Conheça o “alfabeto emocional” que deve ser memorizado

Conheça o "alfabeto emocional" que deve ser memorizado 1

“Não há dúvida de que o ser humano vive cada vez mais. Como essa longevidade pode não ser um acúmulo de doenças e doenças, mas um estágio vital cheio de experiências e desenvolvimento pessoal?”

Para o Dr. Juan Hitzig, o gerenciamento emocional é fundamental.Por isso, ele desenvolveu o “alfabeto emocional” que nos ajuda a ter consciência de nossas próprias emoções e a entender o que acontece em nosso cérebro quando fazemos “sangue ruim”. Por exemplo, algumas emoções começam com “s”, como a serenidade, que nos ajuda a liberar serotonina, um neurotransmissor que promove a tranquilidade, melhora o humor, melhora a qualidade de vida, afasta as doenças e retarda o envelhecimento celular. .

Para entender as idéias do Dr. Hitzig, você pode assistir ao vídeo mostrado abaixo.

Compreendendo o alfabeto emocional

Nesta semana, a equipe do Instituto de Assistência Psicológica e Psiquiátrica Mensalus nos ajuda a entender a importância do gerenciamento de emoções e o significado do alfabeto emocional.

Como o “alfabeto emocional” pode nos ajudar?

O trabalho do Dr. Hitzig é uma maneira inteligente de resumir informações benéficas ao equilíbrio físico e emocional do indivíduo. A velocidade e a clareza oferecidas pela explicação ajudam o espectador a se lembrar do valor / custo do gerenciamento de pensamentos e emoções.

Na verdade, todos conhecemos os comportamentos e atitudes descritos no vídeo, sabemos quais são adequados para nós e quais não. Mesmo assim, nem sempre é fácil se afastar do “R” para absorver o “S”. Para aumentar a conscientização sobre nosso modo de encarar a vida, podemos nos perguntar questões que funcionam como um “medidor”. Vamos ver alguns exemplos:

  • Hoje, quanto tempo investi no “S”?
  • E, no “R”?
  • Há algum “S” ou derivado que eu sinto falta? Desde quando?
  • Que pensamentos são aqueles que me pegam no “R”? Eu o associo a situações específicas?
  • Quando isso acontece, como me sinto?

O vídeo destaca uma frase do poeta hindu Rabindranath Tagore: “Se você não tem escolha, do que está reclamando? … E se você não tem escolha, do que está reclamando?” Como podemos aplicá-lo?

Desde o início, a reflexão nos lembra que, se deixarmos de lado as queixas e pensamentos negativos, será mais fácil direcionar a atenção para os aspectos positivos que não estamos considerando; Em qualquer situação, sempre podemos tirar proveito.

A denúncia tem uma função finita: expressar desconforto. Uma vez expressa, sobre o que é a reclamação? O problema aparece quando o alimentamos e nos afastamos de seu primeiro objetivo. Ser pego na queixa se traduz, como vimos, em um poço de estresse. Isso leva a um aumento nos níveis de cortisol e a uma diminuição nos níveis de serotonina (paramos de investir energia vital no que produz bem-estar). É isso que o vídeo apresenta como a “receita” de se tornar “sangue ruim”.

Assim, o “S” são aqueles que aumentam a serotonina através de atitudes que promovem o pensamento positivo. Como podemos fortalecer a conexão com esses comportamentos?

Exatamente O vídeo apresenta os comportamentos “S” (serenidade, silêncio, sabedoria, gosto, sexo, sono, sorriso, sociabilidade e sedução) como o mecanismo do amor, incentivo e aproximação entre outros. Se revisarmos nosso próprio “alfabeto emocional”, certamente encontraremos muitos comportamentos que associamos ao tipo “S”, comportamentos que geram pensamentos positivos.

Mesmo assim, muitas vezes tendemos a pensar “o que deu errado”, já que “o que deu certo” é um dado adquirido. Bem, o famoso “é dado como certo” é aquele que priva o auto-reconhecimento e outros. Sem reconhecimento, é difícil gerar pensamentos relacionados ao que funciona, ao que fazemos diariamente e aos outros que fazem bem. Em resumo, é complicado aumentar os níveis desse neurotransmissor que, para muitos cientistas, é um dos hormônios básicos do bem-estar.

Especificamente, a serotonina como neurotransmissor no sistema nervoso central representa um papel importante na inibição de diferentes estados relacionados à depressão. Precisamente, os antidepressivos são responsáveis ​​pela modificação dos níveis de serotonina no indivíduo.

Quais são os outros “hormônios do bem-estar”?

A dopamina e as endorfinas desempenham um papel fundamental. A dopamina é o hormônio do prazer. O papel da dopamina na experiência do prazer tem sido associado ao desejo e à motivação antecipados (o que é comumente chamado de “querer”). Endorfinas são hormônios que promovem a calma, reduzem a dor e melhoram o humor, entre outros. Eles também neutralizam os altos níveis de adrenalina associados à ansiedade e atrasam o envelhecimento.

Hoje abrimos este artigo com uma frase do Dr. Hitzig associada ao envelhecimento …

Sim. O médico faz uma grande pergunta:

“Não há dúvida de que os seres humanos vivem cada vez mais. Como essa longevidade pode não ser um acúmulo de doenças e doenças, mas um estágio vital, cheio de experiências e desenvolvimento pessoal? “

A reflexão nos encoraja a rever nossos níveis de hormônios ou “desconforto” (como é o exemplo do cortisol) por meio do aumento da autoconsciência sobre nosso comportamento e atitude. Nós somos o que pensamos. Portanto, quanto mais flexível nosso pensamento, mais caros e modos de agir, refletiremos, e mais oportunidades teremos de nos conectar com o pensamento positivo.

A flexibilidade de pensar é o que nos torna pessoas decisivas. Isso abre as portas para o mundo de maneira segura; Quanto mais decisivos formos, menos alerta e estresse geraremos.

Dito isto, finalizamos o artigo com a questão do princípio: “R” ou “S” … E você, de quem é você?

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies