Crise de mísseis cubanos: causas, desenvolvimento, consequências

A crise dos mísseis cubanos foi uma escalada da tensão pré-guerra entre os Estados Unidos e a União Soviética no contexto da Guerra Fria. Ocorreu em outubro de 1962, quando os americanos descobriram os preparativos para instalar mísseis nucleares soviéticos em Cuba.

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos e a União Soviética se tornaram as duas superpotências globais. Os dois começaram um confronto que afetou todo o planeta. Embora nunca tenham entrado em guerra aberta, eles participaram indiretamente de inúmeros conflitos.

Crise de mísseis cubanos: causas, desenvolvimento, consequências 1

Escopo dos mísseis soviéticos que deveriam ser instalados em Cuba – Fonte: James H. Hansen [Domínio público]

Cuba, por outro lado, entrou na órbita soviética após a revolução de 1959. As tentativas dos EUA de acabar com o governo de Fidel Castro o levaram a pedir ajuda à União Soviética, que se ofereceu para instalar mísseis nucleares na ilha.

A reação dos Estados Unidos foi estabelecer um bloqueio em torno de Cuba para impedir a passagem de navios soviéticos. Após onze dias de tensão, nos quais o mundo temia o início de uma guerra nuclear, os líderes dos EUA e da URSS chegaram a um acordo, com concessões de ambos os lados.

Antecedentes históricos

A Crise dos Mísseis, que envolveu os Estados Unidos, a União Soviética e Cuba, não foi um incidente isolado na época. O que aconteceu em outubro de 1962 foi mais um, embora mais grave, dos confrontos entre as duas grandes potências desde o final da Segunda Guerra Mundial.

A Guerra Fria

Embora tivessem lutado juntos para derrotar a Alemanha nazista, quando a Segunda Guerra Mundial terminou, os soviéticos e os americanos, com seus respectivos aliados, começaram a competir pela hegemonia mundial.

Esse confronto foi chamado Guerra Fria e dividiu o mundo em dois blocos. Por um lado, os EUA e a maior parte do Ocidente, com uma economia capitalista e democracias representativas. Por outro, a URSS e o bloco oriental, da ideologia comunista e dos regimes não democráticos.

A Guerra Fria durou cerca de quatro décadas. Durante esse período, os dois blocos realizaram uma corrida armamentista, com o desenvolvimento de poderosos arsenais nucleares como o maior expoente.

As duas superpotências, sabendo que uma guerra nuclear representava destruição mútua, nunca se confrontaram abertamente. Em vez disso, eles instigaram ou participaram da maioria dos conflitos que eclodiram no mundo, apoiando o lado ideologicamente mais próximo deles.

A crise dos mísseis cubanos foi um dos momentos em que a possibilidade de uma guerra total se aproximava.

A Revolução Cubana

Desde sua independência, obtida em 1898, Cuba viu como os americanos tinham uma grande influência em seus governos e em sua economia.

A revolução de 1959 mudou totalmente essa situação. A princípio, os revolucionários, começando com seu líder, Fidel Castro, não procuraram estabelecer um regime comunista, mas os eventos após seu triunfo acabaram por aproximar Cuba da esfera de influência soviética.

O novo governo que emergiu da revolução começou a realizar uma série de reformas que os americanos não gostavam. Medidas como a nacionalização de terras ou indústrias (nas mãos de quase todos os empresários dos EUA) causaram a ruptura de relações e a imposição de um bloqueio na ilha.

Além disso, os EUA começaram a financiar ações que buscavam acabar com o governo de Fidel Castro. Uma das mais conhecidas foi a tentativa de invasão por exilados cubanos em abril de 1961, que terminou em fracasso.

Todas essas circunstâncias fizeram com que Cuba se aproximasse da União Soviética, com a qual assinou acordos comerciais e militares.

Causas

Desde que Castro optou por se aproximar da União Soviética, o governo dos EUA, com o presidente Eisenhower na liderança, começou a apoiar oponentes que tentavam acabar com o regime.

Baía dos Porcos

Embora tenha havido uma tentativa anterior de invasão da República Dominicana, a primeira tentativa séria de acabar com o governo de Castro foi em abril de 1961.

Um grupo de anti-castristas, financiado pelos Estados Unidos, tentou entrar na ilha através da Baía dos Porcos (praia de Girón). O resultado foi um grande fracasso, mas Castro, temendo que a tentativa fosse repetida, pediu à União Soviética que ajudasse a defender a ilha.

Operação de mangusto

Os Estados Unidos, após o sucesso nulo da invasão da Baía dos Porcos, começaram a preparar um novo plano para tomar a ilha: Operação Mongoose. Ao contrário do tempo anterior, o plano planejado era que os militares dos EUA participassem diretamente.

A operação Mongoose nunca foi realizada. A KGB, uma agência de inteligência soviética, descobriu o plano e passou a informação aos cubanos. Castro, novamente, reiterou seu pedido de ajuda militar à União Soviética.

Mísseis dos EUA na Turquia

Outra causa da crise se desenvolveu muito longe de Cuba, na Turquia. Este país, na fronteira com a URSS, era um aliado próximo dos Estados Unidos e foi o local escolhido pelos americanos para instalar mísseis que poderiam atingir o solo soviético.

A ameaça que isso representava levou os soviéticos a procurar uma resposta no mesmo nível. Cuba, a poucos quilômetros da costa dos EUA, era a melhor opção para equilibrar o equilíbrio militar.

Desenvolvimento

O envio da União Soviética a Cuba de vários conselheiros militares não passou despercebido nos Estados Unidos. Além disso, alguns meios de comunicação alegaram que os soviéticos começaram a instalar mísseis de médio alcance na ilha do Caribe.

John F. Kennedy, presidente dos Estados Unidos na época, ordenou que investigasse essas acusações.

Operação Adicionar

A operação Anadir, codinome dado pelos soviéticos para o envio de material de guerra a Cuba, começou meses antes do início da crise. Assim, em junho de 1962, eles entregaram duas dúzias de plataformas de lançamento, mais de quarenta foguetes R-12 e 45 ogivas nucleares.

Eles também trouxeram equipamentos de defesa antiaérea, aviões de combate e vários destacamentos de infantaria para Cuba. No total, em outubro daquele ano, havia cerca de 47.000 soldados soviéticos na ilha.

Todas essas entregas foram feitas em segredo, a pedido expresso do líder soviético, Nikita Kruschev. Castro, por sua vez, teria preferido divulgar o assunto, mas seu pedido não foi aceito.

Além do Anadir, a União Soviética também começou a desenvolver a Operação Kama. Consistiu no envio de submarinos com armas nucleares para Cuba, com a missão de estabelecer uma base na ilha. No entanto, os americanos descobriram os navios e a tentativa foi paralisada.

Descoberta de Instalações

A crise dos mísseis teve seu primeiro ato em 14 de outubro de 1962. Naquele dia, um dos aviões que os Estados Unidos usavam para espionar atividades militares em Cuba, tirou algumas fotos que confirmavam as suspeitas dos EUA sobre a instalação de armas nucleares soviéticas. em Cuba

As imagens, tiradas em Pinar del Río, foram cuidadosamente analisadas no dia seguinte. A conclusão foi que eles mostraram rampas de lançamento de foguetes balísticos que poderiam facilmente chegar ao território dos EUA.

A primeira reação de Kennedy foi dar ordem para aumentar as operações secretas contra o governo cubano.

Reunião do Conselho de Segurança Nacional

Kennedy se reuniu no dia 16 com o Comitê Executivo do Conselho de Segurança Nacional para discutir que resposta dar aos soviéticos. Segundo especialistas, as posições dentro deste órgão eram díspares. Alguns eram a favor de dar uma resposta dura, enquanto outros preferiam usar a diplomacia para resolver a crise.

Entre as propostas estudadas estavam desde a imposição de um bloqueio naval à ilha até um ataque aéreo às instalações que estavam sendo construídas. A opção de invadir Cuba foi considerada.

Por sua parte, os soviéticos alegaram que as armas que estavam sendo instaladas tinham um propósito puramente defensivo. Além disso, Khrushchev aproveitou a oportunidade para lembrar aos Estados Unidos que eles haviam estabelecido seus próprios mísseis na Turquia.

Diplomacia

Naquele tempo, Kennedy decidiu não tornar pública a tentativa de instalar mísseis nucleares em Cuba.

A atividade diplomática começou a acelerar. Em 17 de outubro, Adlai Stevenson, representante dos EUA na ONU, propôs a criação de um canal de comunicação direta com Castro e Kruschev.

Por outro lado, Robert McNamara, Secretário de Defesa, era a favor de estabelecer um bloqueio naval na ilha o mais rápido possível. Diante dessa posição, outros membros do Conselho de Segurança Nacional alertaram que os soviéticos poderiam responder bloqueando Berlim.

Aproveitando o fato de que uma sessão plenária da ONU estava sendo realizada; Kennedy marcou uma reunião com o ministro das Relações Exteriores da União Soviética, Andrei Gromyko. Enquanto isso, a inteligência dos EUA confirmou que os foguetes em Cuba logo estariam operacionais.

Proposta de Adlai Stevenson

Finalmente, os defensores do estabelecimento de um bloqueio na ilha saíram vitoriosos. McNamara até começou a planejar um possível ataque à ilha, embora Kennedy pensasse que não era necessário.

Stevenson, por outro lado, fez a primeira oferta aos soviéticos: retirar mísseis americanos da Turquia em troca da URSS não instalar os foguetes em Cuba.

O discurso de Kennedy à nação

O presidente Kennedy tornou pública a crise em 22 de outubro por meio de uma aparição na televisão. Nele, ele comunicou aos americanos a decisão de impor um bloqueio naval na ilha a partir do dia 24, às duas da tarde.

Suas palavras foram as seguintes: “Todos os navios de qualquer nação ou porto serão forçados a retornar se for descoberto que eles carregam armamentos ofensivos”.

Além disso, os bombardeiros americanos começaram a sobrevoar Cuba ininterruptamente. Todas as aeronaves participantes da operação foram equipadas com armas nucleares.

Resposta da União Soviética e Cuba

Nikita Kruschev esperou até o mesmo dia 24 para responder a Kennedy. O líder soviético enviou a ele uma mensagem na qual afirmou o seguinte: “A URSS vê o bloqueio como uma agressão e não instruirá os navios a se desviarem”. Apesar dessas palavras, os navios soviéticos que seguiam para Cuba começaram a desacelerar.

Os dois líderes sabiam que qualquer incidente poderia desencadear um conflito aberto, e tentaram minimizar os riscos. Além disso, discretamente, eles começaram a manter conversas.

Enquanto isso, em Cuba, Fidel Castro afirmou o seguinte: “Adquirimos as armas que queremos para nossa defesa e tomamos as medidas que consideramos necessárias”.

Início do bloqueio

Os historiadores concordam que o dia de maior tensão durante a crise foi 24 de outubro. Às duas da tarde, o bloqueio teve que começar, com alguns navios soviéticos se aproximando da área.

Khrushchev, da União Soviética, disse que estava disposto a atacar navios americanos tentando parar sua frota. Além disso, na área também havia um submarino que escoltava navios em direção a Cuba.

No entanto, quando o confronto parecia inevitável, os navios soviéticos começaram a retroceder. Como Robert, irmão do presidente Kennedy, disse mais tarde, os líderes dos dois países estavam negociando incansavelmente para encontrar uma solução.

Embora Khrushchev continuasse afirmando que o bloqueio era equivalente a agressão, ele enviou uma mensagem a Kennedy para realizar uma reunião a fim de evitar um confronto aberto entre seus países.

Resolução

Durante os dias seguintes, a União Soviética e os Estados Unidos continuaram a negociar para encontrar uma solução aceitável para os dois países. Essas conversas não incluíram Cuba, que se sentiu menosprezada por seu próprio aliado.

Demolição de um avião americano

Embora a tensão tenha diminuído um pouco, um incidente sério estava prestes a aumentar os riscos de uma guerra nuclear irromper novamente. Assim, em 27 de outubro, um dos postos de defesa antiaérea instalados pelos soviéticos em Cuba disparou e abateu um avião espião americano.

A reação dos dois líderes foi definitiva para evitar uma nova escalada de tensão. Kruschev disse a Kennedy que a URSS concordou em remover todo o material nuclear de Cuba em troca de os Estados Unidos não invadirem a ilha. Por sua parte, o presidente dos EUA ordenou que não respondesse à demolição de seu avião espião.

Negociações

A oferta de Kruschev tinha um segundo ponto: a retirada de foguetes nucleares dos EUA instalados na Turquia, embora isso não tenha sido divulgado na época.

As negociações aceleraram durante as horas seguintes do mesmo dia 27. Castro, ignorado pelos dois lados, pediu a Kruschev que não cedesse aos americanos, pois temia uma invasão da ilha.

Enquanto as negociações continuavam, todo o arsenal nuclear que já havia sido enviado a Cuba permaneceu nas mãos dos militares russos, sem que os cubanos tivessem acesso a ele.

Fim da crise

O acordo chegou em 28 de outubro, ao amanhecer. Basicamente, os Estados Unidos aceitaram o tratamento proposto pelos soviéticos para acabar com a crise.

Assim, os soviéticos concordaram em retirar instalações de mísseis nucleares em troca dos Estados Unidos prometendo não invadir ou apoiar uma invasão de Cuba. Além disso, Kennedy também concordou em desmontar seus mísseis da Turquia, embora esse último ponto não tenha sido divulgado até seis meses depois.

Nesse mesmo dia, Khrushchev tornou público que seu país iria remover os mísseis de Cuba. Os americanos, durante os primeiros dias de novembro, continuaram a enviar aviões espiões para confirmar que a retirada estava ocorrendo, com um resultado positivo.

. Consequências

A solução acordada para parar a crise não permitiu que nenhuma das duas superpotências desse uma imagem de fraqueza. Além disso, eles conseguiram evitar o conflito aberto entre eles.

Criação de telefone vermelho

O risco de uma nova crise poder colocar o mundo, novamente, à beira da guerra nuclear, convenceu ambas as superpotências de que era essencial estabelecer linhas diretas de comunicação.

Isso resultou no surgimento do que é conhecido popularmente como telefone vermelho, um canal de comunicação direta entre os presidentes dos dois países para evitar atrasos em possíveis negociações e que mal-entendidos poderiam ocorrer.

Conferência de Helsinque

Esse novo clima de coexistência pacífica permitiu a realização de uma conferência para discutir a redução de armas nucleares.

A Conferência de Helsinque, que ocorreu entre 1973 e 1975, abriu as portas para os dois países eliminarem parte de seu arsenal nuclear. Além disso, tanto a União Soviética quanto os Estados Unidos prometeram não ser os primeiros a usar bombas nucleares em caso de conflito.

Relações com Cuba

Embora Castro tenha demonstrado sua insatisfação com a forma como a crise terminou, suas relações com a União Soviética continuaram boas. Cuba permaneceu na área de influência soviética e eles continuaram a fornecer ajuda militar à ilha, apesar de não incluir armas nucleares.

Por seu lado, os Estados Unidos cumpriram seu compromisso de não tentar invadir a ilha. No entanto, continuou com seu bloqueio econômico e com o financiamento de opositores ao regime.

Referências

  1. Arrogante, Victor. A crise dos mísseis que chocou o mundo. Obtido em nuevatribuna.es
  2. Faculdade Nacional de Ciências e Humanidades. Crise de mísseis em Cuba. Obtido em portalacademico.cch.unam.mx
  3. Vicent, Mauricio. Quando o mundo parou de girar. Obtido em elpais.com
  4. Editores da History.com. Crise de mísseis cubanos. Obtido em history.com
  5. Os edi
    ores da Encyclopaedia Britannica. Crise de mísseis cubanos. Obtido em britannica.com
  6. Escadas, Denis. Crise de mísseis cubanos. Obtido em thecanadianencyclopedia.ca
  7. Rápido, John. A crise dos mísseis cubanos. Obtido em historytoday.com
  8. Chomsky, Noam. Crise de mísseis cubanos: como os EUA jogaram roleta russa com guerra nuclear. Obtido em theguardian.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies