 2

Macho canguru vermelho (Macropus rufus)

– Dicas

As patas traseiras são longas, estreitas e poderosas, com quatro dedos cada. O quarto dedo suporta grande parte do peso do corpo, enquanto o segundo e o terceiro estão unidos e vestigiais, uma condição conhecida como sindactilia.

Quanto aos membros da frente, eles são curtos e têm cinco dedos separados, que incluem um polegar não opositor. Cada dedo termina em uma garra afiada. Eles têm uma musculatura forte, especialmente no sexo masculino, uma vez que usam essas pernas para lutar e demonstrar seu domínio diante do grupo.

Os cangurus têm tendões grandes e elásticos nas patas traseiras. Nesses, a energia elástica da tensão é armazenada, a qual é usada em cada salto efetuado. Os movimentos de ressalto ocorrem devido à ação da mola dos tendões, ao invés de ser um esforço muscular.

– Cola

O canguru é caracterizado por sua cauda muscular, que tem uma base espessa. No canguru vermelho, essa estrutura é formada por mais de 20 vértebras, cobertas por uma forte musculatura. Isso ajuda o animal a manter seu equilíbrio corporal e também interfere na locomoção pentapédica.

Além disso, a cauda contribui para economizar energia, pois sua força motriz é muito maior do que a gerada pelas pernas dianteiras e traseiras, de forma combinada. Dessa forma, o canguru mantém sua energia, independentemente da força que exerceu com sua cauda.

– Corpo

A forma do corpo caracteriza e distingue macropodídeos. A cabeça é pequena, em comparação com o corpo. Possui orelhas grandes e flexíveis, que podem girar para captar melhor os sons emitidos por longas distâncias.

Seus olhos são grandes e estão localizados nos dois lados da cabeça, o que lhes dá uma visão binocular. Além disso, possui excelente visibilidade noturna, o que facilita a localização da comida durante a noite.

Quanto ao focinho, é longo e no final tem uma boca pequena. É uma prótese especializada, que facilita o corte e mastigação de plantas lenhosas. Os lábios são grossos e o superior é dividido.

As fêmeas têm uma dobra de pele aberta na frente, que cobre seus quatro mamilos. Nesse marsupium ou bolsa, o bebê culmina seu desenvolvimento, além de servir como refúgio, mesmo quando é maior e consome alimentos sólidos.

– Peles

O cabelo canguru é geralmente curto, lanoso e macio. Sua coloração varia de acordo com a espécie, no entanto, é geralmente de tons acobreados e marrom acinzentados, alternados com cabelos brancos que lhe conferem uma aparência de cabelos grisalhos. Alguns podem ter listras na cabeça, nas patas traseiras ou nas costas.

Assim, o canguru vermelho ( Macropus rufus ) tem uma pelagem marrom avermelhada, enquanto o da fêmea é cinza ou azulado. A área ventral e a parte interna dos membros são claras. Quanto ao canguru cinza oriental ( Macropus giganteus ), eles têm uma coloração marrom clara ou cinza.

– Tamanho

O tamanho do canguru varia de acordo com a espécie. O maior é o canguru vermelho, cujo corpo tem um comprimento, da cabeça à garupa, de 1 a 1,6 metros. A cauda mede de 90 a 110 centímetros. Quanto ao seu peso, é cerca de 90 kg.

Uma das espécies menores é a cauda de pincel de rocha de ualabí ( Petrogale penicillata ), que mede entre 50 e 60 centímetros de comprimento, com cauda de aproximadamente 60 centímetros. Quanto ao peso, isso varia de 3 a 9 kg.

– Dentição

As espécies maiores têm dentes complexos, com uma coroa alta. Os molares têm sulcos transversais, de modo que a grama mais dura é cortada entre dentes opostos. Além disso, o crescimento da dentadura é contínuo.

Relacionado:  Ciclo de enxofre: estágios e importância

– Locomoção

Jump

Canguru: características, habitat, reprodução, alimentação 3

Os cangurus usam o salto como um meio de se mover de um lugar para outro. Eles podem fazer isso em velocidades diferentes, de acordo com a necessidade.

Assim, o canguru vermelho geralmente se move entre 20 e 25 km / h, no entanto, em distâncias curtas, pode saltar a uma velocidade de até 70 km / h. Além disso, esta espécie é capaz de manter um ritmo constante por longas distâncias, percorrendo quase 2 quilômetros a uma velocidade de 40 km / h.

Durante esse deslocamento, os fortes músculos gastrocnêmios levantam o corpo do chão, enquanto o músculo plantar, que se junta perto do quarto dedo da perna, é usado para a ação de decolagem. A energia potencial nesse movimento é armazenada nos tendões elásticos.

Existe uma ligação muito próxima entre respirar e pular, o que proporciona alta eficiência energética a esse tipo de locomoção.

No momento em que as pernas se levantam do chão, os pulmões expelem o ar, enquanto quando o animal coloca seus membros para a frente, prontos para aterrissar, esses órgãos são preenchidos novamente com ar.

Locomoção pentapédica

Quando o canguru viaja em baixa velocidade, usa a locomoção pentapedal. Para isso, utiliza a cauda, ​​formando um tripé com as pernas anteriores, enquanto carrega as posteriores para a frente. Esse movimento, como o salto rápido, é energeticamente caro.

Nesse deslocamento, a cauda tem um papel fundamental, pois sua força de propulsão é muito maior do que a exercida pelas pernas traseiras e dianteiras

Swim

Este mamífero é um nadador experiente, capaz de fugir para a água para evitar ser capturado por um predador. Se ele o perseguisse, o canguru pode levá-lo com as pernas dianteiras para segurá-lo debaixo d’água e afogá-lo.

Estado de conservação

Canguru: características, habitat, reprodução, alimentação 4

As populações de cangurus diminuíram, o que resulta em inúmeras espécies ameaçadas de extinção. No entanto, a maioria deste grupo é listada pela IUCN como uma preocupação menor.

Para essa categorização, foram consideradas sua grande distribuição espacial e as poucas ameaças que afetam essa espécie.

Ameaças

A caça furtiva para obter e comercializar a carne é um dos principais problemas que o canguru enfrenta. Além disso, sua pele é frequentemente usada para fazer artigos de couro.

Na Nova Guiné, Macropus agilis é ameaçado localmente por perseguição e captura excessivas, especialmente nas populações localizadas a sudeste da região.

Esta espécie, como o Macropus rufogriseus , é considerada uma praga em algumas áreas da Austrália, o que deu origem a algumas medidas de controle para evitar grandes alterações ecológicas.

Outro fator que afeta o declínio da população é a fragmentação de seu habitat. Nesse sentido, a construção de estradas não apenas altera o ecossistema, mas constitui um elemento perigoso quando o animal tenta atravessá-lo.

Colisões de veículos

Quando o canguru está perto da pista, o barulho do motor ou a luz do farol os assusta e pode fazer com que ele dê um pulo abrupto na frente do carro. Além de causar a morte do animal, o produto do enrolamento, o forte impacto do salto, pode causar sérios danos ao veículo e seus ocupantes.

É por isso que nas regiões onde abundam os cangurus, existem numerosos sinais indicando a possível travessia deles na estrada. Esses sinais geralmente incluem vários números de telefone onde as pessoas podem ligar para relatar o acidente e para animais feridos.

Habitat e distribuição

A maioria dos cangurus vive na Austrália, onde pode habitar uma variedade de regiões, incluindo Tasmânia, Nova Guiné e alguns territórios insulares.

Em geral, algumas espécies vivem em florestas, no deserto de Savannah e outras nas planícies, onde a grama é abundante. No entanto, cada um tem suas próprias preferências de distribuição e habitat.

Canguru cinzento ocidental

Canguru: características, habitat, reprodução, alimentação 5

Fotografias de JarrahTree… commons.wikimedia.org [CC BY 2.5 au (https://creativecommons.org/licenses/by/2.5/au/deed.en)]

O canguru cinza ocidental ( Macropus fuliginosus ) é endêmico na parte sul da Austrália, onde está localizado desde o Oceano Índico até a região oeste de Nova Gales do Sul e Victoria e Nova Gales do Sul.

Em relação aos ecossistemas que ocupa, existem matagais, pastagens e áreas abertas de florestas.

Wallaby ágil

Canguru: características, habitat, reprodução, alimentação 6

Donald Hobern de Copenhague, Dinamarca [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)]

O Macropus agilis tem uma distribuição muito ampla. Este canguru é encontrado no sudeste da Nova Guiné, na Indonésia e na Papua Nova Guiné. Ele também vive em Goodenough, Fergusson e nas Ilhas Kiriwina.

Ele também vive em grandes territórios no norte da Austrália, com algumas populações isoladas nas ilhas Peel, Stradbroke e Groote no sul e norte. Pode ser encontrado na Nova Irlanda e nas Ilhas Normanby, além de ter sido introduzido com sucesso na ilha de Vanderlin.

O canguru ágil prefere pastagens de savana nas planícies. É também ao longo dos córregos e rios, nos locais abertos das florestas. No entanto, você pode viver nas dunas costeiras e nas regiões montanhosas do interior, onde se refugia na densa vegetação.

Cangurus de árvore de Lumholtz

Canguru: características, habitat, reprodução, alimentação 7

DiverDave [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

O Dendrolagus lumholtzi é um canguru arbóreo que está presente nas florestas tropicais entre Mossman e Ingham, a nordeste de Queensland. Atualmente, sua faixa de ocupação diminuiu nas terras altas da Austrália, devido à destruição do habitat.

Esta espécie, principalmente arbórea, vive na floresta tropical e ao longo da vegetação ripária, em habitats abertos. Menos frequentemente, está localizado nas florestas úmidas de esclerofila que formam os platôs de Atherton.

Taxonomia e classificação

  • Reino animal.
  • Subreino Bilateria.
  • Filum Cordado.
  • Subfilum de vertebrados.
  • Superclasse Tetrapoda.
  • Classe de mamíferos.
  • Subclasse de Theria.
  • Infract Metatheria.
  • Ordem de diprotodontia.
  • Subordem macropodiforme.
  • Família Macropodidae.
Relacionado:  Plantas aquáticas: características, classificação e espécies

-Subfamília Sthenurinae.

Gênero Lagostrophus.

-Subfamília Macropodinae.

Géneros:

Dendrolagus

Wallabia

Dorcopsis

Thylogale

Dorcopsulus

Setonix

Lagorchestes

Petrogale

Onychogalea

Macropus

Reprodução

Canguru: características, habitat, reprodução, alimentação 8

A fêmea geralmente amadurece sexualmente entre 17 e 28 meses de idade, enquanto o macho pode se reproduzir pela primeira vez em aproximadamente 25 meses.

Durante o namoro, as fêmeas no cio vagam pelo território, atraindo homens, que os vigiam e seguem seus movimentos. Eles cheiram a urina para verificar se estão com calor.

Quando ele recebe uma mulher, o macho se aproxima lentamente dela, para evitar assustá-la. Se não fugir, lambe, arranha e arranha suavemente e depois copula. Como o macho maior é igual às fêmeas que estão no cio, os mais jovens fazem isso com aqueles que estão perto de tê-lo.

Fecundação

No processo de fertilização, o óvulo desce para o útero, onde é fertilizado pelo esperma. O desenvolvimento do embrião ocorre rapidamente; no canguru vermelho, o jovem nasce aos 33 dias após a fertilização.

Geralmente, um bebê nasce de cada vez. Isso é cego e sem pêlos. As patas traseiras não são bem desenvolvidas, enquanto as pernas dianteiras são fortes, permitindo subir na pele do abdômen da mãe e chegar ao marsupium.

Uma vez na bolsa, ela é presa a um dos quatro mamilos e começa a se alimentar de leite materno. Quase imediatamente, a fêmea pode se tornar sexualmente receptiva ao homem após o parto.

Se esse novo óvulo for fertilizado, o embrião entra em um estágio fisiológico de inatividade, até o momento em que o jovem que está no marsupium culmina seu desenvolvimento. Esta condição reprodutiva é conhecida como diapausa embrionária.

O jovem que está na bolsa continua seu desenvolvimento e após 190 dias emerge da bolsa. No entanto, ele não a abandonou completamente até que se passassem 7 a 10 meses.

Alimento

Cangurus são animais herbívoros. Dentro de sua dieta incluem ervas, musgo, flores, folhas de árvores e esporadicamente podem consumir alguns fungos.

A comida varia em cada espécie e depende das características ambientais do habitat onde é encontrada. Dessa maneira, o canguru cinza oriental come principalmente uma grande variedade de gramíneas, enquanto o canguru vermelho inclui grandes quantidades de arbustos em sua dieta.

Muitas espécies têm hábitos noturnos e crepusculares; portanto, durante os dias quentes, geralmente descansam. À noite e pela manhã, onde a temperatura é mais baixa, circulam pelo território em busca de comida.

Processo digestivo

Seu corpo passou por algumas adaptações, com base na dieta altamente fibrosa. Entre as estruturas que sofreram modificações estão os dentes. À medida que o canguru amadurece, os molares dianteiros se desgastam e passam por um ciclo de substituição.

No processo de mudança, os molares posteriores brotam da gengiva, empurrando o restante dos molares para frente. Dessa maneira, os molares desgastados e que não são mais funcionais caem para a frente.

Os molares posteriores brotam através das gengivas, empurrando os outros molares para frente e forçando os molares desgastados para frente a cair. Dessa forma, o canguru sempre tem dentes afiados com antecedência.

Quanto ao estômago, possui duas câmaras: a tubiforme e a sacciforme. A cavidade frontal, que tem a forma de um saco, contém bactérias abundantes no interior. Eles são responsáveis ​​por iniciar o processo de fermentação dos alimentos.

O canguru pode regurgitar parte dos alimentos, contribuindo para a degradação das moléculas de celulose. Após o processo de fermentação, os alimentos fermentados param na segunda câmara, onde enzimas e ácidos culminam com o processo digestivo.

Comportamento

Os cangurus são animais sociais e formam grupos, chamados de rebanhos. Os membros destes cuidam e se protegem. Se alguém perceber a presença de uma ameaça, bata no chão fortemente com suas poderosas patas traseiras, alertando o resto.

Um comportamento comum dentro do grupo consiste em cheirar e tocar o nariz dos novos membros, obtendo informações deles. Entre as mães e os filhos, há um forte vínculo, que é reforçado por meio da preparação que eles realizam nos jovens.

Lutas

Entre a grande maioria das espécies, comportamentos agressivos foram descritos. Essas brigas podem ser momentâneas ou podem fazer parte de um longo ritual. Nessas situações de alta competição, como quando os homens lutam por uma fêmea no cio, a luta é curta.

No entanto, os machos geralmente praticam uma luta ritualizada, que pode surgir repentinamente quando forrageiam juntos ou quando dois machos se coçam e limpam um ao outro. Os lutadores agarram o pescoço e se tocam na cabeça e nos ombros, usando as pernas da frente para isso.

Além disso, eles podem agir tentando empurrar o adversário. Em algumas ocasiões, comportamentos desafiadores podem ser rejeitados, especialmente se um homem adulto for ameaçado por um jovem. Quem interromper ou sair da luta será o perdedor.

Essas lutas são usadas para estabelecer níveis de hierarquias entre os homens. Este domínio é ratificado quando na maioria das vezes os vencedores movem os derrotados das áreas de descanso.

Referências

  1. Wikipedia (2019). Kagaroo Recuperado de en.wikipedia.org.
  2. Alina Bradford March (2016). Fatos de canguru Vive cience. Recuperado de livescience.com.
  3. Kristie Bishopp (2017). O sistema digestivo de um canguru. Sciencing Recuperado de sciencing.com.
  4. ITIS (2019). Macropodidae Recuperado a partir de is.gov.
  5. Burbidge, A., Menkhorst, P., Ellis, M. & Copley, P. 2016. Macropus fuliginosus. A Lista Vermelha da IUCN de Espécies Ameaçadas de 2016. Recuperada em ucnredlist.org.
  6. Dannie Holze (2014). Caudas de canguru Academia de Ciências da Califórnia. Recuperado de calacademy.org.
  7. (2019). Habitat de canguru. Recuperado de kangarooworlds.com

Deixe um comentário