Colonia no Chile: características, sociedade, economia

A colônia no Chile é o período histórico que se estende de 1610 a 1810, quando o processo de independência começou e a Primeira Junta Governamental foi instalada. Este período inclui o processo de instalação e consolidação da Capitania Geral do Chile.

O período colonial começou logo após a conquista do Chile pelos espanhóis após a batalha de Curalaba em 1598. Caracterizou-se pela introdução de um sistema de dominação e exploração que cobria as esferas política, econômica e sócio-cultural.

Colonia no Chile: características, sociedade, economia 1

Fundação Santiago

A sociedade colonial chilena foi estratificada em classes sociais, excluindo-se, cuja cabeça era a aristocracia espanhola. A economia foi inicialmente baseada na exploração de ricos depósitos de ouro, agricultura, pecuária e comércio.

A produção agrícola e a exploração de metais preciosos eram realizadas sob o sistema de concessões e parcelas de terra, através do trabalho escravo dos nativos. Durante o período colonial, o Chile foi uma capitania geral liderada por um governador e capitão geral, nomeada diretamente pelo rei da Espanha.

No entanto, dependia administrativamente da vice-repressão do Peru e possuía poderes governamentais, militares e econômicos. A Colônia no Chile terminou com a instalação do Primeiro Conselho Nacional de Governo, em 18 de setembro de 1810, que abriu as comportas ao processo de independência deste território.

Características gerais

– Era uma sociedade dividida em castas ou classes sociais com um caráter excludente muito acentuado. A pirâmide social foi presidida pela aristocracia espanhola (brancos peninsulares), seguida pelos brancos crioulos de espanhóis, os mestiços (filhos de brancos e indígenas), negros e nativos.

– O período colonial e a sociedade chilena se desenvolveram principalmente na área central do país, já que o norte do Chile (Atacama) era um deserto e um território desabitado. Por outro lado, no sul, os índios mapuche permaneceram a maior parte da colônia lutando pela defesa de seu território.

– O território da Capitania Geral do Chile foi dividido em províncias, que eram governadas por corregidores com os mesmos poderes que o governador. Depois, havia as cidades e seus conselhos compostos por representantes dos vizinhos espanhóis para a defesa de seus interesses.

– Após as reformas políticas e administrativas das colônias introduzidas pelos Bourbons no século XVIII, surgiram as intenções. Nesse período, foram criadas as intenções da Conceição e Santiago.

– O governo da ilha de Chiloé tornou-se dependente da vice-reinado do Peru; em vez disso, o corregimiento de Cuyo foi transferido para o vice-reinado do Rio da Prata.

– Segundo os historiadores, nos primeiros anos da sociedade colonial chilena havia um sentimento geral de isolamento, principalmente devido ao afastamento das principais cidades do reino espanhol na América. Era um território localizado “no fim do mundo”, entre montanhas altas e mares.

– A educação também tinha caráter de classe, pois era apenas para filhos de famílias ricas; Foi ensinado por padres católicos. O ensino foi baseado nas artes clássicas, no estudo do espanhol, latim, filosofia, matemática, medicina, direito e teologia.

Sociedade

O período colonial chileno cobriu todas as áreas da vida durante seu período de mais de 200 anos; isto é, sociocultural, econômico e político.

Sociocultural

A estratificação social do Chile durante a colônia foi uma de suas principais características. A classe social dominante era composta por espanhóis peninsulares, primeiro os conquistadores e os colonizadores. Então, pela aristocracia formada pelos oficiais enviados pela Coroa.

Esses funcionários ocupavam os mais importantes cargos administrativos e militares do governo. Nesse grupo social, havia também alguns crioulos e um grupo muito pequeno de mestiços ricos, proprietários de fazendas e casas comerciais na cidade. Eles também costumavam ser membros do conselho.

Na classe social da classe média estavam os espanhóis e crioulos sem riqueza e os mestiços, e no último grupo social, que ocupava a base da pirâmide, estavam os setores populares.

Era a classe social baixa composta por mineiros, camponeses, vendedores, artesãos, criados etc., de ascendência mestiça. Este grupo incluía negros e indígenas.

A participação da Igreja Católica diretamente em questões econômicas, políticas e educacionais, além de questões religiosas, teve um papel decisivo na formação da sociedade chilena.

A Igreja desenvolveu um intenso processo de evangelização dos nativos por meio das diferentes ordens religiosas: franciscanos (os primeiros a chegar), jesuítas, dominicanos, agostinianos e mercedários. Era uma sociedade católica muito conservadora.

Economia

Mineração

A economia colonial chilena girava principalmente em torno da exploração da mineração em lavanderias de ouro, através do abundante trabalho indígena disponível. Até 1580, as lavanderias de ouro mais importantes ficavam no sul; por exemplo, os de La Imperial, Valdivia, Osorno, Villarrica e Quilacoya.

A destruição das principais lavanderias após o desastre de Curalaba em 1598 e a escassez de mão-de-obra fizeram os espanhóis estabelecerem a instituição comissionada. Consistia no direito de explorar um bem em troca de um serviço pago com trabalho ou em espécie.

Como os índios tiveram que prestar homenagem à Coroa por sua condição de sujeitos e como não tinham dinheiro ou bens, então pagaram com o trabalho nas lavanderias. O pagamento do tributo aos nativos era administrado pelo encomendero que os encarregava (em teoria, eles tinham que protegê-los, evangelizá-los, vesti-los e dar-lhes comida).

A acusação foi concedida por duas vidas (para o proprietário e seu herdeiro) concedida pelo rei aos espanhóis, que os acusaram em seu nome. As parcelas e concessões de terras (título de propriedade da terra) foram entregues a fim de estimular a colonização e assentamento de territórios.

Posteriormente, ao descobrir os ricos depósitos de prata em Potosí (Peru), o Chile se beneficiou a jusante do transporte e exportação do minério.

Agricultura e Pecuária

As práticas agrícolas já haviam sido estabelecidas pelos incas no território chileno antes da chegada dos espanhóis. Os índios plantaram batatas, milho e quinoa, também pimenta e outros produtos. Os espanhóis introduziram árvores frutíferas e trigo, que seria um dos principais itens agrícolas durante a Colônia.

Da mesma forma, foram introduzidos gado, cavalos, porcos, cabras, ovelhas e galinhas, que se adaptaram rapidamente. Ao longo do século XVI e séculos posteriores, a mineração, a agricultura e a pecuária cresceram e se tornaram a base econômica da Capitania Geral do Chile.

A atividade pecuária no primeiro século sob o regime colonial era preponderante. Os principais produtos de exportação foram sebo para fazer velas e couro, que foram tratados e processados ​​no Peru.

Comércio

O comércio colonial do Chile com as outras colônias espanholas na América e a metrópole européia prosperou durante esse período. Os portos chilenos se tornaram pontos de abastecimento muito importantes para os galeões espanhóis que iam e vinham da Europa.

O Chile recebeu a produção de prata de Potosí e, por sua vez, forneceu ao Peru cereais, frutas secas, vinho e conhaque, carne, couro, sebo e outros produtos. O comércio desses produtos de origem agrícola e pecuária foi a base das primeiras fortunas durante a colônia no Chile.

Político

A autoridade máxima da colônia era o governador e capitão-geral, que por sua vez era supervisionado pelo vice-rei do Peru. No entanto, tinha os mesmos poderes e poderes.

Durante a validade da Audiência Real do Chile, cujos períodos variam de 1565 a 1817, o governador também detinha o título de presidente desta mais alta corte.

O governador era, por um lado, chefe político e administrativo, e em seu papel de capitão geral era um comandante militar. Esse duplo papel deveu-se principalmente ao prolongamento da Guerra de Arauco.

Quanto à divisão política administrativa, na última etapa da colônia no Chile, o território foi dividido em corregimientos. Eram territórios administrativos menores que as províncias, governados pelos corregidores por delegação do governador.

Personagens em destaque

A maioria dos governadores do Chile foram vice-reis do Peru em troca de seus méritos e serviço à Coroa Espanhola. Os governadores e personagens mais importantes do Chile durante a Colônia foram:

García Hurtado de Mendoza e Manrique (1556-1561)

Colonia no Chile: características, sociedade, economia 2

Ele era um soldado espanhol que possuía o título de marquês de Cañete. Nasceu em Cuenca em 21 de julho de 1535 e morreu em Madri em 4 de fevereiro de 1609. Depois de servir como governador do Chile, foi nomeado vice-rei do Peru (1589 e 1596).

José Antonio Manso de Velasco (1737 e 1744)

Colonia no Chile: características, sociedade, economia 3

Ele possuía o título de conde de Superunda. Manso de Velasco e Sánchez de Samaniego nasceu em 1688 em Torrecilla em Cameros e morreu em Priego de Córdoba em 1767. Era um político e militar espanhol que se tornou o trigésimo vice-rei do Peru. Foi governador do Chile e vice-rei do Peru, entre 1745 e 1761.

Manuel de Amat e Junieta (1755-1761)

Colonia no Chile: características, sociedade, economia 4

Nasceu em Barcelona em 1704 e morreu na mesma cidade em 14 de fevereiro de 1782. Era um administrador militar e vice-jurídico que possuía o título de Marquês de Castellbell. Entre 1755 e 1761, ele foi governador do Chile e, mais tarde, entre 1761 e 1776, vice-rei do Peru.

Agustín de Jáuregui e Aldecoa (1780-1784)

Colonia no Chile: características, sociedade, economia 5

Militar e político nascido em Lecároz, Navarra, em 7 de maio de 1711, que morreu em Lima em 29 de abril de 1784. Depois de governador do Chile, foi nomeado vice-rei do Peru em 1780.

Durante seu governo, a Capitania Geral do Chile foi dividida e a província de Cuyo passou a fazer parte do Vice-reinado do Rio da Prata (1776).

Ambrose O’Higgins (1788-1796)

Colonia no Chile: características, sociedade, economia 6

Militar e político de origem irlandesa que, depois de ocupar o governo do Chile, foi nomeado vice-rei do Peru entre 1796 e 1801. Ele possuía os títulos de Marquês de Osorno, Marquês de Vallenar e Barão de Ballenary. Ele foi o pai do herói da Independência do Chile, Bernardo O’Higgins.

Gabriel de Aviles e del Fierro (1796-1799)

Colonia no Chile: características, sociedade, economia 7

Ele nasceu em Barcelona, ​​Espanha, em 1735 e morreu em Valparaíso, em 1810. Este militar e político espanhol foi o IV Marquês de Aviles. Serviu como governador do Chile entre 1796 e 1799 e, em seguida, como vice-rei do Rio da Prata entre 1799 e 1801. Depois, entre 1801 e 1806, exerceu a vice-reitoria do Peru.

Joaquín del Pino Sánchez de Rozas (1801-1804)

Colonia no Chile: características, sociedade, economia 8

Nasceu em Baena de Córdoba, Espanha, em 20 de janeiro de 1729, e morreu em Buenos Aires em 11 de abril de 1804. Era militar, engenheiro e político espanhol, que depois de governador do Chile foi nomeado vice-rei do Rio de la Prata, entre 1801 e 1804.

Referências

  1. História do Chile: Primeiro período: construção de uma identidade mestiça. O sistema econômico colonial. Consultado em biografiadechile.cl.
  2. A colônia no Chile. Consultado em portaleducativo.net
  3. Economia colonial Consultado de icarito.cl
  4. Chile colonial Consultado em es.wikipedia.org
  5. Capitania Geral do Chile. Consultado em lhistoria.com
  6. Governadores do Chile (1540-1810). Consultado de memoriachilena.cl

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies