Charles II the Bewitched: biografia

Charles II the Bewitched é uma biografia fascinante que narra a vida do rei Charles II da Inglaterra, conhecido por suas habilidades políticas e intrigas na corte. Apesar de ser lembrado como um monarca carismático e popular, Charles II também foi marcado por suas relações turbulentas com as mulheres e por seu envolvimento em eventos de bruxaria e feitiçaria. Esta obra explora os bastidores do reinado de Charles II e lança luz sobre os mistérios que cercam sua vida e reinado.

O desfecho de Carlos: o mistério revelado.

Charles II the Bewitched: Biografia é uma obra que narra a vida e as experiências de Carlos II, um personagem misterioso e intrigante. Ao longo do livro, somos apresentados a diversos acontecimentos que envolvem o protagonista, deixando o leitor ansioso por desvendar os segredos que cercam sua vida.

Porém, é somente no desfecho da história que o mistério é finalmente revelado. Descobrimos que Carlos II não passava de um charlatão, enganando todos ao seu redor com suas artimanhas e truques. Sua suposta magia e poderes sobrenaturais eram, na verdade, fruto de uma mente astuta e manipuladora.

Com essa reviravolta inesperada, o autor nos convida a refletir sobre a natureza humana e a capacidade de nos deixarmos levar por ilusões. Carlos II the Bewitched: Biografia nos mostra que nem sempre as aparências são o que parecem e que é preciso estar atento para não sermos ludibriados por falsas promessas e falsas crenças.

As ideias defendidas por rei Carlos II eram sobre a liberdade religiosa e tolerância.

O rei Carlos II, conhecido como “o Enfeitiçado”, foi um defensor fervoroso da liberdade religiosa e tolerância durante seu reinado. Ele acreditava que cada indivíduo deveria ter o direito de praticar sua própria religião sem interferência do Estado. Suas ideias progressistas e abertura para diferentes crenças religiosas o tornaram um líder admirado por muitos.

Quem foi o monarca que reinou por último na Espanha antes da República?

Charles II, conhecido como “o Enfeitiçado”, foi o monarca que reinou por último na Espanha antes da República. Nascido em 1661, Charles II era filho de Felipe IV e sua segunda esposa, Mariana da Áustria. Ele ascendeu ao trono espanhol em 1665, aos quatro anos de idade, após a morte de seu pai.

Devido à consanguinidade da família real espanhola, Charles II sofria de vários problemas de saúde, incluindo deformidades físicas e deficiências mentais. Ele foi descrito como um rei fraco e incapaz, incapaz de governar efetivamente o reino.

Charles II não teve filhos legítimos para sucedê-lo, o que levou a uma crise de sucessão após a sua morte em 1700. Esta crise resultou na Guerra de Sucessão Espanhola e, finalmente, na ascensão da Casa de Bourbon ao trono espanhol com Felipe V.

Assim, Charles II “o Enfeitiçado” foi o último monarca a reinar na Espanha antes da proclamação da Primeira República Espanhola em 1873.

A ascensão de Carlos II ao trono da Inglaterra: os bastidores da sucessão real.

A ascensão de Carlos II ao trono da Inglaterra foi marcada por uma série de acontecimentos intrigantes nos bastidores da sucessão real. Após a morte de seu pai, Carlos I, durante a Guerra Civil Inglesa, Carlos II foi forçado a fugir para o continente, onde passou anos em exílio. Enquanto isso, Oliver Cromwell assumiu o poder e instaurou o regime republicano.

No entanto, a popularidade de Cromwell começou a declinar e, após sua morte, a monarquia foi restaurada com a ascensão de Carlos II ao trono em 1660. O retorno do rei foi recebido com grande entusiasmo, e ele rapidamente se consolidou como um governante habilidoso e carismático.

Carlos II enfrentou diversos desafios durante seu reinado, incluindo conflitos religiosos e políticos, mas conseguiu manter a estabilidade do reino. Sua personalidade cativante e sua habilidade diplomática foram fatores-chave para o sucesso de seu governo.

Em resumo, a ascensão de Carlos II ao trono da Inglaterra foi um momento crucial na história do país, marcado por intrigas e reviravoltas nos bastidores da sucessão real. Sua biografia, intitulada Charles II the Bewitched, oferece uma visão fascinante da vida e do reinado deste monarca carismático e habilidoso.

Charles II the Bewitched: biografia

Carlos II da Espanha, “Os Feiticeiros” (1661-1700), foi o último rei representante da dinastia Habsburgo que poderia deter o primeiro título da monarquia espanhola. Suas falhas físicas e intelectuais resultantes da política pura de sua família são o exemplo mais claro do declínio da Casa da Áustria na Espanha.

Relacionado:  Alexandre, o Grande: biografia, territórios conquistados, personalidade

O apelido de “enfeitiçado” surgiu justamente por causa de seus problemas de saúde, que suscitaram suspeitas de que o governante foi vítima de uma maldição. A origem da dinastia Habsburgo remonta à região de Argovia, hoje Suíça, no século XI.

Charles II the Bewitched: biografia 1

Carlos II foi o último rei espanhol da Casa dos Habsburgos. Fonte: Museu Nacional de Belas Artes [Domínio público]

Como resultado de uma política bem-sucedida de aliança matrimonial, os Habsburgos obtiveram uma posição aristocrática muito privilegiada. Graças a essa situação, essa família passou a governar os territórios do Império Romano e também os do Império Espanhol.

The Austrias

Na Espanha, os Habsburgos eram oficialmente conhecidos como Austrias. Eles tomaram o poder deste império quando os reis católicos da dinastia Trastámara casaram seus filhos com os do arquiduque Maximiliano I de Habsburgo.

Essa aliança tinha o objetivo de frustrar a perseguição realizada pela coroa francesa nos territórios italianos dominados pela Espanha.

Devido à morte prematura de Juan de Trastámara, filho de Isabel I de Castilla e Fernando II de Aragon, filho de Maximiliano (Felipe II) assumiu o poder como consorte da herdeira dos reinos da Espanha, Juana I, “a Louco.

O casamento de Felipe “el Hermoso” com Juana de Castilla significou o cruzamento de duas linhagens que praticavam consanguinidade.

Isso se explica porque, assim como Juana era filha de Isabel e Fernando – que eram primos -, a mãe de Felipe era María de Borgoña, que tinha apenas seis bisavós.

Defeitos genéticos

Então, as austríacas espanholas herdaram os defeitos genéticos dos Trastámara e dos Borgonheses, bem como seus territórios. Vale ressaltar que a prática de consanguinidade continuou por várias gerações, passando por Carlos I, Felipe II, III e IV, até chegar a Carlos II.

Já com Felipe IV, a continuidade do clã foi ameaçada pelo problema da infertilidade. Sua primeira esposa, Isabel de Borbón, teve dez tentativas de gestação; Destes, apenas dois filhos superaram a infância. Baltasar, o único filho deste casamento, morreu de varíola aos dezessete anos, antes de poder herdar o trono.

Quando Isabel morreu, Felipe IV casou-se com sua sobrinha, Mariana da Áustria, para manter unidas as filiais da Habsburgo Ibérica e da Europa Central.

Mariana teve cinco filhos e três deles morreram quando bebês. Cinco dias após a morte do primeiro homem, Felipe Prospero, ele finalmente nasceu e seria o último herdeiro da Casa da Áustria.

Biografia

Carlos II nasceu em 6 de novembro de 1661. Ter um coeficiente de 0,254 de consanguinidade genética tornava sua saúde sempre precária.

Ele tinha síndrome de Klinefelter; Além disso, era de constituição frágil e não andou até os seis anos de idade. Ele também sofreu retardo intelectual: aprendeu tardiamente a falar, ler e escrever.

Ironicamente, este ser que por natureza não conseguiu governar herdou o trono da Espanha com apenas quatro anos, desde que Filipe IV morreu em 1665. Durante a infância do rei, sua mãe teve que assumir a regência dos territórios da Casa Áustria, confiar nas decisões administrativas à validade de sua confiança.

Várias núpcias

Em 1679, quando completou 18 anos, Carlos casou-se com Maria Luisa de Orleans, filha do duque Felipe de Orleans e sobrinha do monarca da França Louis XIV.

Dez anos depois, e sem dar à luz uma sucessora, Maria Luisa morreu. Vale ressaltar que o consorte era suspeito de conspirar contra as Áustria em favor da coroa francesa.

Logo e apesar do luto, o rei foi procurado por uma nova esposa, esperando que ela desse a ele um filho para prolongar a dinastia. A escolhida foi sua prima alemã Mariana de Neoburg, filha do duque Felipe Guillermo, eleitor do Palatinado.

Mariana foi selecionada porque sua linhagem dava garantia de fertilidade; Sua mãe deu à luz três filhos. Em 1690, essas segundas núpcias ocorreram e a chegada da nova rainha criou novas tensões na corte da Áustria.

A esposa imediatamente começou a rivalizar com a mãe do rei pelo controle de seus poderes. A herdeira de Neoburg teve que fingir doze gestações para manter sua influência como esposa.

Após a morte de Mariana da Áustria, a nova rainha fez várias manobras para favorecer o ramo alemão dos Habsburgos.

O roubo do capital espanhol, a manipulação do conflito de herança e conluio relacionados aos tribunais da Inquisição, foram ações que mancharam a reputação da segunda esposa.

Questões governamentais

Durante o governo do rei Carlos II, a crise política e econômica que a Espanha estava arrastando de Felipe IV veio com disputas judiciais para exercer o poder de fato diante da incapacidade do herdeiro.

A mãe do rei, o regente responsável, confiava principalmente nas habilidades de seu confessor, o jesuíta austríaco Juan Everardo Nithard, nomeado conselheiro de estado e inquisidor geral em 1666.

Advogar um clérigo estrangeiro foi uma decisão que abalou um setor importante do tribunal e também a maioria da população.

Participação de Juan José de Austria

O principal adversário do governo conjunto de Mariana da Áustria e do padre Nithard foi o filho bastardo de Luís IV, Juan José da Áustria, que buscou obter o poder que, por consanguinidade e afinidade com o pai, acreditava merecer.

Para o cerco ao território da Holanda, que Luís XIV havia começado em 1667 com a Guerra do Retorno, Mariana da Áustria confiou a proteção de Flandres ao bastardo de seu marido.

Embora fosse uma estratégia remover Juan de Madri, o bastardo aproveitou a nomeação como governador geral da Holanda para se posicionar hierarquicamente na monarquia hispânica e desacreditar Nithard, alegando que ele não concedia os recursos necessários para a empresa que era Eu tinha confiado a ele.

Depois de ter capitulado com a França para entregar vários territórios da Holanda, Juan José da Áustria decidiu empreender uma campanha militar de Barcelona a Madri para exigir a demissão do inquisidor geral. Sua empresa teve uma aceitação tão popular que a rainha Mariana teve que ceder às suas demandas.

O próximo válido de Mariana da Áustria e do rei Carlos II (que já assumia a maioridade) foi Fernando de Valenzuela, que também foi demitido em 1776 por uma conspiração de Juan da Áustria.

Desde então, o meio-irmão do rei obteve o poder que tanto desejava, tornando-se o novo válido de Carlos, papel que desempenhou até 1779, quando morreu em circunstâncias estranhas.

O mandato de Juan José foi uma decepção para aqueles que depositaram suas esperanças nele. Uma das razões foi que o bastardo teve que ceder novamente à pressão francesa, perdendo os territórios do condado de Franco na guerra na Holanda (1672-1678).

Próximos gerentes

O próximo responsável foi Juan Francisco de la Cerda, o duque de Medinaceli. Isso teve que enfrentar uma das maiores crises econômicas da história da Espanha, como resultado dos contínuos fracassos da guerra, o surgimento de uma epidemia de peste, o declínio das colheitas e o consequente aumento de preços.

A principal medida do duque foi desvalorizar a moeda, o que causou uma deflação que deixou importantes comerciantes e cidades inteiras em falência. Essa medida lhe custou o exílio.

Seu substituto foi Manuel Joaquín Álvarez de Toledo, conde de Oropesa. Para conter a retumbante queda dos cofres do reino, a contagem regulamentou os gastos públicos, reduziu impostos e liquidou as dívidas dos municípios.

No entanto, porque suas medidas afetaram os benefícios da nobreza, ele ganhou muitas antipatias no tribunal. Seu principal adversário foi Mariana de Neoburg.

O que sentenciou o fim do período Oropesa cnde como presidente do Conselho de Castela foi o que é conhecido popularmente como “O motim dos gatos” (1699), uma revolta do povo de Madri como um protesto contra a falta de pão. Antes deste evento, o rei Carlos II foi forçado a demiti-lo.

O suposto feitiço

Em 1696, a saúde do monarca começou a piorar seriamente. Diante da ineficiência da assistência médica e da abundância de intrigas na corte relacionadas à questão da sucessão incerta, começou o boato de que o rei foi vítima de um feitiço que o deixou doente e esterilizado.

O assunto foi tratado no Conselho da Inquisição, mas o caso foi desacreditado como resultado de uma óbvia falta de evidência.

No entanto, o próprio Carlos II estava absolutamente convencido de que havia sido enfeitiçado, razão pela qual citou não oficial Juan Tomás de Rocabertí, o inquisidor geral, e pediu que ele não descansasse até descobrir quem era culpado de todos os seus males.

Relacionado:  Antony Armstrong-Jones: biografia, trabalho e vida pessoal

Rocabertí conheceu um caso de exorcismo que estava sendo levado por Fray Antonio Álvarez de Argüelles em um convento de Cangas de Tineo, e aliou-se ao confessor do rei, Froilán Díaz, para criar a fachada de um interrogatório dos demônios que eles possuíam. Para as freiras.

O exorcismo – organizado por Rocabertí e Díaz, e executado por Argüelles – foi realizado nas costas da autoridade do bispo de Oviedo e do Conselho da Inquisição. Em meio a essas irregularidades, Argüelles relatou que as freiras possuídas confirmaram efetivamente a teoria do encantamento.

Acusado

Os réus eram a mãe, Mariana da Áustria, e seu válido Fernando de Valenzuela, que supostamente o enfeitiçaram durante a adolescência. Com a confirmação dessa teoria, o rei já enfraquecido foi submetido a uma série de exorcismos e tratamentos que só conseguiram deteriorar ainda mais sua saúde.

A intriga da maldição foi ainda mais obscurecida pela morte de Rocabertí em 1699. O rei nomeou o cardeal Alonso de Aguilar como um novo inquisidor, contratando-o como a principal tarefa para concluir a tarefa de Rocabertí. Ele contou com um novo exorcista chamado Mauro Tenda.

A investigação, na época de Froilán Díaz, Alonso de Aguilar e Mauro Tenda, indicou que os culpados estavam relacionados a Mariana de Neoburgo. No entanto, os procedimentos correspondentes foram interrompidos pela morte súbita de Alonso de Aguilar.

Por causa da interferência da esposa do rei, Baltasar de Mendoza – que tinha afinidades com o partido pró-alemão – foi proclamado como o novo inquisidor geral. Ele processou Froilán Díaz e Fray Tenda pela irregularidade de seus procedimentos.

Morte

Apesar dos exorcismos e dos padres recomendados pelo clero, a morte de Carlos II chegou no ano de 1700.

Estudos subsequentes revelaram que a esterilidade era devida à síndrome de Klinefelter e que uma infecção do trato urinário combinada com insuficiência renal crônica resultou em ascites com insuficiência cardíaca progressiva.

O conflito de sucessão

Depois que o rei morreu sem ter tido um herdeiro, ele não esperou a luta pelo poder habitual nesse tipo de situação.

As facções enfrentadas no conflito de sucessão formaram cerca de dois candidatos. Um deles representava a Casa dos Habsburgos, era filho do imperador Leopoldo I, Carlos, arquiduque da Áustria.

O outro candidato era a favor da dinastia Bourbon: era o príncipe Filipe de Anjou, neto de Luís XIV e Maria Teresa da Áustria, irmã de Filipe IV.

Carlos II favoreceu em sua vontade o príncipe francês para proteger a integridade do reino, evitando os ataques de Luís XIV. Isso terminou selando a mudança no equilíbrio geopolítico na Europa.

A aristocracia da França consolidou sua hegemonia, monopolizando o controle dos dois impérios mais poderosos de todo o continente.

Referências

  1. “Carlos II: o monarca enfeitiçado” na National Geographic Spain. Retirado em 8 de abril de 2019 da National Geographic Spain: nationalgeographic.com.es
  2. “Guerra da sucessão espanhola” na Encyclopædia Britannica. Retirado em 8 de abril de 2019 de Encyclopædia Britannica: britannica.com
  3. Carmona Sánchez, JI “A Espanha Mágica” (2012). Madri: Nowtilus.
  4. Cervera, C. “Juan José da Áustria, o bastardo que queria reinar na Espanha de” The Bewitched “na ABC Espanha. Retirado em 8 de abril de 2019 da ABC Spain: abc.es.
  5. Cervera, C. “A tragédia das Austrias espanholas: a dinastia que foi destruída pela consanguinidade” no ABC da Espanha. Retirado em 8 de abril de 2019 da ABC Spain: abc.es.
  6. Ruiz Rodríguez, I. “Juan Everardo Nithard, jesuíta no comando da monarquia hispânica” (2011) em Reflexões sobre poder, guerra e religião na História da Espanha. Recuperado em 8 de abril de 2019 de Dialnet: dialnet.unirioja.es.
  7. Sánchez Belén, JA “Medidas extraordinárias para uma crise econômica: as reformas do duque de Medinaceli e do conde de Oropesa no final do reinado de Carlos II” (2011) em Trocadero. Retirado em 8 de abril de 2019 de Revistas Científicas da Universidade de Cádiz: gazines.uca.es.
  8. Testino-Zafiropoulos, A. “Queixas políticas sobre o conde de Oropesa após o reinado de Carlos II” (2015) em Atlante. Revue d’études Romanes. Recuperado em 8 de abril de 2019 de Atlante – Revue d’études romanes: atlante.univ-lille.fr

Deixe um comentário