Coprolalia: características, causas e tratamentos

A coprolalia é uma desordem neurológica caracterizada pela tendência para expressar obscenidades verbais. As pessoas que sofrem desse distúrbio têm impulsos de fala que os levam a fazer um uso incontrolável e involuntário de palavras depreciativas. É frequentemente associada à síndrome de Tourette, embora não seja a única doença que pode apresentá-la.

A coprolalia afeta qualquer tipo de palavra que seja ofensiva ou considerada socialmente inaceitável. Dessa forma, essa alteração não se limita à verbalização de certas palavras ou insultos.

Coprolalia: características, causas e tratamentos 1

O termo coprolalia vem da união de duas palavras gregas que significam “fezes” e “balbuciar”. A etimologia da própria palavra nos permite fazer uma interpretação aproximada das características da alteração.

A coprolalia, também conhecida como cacolalia, é a tendência a dizer palavras e frases obscenas que são expressas de maneira impulsiva e automática.Esse fato mostra que os efeitos diretos da alteração (dizer palavrões) não são realizados voluntariamente.

A pessoa que sofre dessa alteração pode emitir termos muito sérios e depreciativos de maneira totalmente involuntária e sem nenhuma intenção.Normalmente, as palavras emitidas são expressas em um tom de voz alto e intenso, diferindo da fala normal que a pessoa pode desenvolver.

Para fins práticos, é como se a pessoa experimentasse rajadas repentinas de raiva que se traduzem automaticamente em palavras obscenas.

Sintomas

Os principais sintomas da coprolalia são baseados na emissão de palavras que soam mal. Essa alteração não implica mais manifestações do que as verbalizações que a pessoa faz.

Aparência repentina

As típicas palavrões da coprolalia geralmente aparecem de repente. O indivíduo com esse distúrbio pode estar fazendo um discurso “normal” e de repente experimentar uma explosão de palavras obscenas e ofensivas.

Os mais proeminentes estão geralmente relacionados a componentes sexuais. No entanto, na coprolalia pode ser emitido qualquer tipo de palavrões e frases ruins.

Uma vez que a palavra é emitida, o tom do discurso geralmente muda significativamente. Isso tende a aumentar e a pessoa pode expressar uma emocionalidade generalizada de hostilidade ou raiva.

Repetição mental

Da mesma forma, além das verbalizações diretas, também é comum que a pessoa com esse distúrbio repita mentalmente palavras inapropriadas.

Essa segunda manifestação é menos plausível aos olhos dos outros, mas aparece com frequência na coprolalia. Além disso, o fato de repetir mentalmente palavras obscenas geralmente afeta diretamente a capacidade de concentração da pessoa.

Quando indivíduos com coprolalia experimentam a repentina explosão de palavrões (verbalizados ou repetidos mentalmente), a atenção do sujeito fica totalmente focada nas palavras, para que sua concentração seja nula.

Causas

Os fatores que originam a coprolalia são atualmente desconhecidos. De fato, não se sabe quais são as anormalidades físicas e químicas que ocorrem na estrutura cerebral para dar origem a essa alteração.

A posição mais aceita cientificamente é que ela envolve uma “afeição múltipla” da função cerebral. Ou seja, a hipótese de que o mau funcionamento de vários neurotransmissores no cérebro levaria à coprolalia.

Parece que a alteração pode se originar nas camadas mais profundas e primárias do cérebro. Ou seja, as estruturas responsáveis ​​pelo controle de impulsos e movimentos e reflexos involuntários.

Da mesma forma, a pesquisa atual se concentra no estudo de anormalidades no funcionamento dos mecanismos inibitórios que causam os tiques típicos da síndrome de Tourette.

Alguns estudos sugerem que alterações nas substâncias químicas responsáveis ​​pela inibição de impulsos causariam a incapacidade de suprimir pensamentos relacionados às obscenidades típicas da coprolalia.

Por outro lado, alguns pesquisadores se concentram em examinar os fatores genéticos do distúrbio. É hipotetizado que estes possam ser relevantes no desenvolvimento da coprolalia, mas, como no restante dos elementos, dados conclusivos não estão disponíveis.

Consequências

A coprolalia constitui uma alteração importante na pessoa. De fato, essa condição geralmente afeta os indivíduos que sofrem com ela, psicológica e, acima de tudo, socialmente.

Expressar palavras abusivas repentina e agressivamente tem um impacto significativo na vida social da pessoa. É comum que indivíduos com essa condição tenham um círculo social reduzido e gradualmente percam amizades.

Da mesma forma, a coprolalia geralmente tem um efeito devastador no ambiente de trabalho das pessoas afetadas. Manter um emprego e estilo de vida estáveis ​​com essa alteração geralmente é bastante complicado.

Por fim, devemos ter em mente que a alteração psicológica que pode causar coprolalia tende a ser grave.

Pessoas com esse distúrbio não querem expressar palavras maliciosas voluntariamente, muito menos em contextos sociais e relacionais em que essa expressão pode prejudicar ou prejudicar outras pessoas.

Por esse motivo, é comum as pessoas com coprolalia sentirem vergonha e autocensura após emitirem palavras obscenas.

Nesse sentido, a coprolalia geralmente gera transtornos de ansiedade e / ou fobia social. A pessoa tem consciência de que age mal constantemente em situações sociais, fato que afeta sua autoconfiança para interagir com os outros.

Curso

A coprolalia é considerada um distúrbio crônico. Ou seja, a pessoa que apresenta essa condição sempre a manifestará. Esse fato é explicado pelos déficits inibitórios de impulso apresentados por indivíduos com coprolalia.

Todas as pessoas podem ter maior ou menor capacidade de inibir seus impulsos. No entanto, indivíduos com coprolalia são totalmente incapazes de inibir a aparência de palavrões.

Indivíduos com coprolalia devem negociar esse impulso para expressar palavras e frases obscenas de maneira inegociável. Da mesma forma, os impulsos podem se acumular e intensificar até que o aparecimento de palavrões seja inevitável.

Assim, o impulso de dizer palavras desrespeitosas e obscenas sempre reaparece em uma pessoa com coprolalia.No entanto, a escolha específica do idioma expresso pode ter algo a ver com o conteúdo emocional da pessoa. Dessa forma, há uma associação notável entre coprolalia e estresse.

As pessoas com esse distúrbio que estão sujeitas a altos níveis de estresse ou têm um estado emocional negativo são mais propensas a expressar palavras obscenas.

Por esse motivo, é relevante intervir nas esferas emocional e emocional da pessoa com coprolalia. Ao estabilizar essas áreas do indivíduo, o aparecimento de impulsos e a expressão de palavrões podem ser menos proeminentes.

Doenças relacionadas

A coprolalia é um dos distúrbios mais típicos da síndrome de Tourette. De fato, a maioria dos casos dessa condição ocorre em pacientes afetados por esta doença.

No entanto, a coprolalia não é o principal sintoma da síndrome de Tourette. Da mesma forma, essa patologia não é a única que pode causar a verbalização de palavrões.

Outra doença que pode apresentar essa alteração (embora com menos frequência) é a esquizofrenia. As pessoas afetadas por essa patologia do neurodesenvolvimento podem apresentar múltiplas alterações comportamentais, incluindo a coprolalia.

Coprolalia na síndrome de Tourette

A síndrome de Tourette é um distúrbio genético neuropsiquiátrico. Começa na infância e é caracterizada pela apresentação de vários tiques físicos e vocais.Esses tiques flutuam com o tempo. Ou seja, eles aumentam e diminuem durante o curso da doença. Da mesma forma, eles são precedidos por um impulso premonitório incontrolável.

Um dos tiques mais conhecidos da doença são os de expressar palavras obscenas, isto é, coprolalia. No entanto, apenas 10% dos indivíduos que sofrem da síndrome de Tourette têm esse distúrbio.

A coprolalia e o restante dos tiques característicos dessa doença geralmente aparecem antes dos 18 anos. Pode afetar pessoas de qualquer grupo étnico e sexo, embora os homens tenham uma prevalência de patologia entre 3 e quatro vezes maior que as mulheres.

Coprolalia na esquizofrenia

A esquizofrenia é uma doença do neurodesenvolvimento que afeta aproximadamente 1% da população em geral. É uma doença crônica e grave, afetando várias áreas da pessoa.

As manifestações mais típicas da doença são os sintomas positivos conhecidos; isto é, ilusões e alucinações.No entanto, a esquizofrenia não apresenta apenas manifestações psicóticas. A sintomatologia desta doença abrange muito mais alterações.

Entre as demais manifestações, destacam-se sintomas negativos, como achatamento afetivo, apatia ou elogio, sintomas desorganizados, comprometimento cognitivo e alterações afetivas.

Assim, entre o grande grupo sintomático da doença, a esquizofrenia pode causar coprolalia, bem como distúrbios semelhantes, como ecolalia ou ecopraxia.No entanto, a coprolalia não é um dos sintomas mais importantes da esquizofrenia, e sua prevalência nessa população é relativamente baixa.

Tratamento

Não conhecendo os fatores que causam o aparecimento de coprolalia ou os mecanismos cerebrais envolvidos nesse distúrbio, não há tratamento para curá-lo.

No entanto, atualmente existem intervenções que permitem reduzir a prevalência e principalmente a gravidade dos sintomas.

Toxina botulínica

Um dos tratamentos mais utilizados atualmente é a aplicação de toxina botulínica. Esta substância, comumente conhecida como “botox”, é um tipo de bactéria tóxica que pode ser injetada em diferentes regiões do corpo.

Na intervenção da coprolalia, é utilizada a administração dessa toxina nas cordas vocais do sujeito. Ao aplicar o “botox” nessas regiões, os músculos da área ficam temporariamente paralisados, o que torna possível acalmar as explosões verbais.

No entanto, o uso dessa intervenção é moderadamente eficaz, motivo pelo qual não é utilizado em todos os sujeitos. A aplicação de “botox” apenas diminui levemente os impulsos verbais, mas geralmente não reduz sua prevalência.

Terapia psicológica e relaxamento

Por outro lado, indivíduos com coprolalia podem ter uma alteração maior nos momentos de estresse e instabilidade emocional. Nesses indivíduos, a condição geralmente é tratada através de terapias psicológicas que reduzem a ansiedade da pessoa.

Técnicas de relaxamento, exercícios de redução do estresse ou reestruturação cognitiva para melhorar a adaptação à coprolalia são geralmente as intervenções mais utilizadas.

Outras intervenções

Estudos recentes mostraram que algumas pessoas com síndrome de Tourette e coprolalia encontram estratégias e mecanismos para ocultar suas verbalizações inapropriadas.

Esses mecanismos são aplicados principalmente em situações públicas, sociais ou trabalhistas, com o objetivo principal de reduzir o efeito e as consequências negativas no nível social.

Uma das principais estratégias é arrastar as primeiras letras da palavra ou frase para não pronunciar a palavra inteira e seu significado. Verbalizar “Ccccooo” toda vez que houver um impulso para expressar uma maldição iniciada por “co” seria um exemplo.

Por outro lado, outras estratégias usadas para evitar expressar o significado de palavrões consistem em expressar as palavras entre os dentes ou cobrir a boca para amortecer sua perceptibilidade.

O emprego dessas técnicas cumpre uma dupla função na pessoa com coprolalia. Por um lado, permite que isso expresse a palavra dirigida pelo seu cérebro. Por outro lado, permite que outros não percebam e interpretem o significado verbalizado.

Referências

  1. Djebra MB, Worbe Y, Schupbach M, et al. Aripiprazol: um tratamento para a coprolalia grave na síndrome de Gilles de la Tourette ‘refratária’. Mov Disord 2008; 23: 438-440.
  2. Freeman RD, Zinner SH, Muller-Vahl KR, et al. Coprofenômenos na síndrome de Tourette. Dev Med Child Neurol 2009; 51: 218-227.
  3. Goldenberg, J., Brown, B. & Weiner, W. (1994). Coprolalia em pacientes mais jovens com Síndrome de Gilles de la Tourette. Distúrbios do Movimento, 9, 622-625.
  4. Leckman JF, Riddle MA, Hardin M, et al. A escala global de gravidade de tiques de Yale: teste inicial de uma escala de gravidade de tiques com classificação clínica. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry 1989; 28: 566-573.
  5. Singer, H. (1997b). Síndrome de Tourette. Coprolalia e outros coprofenômenos. Neurologic Clinics, 15, 299-308.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies