Cuco: incubação, características e alimentação

O Cuco é uma ave conhecida por sua estratégia reprodutiva peculiar, que consiste em depositar seus ovos em ninhos de outras espécies de pássaros, deixando a responsabilidade da incubação e cuidados com os filhotes para os pais adotivos. Neste artigo, iremos explorar mais sobre a incubação, características e alimentação do Cuco, uma ave fascinante que desperta curiosidade e admiração em estudiosos e observadores da natureza.

Qual a alimentação do cuco?

O cuco é um pássaro conhecido por sua estratégia de reprodução parasitária, colocando seus ovos em ninhos de outras espécies. Mas, além disso, você sabe o que o cuco come?

O cuco é um pássaro insetívoro, ou seja, sua alimentação é baseada principalmente em insetos. Eles se alimentam de uma variedade de insetos, como besouros, gafanhotos, larvas e até mesmo lagartas. Além disso, também podem consumir uma pequena quantidade de frutas e sementes.

Com um bico fino e curvo, o cuco é especializado em capturar insetos, tornando-se um predador eficaz. Eles caçam suas presas voando de uma árvore para outra, observando atentamente o solo em busca de alimento.

Portanto, a alimentação do cuco é essencialmente composta por insetos, o que o torna um importante regulador da população de insetos em seu ambiente. Sua dieta variada e sua habilidade de capturar presas em pleno voo fazem do cuco um pássaro fascinante e essencial para o equilíbrio do ecossistema.

O processo de reprodução dos cucos e seu ciclo de vida explicados detalhadamente.

Os cucos são conhecidos por seu comportamento parasitário de reprodução, onde as fêmeas depositam seus ovos em ninhos de outras espécies de aves. O processo de incubação dos ovos dos cucos é bastante peculiar, pois as fêmeas não constroem ninhos e não cuidam dos filhotes. Em vez disso, elas procuram ninhos de outras aves, como o pintarroxo, e colocam um ovo lá, muitas vezes empurrando um ovo do hospedeiro para fora do ninho.

Uma vez que o ovo de cuco é colocado no ninho do hospedeiro, a fêmea cuco não precisa mais se preocupar com ele. O ovo do cuco tem uma casca mais grossa do que os ovos do hospedeiro, o que facilita a identificação e eliminação do ovo estranho. Além disso, o ovo do cuco tem um tempo de incubação mais curto do que o do hospedeiro, o que faz com que o filhote de cuco nasça antes e consiga eliminar os outros filhotes do ninho.

Após nascer, o filhote de cuco é alimentado pelos pais adotivos, que o alimentam como se fosse um de seus próprios filhotes. Os cucos jovens são conhecidos por empurrar os outros ovos ou filhotes do ninho, garantindo assim toda a atenção e alimento para si mesmos.

O ciclo de vida dos cucos é bastante interessante, com a fêmea colocando seus ovos em ninhos de outras aves e os filhotes sendo criados por pais adotivos. Os cucos são aves migratórias, que passam o inverno em regiões mais quentes e retornam à Europa para se reproduzir na primavera.

Descubra a curiosidade peculiar do cuco em seu comportamento único de reprodução.

O cuco é uma ave conhecida por seu comportamento peculiar de reprodução. Uma característica única dessa espécie é a sua estratégia de colocar seus ovos nos ninhos de outras aves, como o pardal. Essa técnica é conhecida como parasitismo de ninhada.

Relacionado:  Glicosídeos: formação, função e tipos / grupos

Quando a fêmea de cuco encontra um ninho adequado, ela espera o momento certo para colocar seu ovo. O ovo do cuco muitas vezes se parece com os ovos da espécie hospedeira, para evitar que a ave dona do ninho perceba a diferença.

Uma vez que o ovo do cuco é colocado no ninho, a fêmea abandona o ninho e deixa a responsabilidade de incubação e alimentação para os pais adotivos. Os filhotes de cuco, ao nascer, muitas vezes empurram os ovos ou filhotes da espécie hospedeira para fora do ninho, garantindo assim mais recursos para si mesmos.

Essa estratégia de reprodução do cuco é única no reino animal e tem fascinado biólogos e observadores de aves por gerações. A capacidade do cuco de enganar outras aves e garantir a sobrevivência de sua prole de forma tão eficaz é verdadeiramente impressionante.

Além desse comportamento peculiar, o cuco também possui outras características interessantes. Sua plumagem é geralmente cinza com listras brancas e pretas, tornando-o facilmente reconhecível. Em relação à alimentação, o cuco é conhecido por se alimentar de insetos, principalmente lagartas e besouros.

Seu parasitismo de ninhada é um exemplo notável de adaptação evolutiva e estratégia de sobrevivência.

Localização do habitat natural do cuco, conhecido pássaro migratório de canto peculiar.

O cuco, conhecido por seu canto peculiar e por sua natureza migratória, é encontrado em uma variedade de habitats ao redor do mundo. Este pássaro é comumente encontrado em áreas de florestas, matas ciliares, savanas e até mesmo em jardins e parques urbanos.

O cuco é conhecido por sua habilidade de se camuflar em seu ambiente, graças à sua plumagem colorida e padrões únicos. Sua capacidade de imitar o canto de outras aves também o ajuda a passar despercebido, tornando-o um predador eficaz.

Durante o período de incubação, o cuco é conhecido por sua estratégia de parasitismo, colocando seus ovos nos ninhos de outras aves. Essa tática permite que o cuco poupe energia e recursos, deixando a responsabilidade da incubação e alimentação para os pais adotivos.

Quanto à alimentação, o cuco é um pássaro insetívoro, se alimentando principalmente de insetos e suas larvas. Sua dieta é complementada com frutas, bagas e ocasionalmente pequenos répteis.

Sua capacidade de se adaptar a diferentes ambientes e sua habilidade de imitar outros cantos o tornam uma espécie verdadeiramente especial no reino das aves migratórias.

Cuco: incubação, características e alimentação

O pássaro agachado é um pássaro que tem um zumbido de sua própria espécie, pelo qual seu nome é atribuído; Ele é reconhecido por seu canto musical de cu-cú. O cuco comum localizado no continente europeu, o asiático e o africano é um pássaro com características marcantes de imigração. Por seu lado, o cuco-de-bico-amarelo americano tem tipologias de nidificação, por isso é menos emigrante que o resto.

No processo de namoro, o homem traz presentes comestíveis para a fêmea com a ilusão de que ela os aceita. São animais ovovíparos especiais; as fêmeas desta espécie são consideradas lucrativas, porque têm a raridade de não fazer ninhos, mas usam os ninhos de outras aves menores para pôr seus ovos.

Cuco: incubação, características e alimentação 1

Por esse motivo, as fêmeas do cuco são comparadas aos capitães de guerra que usavam as trincheiras de seus oponentes para fortalecer suas tropas.

Depois que o ovo é inserido e o pombo choca, ele se livra de seus irmãos ninhos, então eles são os únicos no local que são alimentados por seus pais adotivos. Depois de um tempo, você pode ver um pequeno pássaro alimentando um pássaro muito maior.

Caracteristicas

O tamanho deste pássaro é de aproximadamente 27 cm. A plumagem do macho é cinza na parte superior, enquanto na parte inferior mostra cores cinza claro com listras escuras. Por seu lado, a plumagem da fêmea tem uma cor mais avermelhada.

Devido ao seu gosto por lagartas, é muito útil para aniquilar quantidades consideráveis ​​desses insetos. Os agricultores gostam de estar presentes porque são um exterminador natural de muitas das pragas que danificam as plantações.

Quanto às suas características migratórias, sabe-se que eleva sua fuga da Europa para a África entre os meses de agosto ou setembro, quando, devido a seus reconhecidos costumes parasitários, já deve ter distribuído seus filhotes em vários ninhos de outras aves que contam com ovos semelhantes aos seus.

Incubação do pássaro cuco

O sistema reprodutivo dessas aves é muito curioso. Geralmente, a fêmea não choca os ovos que ela põe. A maneira pela qual as fêmeas atarracadas depositam seus ovos é observar os ninhos de outras aves até que tenham dois ou mais ovos.

Depois, esperam que os donos do ninho estejam ausentes para extrair um daqueles encontrados lá e colocar um deles.Mesmo que os agachamentos sejam maiores que os acentos, por exemplo, seus ovos são de tamanhos semelhantes.

O tempo necessário para a incubação de um agachamento ser concluído é menor que o da maioria das pequenas aves escolhidas como família substituta. Portanto, o filhote agachado quebra sua casca muito mais rapidamente.

Ao sair da concha, mesmo com ausência de visão e penas, empurra os ovos restantes para fora do ninho, obtendo assim o privilégio total da comida, que de outro modo seria destinada aos filhotes reais do pássaro, contribuindo para o agachamento crescer rapidamente.

Uma das causas pelas quais os invasores não incubam seus ovos, indicados pelos naturalistas, é o tempo de postura que varia entre dois ou três dias.

Além disso, leva cerca de 5 dias para formar no ovário, motivo pelo qual se o pássaro incubasse seus ovos, o primeiro seria lapsos sem incubar ou ovos ou filhotes seriam obtidos com tempos desiguais no mesmo ninho.

Portanto, o processo de postura e incubação dos ovos ocorreria por períodos prolongados. Levando em conta que a fêmea do agachamento migra rapidamente, os filhotes recém nascidos eminentemente devem ser alimentados apenas pelo macho.

A partir dessa atividade, os agachamentos adultos obtiveram vantagens como poder emigrar mais rapidamente, enquanto os jovens puderam se desenvolver com maior energia. As aves criadas dessa maneira tendem a continuar com o costume herdado de sua mãe, botar ovos em ninhos externos para que a criação de pintinhos seja bem-sucedida.

Relacionado:  Homopolissacarídeos: características, estrutura, funções, exemplos

O instinto de ninho, perdido no passado pelo cuco europeu, foi encontrado em discussão pela presença de evidências suficientes da ação do cuco botando ovos no chão nu e meditando sobre eles.

Depois disso, ele também os alimenta, então existe a possibilidade de que esse instinto esteja em processo de restauração.

O tamanho pequeno dos ovos é conhecido como “imitação de ovo” e é um caso óbvio de adaptação natural.

O cuco não parasitário americano, por exemplo, tem ovos de tamanhos normais. Isso ajuda o pássaro hospedeiro a não se livrar do ovo estrangeiro e, produzindo apenas um ovo por ninho, leva apenas 10 segundos para colocá-lo.

Uma característica notável do filhote de agachamento é dada pelo instinto natural e pela força necessária para expulsar, após três dias do nascimento, seus companheiros de ninho que morrem de frio e fome.

Tudo isso é naturalmente acomodado para fornecer comida suficiente para o filhote recém-nascido grande e faminto. Na sexta semana, o pássaro sai do ninho. É quando a cena peculiar de ver dois pequenos pássaros alimentando um grande pássaro, seu filho adotivo, é apresentada.

Alimento

O comportamento natural da maioria das aves é levantar a cabeça e abrir completamente o bico para serem alimentados pelos pais. Essa ação é respondida pelos pais regurgitando a comida dentro do bico aberto dos jovens.

O cuco se alimenta basicamente de insetos, lagartas, libélulas e borboletas, embora às vezes eles possam se alimentar de lagartos ou ovos de outros pássaros, os sapos também estão presentes em sua dieta, assim como os gafanhotos.

De acordo com as informações coletadas por Anderson (cp em Suban, K. 2014.) ao alimentar 30 jovens agachamentos perto do rio Kern de South Fork, ele relatou um consumo de 44,9% das lagartas, 21,8% dos gafanhotos, 23,8% dos sapos e 1,3% de uma variedade de borboletas, aranhas e libélulas.

Com base nisso, é possível afirmar que o alimento preferido dessas aves é inquestionavelmente as lagartas.

Referências

  1. Anônimo O cuco com muitos apelidos. Extraído em 30 de março de 2017 de: mrjonathan.com.
  2. Anônimo Cuco Recuperado em 30 de março de 2017. De: ecured.cu.
  3. Curtis, H.; Barnes, N.; Schnek, A. e Flores, G. (2006) Convite para biologia. Editorial médico pan-americano. Recuperado em 30 de março de 2017 de: books.google.co.ve.
  4. Darwin, C. (2010). A origem das espécies. Obtido em 30 de março de 2017 em: books.google.co.ve.
  5. Garrido, M. (2017). Dicionário de palavras de caminhar em casa (Huelva e província). Universidade de Huelva, Publicações. Recuperado em 30 de março de 2017 de: books.google.co.ve.
  6. Suban, K. (2014). Coccyzus americanu. O Guia Online para os Animais de Trinidad e Tobago. Extraído em 30 de março de 2017 de: sta.uwi.edu.
  7. Valero, L. e De Eugenio, M. (2003). Simbologia e design da heráldica galáctica dos gentios. Instituto Luis de Salazar e Castro. Editorial Hidalguía Extraído em 30 de março de 2017 de: books.google.co.ve.

Deixe um comentário