Complexo Electra (psicologia): história e características

O Complexo de Electra é um conceito psicológico proposto por Carl Gustav Jung que se refere à relação entre a filha e a mãe durante o desenvolvimento psicossexual feminino. Este complexo é a contraparte feminina do Complexo de Édipo, que se refere à relação entre o filho e a mãe. A teoria foi proposta por Jung como uma forma de explicar a formação da identidade e da personalidade feminina, bem como os conflitos e desejos inconscientes que podem surgir nesse processo. Neste contexto, o Complexo de Electra envolve sentimentos de inveja e rivalidade em relação à mãe, bem como a busca por identidade e autonomia. Ao explorar a história e características do Complexo de Electra, podemos compreender melhor os processos psicológicos envolvidos no desenvolvimento das mulheres e como essas dinâmicas podem influenciar seu comportamento e relacionamentos ao longo da vida.

Conheça a trajetória de Electra, personagem da mitologia grega que busca vingança pelo pai.

Electra é uma personagem da mitologia grega conhecida por sua busca por vingança pelo pai, Agamenon. Após o assassinato de seu pai por sua mãe, Clitemnestra, e seu amante, Egisto, Electra jurou vingar a morte de Agamenon. Ela se uniu a seu irmão, Orestes, para planejar e executar o assassinato de Clitemnestra e Egisto, cumprindo assim sua missão de vingança.

O mito de Electra foi amplamente explorado na psicologia, dando origem ao termo “Complexo de Electra”. Este complexo, assim como o Complexo de Édipo, refere-se a sentimentos de amor e ódio em relação aos pais, principalmente em relação ao pai. O Complexo de Electra geralmente envolve uma ligação emocional intensa com o pai e rivalidade com a mãe, resultando em conflitos internos e sentimentos de culpa.

As características principais do Complexo de Electra incluem a busca por aprovação e atenção do pai, o desejo de substituir a mãe no papel de esposa do pai, e a rivalidade com a mãe pelo afeto do pai. Esses sentimentos podem levar a comportamentos complexos e conflituosos, afetando o relacionamento da pessoa com seus pais e sua própria identidade.

A história de Electra serve como um exemplo poderoso das consequências do amor e ódio em relação aos pais, e como esses sentimentos podem moldar a psique de um indivíduo.

Significado do Complexo de Electra: compreendendo a relação mãe-filha na psicanálise de Freud.

O Complexo de Electra é um conceito da psicanálise desenvolvido por Sigmund Freud que descreve a relação entre uma filha e sua mãe. Este termo é derivado da mitologia grega, onde Electra era a filha de Agamemnon e Clitemnestra, e que desejava vingar a morte de seu pai. Na psicanálise, o Complexo de Electra refere-se ao desejo inconsciente da filha de se identificar e competir com a mãe pelo amor e atenção do pai.

Freud acreditava que as meninas experimentam uma fase de desejo pelo pai e rivalidade com a mãe durante o período conhecido como a fase fálica do desenvolvimento psicossexual. Neste estágio, a menina percebe que não possui um pênis e desenvolve sentimentos de inveja em relação aos meninos, direcionando seu desejo para o pai como forma de compensação. A mãe, por sua vez, é vista como uma rival a ser superada para conquistar o amor paterno.

À medida que a menina supera o Complexo de Electra, ela desenvolve uma identidade própria e uma relação saudável com seus pais. Caso esse processo não seja resolvido adequadamente, podem surgir problemas psicológicos e emocionais na vida adulta, como dificuldades nos relacionamentos e na construção da própria identidade.

Compreender e trabalhar esses sentimentos de rivalidade e desejo é essencial para o crescimento saudável e equilibrado da criança.

Origem do Complexo de Electra: descubra quem é a mente por trás dessa teoria psicanalítica.

O Complexo de Electra é uma teoria psicanalítica que se originou a partir dos estudos de Sigmund Freud, um renomado psicanalista do século XIX. Freud é considerado o mentor por trás dessa teoria, que se baseia na ideia de que meninas passam por uma fase de desejo sexual pela figura paterna e rivalidade com a mãe, conhecida como Complexo de Electra.

Relacionado:  Bibliofilia: sintomas, causas, consequências, tratamento

Freud desenvolveu essa teoria após observar o comportamento de suas pacientes mulheres, percebendo padrões de conflitos emocionais e desejos inconscientes. Ele acreditava que o Complexo de Electra era o equivalente feminino ao Complexo de Édipo, que descreve o desejo sexual dos meninos pela mãe e rivalidade com o pai.

O nome “Electra” foi inspirado na personagem da mitologia grega, Electra, que tinha uma relação conturbada com sua mãe, Clitemnestra, e seu padrasto, Egisto. Freud utilizou essa história para ilustrar os conflitos psicológicos enfrentados pelas meninas durante seu desenvolvimento emocional.

Freud foi o pioneiro na elaboração dessa teoria, que continua sendo estudada e discutida na psicologia até os dias atuais.

Identificação do Complexo de Electra na prática clínica: estratégias e abordagens eficazes.

O Complexo de Electra é um conceito desenvolvido por Sigmund Freud que descreve a fase do desenvolvimento psicossexual em que as meninas se apaixonam pelo pai e desejam eliminar a mãe como rival. Este fenômeno pode ter um impacto significativo na vida adulta da pessoa e é importante identificá-lo na prática clínica para oferecer tratamento adequado.

Para identificar o Complexo de Electra, os profissionais de saúde mental precisam estar atentos a certos sinais e sintomas. É importante observar padrões de comportamento como ciúme intenso em relações amorosas, dificuldade em estabelecer vínculos saudáveis com pessoas do mesmo sexo e idealização do pai. Além disso, a análise do histórico familiar e da infância da pessoa pode fornecer pistas importantes sobre a presença do complexo.

Uma abordagem eficaz para lidar com o Complexo de Electra na prática clínica envolve a psicoterapia, especificamente a psicanálise. Através do processo terapêutico, a pessoa pode explorar suas emoções e pensamentos inconscientes relacionados ao complexo, compreender suas origens e trabalhar para superá-lo. O terapeuta deve fornecer um ambiente seguro e acolhedor para que a pessoa possa se expressar livremente e enfrentar seus conflitos internos.

Além da psicoterapia, outras estratégias úteis incluem o trabalho com a transferência e a contratransferência, a exploração de padrões de relacionamento disfuncionais e o desenvolvimento de habilidades de comunicação e assertividade. É essencial que o terapeuta esteja bem treinado e familiarizado com as teorias psicanalíticas para oferecer um tratamento eficaz e compassivo.

Ao adotar uma abordagem terapêutica adequada e empática, é possível ajudar a pessoa a superar os conflitos e dilemas emocionais associados ao complexo, promovendo assim o seu bem-estar psicológico e emocional.

Complexo Electra (psicologia): história e características

O complexo Electra é a obsessão amorosa da filha pelo pai, entre 4 e 6 anos de idade. Essa paixão a leva a competir com sua mãe, considerando-a uma rival.Esse fenômeno é resolvido quando a menina começa a ter medo de perder o amor de sua mãe e começa a se identificar com ela.

O complexo Electra geralmente surge entre 3 e 6 anos de idade, durante o estágio fálico definido por Sigmund Freud . É comparável ao complexo de Édipo , então Freud chamou de “Édipo feminino”.

Complexo Electra (psicologia): história e características 1

O conceito de “complexo Electra” foi estabelecido por Carl Jung , psiquiatra e psicólogo suíço, em 1913. Ele está enquadrado na teoria psicanalítica e tem sido usado para tratar de questões do desenvolvimento feminino.

Jung definiu o complexo Electra como o desejo sexual inconsciente que a garota sente em relação ao pai. Apesar de parecer a mesma teoria, Freud e Jung destacaram aspectos diferentes desse fenômeno.

Por exemplo, Freud destacou a importância da inclinação de uma garota em relação à mãe no início do desenvolvimento. Além disso, coloca o falo no desenvolvimento do menino e da menina em um papel central. Jung, por outro lado, não concordou com essas idéias.

Em geral, o complexo Electra não foi amplamente aceito pelos psicanalistas.

História: mitologia grega

O termo complexo Electra vem de um mito grego do século 5. AC. Nesta história, Electra e seu irmão Orestes unem forças para se vingar de sua mãe, Cythenestra, e de seu padrasto por terem matado Agamenon (seu pai).

Relacionado:  Sociodrama: para que serve, estrutura e como é feito

Electra aparece como o personagem principal em diferentes clássicos: “La Trilogía de Orestes”, de Esquilo, “Electra”, de Sófocles, e “Electra”, de Esquilo. Jung nunca mencionou qual desses trabalhos ele usou para descrever o complexo.

Características do complexo Electra

Para Freud, a anatomia dos órgãos genitais é decisiva para o desenvolvimento psicossexual.Ele indica que na mente dos pequenos existe apenas um genital completo, o “falo”. Eles acham que todo mundo tem um falo. É necessário enfatizar que, durante o estágio fálico, o falo adquire um significado. Ou seja, simboliza lei e poder.

Outro aspecto que deve ser levado em consideração é que Freud considerava os sexos masculino e feminino independentes dos órgãos genitais. Ele falou deles mais como uma classificação subjetiva com base em como cada pessoa se comporta e como ele se relaciona com os outros.

Desejo libidinal

Uma vez que isso seja entendido, podemos entrar no complexo Electra. A princípio, a menina é muito próxima da mãe, assim como as crianças. Essa união é concebida como um apego sexual, conhecido como “desejo libidinal”.

Quando a menina encontra a oportunidade de comparar seus genitais com os de um menino, ela observa que eles são pequenos em relação aos do menino e iguais aos da mãe. Isso a faz sentir-se inferior e em desvantagem, pois, sem o falo, a menina não pode possuir sexualmente sua mãe.

Por um tempo, ele espera que seus órgãos genitais se assemelhem a um falo. Então, a menina começa a pensar que, a princípio, possuía um pênis igual ao de um garoto, mas era “castrada”, perdendo o órgão do corpo.

Inveja do pênis

A diferença entre o menino e a menina nessas etapas é que o menino teme a castração, enquanto a menina pensa que ela foi castrada. Isso causa a chamada “inveja do pênis”.

Ideia da criança

Para compensar a falta de pênis, a menina passa da “inveja do pênis” para a “ideia do menino”. Essa ideia é que seu pai “dê” um filho. Para atingir esse objetivo, a garota recorre à sedução. Ele começa a flertar com o pai, tentando fasciná-lo com ofertas e presentes, e constantemente exigindo sua atenção.

No entanto, a menina percebe que seu pai não pode se entregar completamente a ela porque existe outra pessoa: sua mãe. Assim, ela vê a figura da mãe como um impedimento para acessar o amor de seu pai, tentando substituí-la.

Por esse motivo, a menina começa a se comportar de maneira cada vez mais hostil com a mãe, sentindo ciúmes e rejeição. Esse ódio é também porque ele acredita que foi a mãe que a castrou e que, por causa dela, ela não possui o falo.

Resolução complexa Electra

Existem dois mecanismos de defesa que participarão para resolver o complexo Electra:

– Repressão: trata-se de bloquear desejos, memórias, emoções, impulsos e idéias de consciência.

– Identificação: a menina está incorporando as características de personalidade de sua mãe em seu ego.

Com o passar do tempo, o desejo de ter um pênis e ter um filho de seu pai está sendo abandonado, uma vez que a menina assume que eles não serão cumpridos.Além disso, ele começa a ter medo de perder o amor de sua mãe (segundo Freud, o amor dos pais pelos filhos é fundamental para eles).

Por outro lado, para resolver o conflito, a menina deve se identificar gradualmente com a figura materna. Essa é possivelmente uma maneira inconsciente de “conquistar” o amor do pai, pois se ele conseguir se parecer com sua mãe, será mais fácil conquistá-lo. Dessa maneira, ele incorpora características da personalidade da mãe ao seu próprio ego.

Se mais de 8 anos a menina começa a imitar sua mãe, tentando fazer as mesmas tarefas que ela, falando como ela e usando suas coisas, pode-se dizer que o complexo Electra foi superado.

Relacionado:  Os 9 principais mitos sobre a psicologia popular (ciência)

Assim, esses desejos são internalizados e trancados em alguma parte do inconsciente. Segundo a teoria, eles preparam as mulheres para o seu papel sexual no futuro.

Complexo Electra não resolvido

Por outro lado, se o complexo Electra não for resolvido, a fixação poderá ocorrer no estágio fálico. A garota, portanto, continuaria experimentando “inveja do pênis”.Ele tentava continuamente dominar os homens por meio da sedução (se ele tem alta auto-estima) ou por extrema submissão (se a sua auto-estima é baixa).

Outra indicação da falta de resolução do complexo Electra é a escolha de casais semelhantes à figura paterna e com idade muito mais avançada. Além disso, pode haver dificuldades em interagir adequadamente com outras mulheres.

Mesmo se elas se tornarem mães antes que esse complexo seja resolvido, elas poderão ver suas filhas como rivais que “roubam” o amor do parceiro.

Sintomas do complexo Electra não resolvido

É possível que, apesar de serem mulheres adultas, algumas ainda sejam “garotas do papai”. Ou seja, eles apresentam uma união excessiva com o pai, mantendo a rivalidade com a mãe.

Ele pode ir ao extremo de que eles nem consigam ter um relacionamento amoroso estável com outros homens, já que não encontram ninguém como o pai. Alguns dos sintomas são:

– sentimentos inexplicáveis ​​de hostilidade em relação à mãe, vendo-a culpada de seus fracassos e problemas.

– Fantasias sobre o desaparecimento da mãe ou como seria sua vida se ela não existisse. Muitas vezes, esses pensamentos causam desconforto ao paciente, fazendo com que ele evite pensar neles.

– Quando seus pais brigam, aconteça o que acontecer, sempre fique do lado do pai.

– Sempre pense em seu pai quando ele estiver triste ou feliz.

– Ao tomar uma decisão importante, sempre pense primeiro no que seu pai diria e no que ele preferiria.

– Insatisfação ou demanda excessiva com seus relacionamentos. É possível que seus parceiros tenham conflitos com ela quando ela descobrir que ela dedica muita atenção ao pai.

– Seus parceiros geralmente têm características físicas ou um modo de serem muito parecidos com o pai e tendem a ser muito mais velhos.

Nesses casos, a terapia psicológica pode ser muito útil, pois em muitos casos esse problema afeta a vida do paciente. Sendo habitual que ele sofra problemas em suas relações sociais ou estagnação em sua carreira profissional ou trabalhista.

Complexo de Édipo Feminino

Note-se que Freud nunca concordou em igualar o complexo de Édipo e o complexo de Electra. Freud sempre apontou que esses processos eram diferentes em homens e mulheres e que apresentá-los como paralelos era uma simplificação do problema.

Para ele, o aspecto principal tinha a ver com castração. Enquanto o complexo de Édipo aparece primeiro nos homens e depois no medo da castração, nas mulheres o processo é revertido.

Deve-se notar também que a pesquisa de Freud sobre sexualidade feminina foi condicionada por convenções sociais de gênero e de classe. As mulheres foram consideradas o “segundo sexo”, mesmo alguns pacientes foram considerados “degenerados”.

Referências

  1. Cherry, K. (29 de junho de 2016). O que é o complexo Electra? Obtido em Verywell.com.
  2. Complexo Electra. (sf). Recuperado em 29 de dezembro de 2016, da Wikipedia.org.
  3. Electra Complex (sf). Retirado em 29 de dezembro de 2016, do King’s College.
  4. Freud, S. (1924). A dissolução do complexo de Édipo. Trabalhos completos, 3.
  5. Rosillo (sf). Electra complexo e a incapacidade de amar. Retirado em 29 de dezembro de 2016, do jornal Zócalo.com.mx.
  6. Scott, J. (2005). Electra Depois de Freud: Mito e Cultura. Imprensa da Universidade de Cornell.
  7. O Complexo Electra: Sintomas e Tratamento. (sf). Recuperado em 29 de dezembro de 2016, em Dicas de motivação: motivational-tips.com.

Deixe um comentário