Carga formal: fórmula, como calcular e exemplos

A carga formal é um conceito utilizado na química para determinar a distribuição de elétrons em uma molécula ou íon. Ela é calculada subtraindo o número de elétrons de valência não compartilhados e metade dos elétrons de valência compartilhados de um átomo em uma ligação química.

Essa medida nos ajuda a entender a estabilidade e a reatividade das moléculas, além de auxiliar na previsão de sua estrutura e propriedades. Neste artigo, vamos explicar a fórmula para calcular a carga formal, como determinar a distribuição de elétrons em uma molécula e fornecer exemplos práticos para facilitar o entendimento desse conceito.

Método para determinar a carga formal em uma molécula ou íon.

Para determinar a carga formal em uma molécula ou íon, podemos utilizar a fórmula:

Carga Formal = Número de elétrons de valência – (Número de elétrons não pareados + 1/2 * Número de elétrons compartilhados)

Para calcular a carga formal, primeiro devemos identificar os elétrons de valência de cada átomo na molécula ou íon. Em seguida, contamos o número de elétrons não pareados e o número de elétrons compartilhados. Substituímos esses valores na fórmula e calculamos a carga formal.

Por exemplo, vamos determinar a carga formal do íon sulfato (SO42-):

Sulfato tem 6 elétrons de valência para o enxofre, 6 para cada oxigênio e uma carga de -2. O enxofre tem 2 elétrons não pareados e 4 elétrons compartilhados. Substituindo na fórmula, temos:

Carga Formal = 6 – (2 + 1/2 * 4) = 6 – (2 + 2) = 6 – 4 = +2

Portanto, a carga formal do íon sulfato é +2.

Qual a carga formal do dióxido de enxofre (SO2)?

Para determinar a carga formal do dióxido de enxofre (SO2), primeiro precisamos entender o que é carga formal. A carga formal é uma maneira de distribuir os elétrons de uma molécula de forma a minimizar a repulsão entre eles. Ela nos ajuda a determinar a estabilidade da molécula e a distribuição dos elétrons.

Para calcular a carga formal de um átomo em uma molécula, subtraímos o número de elétrons de valência não compartilhados (elétrons de ligação) e metade do número de elétrons compartilhados (elétrons de ligação) do número de elétrons de valência do átomo isolado.

No caso do dióxido de enxofre (SO2), o enxofre possui 6 elétrons de valência. O oxigênio, por sua vez, possui 6 elétrons de valência. Ao ligar o enxofre com dois átomos de oxigênio, temos 2 elétrons de ligação entre o enxofre e cada oxigênio, totalizando 4 elétrons de ligação. Isso significa que o enxofre tem 2 elétrons não compartilhados (elétrons de ligação) e 4 elétrons compartilhados (elétrons de ligação).

Aplicando a fórmula mencionada anteriormente, a carga formal do enxofre em SO2 é calculada da seguinte forma: 6 – 2 (elétrons não compartilhados) – 4/2 (elétrons compartilhados) = 0. Portanto, o enxofre em SO2 possui carga formal igual a zero.

Em resumo, a carga formal do enxofre em dióxido de enxofre (SO2) é zero, indicando que a distribuição de elétrons na molécula é estável e favorável.

Qual é a carga formal do oxigênio presente na molécula da água?

A carga formal do oxigênio presente na molécula da água é de -2. A carga formal é uma maneira de distribuir os elétrons de uma molécula de forma a minimizar a energia total do sistema. Para calcular a carga formal de um átomo, usamos a fórmula:

Carga Formal = Número de elétrons de valência – (Número de elétrons não ligantes + 0,5 x Número de elétrons compartilhados)

Relacionado:  Peso atômico: o que é, como é calculado e exemplos

No caso do oxigênio na molécula da água, o oxigênio tem 6 elétrons de valência. Na água, o oxigênio forma duas ligações covalentes com os hidrogênios, compartilhando 4 elétrons. Isso significa que o oxigênio tem 2 elétrons não ligantes. Substituindo na fórmula, temos:

Carga Formal = 6 elétrons de valência – (2 elétrons não ligantes + 0,5 x 4 elétrons compartilhados) = 6 – (2 + 2) = 2 – 4 = -2

Portanto, a carga formal do oxigênio na molécula da água é de -2. Esse valor indica que o oxigênio possui uma carga negativa devido à distribuição de elétrons na molécula.

Além disso, é importante mencionar que a carga formal nos ajuda a determinar a estabilidade da molécula e a prever seu comportamento químico. É uma ferramenta útil para entender a estrutura das moléculas e prever como elas interagem com outras substâncias.

Significado da carga na química: conceito e importância para a compreensão das reações químicas.

A carga na química refere-se à distribuição de elétrons em um átomo ou molécula, influenciando suas propriedades e comportamento químico. Os átomos são compostos por prótons, nêutrons e elétrons. Os prótons têm carga positiva, os elétrons têm carga negativa e os nêutrons são neutros. A carga de um átomo é determinada pela diferença entre o número de prótons e elétrons.

A compreensão da carga é fundamental para entender as reações químicas, pois a interação entre átomos e moléculas depende das cargas elétricas envolvidas. Átomos com cargas opostas tendem a se atrair, enquanto átomos com cargas iguais tendem a se repelir. Isso influencia a formação de ligações químicas e a estabilidade das substâncias formadas.

Carga formal: fórmula, como calcular e exemplos.

A carga formal é uma maneira de distribuir as cargas dos átomos em uma molécula, levando em consideração a eletronegatividade dos átomos e a ligação covalente. Ela é calculada subtraindo-se a quantidade de elétrons não compartilhados e metade dos elétrons compartilhados de um átomo em uma ligação química.

A fórmula para calcular a carga formal de um átomo em uma molécula é:

Carga Formal = Número de elétrons de valência – (Número de elétrons não compartilhados + 1/2 * Número de elétrons compartilhados)

Por exemplo, vamos calcular a carga formal do átomo de oxigênio na molécula de água (H2O). O oxigênio tem 6 elétrons de valência, dos quais 2 estão não compartilhados e 4 estão compartilhados. Substituindo na fórmula, temos:

Carga Formal = 6 – (2 + 1/2 * 4) = 6 – (2 + 2) = 6 – 4 = +2

Portanto, o átomo de oxigênio na molécula de água possui uma carga formal de +2. Esse cálculo ajuda a determinar a distribuição de cargas na molécula e a prever seu comportamento químico.

Carga formal: fórmula, como calcular e exemplos

Jenny Lind foi uma cantora de soprano de ópera e renomada filantropo de origem sueca, que se tornou uma celebridade na Europa e nos Estados Unidos. Sua voz poderosa e única, juntamente com uma personalidade arrebatadora, fez de Lind um emblema simples de mulher que se erguia à mão livre.

Ele nasceu em 6 de outubro de 1820 em Estocolmo. Desde tenra idade, ele conquistou os palcos europeus e logo se tornou o cantor de ópera favorito das cortes e aristocracia européias. Ele foi chamado de “rouxinol sueco” pela pureza e naturalidade de sua voz; Ele tinha um domínio vocal excepcional para interpretar as obras operáticas mais famosas.

Carga formal: fórmula, como calcular e exemplos 1

De origem humilde – desde que nasceu fora do casamento – ele teve uma infância triste. No entanto, depois de ser admitido como estudante no Royal Theatre em Estocolmo com apenas nove anos, logo sua sorte mudou. Lind tornou-se prima donna da Ópera Real sueca e, no final, de sua carreira em uma das primeiras celebridades nos EUA. UU.

Lind foi apoiado pelo empresário e artista americano Phineas Taylor Barnum. Foi um dos maiores expoentes do bel canto (música bonita) que ocorreu na Europa entre os séculos 18 e 19, junto com seu professor Manuel García, María Malibran, sua filha e a soprano Farinelli.

Biografia

Jenny foi batizada com o nome de Johanna Maria Lind por seus pais Niclas Jonas Lind e Anne-Marie Fellborg. Aos 18 anos, Lind estreou em Der Freischütz (O caçador furtivo) na Ópera de Estocolmo em 1838.

Devido a sérios problemas com sua voz, três anos depois, ele começou a receber aulas em Paris com o cantor de ópera espanhol Manuel García.

Ele desempenhou o papel de Vielka no drama musical A camp in Silesia , escrito por Giuseppe Verdi (Berlim, 1944). Em 1847, ela interpretou Amelia, um papel musical escrito para ela também pelo compositor italiano, na ópera Los Bandidos (I Masnadieri).

Nesse mesmo ano, estreou em Londres com a ópera Roberto el Diablo (Robert Le Diable), de Giacomo Meyerbeer.

Até o famoso compositor Felix Mendelssohn assistiu à performance da peça em Londres, embora detestasse a melodia, ao ouvir Lind interpretar o papel de Alice. Mendelssohn estava apaixonado pelo talento do famoso cantor.

Na estréia de Lind, também estavam presentes a rainha Victoria e o duque de Wellington. Segundo o crítico de música e literatura inglês Henry Chorley, a capital britânica “enlouqueceu com o rouxinol sueco”.

A realeza e a aristocracia britânicas acompanharam todas as apresentações de Lind, que também cativou o público inglês com sua voz melodiosa.

A soprano sueca acompanhou suas apresentações em Londres. Em 1848, Lind desempenhou seu papel na ópera O Sonâmbulo, no Teatro de Sua Majestade, cujo trabalho também teve a participação da rainha Victoria.

Amar a vida e o casamento

Entre seus pretendentes mais famosos estavam o famoso compositor polonês Frederic Chopin e o não menos famoso escritor dinamarquês Hans Christian Andersen. No entanto, com quem se casou em 1852, foi com o pianista alemão Otto Goldschmidt, seu parceiro de palco.

O casal teve três filhos: Jenny Maria Catherine, Ernest Svend David e Walter Otto Goldschmidt.

Jenny Lind também está ligada a Mendelssohn; ambos se conheceram em 1844. De acordo com uma declaração feita pelo marido de Lind, o compositor alemão teria pedido à cantora sueca que escapasse para os Estados Unidos juntos em 1847. Otto Goldschmidt, seu marido, tinha aulas de piano com Mendelssohn e Hans von Bülow.

Naquele ano, o compositor faleceu, o que causou uma grande tristeza em Lind. Em sua homenagem, dois anos depois, a cantora criou a Fundação Escola Mendelssohn. Anos depois, ele ergueu em Hamburgo (onde o compositor nasceu) uma placa em sua memória.

Tour pelos Estados Unidos

Jenny Lind se aposentou da ópera em 1849 para se dedicar à sua vida e caridade cristãs, mas em 1850 foi contratada pelo promotor dos shows PT Barnum para realizar uma turnê pelos Estados Unidos. No auge de sua carreira artística, Barnum queria ganhar um pouco mais de respeitabilidade com um show sério.

Relacionado:  Cádmio: história, propriedades, estrutura, usos

Convencer Lind a voltar ao palco não foi fácil. No entanto, a suculenta oferta que Barnum fez à soprano de US $ 1.000 por performance a convenceu. Lind concordou porque planejava alocar o dinheiro ganho para um orfanato de meninas em sua cidade natal.

Foram planejados 150 shows nos Estados Unidos, mas houve apenas 93 shows que reportaram ao Barnum receitas da ordem de 700 mil dólares, uma fortuna para a época.

O contrato estabeleceu que o cantor poderia encerrá-lo depois de oferecer 60 shows, após uma compensação de Barnum de US $ 25.000.

Sucesso nas bilheterias

A promotora americana contratou Lind sem sequer ouvi-la cantar, mas esperava ter um lucro suculento por seu show.

Ele começou a andar com todas as suas habilidades comerciais e de marketing antes da turnê: de uma história comovente de Cinderela da cantora sueca que atraía a classe média, a concursos de canto e prêmios de poesia.

Barnum criou vários itens comerciais: bonecas, fantasias, chapéus, cadeiras, pianos, etc. Esse intenso mecanismo de publicidade, juntamente com as habilidades artísticas e a personalidade atraente de Lind, foram um sucesso total. A cantora sueca era vista como uma mulher caridosa e recatada, de belas formas femininas, além de cristã e branca.

Embora alguns meses atrás ela fosse totalmente desconhecida, pouco depois de chegar aos Estados Unidos, ela se tornou “uma das mulheres mais famosas e famosas da América”, escreveu Regan Shrumm. Sua recepção nas docas de Nova York foi tremenda: cerca de 30.000 pessoas vieram cumprimentá-la.

Foi a primeira estrela estrangeira nos Estados Unidos cujas performances desencadearam uma espécie de “Lind mania”; Foi apelidado de rouxinol sueco . Em seus 93 shows, Lind finalmente recebeu um pagamento de US $ 350.000.

Últimos anos

Após a apresentação magistral nos Estados Unidos, Lind se aposentou definitivamente e apareceu esporadicamente em alguns shows.

Em 1870, ele fez isso no oratório Goldschmidt Ruth, na cidade de Düsseldorf; Mais tarde, ela apareceu em Londres em 1875, dirigindo os sopranos no coral de Bach que seu marido fundou.

Em 1883, foi sua última aparição em público e até 1886 ele se dedicou ao ensino de canto lírico no Royal College of Music em Londres. Um ano depois, esse artista e filantropo excepcional morreu.

No filme recente The Greatest Showman (O Grande Showman), estrelado por Hugh Jackman e Rebecca Ferguson, a vida da cantora sueca é recriada.

Referências

  1. Jenny Lind Retirado em 13 de junho de 2018 de britannica.com
  2. Por que 30.000 pessoas vieram ver um cantor sueco chegar a Nova York. Consultado em smithsonianmag.com
  3. Um show de Barnum relata o fenômeno Jenny Lind. Consultado em nytimes.com
  4. O Maior Showman: A Verdadeira História de PT Barnum e Jenny Lind. Consultado em vanityfair.com
  5. O relacionamento de Jenny Lind e PT Barnum na vida real era muito diferente do ‘The Greatest Showman’. Consultado em bustle.com
  6. Jenny Lind Consultado em es.wikipedia.org
  7. Felix Mendelssohn. Consultado em es.wikipedia.org
  8. Jenny Lind, a Taylor Swift da década de 1850. Consultado em ajournalofmusicalthings.com

Deixe um comentário